marcaminas

 

Noticias

Notícias

A Fundação Clóvis Salgado, por meio do Cine Humberto Mauro, apresenta a mostra inédita Do Cinema Tudo se Leva: Capra e McCarey, que exibe, entre os dias 27 de maio e 23 de junho, 21 filmes dirigidos por Frank Capra e Leo McCarey, expressivos diretores da história do cinema com grande atuação e influência durante a Era de Ouro de Hollywood.

A entrada é gratuita e os ingressos serão distribuídos durante o horário de funcionamento da bilheteria, no dia de cada sessão, com lotação máxima do cinema de 133 lugares, além de quatro espaços reservados para cadeirantes. O público também terá a oportunidade de conferir as tradicionais sessões Cinema e Psicanálise e História Permanente do Cinema, seguidas de debates presenciais e on-line no canal do Youtube da Fundação Clóvis Salgado.

Crise do sonho americano e cinema como forma de esperança - Após a crise financeira instaurada nos Estados Unidos em razão da Grande Depressão de 1929, o cinema, assim como diversas manifestações artísticas e culturais ao longo da história, tornou-se uma grande válvula de escape e de esperança para a sociedade norte-americana. Frank Capra e Leo McCarey foram diretores precursores e extremamente relevantes para a mudança de paradigmas da sétima arte nesse período, que é considerada a Era de Ouro de Hollywood. Os autores abordavam em suas produções longas histórias de sujeitos comuns em busca de redenção pessoal e espiritual, além de narrativas esperançosas de buscas por um sonho. Uma grande metáfora do que o país vivia durante aqueles anos. “Esse cinema possui uma grande influência do momento político no qual os Estados Unidos estavam vivendo, onde abalou-se a ideia do sonho americano e de todo o progresso que estava ocorrendo. Os filmes de Capra e McCarey tem uma aura de conto de fadas e de personagens que se encontram e tem uma redenção pessoal. São diretores de filmes com mensagens morais e de esperança, que entendiam o país que filmavam. Acredito que seja um momento importantíssimo de realizar essa mostra, principalmente após uma pandemia que vitimizou milhares de pessoas. São filmes que estabelecem uma fé no ser humano e na sociedade, assim como foi o papel do cinema naquela época”, explica Vítor Miranda, da Gerência do Cine Humberto Mauro.

Frank Capra
Vencedor de três Oscars da Academia de Melhor Diretor durante a década de 1930, o nome de Frank Capra está marcado na história do cinema como um dos maiores realizadores da arte. Conhecido como “o diretor do sonho americano”, o italiano, naturalizado cidadão dos Estados Unidos, teve o auge de sua carreira ao longo dos anos 1930 e 1940 e é apontado como o realizador mais popular daquele período. Capra abordava em seus filmes a história do homem comum que enfrenta um sistema burocrático e que através do trabalho honesto e singelo, chega a um patamar de conforto e êxito.

Segundo Vítor Miranda, o autor trazia em seus roteiros a desigualdade social escancarada dos Estados Unidos da época, porém, simultaneamente, oferecia ao espectador esperança e entusiasmo. “Frank Capra trazia em seus filmes esse aspecto social dos Estados Unidos, construindo a ideia do sonho americano através da abordagem do homem comum que age conforme o que é o correto, mas, ao mesmo tempo que exaltava esse país, criticava de forma sutil a forma na qual a sociedade se encontrava naquela época, com muitas injustiças sociais e um governo distante das pessoas. Tanto Capra quanto McCarey possuem a característica de trazer filmes extremamente humanistas”, explica.

Leo McCarey
“Adoro quando as pessoas riem. Adoro quando choram. Eu gosto que uma história diga algo e eu espero que o público se sinta mais feliz saindo do cinema do que quando entrou”, são palavras de Leo McCarey. O norte-americano, também vencedor três vezes do Oscar da Academia de Melhor Diretor, é considerado um dos grandes nomes da história cinematográfica, porém é um cineasta pouco lembrado e discutido atualmente. McCarey abandonou a profissão de advogado para viver de cinema em uma época na qual tal medida era vista como arriscada e despretensiosa. Em seus longas, o realizador abordava personagens que buscavam a redenção e o encontro pessoal, assim como viveu o próprio diretor. “McCarey tentou várias profissões antes de ser cineasta e traz isso em seus filmes. Muitos personagens vão se encontrar tanto espiritualmente, quanto nos aspectos individuais, o que traz uma extrema identificação do público aos seus filmes”, cita Vítor Miranda.

Programação e sessões comentadas
Serão exibidos 13 longas de Frank Capra e 8 de Leo McCarey. Para Vítor Miranda, um dos grandes destaques da programação é a exibição do filme Aconteceu Naquela Noite (1934), longa que revolucionou a linguagem dos gêneros cinematográficos. “Temos filmes extremamente importantes do cinema nessa mostra. Nos anos 1930, tivemos uma grande definição dos gêneros cinematográficos. O longa que vamos exibir, Aconteceu Naquela Noite, é frequentemente citado como o filme que mudou o rumo da comédia romântica. Tudo o que aconteceu depois em filmes deste gênero, possui um pouco deste filme. É um longa que fez muito sucesso, vencendo a categoria de Melhor Filme no Oscar, além de Capra ter vencido como Melhor Diretor”, relata.

Confira a programação completa da mostra Do Cinema Tudo se Leva: Capra e McCarey AQUI.

Percorrendo a Era de Ouro de Hollywood, além de abordar os mais variados temas e pautas sociais, a mostra transita por diversos longas significativos. “Outros filmes extremamente relevantes que vamos exibir são O Adorável Vagabundo e A Felicidade Não Se Compra, ambos de Frank Capra. São grandes clássicos do cinema, que vão tratar sobre o sujeito comum, que está passando por dificuldades financeiras e que perdeu a fé na vida. Mas, através de uma segunda chance, consegue se valorizar e entender porque vale a pena estabelecer uma esperança. Temos também o longa A Cruz dos Anos, de Leo McCarey, que trata sobre a velhice e a previdência social, uma das grandes conquistas sociais nos Estados Unidos daquela época. Esse filme vai abordar um casal de idosos que está num desastre financeiro muito grande, perdem a casa e vão viver com filhos que os tratam mal. Porém, aos poucos, vão reconquistando a dignidade que foi perdida. É uma mostra com o sentimentalismo muito grande e que até hoje vai tocar as pessoas”, finaliza Vítor.

As sessões comentadas presenciais da História Permanente do Cinema contam com os filmes Umberto D (1952), no dia 02/06 (quinta-feira), às 17h; Viver (1952), no dia 09/06 (quinta-feira), às 17h, além da sessão comentada on-line de Adorável Vagabundo (1941), através do canal do YouTube da FCS, no dia 13/06 (segunda-feira), às 19h. A sessão comentada presencial do Cinema e Psicanálise conta com o longa Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (1977), no dia 03/06 (sexta-feira), às 19:30h.

Ministério do Turismo, Governo de Minas Gerais e Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, por meio da Fundação Clóvis Salgado, apresentam a mostra Do Cinema Tudo se Leva: Capra e McCarey, que tem correalização da APPA – Arte e Cultura, patrocínio master da Cemig, ArcellorMittal, Instituto Unimed-BH, AngloGold Ashanti e Usiminas, por meio das Leis Estadual e Federal de Incentivo à Cultura, além do apoio cultural do Instituto Hermes Pardini.

A Fundação Clóvis Salgado é integrante do Circuito Liberdade, complexo cultural sob gestão da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) que reúne diversos espaços com as mais variadas formas de manifestação de arte e de cultura em transversalidade com o turismo.

 

 

26 5 2022 minichm

 

Roadshow maio22

Secult MG apresenta os diferenciais do estado, programas e projetos para fomentar a Cultura e o Turismo em Minas, na abertura do evento.

 

O Ano da Mineiridade foi o destaque apresentado pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) durante o Roadshow M&E Nacional 2022, na etapa realizada em Ribeirão Preto (SP). Na noite de terça-feira (24/5), o analista do Núcleo de Inteligência de Mercado, Jean Rodrigues, apresentou os principais atributos e diferenciais que o estado tem para oferecer aos visitantes.

Além do Ano da Mineiridade, que tem como pilares a cozinha mineira, a hospitalidade, as tradições e os costumes que tornam Minas um estado singular, a Secult vem desenvolvendo vários outros projetos e programas para fomentar o turismo e a cultura no estado.

Quem passou pelo evento teve a oportunidade de conhecer a Rota Via Liberdade, recentemente criada em comemoração ao bicentenário da Independência do Brasil e aos 100 anos da Semana de Arte Moderna pela Secult, em parceria com os estados do Rio de Janeiro, Goiás e o Distrito Federal.

A maior rota turística e cultural do País, que segue a BR-040 em seu trajeto do Rio de Janeiro até Brasília, passando por mais de 189 cidades mineiras. São mais de 300 cidades nesse percurso, que apresentam sete patrimônios da humanidade, 24 parques, com paisagens entre montanhas e mar, cidades imperiais, natureza exuberante, comidas típicas, tradições, arte e contemporaneidade.

Para o analista do Núcleo de Inteligência de Mercado da Secult, Jean Rodrigues, a participação neste tipo de evento é de fundamental importância para promover os destinos, atrativos e produtos turísticos do estado, oferecendo possibilidades e facilidades de acesso a fornecedores e parceiros. “Este é um dos maiores eventos do setor turístico. É possível trabalhar os destinos mineiros diretamente com os agentes de viagem que fazem parte deste mercado de turismo emissivo e potencializar a marca Minas para mais de 400 mil leitores/mês”, destacou Jean.

O Roadshow M&E Nacional 2022 passará ainda por mais sete cidades entre os meses de maio e junho. A próxima edição acontece em São Paulo (SP), na próxima quarta-feira (31/5). Belo Horizonte receberá o evento em 14 de junho, no Ouro Minas Palace Hotel.

 

 

Na semana em que se comemora os 125 anos de Humberto Mauro, um dos pioneiros do cinema brasileiro,  que nasceu em 30 de abril de 1897, numa fazenda de Volta Grande, perto de Cataguases, na Zona da Mata, o audiovisual mineiro celebra um acordo que vai contribuir estrategicamente para efetividade de políticas públicas relevantes para a sociedade,  por meio do apoio mútuo no desenvolvimento de atividades de cultura, comunicação, educação, cidadania e demais serviços públicos.

Em evento realizado nesta quarta-feira (27), o Governo de Minas Gerais e a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult), por meio da Empresa Mineira de Comunicação, formalizaram a parceria com a Agência de Desenvolvimento do Polo Audiovisual da Zona da Mata. A reunião aconteceu na sede da instituição, que fica na cidade de Cataguases, e contou com a participação do presidente da EMC, Sérgio Rodrigo, do presidente da Agência de Polo Audiovisual, Cesar Piva, além de outras autoridades representantes do setor audiovisual.

Para Sérgio Rodrigo Reis, esse acordo é de extrema importância para o setor audiovisual de todo o país. “Este é um processo colaborativo. A união dessas duas forças, EMC e Polo Audiovisual da Zona da Mata, traz uma perspectiva que aproxima a produção e a promoção, dois pontos que são especialidades da Rede Minas e da Rádio Inconfidência”. O momento também foi muito celebrado pelo presidente Cesar Piva. “É uma alegria muito grande fechar essa parceria com a Empresa Mineira de Comunicação. Com a força da plataforma que está sendo inaugurada, da rádio e da televisão, vamos poder levar as nossas produções a todos os cidadãos. Sonhávamos com este plano de ação há muito tempo, e com toda a experiência que possuímos, estamos cumprindo uma missão importante juntamente com o estado”.

Entre as parcerias está a disponibilização de conteúdos audiovisuais por intermédio da Agência de Desenvolvimento do Polo Audiovisual da Zona da Mata, para exibição na plataforma de streaming pública e gratuita EMCplay em canal dedicado ao Polo Audiovisual da Zona Mata, ampliando a difusão e descentralização. Para a diretora de Desenvolvimento e Promoção do Audiovisual da EMC, Flávia Moreira, o acordo compreende em uma troca rica de conteúdo. “A EMCPlay vem com várias novidades, entre elas, atividades de formação, cooperação e capacitação, que são fundamentais para a formação de novos realizadores desta cadeia produtiva do setor audiovisual. Cataguases e as regiões próximas conseguem atrair várias produções audiovisuais. Queremos pegar essa expertise deles e passar para outros municípios. Acreditamos que essa parceria será muito positiva.”

Nesta semana comemora-se também, em Cataguases, os 20 anos de inauguração do Centro Cultural Humberto Mauro, da Fundação Cultural Ormeo Junqueira Botelho. Este marco foi o ponto de partida para a formação da rede de projetos e parcerias que resultaram na criação do Polo Audiovisual da Zona da Mata de Minas Gerais.

 

 

28 4 2022 miniemc

Com regência do maestro Fabio Mechetti, Orquestra divide o palco com solistas e coro convidados

No dia 27 de maio, às 20h30, na Sala Minas Gerais, a Filarmônica de Minas Gerais celebra o bicentenário da Independência do Brasil e realiza um concerto especial para o público com obras de D. Pedro I, após a semana de gravações desse repertório para o selo internacional Naxos, em parceria com o Itamaraty. Nesta gravação, assim como no concerto especial, será registrado seu Credo e Te Deum, com a participação de um quarteto de solistas vocais de destaque no cenário nacional – a soprano Carla Cottini, a mezzo-soprano Luisa Francesconi, o tenor Cleyton Pulzi e o baixo-barítono Licio Bruno – e a colaboração do coral Concentus Musicum de Belo Horizonte (grupo dirigido por Iara Fricke Matte), além do Hino da Independência e uma Abertura com o mesmo nome. A regência do concerto é do maestro Fabio Mechetti. Os ingressos, a R$30 (R$15 meia-entrada), já estão à venda no site www.filarmonica.art.br e na bilheteria da Sala Minas Gerais.

Segundo o maestro Fabio Mechetti, Diretor Artístico e Regente Titular da Filarmônica de Minas Gerais, “muito se fará para celebrar os 200 anos da Independência do Brasil. Mas, talvez, uma das ações menos esperadas e até surpreendentes será o projeto da Filarmônica de Minas Gerais, em parceria com o Itamaraty e o selo internacional Naxos, de gravação das obras de D. Pedro I”. Mechetti explica que “os relatos históricos da vida de D. Pedro I, na corte e fora dela, incluem, até com certa constância e importância, participações de nosso primeiro imperador em eventos musicais, como instrumentista e como compositor. Além do Hino da Independência (poucos sabem que esta música é de sua autoria!), D. Pedro escreveu várias outras obras, a maioria de cunho religioso. Além do valor histórico que isso representa, poderemos constatar a sensibilidade musical que um de nossos primeiros líderes políticos possuía e o valor que dava à cultura. Por isso, convido todos a comparecerem ao nosso concerto do dia 27 de maio, na Sala Minas Gerais, e aproveitarem essa singular oportunidade de descobrir algo novo escrito por uma das figuras mais importantes de nossa história”.

O álbum resultante dessa gravação será o primeiro na história integralmente dedicado a obras de D. Pedro I. Da mesma forma, um concerto com repertório exclusivamente da autoria do imperador também é inédito. Dentre as obras, o Te Deum terá a sua primeira gravação mundial. 

De acordo com o decreto da Prefeitura de Belo Horizonte (nº 17.943), publicado no dia 28 de abril de 2022, com orientações sobre a prevenção da covid-19 em ambientes fechados, o uso de máscara é opcional na Sala Minas Gerais. Veja mais orientações no “Guia de Acesso à Sala”, no site da Orquestra: fil.mg/acessoasala.

Este projeto é apresentado pelo Ministério do Turismo, Governo de Minas Gerais e Banco Mercantil do Brasil e conta com recursos da Lei Federal de Incentivo à Cultura. Realização: Instituto Cultural Filarmônica, Secretaria Estadual de Cultura e Turismo de MG, Governo de Minas Gerais, Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo e Governo Federal.

Carla Cottini, soprano
Revelação do canto lírico brasileiro, Carla Cottini interpreta papéis protagonistas em óperas de Mozart, Donizetti, Puccini, Massenet, Humperdinck, R. Strauss entre outros, em importantes casas de ópera como Palau de la Música de Valencia, Teatro Regio di Parma, Teatro Municipal de São Paulo, Teatro Municipal do Rio de Janeiro, Teatro Sociale di Rovigo e Teatro São Pedro. Cantou sob a batuta de regentes como Rinaldo Alessandrini, Isaac Karabitchevsky, Silvio Viegas, Luis Fernando Malheiro, Alexander Liebreich, Alain Guingal, Fabrizio Maria Carminati, Fabio Mechetti, Carlos Prazeres e Marcelo Lehninger. Trabalhou com importantes diretores cênicos como Píer Francesco Maestrini, Stefano Poda, Jorge Takla, Francesco Belloto, Livia Sabag, Alfonso Antoniozzi, Mauro Wrona. Compromissos recentes incluem seu début como Adina em L’Elisir d’Amore, Gilda em Rigoletto e Eurídice em Orfeu e Eurídice, de Gluck. Em 2022, fará o seu début como Giulietta em I Capuleti e i Montecchi em São Paulo.

Luisa Francesconi, mezzo-soprano
Luisa Francesconi começou seus estudos em Brasília e aperfeiçoou-se com Rita Patané em Milão. Ela se apresenta frequentemente em palcos europeus, como os teatros italianos Regio de Turim, Massimo, em Palermo, Massimo Bellini, na Catânia, Teatro Argentina, em Roma, bem como a Ópera de Maribor (Eslovênia) e o Teatro São Carlos, em Lisboa (Portugal). Nas Américas, a mezzo-soprano já atuou em Buenos Aires, no Teatro Coliseo, no Auditorio del Sodre, em Montevidéu, no Palácio de Bellas Artes no México e em inúmeros teatros e salas de concerto brasileiros. Já interpretou mais de cinquenta personagens de ópera, dentre os quais se destacam Carmem de Bizet, Cinderela, Rosina (O barbeiro de Sevilha) e Isabella (Uma Italiana na Algéria) de Rossini, além de montagens de Mozart, Gluck, Sacchini, Bellini, Massenet, Berlioz, R. Strauss, Bernstein e J. G. Ripper. Em 2018 foi eleita a melhor cantora lírica do ano por dois sites especializados em música clássica, por sua interpretação de Octavian em O cavaleiro da rosa de R. Strauss e Varvara em Kátia Kabanová de Janácek. Compromissos futuros incluem apresentações nas principais salas de concerto e ópera do país, como o Theatro Municipal de São Paulo, o Theatro São Pedro e a Sala Minas Gerais.

Cleyton Pulzi, tenor
O tenor brasileiro Cleyton Pulzi é reconhecido pela sua musicalidade e nobreza de timbre. Performances recentes incluem Alfred em O Morcego de R. Strauss sob regência de Roberto Minczuk; Basílio em As bodas de Fígaro no Theatro Municipal do Rio de Janeiro; seu début nos Estados Unidos com a companhia Omaha Opera e como Rodolfo em La Bohème, sob regência de Michael Palmer. Trabalhou com o renomado maestro italiano Leonardo Vordoni e cantou no concerto pelos 100 anos de Anton Coppola na Opera Tampa, regido pelo próprio maestro. Com a Osesp, apresentou e gravou a Nona Sinfonia de Beethoven regida por Roberto Tibiriçá na Sala São Paulo. Entre outros palcos, cantou nos teatros São Pedro, Pedro II e Rialto, EUA, e nos festivais Amazonas de Ópera, International Opera Americas e Montefeltro de Opera, Itália. Interpretou Principe Ramiro, Parsifal, Arturo, Tamino, Bastien, Rei Gaspar, Rinuccio, o Empresário, Reverendo Parris e Conde Almaviva, entre outros papéis. Foi solista no Stabat Mater de Dvorák sob regência de Claudio Cruz. Conquistou o 1° lugar no Concurso Internacional Bauru-Atlanta Competition 2010. Graduou-se na Universidade de São Paulo e é Mestre pela Georgia State University, EUA.

Licio Bruno, baixo-barítono
Baixo-barítono, Licio Bruno é detentor do Prêmio Carlos Gomes 2004 e um dos mais celebrados artistas brasileiros da atualidade. Bacharel em Canto e Mestre em Performance, aperfeiçoou-se na Franz Liszt Academy of Music e na Ópera de Budapeste, sendo depois membro da casa e artista convidado. É professor e pesquisador e desenvolve programas de formação de jovens cantores. Com apresentações no Brasil, Europa, América Latina e Oriente, Licio Bruno atua junto às principais orquestras e teatros de nosso país e conquistou dez primeiros prêmios em concursos de canto nacionais e internacionais. Interpretou mais de 80 papéis em óperas de diferentes autores e estilos, sendo, até hoje, o único cantor brasileiro a ter interpretado Wotan/Wanderer, do ciclo integral wagneriano O anel do Nibelungo. Gravou, com a pianista Cláudia Marques, CD com canções de Villani-Côrtes e, com a pianista Sonia Rubinsky, o ciclo de Serestas de Villa-Lobos. Em 2022, reapresenta, no papel-título, a ópera O caixeiro da taverna, de Guilherme Bernstein, e é diretor de cena na estreia mundial da ópera infanto-juvenil Serafim e o lugar onde não se morre, do mesmo autor, com o Ensemble do Coletivo das Artes.

Concentus Musicum de Belo Horizonte
O Concentus Musicum de Belo Horizonte estreou em 2016 junto à Orquestra Filarmônica de Minas Gerais na apresentação do Réquiem de Mozart, o que deu início a uma frutífera parceria com participações nas temporadas 2017, 2018 e 2019. Idealizado pela regente Iara Fricke Matte, é um grupo vocal e/ou instrumental misto formado por profissionais altamente qualificados – unidos pelo objetivo de contribuir para a difusão da música erudita em uma perspectiva historicamente embasada – que se dedica à interpretação obras consagradas e inéditas dos períodos Barroco, Clássico e do Renascimento, bem como de um seleto repertório contemporâneo. O foco do seu trabalho de interpretação está na compreensão do discurso musical e sua relação com o texto poético, a sonoridade, a articulação e rítmica das palavras, e também com o contexto histórico das obras. Alguns de seus projetos incluem a montagem de peças de J. S. Bach, de seu contemporâneo Jan Dismas Zelenka e de compositores brasileiros coloniais, além de obras instrumentais do século XVIII e início do século XIX e, por fim, obras para coro e órgão de tubos de compositores modernos e contemporâneos.

Iara Fricke Matte, regente do coro
Regente coral e orquestral, Iara Fricke Matte dedica-se ao estudo e à apresentação de obras dos períodos Barroco, Renascimento e Contemporâneo, com ênfase na performance historicamente embasada e na sua afinidade com a música de J. S. Bach. Professora de Regência na Escola de Música da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), é Pós-doutora em Regência pela University of Southern California; Doutora e Mestre em Regência Coral pelas universidades de Indiana e de Minnesota (EUA), com especialização em Música Antiga e História da Música. Durante seu período como regente titular e diretora artística do Ars Nova – Coral da UFMG, o coro realizou concertos no Brasil e no exterior e venceu o Troféu JK de Cultura e Desenvolvimento do Estado de Minas Gerais. Dirige a Série Fermata, da UFMG. Foi diretora artística da Semana de Música Antiga da UFMG (segunda e terceira edições) e coordenadora geral da quarta edição do Festival Internacional de Música Antiga. Em 2016, idealizou o Concentus Musicum de Belo Horizonte. Em 2019, assumiu a regência e direção artística da Orquestra Sinfônica da Escola de Música da UFMG.

 

Concerto especial – 200 anos da Independência do Brasil
27 de maio – 20h30
Sala Minas Gerais 

Programa

D. Pedro I             Abertura para a Independência do Brasil
D. Pedro I              Hino da Independência
D. Pedro I             Credo in unum Deum
D. Pedro I             Te Deum laudamus

 

Fabio Mechetti, regenteCarla Cottini, sopranoLuisa Francesconi, mezzo-sopranoCleyton Pulzi, tenorLicio Bruno, baixo-barítonoConcentus Musicum de Belo Horizonte, coroIara Fricke Matte, regente do coro

 

INGRESSOS:
R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia)
Meia-entrada para estudantes, maiores de 60 anos, jovens de baixa renda e pessoas com deficiência, de acordo com a legislação.
Informações: (31) 3219-9000 ou www.filarmonica.art.br

 

 

 

25 5 2022 minifilarmonica

Imagem: Eugênio Sávio

Milton Nascimento, um dos maiores cantores da música popular brasileira, receberá homenagem no encerramento do Festival Villa-Lobos, Show Milton, no dia 28 de maio (sábado), às 20h30, no Grande Teatro Cemig no Palácio das Artes.

A homenagem será realizada na voz de Mônica Salmaso e do pianista André Mehmari, que se juntaram durante o período de isolamento da pandemia para gravar o trabalho “Quarentena”, veiculado no Youtube, e que dispunha no seu repertório a música “Morro Velho”, de Milton Nascimento, interpretada pelo duo há anos.

Para André, a música de Milton Nascimento é parte indissociável da história de sua vida “de modo que cada canção se conecta com quem sou em vários níveis, não somente como artista. Existe um humanismo profundo que emana da música (e da voz) de Milton que é algo de imenso valor e que devemos sempre reverenciar e amplificar.”.

Já para Mônica, as canções de Milton, em especial a música “Morro Velho”, sempre foram emocionantes de cantar e tocar. “Durante o isolamento na pandemia, com tudo o que estávamos sentindo, vendo, lendo, a música tomou enormes proporções emotivas, tanto em mim quanto no André. Isso foi tão forte que nos deu a vontade de fazer um segundo encontro no estúdio Monteverdi, homenageando Milton e seus diversos parceiros. Levantamos um repertório muito importante para nós dois e que, com algumas poucas exceções, nunca tínhamos feito juntos.”

Sobre Milton
Milton Nascimento completa 80 anos em outubro de 2022 com uma trajetória musical incrível, uma voz brilhante e um talento inigualável.

Criado em Minas Gerais, desde os dois anos de idade, Milton Nascimento, teve como pais adotivos o bancário e professor de Matemática Josino Campos e a professora de música Lília Campos, que teve aulas de música com Villa-Lobos, contribuindo para que Milton tivesse sua influência no mestre Villa.

Ganhou seu primeiro violão aos 13 anos e aos 15 criou, com seu amigo de infância, o grupo vocal Som Imaginário. Em 1966, gravou com Elis Regina sua primeira música: “Canção do Sal”. Em 1967, Milton Nascimento teve três músicas classificadas no Festival Internacional da Canção da TV Globo, foi reconhecido como o melhor intérprete e conquistou o segundo lugar no Festival com a música “Travessia”, composta em parceria com Fernando Brant.

Em 1968, deu início a sua carreira internacional e, como resultado, gravou o disco “Courage” e, em 1972, lançou o álbum “Clube da Esquina”, junto com Lô Borges. Milton também conquistou quatro Grammy e seu nome esteve diversas vezes na lista dos melhores das publicações “Down Beat” e “Billboard”.

Mais informações
Data: 28/5/2022
Horário: 20h30min
Local: Grande Teatro Cemig Palácio das Artes - Av. Afonso Pena, 1537 - Centro, Belo Horizonte, MG
Os ingressos podem ser adquiridos no Palácio das Artes ou neste link

Repertório do espetáculo “Milton”

A LUA GIROU (Tradicional Adap. Milton Nascimento)
NOITES DO SERTÃO (Milton Nascimento / Tavinho Moura)
CANÇÃO AMIGA (Milton Nascimento / Carlos Drummond de Andrade)
MORRO VELHO (Milton Nascimento)
CREDO (Milton Nascimento / Fernando Brant); citação de SAN VICENTE (Milton Nascimento / Fernando Brant)

E muito mais...

Para o Festival Villa-Lobos em Belo Horizonte, eles interpretarão as canções “Cair da Tarde” (Heitor Villa Lobos e Dora Vasconcelos) e “Na Solidão da Minha Vida” (Heitor Villa-Lobos e Manuel Bandeira).

Sobre Mônica
Iniciou sua carreira na peça "O Concílio do Amor", em 1989. Em 1995, gravou o disco “Afro-Sambas”, um duo de voz e violão com o instrumentista Paulo Bellinati, incluindo todos os afro-sambas de Baden Powell e Vinícius de Moraes. Em 1997, foi indicada ao Prêmio Sharp, como revelação na categoria MPB. Lançou “Trampolim”, em 1998, e “Voadeira”, um ano depois, com o qual ganhou o prêmio APCA. O quarto CD de Mônica, “IAIÁ”, nasceu em 2004, seguido por “Noites de Gala, Samba na Rua”, de 2007, com músicas de Chico Buarque. Nesse meio tempo, foi convidada como solista de várias orquestras, como a OSESP, OSB, Jazz Sinfônica de São Paulo, Orquestra Jovem Tom Jobim, entre outras, tendo, inclusive, participado de um CD da OSESP sob regência de John Neschling, em 2006. Com o CD “Alma Lírica Brasileira”, com Teco Cardoso e Nelson Ayres, lançado pela Biscoito Fino em 2011, recebeu o 23º Prêmio da Música Brasileira, na categoria Melhor Cantora. Seu penúltimo CD, “Corpo de Baile” (2014), com músicas de Guinga e Paulo César Pinheiro, recebeu quatro indicações ao Prêmio da Música Brasileira, das quais venceu duas – melhor cantora MPB e melhor canção. Em 2017, lançou o álbum “Caipira” que recebeu elogios da crítica especializada e ganhou os prêmios de Melhor Álbum e Melhor Cantora – Categoria Regional no 29º Prêmio da Música Brasileira.

Sobre André Mehmari
Pianista, arranjador e compositor, é considerado pela crítica “um artista singular de imaginação vibrante e generosa”. Mehmari teve seus primeiros contatos com a música por meio de sua mãe, já em Ribeirão Preto-SP. Compositor prolífico e requisitado, apontado como um dos mais originais e completos músicos brasileiros de sua geração e premiado tanto na área erudita quanto popular, teve suas composições e arranjos tocados por muitos grupos orquestrais e de câmara, entre eles OSESP, OSB, Banda Sinfônica do Estado, Quarteto da Cidade de São Paulo e Quinteto Villa-Lobos. Recentes trabalhos incluem orquestrações para a cerimônia de encerramento das olimpíadas 2016, no Rio de Janeiro, e a trilha sonora da primeira série brasileira produzida para Netflix. Além de uma vasta e premiada discografia, Mehmari possui uma ativa carreira internacional como solista e criou duos expressivos com músicos como Antônio Meneses, Mário Laginha, Gabriele Mirabassi, Antônio Loureiro, Danilo Brito, Hamilton de Holanda, Ná Ozzetti, Maria Bethânia e Mônica Salmaso.

 

 

28 4 2022 minishow

A oficina virtual será realizada em português e Libras, não sendo necessário conhecimento prévio da Língua Brasileira de Sinais

Belo Horizonte, 23 de maio de 2022. O acesso à cultura é um direito de todos. Os museus e centros culturais de todo o mundo possuem um papel primordial na promoção da inclusão, e o Espaço do Conhecimento UFMG não se exclui disso. No dia 28 de maio, às 14 horas, a oficina do projeto Sábado com Libras, nomeada “A Comunicação com Surdos nos Museus”, convida o público, surdo e ouvinte, a conhecer mais sobre a importância da acessibilidade nos espaços culturais e como devemos promovê-la. 

No Brasil, aproximadamente 5% da população é surda e grande parte dela utiliza a Língua Brasileira de Sinais para sua comunicação. Segundo dados do Censo Demográfico de 2010, do IBGE, o número corresponde a 10 milhões de pessoas. Desta forma, a atividade será motor para reflexão das principais dificuldades enfrentadas por esse grupo, além de discutir algumas estratégias para melhor atender o público surdo nos museus. 

Vocabulário ligado à cultura, expressões típicas do universo museal, sinais de museus e espaços culturais de Belo Horizonte e termos que possuem relação com as temáticas do Espaço do Conhecimento UFMG serão apresentados ao longo da oficina, com o intuito de diminuir as barreiras atitudinais ainda existentes. 

Destinada ao público em geral, a partir de 10 anos (jovens e adultos, professores, trabalhadores e educadores de museus), a atividade será ministrada em português e em Libras pela equipe do Núcleo de Ações Educativas e Acessibilidade. As vagas, destinadas a até 15 pessoas, serão preenchidas por ordem de chegada, na recepção do museu. 

Serviço: 
Sábado com Libras | A Comunicação com Surdos nos Museus 
Quando: 28 de maio. sábado, às 14h
Onde:  Espaço do Conhecimento UFMG - Praça da Liberdade, 700 - Funcionários
Público: a partir de 10 anos (jovens e adultos, professores, trabalhadores e educadores de museus)
Atividade gratuita

 

25 5 2022 miniufmg

Em “Serrapilheira”, o artista Raul Leal apresenta um olhar afetivo em fotografias que captam a degradação das matas e as possibilidades de regeneração dessas áreas

A imagética de um Brasil eternamente verde, tradicionalmente representada por artistas viajantes ao longo dos séculos, é totalmente invertida em “Serrapilheira”, exposição do artista Raul Real, em cartaz na Casa Fiat de Cultura de 3 de maio a 19 de junho. A mostra foi escolhida no 5º Programa de Seleção da Piccola Galleria e apresenta um conjunto de 27 fotografias em papel e em madeira. As obras registram imagens sobrepostas de árvores secas e solitárias, que se mantêm resilientes na natureza sofrida dos arredores de Miracema, no Rio de Janeiro, e a catalogação de mudas de espécimes sobreviventes, que ainda podem reflorestar o deserto naquela região fluminense. A abertura será realizada no dia 3 de maio, às 19h, em um bate-papo virtual ao vivo com o artista. As inscrições devem ser feitas online (https://bit.ly/BatePapoRaulLeal) e são gratuitas. A exposição poderá ser visitada presencialmente, na Casa Fiat de Cultura, e online, por meio de tour virtual e uma visita com mediação online e Libras.

Em “Serrapilheira”, Raul Leal explora diferentes experiências no registro da paisagem. A série de fotos “Ventania” apresenta uma região afetada pela cultura do café e extração da madeira. Algumas dessas áreas já foram locais de preservação, mas, hoje, passam por um processo de desertificação, onde é possível ver pura terra vermelha – um retrato da vulnerabilidade e das agressões sofridas ao longo dos anos. “As imagens são resquícios, desaparecimentos e registros melancólicos da devastação”, analisa Raul. Já na série “Rebento”, ele documenta o que seria a possibilidade de reconstrução dessa paisagem.  Cada obra faz parte de uma catalogação de mudas de árvores, plantadas pelo próprio artista nessas regiões de degradação. “A série acaba se tornando um registro afetivo de uma atitude de resistência que gera um pequeno movimento,  contrário ao ciclo da destruição”, destaca.

O nome da exposição faz referência à camada de material orgânico ou de decomposição, que se deposita no solo das florestas. A chamada serrapilheira é esse conjunto de folhas, frutos, lascas de troncos  e galhos que acabam formando uma espécie de tapete fértil na superfície, que pode ter composição variada, de acordo com o ecossistema em que está presente. Sua principal função é garantir o reaproveitamento de nutrientes na natureza, além de ter um importante papel geológico, em especial nas regiões chuvosas. Na mostra, Raul Leal traz, justamente, esse novo olhar sobre a paisagem da região em que vive: ao mesmo tempo em que apresenta a situação de desmatamento, com registros do que ainda ficou, ele promove uma ação de regeneração, ao tentar recompor esse cenário com mudas de novas plantas.

Para a crítica e curadora de arte Daniela Name, que assina um dos textos da exposição, há uma dicotomia entre as duas séries de fotografias apresentadas. Enquanto “Ventania” tem um olhar sobre as árvores resilientes que sobrevivem na região de Miracema, no estado do Rio de Janeiro,  “Rebento” mostra o caráter de artista viajante de Raul Leal. “Quando levamos em conta que a fotografia é um vestígio de ausências, de seres fantasmáticos, o que o artista parece propor, com a reunião desses inventários, é fazer uma serrapilheira a partir da latência das imagens e do recalque dos corpos vegetais”, comenta.

A exposição “Serrapilheira” é uma realização da Casa Fiat de Cultura e do Ministério do Turismo, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, com patrocínio da Fiat, do Banco Safra e da Usiminas, e co-patrocínio do Grupo Colorado. O evento tem apoio institucional do Circuito Liberdade, do Governo de Minas e do Governo Federal, além do apoio cultural do Programa Amigos da Casa, da Brose do Brasil e do Instituto Usiminas.

Serrapilheira | Bate-papo online de abertura
Para abrir a exposição “Serrapilheira”, a Casa Fiat de Cultura realiza um bate-papo ao vivo, no dia 3 de maio, às 19h, com o artista Raul Leal. Com formação em pintura, ele tem se dedicado a registrar paisagens, animais e espécies vegetais que habitam áreas afetadas pelo desmatamento, especialmente em sua cidade natal, Miracema, no noroeste do Rio de Janeiro. A região experimentou os impactos da lavoura de café e da criação de pastos para a pecuária e hoje sofre com as enchentes, o aumento da temperatura e as queimadas.

No bate-papo, que será transmitido online, ele vai contar detalhes do processo seletivo, quais são as técnicas de desenvolvimento das obras e curiosidades sobre o trabalho, como a escolha dos locais onde faz a plantação das mudas representadas na série “Rebento”. O público poderá interagir com a artista, por meio do chat virtual. Algumas perguntas serão respondidas ao vivo. A inscrição deve ser feita online (https://bit.ly/BatePapoRaulLeal).

Sobre as obras de Serrapilheira
A mostra “Serrapilheira” é composta por 27 obras divididas em duas séries. Em “Ventania”, o artista apresenta três fotografias com impressão fine art sobre algodão. O trabalho é realizado por meio de manipulação digital, sobrepondo imagens diferentes até chegar ao resultado final. As fotos foram tiradas na Serra da Ventania, por isso o nome da série. Além da referência à paisagem, o título também representa a ideia de um vento forte que passa e leva embora o que estiver no caminho, em alusão ao desaparecimento da floresta local. “As imagens trazem diferentes planos, que mostram a transformação da paisagem preservada até ficar mais árida. É uma memória do próprio Brasil. No passado, tínhamos uma natureza exuberante, que agora está desaparecendo”, explica Raul.

Em “Rebento”, as 23 fotografias de 40 cm x 31 cm apresentam registros de mudas plantadas por Raul. Com técnica de monotipia, a impressão em madeira comum de compensado traz esse importante elemento das matas para a galeria. “A madeira utilizada não é da região, já que a extração é proibida”, esclarece o artista. “A série é uma coleção de imagens que acaba se tornando uma floresta. O conjunto funciona como um todo, quase uma instalação”, completa.

O artista: Raul Leal
Raul Leal, natural de Miracema – RJ, vive e trabalha no Rio de Janeiro. Frequentou a Escola de Artes Visuais do Parque Lage RJ, de 2005 a 2011, em cursos de pintura, desenho, história e teoria da arte, com João Magalhães, Daniel Senise, Suzana Queiroga, Anna Bella Geiger, Fernando Cocchiaralle, entre outros. Frequentou o Grupo Alice sob orientação de Brígida Baltar e Pedro Varela em 2011 e 2012, o Grupo de Estudos com Ivair Reinaldim em 2012 e 2013, e o Grupo de Estudos sobre Arte Contemporânea com Daniela Name em 2014.

É especialista em gestão cultural pela Fundação Cecierj RJ. Residências no Parque Nacional de Itatiaia, na Universidade Federal do Espírito Santo e no Parque Nacional do Caparaó. Utiliza em sua produção artística os meios da pintura, desenho, fotografia, instalação e vídeo.

 

Serviço:
Exposição virtual “Serrapilheira”– Raul Leal na Piccola Galleria da Casa Fiat de Cultura

3 de maio a 19 de junhoVisitação presencialTerça a sexta-feira, das 10h às 19hSábados, domingos e feriados, das 10h às 18hTour virtual no site: www.casafiatdecultura.com.br

Abertura da exposição virtual: Bate-papo ao vivo com Raul Leal3 de maio, das 19h às 20h, em transmissão ao vivoIngressos gratuitos com inscrição onlinehttps://bit.ly/BatePapoRaulLeal

Casa Fiat de Cultura
Circuito Liberdade
Praça da Liberdade, 10 – Funcionários – BH/MG
Horário de Funcionamento
Terça a sexta-feira, das 10h às 19h
Sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h 

Informações
(31) 3289-8900
www.casafiatdecultura.com.br
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
facebook.com.br/casafiatdecultura
Instagram: @casafiatdecultura
Twitter: @casafiat
YouTube: Casa Fiat de Cultura
http://www.circuitoliberdade.mg.gov.br/

 

 

28 4 2022 minicasafiat

Imagem: Raul Leal

Lançamento na Grande Galeria Alberto da Veiga Guignard conta com visita guiada do artista; encontro também marca a doação de uma obra da mostra ao Acervo da Fundação Clóvis Salgado

A Fundação Clóvis Salgado lança nesta quinta-feira (26), às 19h, o catálogo da exposição Nemer – aquarelas recentes. O lançamento conta com uma visita guiada do artista pela mostra, exibida na Grande Galeria Alberto da Veiga Guignard. A distribuição do catálogo será feita de forma gratuita, dentro da galeria, ao público presente. O evento ainda marca, com grande satisfação, a generosa doação de uma das obras do artista para o Acervo da Fundação Clóvis Salgado.

Nemer – aquarelas recentes
 A mostra, que permanece no Palácio das Artes até 5 de junho de 2022, recebe as formas orgânicas e geométricas do artista mineiro, expressadas por meio de uma coleção de telas criadas durante dois anos de trabalho, a maior parte durante o período de isolamento social. Com curadoria de Agnaldo Farias, a mostra itinerante reúne trabalhos inéditos – 30 obras em dimensões médias e grandes, e uma série de 23 conjuntos, intitulada Geometria Residual, que reúne aquarelas pequenas e fotografias.

Pertencente à geração dos chamados Desenhistas Mineiros, que se afirmou no cenário da arte brasileira, a partir da década de 1970, Nemer ocupa mais uma vez a Grande Galeria com uma individual. Além de apresentar um trabalho virtuoso, a exposição reafirma a importância de uma mostra que dá vazão exclusiva à expressão artística da aquarela, a qual Nemer mostra brilhante domínio.

Para Agnaldo Farias, os trabalhos de Nemer propiciam um intermitente confronto entre uma orientação construtiva e um impulso orgânico. Diluídos na água, seus pigmentos correm pela folha, adivinhando suas minúsculas fissuras e revelando o acidentado da topografia do papel. Produzidas sobre papel francês, as aquarelas revelam quadrados, retângulos, grelhas, hachuras, círculos, trapézios, elipses, cruzes e arcos, que se entrelaçam em diferentes formatos e configurações. Nemer – aquarelas recentes consolida a bem-sucedida iniciativa de estimular e divulgar as artes visuais mineiras, campo no qual Minas Gerais alcança destaque histórico no país.

Da ideia até a concepção, a exposição a ser apresentada na Grande Galeria é resultado de uma curadoria atenta, feita por Agnaldo Farias, também responsável por organizar a última exposição de Nemer, em 2019. “A exposição reúne dois anos de trabalho, a maior parte produzida durante a pandemia. Foi um momento solitário e altamente reflexivo”, conta o artista. “A mostra atual reúne trabalhos inéditos, cerca de 30 obras em dimensões médias, de 100 por 100 centímetros, e grandes, de 150 por 200 centímetros. Inclui ainda a série Geometria Residual, 23 conjuntos com um diálogo entre aquarelas pequenas, de 10 por 7 centímetros, e fotos”, explica o artista.

O trabalho de Nemer é construído a partir de um olhar gestual, que une a geometria às manchas, o previsível ao imprevisível. “Às vezes eu começo construindo uma geometria, que na metade acaba se desconstruindo; é quando você reconhece que a aquarela é indomável, escorre até onde ela quer escorrer e o pigmento se concentra onde sequer imaginávamos. Todos os deslizes, todos os ‘erros’ são incorporados e fazem parte do processo não só da aquarela, mas da arte como um todo”, diz Nemer.

O público é apresentado a uma exposição que se desvela em seus mistérios e sutilezas. A expografia da Grande Galeria foi pensada com o intuito de cumprir esse papel. “A exposição tem uma atmosfera intimista, de câmera, e não de orquestra grandiloquente. A produção do espaço, com pessoas sensíveis, tem sido muito atenta a esse detalhe. Experiências anteriores me mostraram o quanto os visitantes se sensibilizam quando veem algo em surdina. Elas até falam baixo, se envolvem com aquilo que está sendo mostrado. Esta é uma recompensa para o artista, o fato de mostrar a obra e sentir que ela é vista como se deve”, conta Nemer.

Por fim, como artista visual mineiro, Nemer destaca a importância da gestão cultural pública, essencial na consolidação do percurso profissional dos artistas. “O panorama da cultura brasileira é muito rico, mas as políticas públicas, no geral, têm dificuldade de acompanhar. Esse é um desafio constante que todo artista brasileiro tem”, conta o artista. Dentre os caminhos que percorreu, a mostra Nemer - aquarelas recentes contribui de forma significativa em sua trajetória. “A exposição que chega agora ao Palácio das Artes, depois de passar pelo Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo, e pela Fundação Iberê, em Porto Alegre, é um exemplo positivo de acolhida por parte das instituições. Todos os três espaços fazem um trabalho sério e dinâmico e que devem servir de parâmetro quando se fala em gestão cultural”, comenta.

Nemer
José Alberto Nemer é artista plástico e doutor em Artes Plásticas pela Université de Paris VIII. Lecionou em universidades brasileiras e estrangeiras, como a UFMG (1974 a 1998) e a Université de Paris III-Sorbonne (1974 a 1979). Pertencente a geração dos chamados desenhistas mineiros, que se afirmou no cenário da arte brasileira a partir da década de 1970, Nemer participa de salões e bienais no Brasil e no exterior. Sua obra obteve, entre outros, o Prêmio Museu de Arte Contemporânea da USP (1969), Prêmios Museu de Arte de Belo Horizonte (1970 e 1982), Prêmios Museu de Arte Contemporânea do Paraná na Mostra do Desenho Brasileiro, (1974 e 1982), Grande Prêmio de Viagem à Europa no Salão Global (1973), Prêmio Museu de Arte Moderna de São Paulo no Panorama da Arte Brasileira (1980), entre outros.

Ministério do Turismo, Governo de Minas Gerais, Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, por meio da Fundação Clóvis Salgado, apresentam o lançamento do catálogo da exposição Nemer – aquarelas recentes, que tem correalização da APPA - Arte e Cultura, patrocínio máster da Cemig, ArcellorMittal, Instituto Unimed-BH, AngloGold Ashanti e Usiminas,  e patrocínio prata da Vivo, por meio das Leis Estadual e Federal de Incentivo à Cultura. Tem apoio cultural do Instituto Hermes Pardini.

A Fundação Clóvis Salgado é integrante do Circuito Liberdade, complexo cultural sob gestão da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) que reúne diversos espaços com as mais variadas formas de manifestação de arte e de cultura em transversalidade com o turismo.

 

 

25 5 2022 minicatalogo

A Via Liberdade é a rota turística estabelecida ao longo da BR-040, ligando três estados e o Distrito Federal

O Palácio da Liberdade, em Belo Horizonte, foi palco, na tarde desta terça-feira (26/4), do lançamento da Via Liberdade com a abertura oficial da exposição “Já Raiou a Liberdade: Hinos do Brasil”. O lançamento contou com a assinatura do decreto de criação da maior rota turística e cultural do País, a Via Liberdade, que segue a BR-040 em seu trajeto do Rio de Janeiro até Brasília, passando por mais de 186 cidades mineiras.

O evento teve início com a chegada das partituras originais dos hinos: Nacional, da Bandeira, da Proclamação da República e da Independência ao Palácio da Liberdade, onde estava a comitiva do governo do Estado de Minas Gerais, sendo recebidos pelo governador Romeu Zema, que abriu oficialmente a exposição “Já Raiou a Liberdade: Hinos do Brasil”.

Em sua fala, o governador Romeu Zema lembrou que “estamos dando início à celebração do bicentenário da Independência do Brasil, com a abertura da exposição Já Raiou a Liberdade, e vamos anunciar, com o apoio da Fecomércio e do Senac, a Via Liberdade, que segue o trajeto da BR-040 do Rio de Janeiro até Brasília, passando por cidades históricas e grandes patrimônios mineiros. Essa Via tem um valor histórico inestimável para nós mineiros, com grande simbolismo. Quem sabe um dia, assim como a Via Liberdade, teremos também a Via Aleijadinho, Via Tiradentes e Via JK, isso é o que temos de melhor na história de nosso Estado”, finalizou o governador.

Dando prosseguimentos às falas, o secretário de Estado de Cultura e Turismo, Leônidas Oliveira, lembrou que “a Via Liberdade foi criada também em comemoração ao bicentenário da Independência do Brasil e aos 100 anos da Semana de Arte Moderna, visto que percorre as cidades que tiveram protagonismo nesses momentos históricos, desde a fase do Brasil Império no Rio de Janeiro, passando pelos movimentos libertários em Minas, a conquista do interior, em Goiás, e o apogeu da Independência do Brasil, sintetizado na criação modernista de Brasília”, declarou o secretário Leônidas.  

A Via Liberdade conta com investimento de cerca de R$ 12 milhões para fomento e estruturação do turismo nas cidades envolvidas. Desse montante, mais de R$ 4 milhões foram destinados em acordo de cooperação firmado entre o Governo de Minas, a Fecomércio, Sesc e Senac para ações de capacitações, promoção, marketing turístico e intercâmbio cultural. Essa parceria irá fomentar o turismo das cidades envolvidas e, por consequência, o desenvolvimento territorial e econômico das regiões contempladas. O investimento total na Via Liberdade contempla também editais de cultura e turismo e investimentos em projetos nas autarquias estaduais.

São 24 parques, integrando 70% do patrimônio tombado do país, com paisagens entre montanhas e mar, cidades imperiais, natureza exuberante, horizontes, capitais, metrópoles, comidas típicas, tradições, sertão, arte e contemporaneidade.

A Via Liberdade conta com ações e programas estratégicos que serão desenvolvidos ao longo da BR-040 e imediações. São mais de 300 cidades nesse percurso, que apresentam sete Patrimônios da Humanidade. A Via Liberdade conta com quatro eixos de ações, de forma conjunta, pelos três estados e Distrito Federal, sendo de estruturação, sinalização, promoção dos roteiros e destinos turísticos e intercâmbio cultural.

Exposição Já Raiou a Liberdade: Hinos do Brasil
A exposição conta com os originais dos quatros principais hinos do Brasil: o da Independência, o Nacional, da Bandeira e da Proclamação da República. Essa é a primeira vez que os hinos saíram da Universidade Federal do Rio de Janeiro. A exposição conta com a promoção da APPA - Arte e Cultura.

Sobre a exposição, o presidente da Funarte, Tamoio Marcondes, declarou que “é fundamental que a população brasileira conheça os originais dos hinos, pois eles nos dão a ideia de pertencimento. Isso que enseja neste momento Minas Gerais, pois é a primeira vez que os hinos saem do Rio de Janeiro para uma exposição. Tudo isso nos inspirou a fazer uma programação ao longo do ano, com o próximo passo sendo uma grande exposição em Brasília, no dia da Independência, levando aos brasileiros o grande legado histórico e cultural que temos em nosso país”, contou Marcondes.

Para o professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, maestro Marcelo Jardim, “está sendo um grande momento para todos nós, ver esses hinos chegando até a sociedade brasileira, pois eles são símbolos que nos dão a ideia de nação. Então essa exposição viabiliza o acesso a esses documentos e a permanente restauração com essas preciosidades de nosso país”.

A Exposição ficará aberta ao público no Palácio da Liberdade até o mês de setembro, quando será levada para Brasília, para as comemorações oficiais dos 200 anos da Independência do Brasil.

 

 

28 4 2022 minivialiberdade

Imagem: Paulo Lacerda

Iniciativa da Secult tem o objetivo de capacitar profissionais do setor em Minas e promover constante qualificação

Na primeira semana de treinamento on-line para “Conselheiros e Ativistas de Cultura”, realizado pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) em 19 de maio, a região intermediária atendida foi a de Belo Horizonte, que conta com 74 municípios. Foram 127 inscritos com 48 participantes efetivos. Devio à grande procura, haverá uma segunda rodada de treinamento para a Região Intermediária de Belo Horizonte em 28 de junho.

Durante o encontro, foram abordados os temas da constituição dos conselhos de cultura, funcionamento interno, papel dos conselheiros, formas de efetivar a atuação, articulação com legislativo, relação poder executivo e sociedade civil, como incorporar os ativistas e grupos de ativismo cultural nos processos formais de conselhos.

Para a equipe técnica da Diretoria de Economia Criativa da Secult, o evento representou uma experiência de trabalho coletivo em que os profissionais puderam exercer suas expertises individuais com foco nas atividades de capacitação e informações para o seu público alvo.

Liderados pelo Diretor José de Oliveira Júnior, que é o facilitador deste treinamento, o time da Economia Criativa conta com especialistas multidisciplinares nas áreas de Comunicação Social, Comunicação Pública, Relações Públicas, Direito, Filosofia, Economia Criativa, Administração Pública, Turismo, Direção de Fotografia e Design.

A iniciativa é realizada em ambiente virtual na plataforma Zoom, no formato de videoconferência, e está com as inscrições abertas para todas as regiões intermediárias de Minas Gerais. As inscrições podem ser feitas neste link. As datas podem ser consultadas AQUI. O próximo treinamento vai contemplar a Região Intermediária de Varginha. O encontro virtual será realizado na quinta-feira (26/5), das 19h às 22h. Mais informações podem ser acessadas em nosso site.

Confira AQUI o tutorial de acesso ao Zoom.

Os treinamentos foram elaborados para atender às demandas encaminhadas à Secult por meio de conselheiros culturais, nas esferas estadual e municipal, durante o processo de operacionalização da Lei Federal nº 14.017/2020 – Lei Aldir Blanc de Emergência Cultural. O objetivo é capacitar os profissionais da cultura em Minas e promover uma constante qualificação do setor.

Confira

a relação dos municípios que compõem as Regiões Intermediárias de Minas Gerais.

 

24 5 2022 miniconsec

Hotéis no estado tiveram média de ocupação de 92,3% entre 21 a 24 de abril

Com o feriado de Tiradentes, Minas Gerais apresentou sólida recuperação turística. O resultado positivo, reflexo das ações do Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) garantiram alta movimentação nos hotéis durante o período de 20 a 24 de abril. Dados da Associação Mineira de Hotéis de Lazer, indicam que a taxa de ocupação em Minas teve média de 92,3%.

Alguns municípios apresentaram resultados semelhantes, como aponta levantamento realizado pelo Observatório do Turismo de Minas Gerais (OTMG). Em Tiradentes, o resultado foi de 93,5%; em São Lourenço, aproximadamente 80%, e Ouro Preto registrou cerca de 90% de ocupação em seus meios de hospedagem. No período do feriado de Tiradentes, a expectativa era de mais de 278 mil pessoas no estado.

Para o secretário de estado de Cultura e Turismo, Leônidas Oliveira, o resultado da movimentação turística em Minas no feriado de Tiradentes ressalta a grande relevância que Minas Gerais tem alcançado no cenário nacional. Segundo o titular da Secult, o estado tem se tornado tendência no turismo brasileiro, e o Destino Minas Gerais se consolida como uma rota cada vez mais buscada pelos turistas.

“Nosso estado concentra uma diversidade enorme de atrações turísticas e culturais, e é justamente essa transversalidade entre esses dois setores, a cultura e o turismo, que nos coloca numa posição de destaque. A nossa mineiridade, a já reconhecida hospitalidade do povo mineiro e tantos outros aspectos característicos de Minas Gerais têm reforçado nossa imagem no país inteiro como um excelente destino turístico”, destaca Oliveira.

Durante o feriado da Semana Santa, os números consolidados pelo Observatório do Turismo de Minas Gerais (OTMG) também indicaram uma recuperação plena do setor, com relevantes índices de movimentação. Na capital Belo Horizonte, por exemplo, a taxa de ocupação hoteleira foi de 47,61%, entre os dias 10 a 16 de abril. Nesse período, o segmento registrou faturamento total de R$ 5,5 milhões.

No ambiente virtual
O Destino Minas Gerais também segue despertando o interesse de internautas de todo o país. No Portal www.minasgerais.com.br, que é um veículo da Secult para a divulgação das atividades turísticas e culturais no estado, foi registrado grande volume de visitações durante o período do feriado de Tiradentes. O tráfego entre os dias 18 e 23 de abril foi de 10.182 acessos. E a média diária de visitas em páginas do site foi de 1.697 cliques.

Em relação à semana anterior ao feriado, houve um aumento de 91% de interações no ambiente virtual. Entre os atrativos mais acessados no feriado de Tiradentes, estão a Gruta Do Maquiné, as cachoeiras do Urubu e do Índio, a Gruta Do Bau, as cachoeiras do Paiolinho e do Dimas, a Estância Hidromineral do Barreiro, a Cachoeira Do Gavião, a Cachoeira Do Tombador e o Pico de São Domingos.

 

 

27 4 2022 miniferiado

Imagem: Pedro Vilela

Evento gratuito ocorre de 25 a 27 de maio, de forma presencial, no Teatro José Aparecido de Oliveira

A Biblioteca Pública de Minas Gerais realiza, entre 25 e 27 de maio, a IV Jornada de Direito. Neste ano, o evento volta a ocorrer de forma presencial, no Teatro José Aparecido de Oliveira. Com o tema “Guerra e Paz: o papel Civilizatório do Direito”, a edição 202 vai reunir uma série de palestras, debates e reflexões a respeito do papel do direito na sociedade. Toda a programação é gratuita, e as inscrições podem ser feitas neste link.

Com coordenação acadêmica de Plauto Cardoso e Eliani Gladyr a jornada vai reunir 15 palestrantes em diferentes mesas que abordam variadas discussões. Entre os temas, estão inteligência artificial, robótica, recuperação judicial e cidadania e as lutas e os direitos das mulheres. O evento também vai abordar o papel da comunicação não violenta na mediação de conflitos e o lançamento do livro “Cartas à Humanidade”, de Plauto Cardoso.

De acordo com a coordenadora acadêmica do evento, Eliani Gladyr, a jornada reafirma a versatilidade da Biblioteca Pública. “O evento nos permite fomentar debates, ideias e discussões. Com o retorno das atividades presenciais, a Biblioteca ganha local de destaque como espaço de fruição e de diversidade. Ao longo dos três dias, vamos receber convidados e convidadas com pensamentos e ideias diferentes, o que contribui muito para enriquecer os debates”, destaca.

O evento, que é voltado especialmente para estudantes e profissionais da área jurídica, também pode ser acompanhado pelo público interessado no tema. A programação completa está disponível para consulta AQUI. As mesas acontecem sempre das 9h às 12h, e os inscritos receberão, ao fim do evento, um certificado de participação.

 

 

24 5 2022 minijornada

A Via Liberdade, que será lançada hoje, em solenidade na Praça da Liberdade e Palácio da Liberdade já conta com investimento de R$ 4 milhões, assinado ontem, em acordo de cooperação entre o Governo de Minas Gerais e o sistema Fecomércio, Senac MG e Sesc. O objetivo é o fomento e a estruturação do turismo através de ações de capacitação, promoção, marketing turístico e intercâmbio cultural nos municípios de Minas Gerais que integram a rota. 

“O que estamos fazendo aqui é um trabalho que será realizado ao longo dos próximos anos para que todo este trajeto seja mais bem estruturado, no sentido de se transformar em algo bastante atrativo para quem transita”, explicou o governador.   

Zema salientou ainda a importância do turismo e da cultura para o desenvolvimento do estado. “Temos uma gastronomia que é uma das melhores do mundo, temos as cidades históricas, temos as montanhas, nossos lagos e, principalmente, um povo acolhedor, além do Estado ser o mais seguro do Brasil. Quem viaja quer segurança e tranquilidade” disse.

A Via Liberdade conta com R$12,2 milhões de investimentos, ao todo, com editais, parcerias e investimentos nas autarquias estaduais. O secretário de Estado de Cultura e Turismo também destacou a importância do acordo firmado com a Fecomércio. 

“Quando eu cheguei aqui no Estado a minha primeira parceria foi com a Fecomércio, com a Via Liberdade. Eu acredito que nunca vamos parar porque realmente é uma instituição que tem um carinho especial com a cultura, o turismo e com o desenvolvimento econômico, sobretudo, com a geração de emprego e renda que é ímpar e muito importante para todos nós”, completou o secretário.  

“Estamos muito satisfeitos com essa parceria e tenho certeza que muitas ainda virão. Só tenho a agradecer ao governador e ao secretário Leônidas pela oportunidade de participar de um projeto tão importante para o desenvolvimento do nosso estado”, disse o presidente do Sistema Fecomércio MG, Sesc, Senac e Sindicatos Empresariais Lazaro Luiz Gonzaga. 

O Acordo de Cooperação Técnica representa o fortalecimento de políticas públicas por meio de parcerias com o intuito de fomentar a atividade turística e cultural pelos eixos do projeto: capacitação, estruturação, marketing e intercâmbio cultural.

 

26 4 2022 miniacordo

Estão encerradas as inscrições para participação na primeira edição da "Noite Mineira de Museus e Bibliotecas". Os inscritos já podem acessar o kit digital com os templates do evento para criarem a divulgação da programação proposta. Na próxima segunda-feira, dia 30 de maio, será divulgado o Guia de Programação com a relação de todos os eventos participantes da "Noite Mineira de Museus e Bibliotecas". 

A "Noite Mineira de Museus e Bibliotecas" será realizada no dia 9 de junho e é promovida pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult/MG), por meio da Superintendência de Bibliotecas, Museus, Arquivo Público e Equipamentos Culturais (SBMAE), com apoio da Diretoria do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas (DLLLB) e da Diretoria de Museus (DIMUS).  

A ação é um convite para que bibliotecas públicas e comunitárias e museus públicos e privados do Estado de Minas Gerais ampliem o horário de funcionamento uma vez por mês, oferecendo ao público no período noturno a oportunidade de participar de exposições, saraus literários, clubes de leitura, encontros com escritores/as, oficinas de arte, exibições de vídeos, instalações culturais, shows, apresentações de dança, espetáculos teatrais, realização de empréstimo de livros, dentre outras atrações. 

Clique AQUI para acessar o kit digital com os templates de divulgação do evento.

 

19 5 2022 mininoite

Intitulada “Faca, palavra e outras coisas para lamber”, a exposição conta com gravuras, esculturas e vídeos do artista belorizontino e marca a inauguração do Ciclo de Mostras BDMG Cultural 2022 na quinta-feira, 28 de abril

De 28 de abril a 05 de junho, o BDMG Cultural apresenta a exposição “Faca, palavra e outras coisas para lamber", uma série de obras do artista Bruno Rios que constituem uma narrativa poética que experimenta diferentes linguagens, como desenhos, gravuras, esculturas e vídeos. A mostra estreia nesta quinta, a partir das 19h, na Galeria de Arte BDMG Cultural e, a partir de 11 de maio, também estará disponível na plataforma mostrasbdmgcultural.org. (Assista ao teaser da mostra aqui).

A exposição apresenta o olhar do artista para a sua trajetória e um interesse genuíno sobre a palavra e seus possíveis desdobramentos semânticos, sensoriais e físicos. “A escrita sempre esteve muito presente no meu processo criativo. Por vezes, ela aparecia como uma forma de captar um pensamento que estava me rodeando, pairando no ar, fosse através de um exercício de refletir sobre o próprio trabalho ou tentando esticar e tornar mais alargados os campos de conhecimento que tal obra ou outra pudessem tocar”, explica Bruno Rios.

As palavras são as protagonistas da mostra que apresenta um conjunto de monotipias e xilogravuras produzidas nos dois últimos anos. “São palavras que foram surgindo no processo criativo de forma muito intuitiva e depois fui entendendo o quão elas estavam ligadas a uma espécie de sinestesia, de sensorialidade, de tatibilidade. Eu produzo muito ouvindo música e tenho, de alguma forma, um processo de me alimentar de leitura, de música, de filme. E aí, eu penso que essas palavras estão ali orbitando meu processo de alguma forma e, vez ou outra, eu capto e trago para o campo do desenho em si, e decido trazer ela de fato para o espaço do papel”, completa o artista.

“São obras interessadas em desafiar as estruturas convencionais da linguagem, à procura de expandir nossos modos de escrever o mundo e a nós mesmos. Se não é possível existir fora da linguagem, é através dela que sofisticamos uma imaginação que permite organizar o real, testar modos de viver e sonhar coletivamente, ontem e hoje. Bruno Rios forja uma escrita para além dos significados pois tudo aqui está dotado de presença. Seus riscos brancos iluminam o céu da gravura como se traduzissem a teimosia de um gesto que resiste à escuridão iminente. Eles acendem e apagam, sobem e descem… como no pulsar de um organismo vivo”, relata a pesquisadora, curadora e crítica cultural Pollyana Quintella, no texto curatorial da exposição.

A exposição “Faca, palavra e outras coisas para lamber” foi selecionada no edital de concorrência pública de artes visuais do BDMG Cultural, realizado entre outubro e dezembro de 2021. A mostra de Bruno Rios inaugura o Ciclo de Mostras 2022 que, durante todo o ano, vai receber mais três exposições: das artistas Bárbara Lissa e Maria Vaz, Pedro David e Massuelen Cristina. Todas as exposições serão realizadas de maneira híbrida, na Galeria de Arte BDMG Cultural, sediada em Belo Horizonte, e em plataforma virtual exclusiva.

Sobre o artista
Natural de Belo Horizonte, Bruno Rios é artista-pesquisador, Mestre em Artes pela UFMG e graduado em Artes Gráficas pela mesma instituição. Trabalha com as mais variadas técnicas, onde conceitualmente se interessa pelas questões relacionadas ao corpo, à paisagem, ao deslocamento, ao jogo, à palavra e ao desenho. Como artista participou de importantes residências, exposições e publicações. Dentre elas destacam-se: Chão de Passagem (exposição individual no espaço Mamacadela, 2019); Corpo Tangente (exposição individual no Palácio das Artes, 2013); VI e IX Bang - Festival Internacional de Video Arte de Barcelona (Arts Santa Monica-Espanha,2013 e 2016); I Bienal Universitária (espaço 104, 2012); 11º Spa das Artes(Recife, 2013). Participa ainda da Residência Artística da FAAP (São Paulo, 2020); do Fórum de Fotoperformance (BDMG Cultural, 2019); do Programa de Residências Internacionais do JA.CA (Nova Lima, 2017); da residência Muros: Territórios Compartilhados (Salvador, 2013); do Programa de Residência Jardim do Hermes (São Paulo, 2015) e da Residência da Feira Plana (São Paulo, 2015). Foi indicado ao Prêmio Pipa 2020, premiado na Mostra EBA-UFMG em 2011, na exposição dos finalistas do Prêmio EDP nas Artes no Instituto Tomie Ohtake em 2014 e possui obras no acervo do Museu de Arte da Pampulha.

Funcionamento da Galeria de Arte 
A Galeria de Arte BDMG Cultural funcionará diariamente, incluindo sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h. Às quintas-feiras, exclusivamente, o espaço terá o funcionamento das 10h às 21h. O uso de máscara é obrigatório em toda a visitação.

O BDMG Cultural é integrante do Circuito Liberdade, complexo cultural sob gestão da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) e que reúne diversos espaços com as mais variadas formas de manifestação de arte e cultura em transversalidade com o turismo. 

Serviço
Mostra “Faca, palavra e outras coisas para lamber”, de Bruno Rios
Período: 28 de abril a 05 de junho
Onde: Galeria de Arte BDMG Cultural (Rua Bernardo Guimarães, 1600 - Lourdes)
A partir de 11/05, virtualmente na plataforma mostrasbdmgcultural.org
Horário: diariamente das 10h às 18h. Quintas-feiras: das 10h às 21h. Na abertura, excepcionalmente, das 19h às 22h
Entrada gratuita

 

26 4 2022 minibdmg

Imagem: Luiza Palhares

 

Durante o evento, a instituição dá destaque à “leitura de imagem” como um dos vários tipos de leitura existentes e como um excelente recurso para as pessoas com deficiência

Ler as imagens que povoam nosso cotidiano, sejam elas impressas, sejam televisivas, virtuais, fotográficas, é fundamental para a compreensão do mundo. Em se tratando da arte, a leitura das imagens auxilia o entendimento sobre uma obra e suas possibilidades de fruição. No entanto, muitas vezes, elas não são absorvidas e nem “lidas” por todos, porque, dentre outros impedimentos, faltam formas adequadas e acessíveis para isso. Para debater este assunto e compartilhar com o público suas ações de acessibilidade, a Casa Fiat de Cultura participa, a convite da Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais, da Bienal Mineira do Livro, que ocorre no BH Shopping. A ação será realizada pelo Núcleo de Acessibilidade e Inclusão do Programa Educativo da Casa Fiat de Cultura, que estará à disposição dos visitantes da Bienal Mineira do Livro, sejam pessoas com deficiência ou não, na Estação Leitura Inclusiva, nos dias 21 e 22 de maio de 2022, das 10h às 14h.

O Núcleo de Acessibilidade e Inclusão do Programa Educativo da Casa Fiat de Cultura apresentará, aos visitantes da Bienal Mineira do Livro, peças multissensoriais, baseadas no painel “Civilização Mineira”, de Candido Portinari, em exposição permanente no hall de entrada da instituição cultural; peças em 3D reproduzindo obras da exposição “São Francisco na Arte de Mestres Italianos”, que esteve em cartaz na Casa Fiat de Cultura em 2018; dentre outros materiais. Todo o conteúdo foi desenvolvido ao longo dos anos, a partir de diálogos e vivências experimentais realizadas com pessoas com deficiência.

Desde sua fundação, há 16 anos, a Casa Fiat de Cultura conta com um Programa Educativo que é peça fundamental no trabalho de valorização e ampliação do conhecimento proporcionado ao público. Dessa forma, o Núcleo de Acessibilidade e Inclusão atua não apenas para desenvolver instrumentos e estratégias de acessibilidade, mas também na promoção de discussões sobre mediação e experiência estética acessíveis.

“Os museus são espaços de descoberta, onde as mentes e os sentidos se abrem para novas perspectivas de reflexão e aprendizagem. A Casa Fiat de Cultura é esse lugar onde o público encontra novas proposições, por meio de uma programação ampla, inclusiva e com temáticas diversificadas. Com o formato híbrido, expandimos o acesso à arte e à cultura, reforçando nosso papel de aceleradora de novas experiências e formas de pensar para todos os públicos”, acrescenta Ana Vilela, gestora cultural da Casa Fiat de Cultura.

Peças acessíveis
Para o painel “Civilização Mineira”, de Candido Portinari, foram criadas três peças multissensoriais. A tela foi reproduzida em escala reduzida, de modo que é possível ser tocada pelo público. A primeira peça ressalta a composição de cores da tela, em que predominam o azul e o laranja, e suas variações e combinações. Nela, as cores foram saturadas, para que tanto quem tem baixa visão quanto quem é vidente possa compreender como esse jogo de cores dialoga no painel. Já a outra peça reproduz as linhas essenciais do desenho da obra e o divide em 12 placas, permitindo que o público entenda como o painel foi composto pelo artista, por meio da montagem e desmontagem das peças. Por fim, a terceira peça destaca a estrutura de composição da paisagem, que é formada por sete camadas, dando as noções de perspectiva que compõem a cena.

Ainda sobre a obra de Portinari, a Casa Fiat de Cultura criou um caderno educativo, impresso em Braille e texto ampliado; vídeo com audiodescrição comentada do painel, com tradução em Libras e legendas; versão sonora da obra para experimentação sinestésica; e gráfico da versão sonora da obra para complementação visual da experimentação sinestésica.

Também estão à disposição do público da Casa Fiat de Cultura três peças que reproduzem obras da exposição “São Francisco na Arte de Mestres Italianos”, que esteve em cartaz no espaço cultural em 2018 e foi eleita, pela publicação The Art Newspaper, da Inglaterra, como uma das 100 mostras mais visitadas do mundo em 2018, na categoria Old Masters. Os quadros reproduzidos em 3D são representativos do Pré-Renascimento, do Renascimento e do Barroco. As peças são feitas de resina, por vetorização das imagens, e consequente conversão em um programa de computador, que as esculpiu em relevo, numa parceria com o Stellantis Design Center South America — centro de design da marca, responsável pela criação de carros do grupo automobilístico.

Serviço:
Leitura de Imagem| Estação Leitura Inclusiva – Casa Fiat de Cultura na Bienal Mineira do Livro
21 e 22 de maio de 2022, das 10h às 14h
Bienal Mineira do Livro no BH Shopping (BR 356, n.º 3049, Belvedere - Belo Horizonte/MG)
Informações: https://bienalmineiradolivro.com.br/

 

 

 

20 5 2022 minibienal

Imagem: Leo Lara / Studio Cerri

No Dia do Trabalhador, Orquestra faz sua primeira apresentação ao ar livre desde o início da pandemia. O repertório é totalmente brasileiro

No 1º de maio, Dia do Trabalhador, a Filarmônica de Minas Gerais volta a se apresentar ao ar livre e faz o primeiro concerto da série “Filarmônica na Praça”, após dois anos de pandemia. O concerto será na Praça da Savassi, em Belo Horizonte, às 11h, com entrada gratuita. Sob a batuta do maestro Fabio Mechetti, Diretor Artístico e Regente Titular da Filarmônica, a Orquestra apresenta um repertório totalmente brasileiro destacando a variedade de estilos e as influências das nossas raízes na música orquestral feita no país, com obras de Alberto Nepomuceno, Eleazar de Carvalho, Francisco Mignone, Gilberto Mendes, Guerra-Peixe, Lorenzo Fernandez e Carlos Gomes.

Para o maestro Fabio Mechetti, Diretor Artístico e Regente Titular da Filarmônica de Minas Gerais, “o concerto do dia 1º de maio, na Praça da Savassi, se reveste de uma característica muito especial. Primeiro porque marca o retorno da Filarmônica aos concertos ao ar livre desde o início da pandemia. Retomamos, assim, a nossa tradição de levar a música de concerto para fora da Sala Minas Gerais, através de apresentações em praças, na região metropolitana de BH e no interior do estado. Segundo, porque daremos início às celebrações dos 200 anos da Independência do Brasil, com um repertório dedicado exclusivamente a grandes compositores brasileiros, desde o Romantismo de Carlos Gomes até obras dos dias de hoje. Esperamos contar com um público que acredito estar saudoso das nossas atividades ao ar livre e, ao mesmo tempo, ansioso por poder celebrar, com grande alegria e entusiasmo, a tão esperada volta à normalidade depois de um período de distanciamento social tão pronunciadoˮ, afirma Mechetti.

Diomar Silveira, presidente do Instituto Cultural Filarmônica, explica que “com este concerto na Praça da Savassi, no próximo 1º de maio, a Filarmônica de Minas presta sua homenagem a todos os trabalhadores e trabalhadoras e retoma a sua missão institucional, interrompida pela pandemia, de democratização do acesso à música de concerto. Assim fazendo, levará até as pessoas a beleza deste gênero musical universal, permitindo que todos se beneficiem de sua força unificadora e emancipadora”. 

Este projeto é apresentado pelo Ministério do Turismo, Governo de Minas Gerais e Usiminas, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. Realização: Instituto Cultural Filarmônica, Secretaria Estadual de Cultura e Turismo de MG, Governo do Estado de Minas Gerais, Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo e Governo Federal. O concerto Filarmônica na Praça conta com o apoio da Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer, com o programa “BH é da Gente”.

Programa
Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
Filarmônica na Praça – 11h
Praça da Savassi – Belo Horizonte (MG)
Concerto gratuito 

Fabio Mechetti, regente 

SILVA                                Hino Nacional Brasileiro

NEPOMUCENO               O Garatuja: Prelúdio

NEPOMUCENO               Batuque

CARVALHO                      Tiradentes: Prelúdio do 3º Ato

MIGNONE                        Congada, Dança Afro-brasileira

MENDES                           Ponteio

GUERRA-PEIXE                Mourão

FERNANDEZ                     Batuque

GOMES                             Fosca: Sinfonia

GOMES                             O Guarani: Protofonia

 

 

26 4 2022 minifilarmonica

Imagem: Daniela Paoliello

Podem se inscrever artistas, curadores, coletivos ou propostas coletivas; Premiação contemplará dois projetos para o Palácio das Artes e dois para a CâmeraSete

Estão abertas as inscrições para a terceira edição do Prêmio Décio Noviello de Artes Visuais e do Prêmio Décio Noviello de Fotografia da Fundação Clóvis Salgado, importantes ferramentas de estímulo à produção artística já consolidadas no calendário das Artes Visuais no Brasil. Podem se inscrever artistas, curadores, coletivos ou propostas coletivas, a partir do dia 13 de maio (sexta-feira), até o dia 1º de julho de 2022 (sexta-feira), de forma gratuita e exclusivamente virtual.

A premiação contemplará dois projetos para o Palácio das Artes – galerias Arlinda Corrêa Lima e Genesco Murta, além de dois projetos para a CâmeraSete – Casa da Fotografia de Minas Gerais, permitindo o acesso do público a diferentes linguagens artísticas, mostras relevantes e de qualidade reconhecida. O edital do Prêmio estará disponível no site da FCS e no site da APPA e o resultado será divulgado no dia 21 de julho de 2022.

Inscrições on-line – As inscrições para o Prêmio Décio Noviello de Artes Visuais e Prêmio Décio Noviello de Fotografia são gratuitas e serão realizadas de forma exclusivamente digital, entre os dias 13 de maio e 1º de julho de 2022. Os trabalhos devem ser submetidos através da plataforma on-line SEI (Sistema Eletrônico de Informações), e para se inscrever é preciso criar um usuário externo. Em um prazo de 48h o cadastro do usuário é validado, e os trabalhos já poderão ser anexados. Todas as orientações sobre o processo de inscrição, a documentação exigida e o link para acesso à plataforma estarão disponíveis no site da Fundação Clóvis Salgado.

Podem se inscrever artistas, curadores, coletivos ou propostas coletivas de brasileiros natos, naturalizados ou estrangeiros com residência no Brasil. Os prêmios para cada modalidade serão de R$10.000,00 (dez mil reais) para cada exposição coletiva e R$8.000,00 (oito mil reais) para as individuais, além de transporte de obras, montagem e divulgação da exposição pelas equipes de Artes Visuais e de Comunicação da Fundação Clóvis Salgado. O resultado do Prêmio será divulgado no dia 21 de julho de 2022. A Instituição também garantirá a publicação de um catálogo das exposições. Dúvidas sobre o edital podem ser esclarecidas somente pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Os trabalhos serão avaliados por uma Comissão de Seleção do Edital, que contará com a participação de profissionais convidados, com notória especialização em Artes Visuais, além de um representante da Gerência de Artes Visuais da Fundação Clóvis Salgado. Serão avaliados os portfólios dos inscritos e os projetos apresentados conforme os seguintes critérios: qualidade e contemporaneidade, relevância estética e conceitual, originalidade e ineditismo em Belo Horizonte e adequação ao espaço físico pretendido.

Prêmio Décio Noviello
Na primeira edição realizada em 2020, o Prêmio Décio Noviello contemplou o artista Froiid (MG) e a curadora Joyce Defim (MG) para a linguagem de Artes Visuais, além de Maurício Pokemon (PI) e Dalila Coelho (MG) na categoria fotografia.

Já na segunda edição do Prêmio, iniciada no ano passado, foram contemplados artistas com diferentes suportes, como pinturas, desenhos, colagens, gravuras, objetos, instalações, holografias, fotografias, entre outros. Na oportunidade, João Angelini (DF) ocupou a Galeria Genesco Murta e Erre Erre (SP) apresentou seu trabalho na Galeria Arlinda Corrêa Lima. Chris Tigra (SP) expôs no primeiro espaço da CâmeraSete e Matheus Dias (CE) ocupou o segundo espaço da Casa da Fotografia de Minas Gerais.

O ano de 2020 marcou o lançamento da nomenclatura Prêmio Décio Noviello, em homenagem ao artista. Antes, de 2016 a 2019, o Prêmio era denominado Edital de Ocupação da Fundação Clóvis Salgado e a partir de 2020 se tornou o Prêmio Décio Noviello de Artes Visuais e Fotografia. Desenhista, cenógrafo, figurinista, gravurista e pintor belo-horizontino, Noviello realizou sua última exposição em vida, Cor Opção, durante a programação do ArteMinas 2018, na Fundação Clóvis Salgado (FCS). Na abertura, o artista reviveu o happening que compunha a mostra Do Corpo à Terra, que integrou a programação de inauguração do Palácio das Artes, em 1970. Em sua trajetória, Décio Noviello também criou inúmeras cenografias e figurinos para balés, óperas e peças teatrais produzidas pela FCS, além de outras mostras de artes plásticas.

Já foram contemplados pelo Edital de Artes Visuais da FCS trabalhos de artistas como Adriana Maciel, André Griffo, Bete Esteves, Claudia Tavares, Éder Oliveira, Isabel Löfgren e Patricia Gouvêa, Juliana Gontijo, Luis Arnaldo, Marcelo Armani, Nydia Negromonte, Ricardo Burgarelli, Ricardo Homen, Lorena D’arc, Renata Cruz e Rodrigo Arruda. Já o Edital de Fotografia da FCS contemplou, desde sua primeira edição, trabalhos dos artistas Daniel Antônio, Letícia Lampert, Luiza Baldan, Nelton Pellenz, Tiago Aguiar, Coletivo Família de Rua, Victor Galvão e Élcio Miazaki.

Ministério do Turismo, Governo de Minas Gerais e Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, por meio da Fundação Clóvis Salgado, apresentam o 3º Prêmio Décio Noviello de Artes Visuais e de Fotografia, que tem correalização da APPA – Arte e Cultura, patrocínio master da Cemig, ArcellorMittal, Instituto Unimed-BH, AngloGold Ashanti e Usiminas, além do patrocínio da Vivo, por meio das Leis Estadual e Federal de Incentivo à Cultura, e apoio cultural do Instituto Hermes Pardini.

A Fundação Clóvis Salgado é integrante do Circuito Liberdade, complexo cultural sob gestão da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) que reúne diversos espaços com as mais variadas formas de manifestação de arte e de cultura em transversalidade com o turismo.

 

20 5 2022 minipremio

Atividade presencial será realizada em maio

Com a proposta de ampliar o conhecimento do público a respeito do universo da leitura e da literatura, a Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais oferece o minicurso gratuito “Da invenção à excelência - o livro impresso, de 1450 a 1570”. A atividade será realizada de forma presencial, nos dias 17(terça-feira) e 18 (quarta-feira) de maio, das 9h às 12h, no setor de Obras Raras da Biblioteca Estadual.

As inscrições podem ser feitas até 13 de maio, por meio de preenchimento de formulário on-line, disponível neste link. Ao todo, são 20 vagas. O minicurso será ministrado pelo historiador e gestor cultural Afonso Andrade. O uso de máscara de proteção, cobrindo nariz e boca, é obrigatório durante toda a permanência no local. Outros protocolos de saúde também devem ser respeitados.

A proposta do curso é mostrar a trajetória do livro impresso, desde seu aparecimento no ocidente, por volta de 1450, sua expansão pela Europa e seu desenvolvimento, principalmente pelos tipógrafos italianos em Veneza, onde as obras impressas ganharam um salto de qualidade em sua produção.

A atividade também apresentará o contexto histórico dessa trajetória e outros aspectos relativos à impressão, distribuição e comércio dos livros no período. Além disso, os participantes terão a oportunidade de conhecer alguns dos livros que integram o vasto acervo do setor de Obras Raras, que reúne importantes publicações de diferentes períodos da literatura mundial.

O minicurso "Da invenção à excelência - o livro impresso, de 1450 a 1570" tem carga horária total de 6 horas. Ao fim da atividade, os participantes receberão um certificado, que será enviado para o e-mail informado no ato da inscrição.

Serviço:
Da invenção à excelência - o livro impresso, de 1450 a 1570
Data: 17/5 (terça-feira) e 18/5 (quarta-feira)
Horário: 9h às 12h
Local: Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais
Endereço: Praça da Liberdade, 21
Inscrições AQUI

 

25 4 2022 minibiblioteca

Com regência do maestro Fabio Mechetti, Orquestra interpreta obras importantes de dois períodos da história da música, o Classicismo e o Romantismo

Os 125 anos de morte de Brahms serão lembrados pela sua grandiosa Primeira Sinfonia, obra emblemática do Romantismo alemão, nos concertos da Filarmônica de Minas Gerais dos dias 19 e 20 de maio, às 20h30, na Sala Minas Gerais. Sob a regência do maestro Fabio Mechetti, a Orquestra interpreta também a Sinfonia nº 100 de Haydn, conhecida como “Militar”, em que os metais e a percussão se destacam. Os ingressos estão à venda no site www.filarmonica.art.br e na bilheteria da Sala Minas Gerais. A capacidade da Sala é de 1.493 lugares.

De acordo com o novo decreto da Prefeitura de Belo Horizonte (nº 17.943), publicado no dia 28 de abril de 2022, com orientações sobre a prevenção da covid-19 em ambientes fechados, o uso de máscara torna-se opcional na Sala Minas Gerais. Veja mais orientações no “Guia de Acesso à Sala”, no site da Orquestra: fil.mg/acessoasala.

Este projeto é apresentado pelo Ministério do Turismo, Governo de Minas Gerais e Instituto Cultural Vale, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. Realização: Instituto Cultural Filarmônica, Secretaria Estadual de Cultura e Turismo de MG, Governo de Minas Gerais, Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo e Governo Federal.

Repertório

Franz Joseph Haydn (Rohrau, Áustria, 1732 – Viena, Áustria, 1809) e a Sinfonia nº 100 em Sol maior, Hob. I:100, "Militar" (1793)
A produção sinfônica de Haydn é pródiga e o acompanha por toda a vida. Foram cento e seis sinfonias, a primeira datando de 1757 e a última, de 1795. As Sinfonias Londrinas, compostas entre 1791 e 1795, marcam um período de maturidade e de decantação do estilo haydniano. Constituem dois grupos: o primeiro, de números 93 a 98, composto durante a primeira visita de Haydn à Inglaterra, quando recebeu o título de Doutor Honoris Causa pela Universidade de Oxford; as sinfonias do segundo grupo, 99 a 104, foram compostas em Viena e Londres, para a sua segunda viagem à Inglaterra. Pertence a este grupo, portanto, a Sinfonia nº 100. Escrita entre 1793 e 1794, seu apelido ("Militar") deriva do uso, no segundo movimento, de evocações de fanfarras com trompetes e efeitos da percussão. Estes também retornam ao final do último movimento, colorindo a orquestração dos tutti. Com o bom humor que o acompanhou por toda a vida e que transparece também em sua obra, Haydn sabe, na Sinfonia nº 100, transcender à regra sem transgredi-la, confirmando sua aderência completa à linguagem do Classicismo.

Johannes Brahms (Hamburgo, Alemanha, 1833 – Viena, Áustria, 1897) e a obra Sinfonia nº 1 em dó menor, op. 68 (1855/1876)
Brahms tinha já 43 anos quando apresentou ao público sua primeira sinfonia — fato surpreendente para um compositor que, desde criança, se dedicara exclusivamente à música e acumulara várias obras de peso. Quando, em 1862, Brahms fixou-se definitivamente em Viena, o público já o aclamava como o “herdeiro de Beethoven”. Importantes músicos contemporâneos, como o crítico Eduard Hanslick, zelosos com a tradição musical alemã, o elegeram como a figura emblemática do movimento de reação à “música do futuro”, preconizada pelos poemas sinfônicos de Liszt e pelo drama musical wagneriano. É provável que o receio de uma comparação direta com o legado beethoveniano determinasse a demora da estreia da primeira sinfonia de Brahms. A partitura passou por um longo processo de elaboração que se arrastou por mais de 20 anos, de 1854 a 1876. Logo após a estreia da Primeira, o maestro von Bülow a denominou a Décima, aludindo à continuidade que ela representaria em relação às nove sinfonias de Beethoven. Entretanto, a Primeira é uma obra absolutamente pessoal, dosando com inteligência a variedade de recursos e os elementos de contraste, como o uso de tonalidades e compassos diferentes para cada andamento. Brahms limitou-se à orquestra usada por Beethoven na Nona Sinfonia e conseguiu cores e planos sonoros absolutamente originais que contribuem para realçar os aspectos inovadores de sua sinfonia — as sutilezas rítmicas, mudanças de acentuação, ruptura da regularidade dos compassos e a genial habilidade em variar os temas com fragmentações e inversões.

Programa
Orquestra Filarmônica de Minas Gerais

Série Allegro
19 de maio – 20h30
Sala Minas Gerais 

Série Vivace
20 de maio – 20h30
Sala Minas Gerais 

Fabio Mechetti, regente

 

PROKOFIEV                 Sinfonia Concertante, op. 125

BRAHMS                      Sinfonia nº 1 em dó menor, op. 68

 

INGRESSOS:

R$ 50 (Coro), R$ 50 (Terraço), R$ 50 (Mezanino), R$ 65 (Balcão Palco), R$ 86 (Balcão Lateral), R$ 113 (Plateia Central), R$ 146 (Balcão Principal) e R$ 167 (Camarote).

Ingressos para Coro e Terraço serão comercializados somente após a venda dos demais setores.

Meia-entrada para estudantes, maiores de 60 anos, jovens de baixa renda e pessoas com deficiência, de acordo com a legislação.

 

Informações: (31) 3219-9000 ou www.filarmonica.art.br

 

Bilheteria da Sala Minas Gerais

 

Horário de funcionamento

 

Dias sem concerto:

3ª a 6ª — 12h a 20h

Sábado — 12h a 18h 

 

Em dias de concerto, o horário da bilheteria é diferente:

— 12h a 22h — quando o concerto é durante a semana 

— 12h a 20h — quando o concerto é no sábado 

— 09h a 13h — quando o concerto é no domingo

 

Cartões e vale aceitos:

Cartões das bandeiras American Express, Elo, Hipercard, Mastercard e Visa.

Vale-cultura das bandeiras Ticket e Sodexo.

 

 

20 5 2022 minifilarmonica

Imagem: Daniela Paoliello

O 1º Festival Nacional de Arte, Cinema e Cozinha Mineira, que termina neste domingo (24/4), inseriu a cidade de Nepomuceno no circuito mineiro de festivais culturais e gastronômicos. O café, principal atividade agrícola da região, é a grande atração da feira. Prova disso é que o município quer entrar para o livro mundial dos recordes - Guinness Book - com a maior degustação de café do mundo.

A feira também conta com shows, exibição de filmes e oficinas, além de um lugar de destaque para a comida mineira. O governador Romeu Zema e o secretário de Estado de Cultura e Turismo, Leônidas Oliveira, participaram do evento e puderam acompanhar uma ação que reuniu cerca de duas mil pessoas que tomaram shots de café ao mesmo tempo. A expectativa é a de que a cidade supere o título que atualmente pertence a Moscou, na Rússia.

“Esse festival tem tudo a ver com o que Minas Gerais tem de melhor: uma gastronomia diferenciada e apreciada em todo mundo; o café, que tem uma enorme força econômica. Se Minas fosse um país, seria o maior produtor do grão no mundo. Temos cafés da maior qualidade”, disse o governador.   

A feira conta com o Selo Evento Seguro, que atesta que os protocolos de saúde e segurança definidos pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) são cumpridos. A festa conta também com o Selo Cozinha Mineira. 

 “Um dos primeiros projetos que apresentei ao governador foi a ideia de fazer da cozinha mineira um patrimônio histórico de Minas Gerais e do Brasil. Temos a mania histórica de valorizar o que vem de fora e precisamos mudar isso. E a comida mineira é importante também, pois é um segmento e atrativo importante do turismo no estado”, destacou o secretário Leônidas Oliveira.

 

24 4 2022 mininepomuceno

A Fundação de Arte de Ouro Preto| FAOP participou da programação da 20° Semana Nacional de Museus, em Belo Horizonte. A restauradora e coordenadora do  Laboratório de Conservação e Restauro Jair Afonso Inácio (LABCOR), Bianca Monticelli, ministrou, no Dia Internacional dos Museus, a oficina “Acondicionamento e Embalagem de Acervo”, promovida pelo Museu Mineiro. 

 A oficina presencial e gratuita, com vagas esgotadas, foi realizada na quarta-feira (18/5). O objetivo da atividade é, a partir da junção de teoria e prática, direcionar os participantes para atuar na identificação dos problemas relacionados à preservação de acervos e para realizar procedimentos preventivos e curativos básicos nas obras.  

 Os inscritos foram apresentados a um panorama geral que possibilitou, por exemplo, auxiliar equipes que atuam com a preservação de obras de arte e acervos culturais nos suportes em papel, madeira e tela. A oficina é voltada para quem deseja se capacitar na área ou que já lida diretamente com acervo, como estudantes e profissionais da conservação e restauração, artistas, colecionadores, profissionais de entidades museológicas ou que tenha acervos de obras de arte, paróquias, e zeladores de igrejas. 

Bianca conta que a oficina também é uma forma de evidenciar a importância dos cuidados e da formação adequada para lidar com acervos de todo o tipo. Além disso, chama atenção para a necessidade de uma boa gestão de acervos e para a questão do acondicionamento, isto é, o modo de armazenamento e as condições físicas do local. 

"Grande parte das obras que entram para restauro no Labcor, apresentam problemas devido ao mau acondicionamento. De nada vale uma obra passar pelo processo do restauro e ser mal acondicionada, pois com o tempo diversas patologias podem aparecer. Esses cuidados incluem  o uso de materiais corretos, local e iluminação adequados. E, principalmente, o manuseio específico de cada tipo de obra", relata a restauradora. 

Conheça o Labcor 
Voltado para acervos públicos e particulares, o Laboratório de Conservação e Restauro Jair Afonso Inácio | Labcor, localizado em Ouro Preto, presta serviços no campo da restauração de bens integrados móveis e imóveis, especificamente nas áreas de esculturas em suporte de madeira, pintura de cavalete e suportes de papel, o que inclui, por exemplo, desde esculturas devocionais à diplomas e certificados antigos.

O local oferece também os serviços de  diagnósticos das obras, elaborando projetos, orçamentos, laudos químicos, tanto para empresas e instituições, quanto para a comunidade em geral, como paróquias ou mesmo pessoas físicas e famílias, que buscam o resgate de sua história e identidade. 

Inaugurado no fim de 2018, o Labcor possui equipamentos e materiais modernos de conservação e restauração, um ambiente adequado e profissionais capacitados, sendo alguns deles estagiários vindos do próprio curso oferecido pela FAOP, o Curso Técnico em Conservação e Restauro, um dos mais antigos e bem conceituados do país. A infraestrutura é fruto de convênio com a Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais | Codemge.

 

20 5 2022 minifaop

Uma das maiores do Estado, a rampa é um local privilegiado para o turismo de aventura

Com o objetivo de fortalecer o turismo na cidade, foi inaugurada na manhã de sábado (23/4), na cidade de Pequi, a Rampa de Voo Livre João Batista Torres. O nome é homenagem a um morador que chegou na cidade em 1934 e se apaixonou pelo Ponto Chic. Ele tinha um carinho especial pelo local, além de cuidar e preservá-lo por toda a sua vida, deixando como legado todo o seu amor pelo ponto turístico.

A rampa é ponto de encontro de pessoas de várias idades que vem ao local para praticar atividades como caminhada, trilha de bicicleta ou mesmo para curtir as belezas naturais e a paisagem exuberante. É uma das maiores do Estado, o que possibilita aos pilotos de parapente e parâmetro voarem em altitudes maiores.  

“Estamos celebrando o ano da mineiridade, que é justamente esse acolhimento do nosso Estado. Além disso, nossa cozinha mineira está se tornando patrimônio imaterial. A gente tem muito a comemorar e percebo que essa região tem muito disso. É muito importante que a gente esteja aqui todos juntos celebrando”, destacou a secretária adjunta de Estado de Cultura e Turismo, Milena Pedrosa. “O turismo de aventura, o ecoturismo, o cicloturismo são fortíssimos em Minas Gerais. E isso é importante para gente pensar em cada vez mais fortalecer esse setor que é desenvolvimento social, territorial, econômico”, completou.  

Logo pela manhã alguns voos foram realizados na rampa. Após a solenidade, a placa foi descerrada e a rampa oficialmente inaugurada.  Durante o evento, a secretária adjunta aproveitou para conhecer os artesãos locais e conversar com prefeitos e secretários de cultura e turismo da região. 

O presidente da instância de governança regional da trilha dos bandeirantes, Wanildo Silva agradeceu ao apoio do prefeito e contou sobre as dificuldades que encontrou no início de seu trabalho. “Nós estamos trazendo desenvolvimento para sociedade porque o turismo gera emprego e precisamos fazer a nossa cidade crescer cada dia mais. A gente sabe o tanto que foi árduo e difícil. Recebemos críticas, mas hoje podemos ver aqui mais de cem pessoas voando e oferecemos uma boa estrutura para que isso aconteça", observa o prefeito de Pequi, André Melgaço.

Também participaram do evento autoridades do poder legislativo e executivo da região e também a gestora da Instância de Governança Regional da Trilha dos Bandeirantes, Cecília Galvão.

 

24 4 2022 minipequi

Projeto do Governo de Minas Gerais leva sinal digital para todo o estado e agrega conteúdo direcionado à educação na programação da emissora pública Rede Minas

Foi em um prédio histórico de Leopoldina, na Zona da Mata, que foi dada a largada da cobertura digital de televisão em todo o estado de Minas Gerais. O presidente da Empresa Mineira de Comunicação (Rede Minas e Rádio Inconfidência), Sérgio Rodrigo Reis, e autoridades do município estiveram reunidos no Centro Cultural Mauro de Almeida, nesta quarta (18/05), quando foi lançado o “Digitaliza Minas”. O projeto garante o sinal digital em cidades mineiras que ainda não foram beneficiadas pela tecnologia. A ação inovadora permitirá a transmissão da programação da Rede Minas e a criação de outros canais. É a multiprogramação, uma iniciativa da Secretaria de Estado de Educação e da EMC para levar conteúdo educativo para a tela da TV.A iniciativa ousada coloca Minas Gerais na frente. “Não é pouca coisa chegar com sinal de TV e multiprogramação nos 853 municípios. Acho que não existe projeto parecido no mundo”, diz o diretor de Telecomunicações e Expansão da EMC, Edson Siquara. “É um dia que vai ficar na nossa história”, destaca Sérgio Rodrigo Reis, que completa: “inauguramos aqui, hoje, o maior projeto de inclusão digital do Brasil, dadas as dimensões de Minas Gerais”. O presidente da EMC, que gerencia as emissoras públicas mineiras, fala sobre o empreendimento. “Há dois anos, quando a gente chegou, a TV pegava em 302 cidades, a maioria com sinal analógico. A nossa perspectiva era de que, em 2023, quando o sinal analógico for desligado no país, a Rede Minas iria diminuir o alcance para 50 cidades que têm o sinal digital. A nossa perspectiva era muito ruim”. Com o “Digitaliza Minas” essa realidade mudou. O projeto já teve início com a instalação de transmissores em 33 municípios. No total, serão 332 cidades, sobretudo as acima de 50 mil habitantes, que vão receber antenas garantindo o acesso gratuito ao sistema digital, em um investimento de R$ 74 milhões do Governo Estadual.A TV digital chega em todo o Estado e com novidades. Além da programação da Rede Minas, outros três canais vão ser implantados dedicados à educação e ao conhecimento. Além da programação atual, dois canais serão reservados, exclusivamente, à educação e outro ainda está em fase de planejamento. A ação é da Secretaria de Estado da Educação em parceria com a Empresa Mineira de Comunicação. As opções vão permitir a aplicação de um novo conceito que leva a escola à casa do aluno, combinando o ensino presencial com o ensino a distância. A medida não visa substituir o ensino presencial, mas será uma importante ferramenta para garantir o acesso ao conteúdo da grade escolar e opções diversas. Hoje, a Rede Minas é a maior produtora de conteúdo local e a inserção da multiprogramação acresce, ainda mais, esse conteúdo. “É a televisão aberta, a televisão de graça, a televisão que está nos lares da maioria do povo levando educação, conhecimento, cultura, entretenimento, oportunidades para todos os mineiros”, comemora Sérgio.Leopoldina festeja participar desse momento. “Leopoldina está radiante por ser a primeira cidade mineira a receber um canal desse projeto Digitaliza Minas”, disse o prefeito Pedro Augusto Junqueira Ferraz durante o evento.  Na oportunidade, ressaltou: “não é um canal. São quatro canais digitais focalizando vários aspectos do nosso dia a dia”, diz ele, que salienta a importância da ação para o desenvolvimento do município e da região. Pedro Ferraz também frisou o trabalho que vem sendo feito pela Rede Minas. “Instituição tão importante para Minas Gerais que continua teimando em vender a mineirice, a mineiridade, fazendo com que ela faça parte da nossa vida e que dê exemplos para Minas e para o Brasil”, disse.Os eventos que celebram o “Digitaliza Minas” continuam em todo o estado. Nas semanas seguintes, o lançamento se estende para outras regiões. No mês de maio, as cerimônias acontecem em Congonhas do Norte, na região central, e Salinas, norte de Minas.O lançamento oficial aconteceu ontem, 18/05, em Leopoldina, e está disponível no canal do YouTube da Rede Minas (youtube.com/redeminas). A Rede Minas pertence à Empresa Mineira de Comunicação (EMC), vinculada à Secretaria de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult-MG).

 

Como sintonizar:
redeminas.tv/comosintonizarA Rede Minas está no ar no canal 9 (VHF); Net 20 e Net HD 520; Vivo 9; e através do satélite Brasilsat C2 para a América Latina.Acesse as redes sociais:
www.redeminas.tvfacebook.com/redeminastvinstagram.com/redeminastvtwitter.com/redeminasyoutube.com/redeminasAtendimento ao público:
Tel: (31) 3254-3000
Whatsapp: (31) 98272-6543

 

20 5 2022 minidigitaliza

Além de pontuar as relações afetivas e identitárias dos mineiros com os trens, serão apresentados destaques do acervo do Museu Ferroviário de Juiz de Fora

Do transporte de cargas ao de passageiros, os trens fazem parte da história de Minas Gerais. Em 30 de abril, celebra-se o Dia do Ferroviário – uma homenagem à inauguração da primeira linha de ferro do Brasil, a Estrada de Ferro Mauá. Para marcar a data, a Casa Fiat de Cultura realiza o Encontros com o Patrimônio “Pelos trens de Minas: um passeio pela história ferroviária”, que abordará a história das ferrovias e seus aspectos patrimoniais, bem como a relação dos mineiros com os trens. O convidado será o supervisor do Museu Ferroviário de Juiz de Fora, Marco Aurélio de Assis, que participará de um bate-papo ao vivo com a historiadora e educadora do Programa Educativo da Casa Fiat de Cultura, Ana Carolina Ministério. O evento será realizado no domingo, dia 24 de abril, das 11h às 12h30, com participação gratuita e inscrições pela Sympla.

O bate-papo terá início com breve contextualização sobre as ferrovias pelo mundo. A evolução técnica e tecnológica na Inglaterra entre o fim do século 18 e o início do século 19, influenciada, sobretudo, pela Revolução Industrial, culminou na criação da primeira locomotiva a vapor, em 1814, pelo inglês George Stephenson. “Foi a partir de então que os trens começaram a conquistar o mundo”, aponta Ana Carolina Ministério. Ela relembra que 40 anos mais tarde, em 30 de abril de 1854, foi construída, no Brasil, a primeira ferrovia, obra de Irineu Evangelista de Souza, o Barão de Mauá. “A história das ferrovias demonstra como o Brasil se inseriu na Revolução Industrial. Elas são símbolos de modernização e desenvolvimento, e marcaram a história política e econômica do país”, ressalta a historiadora.

Durante o evento, também será abordado como as locomotivas povoam o imaginário dos mineiros e estão presentes na memória afetiva dos moradores mais antigos do estado, já que muitas cidades foram desenvolvidas em torno da rede ferroviária. “Há cidades que surgiram, se expandiram, ou até mesmo deixaram de existir pelas ferrovias. Além de transportar cargas e fazer circular riqueza, os trens aproximaram as pessoas. É a história da mobilidade humana”, evidencia Ana Carolina Ministério. A historiadora ainda irá falar dos aspectos patrimoniais, sobre como esse patrimônio está sendo cuidado, além de revelar algumas curiosidades, como o porquê do “trem” fazer parte do linguajar dos mineiros.

Marco Aurélio de Assis, que integra a equipe do Museu Ferroviário de Juiz de Fora desde sua fundação, apresentará os destaques do acervo da instituição. Inaugurado em 2003, o museu possui um acervo de mais de 300 peças sobre a história da ferrovia no município e no Brasil. Neto e filho de ferroviário, ele também recordará a história dos trens em Juiz de Fora e reforçará a importância das ações de educação patrimonial.

O Encontros com o Patrimônio “Pelos trens de Minas: um passeio pela história ferroviária” é uma realização da Casa Fiat de Cultura e do Ministério do Turismo, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, com patrocínio da Fiat, do Banco Safra e da Usiminas, e co-patrocínio do Grupo Colorado. O evento tem apoio institucional do Circuito Liberdade, do Governo de Minas e do Governo Federal, além do apoio cultural do Programa Amigos da Casa, da Brose do Brasil e do Instituto Usiminas.

Marco Aurélio de Assis
Fotógrafo, técnico audiovisual, e funcionário público da Fundação Cultural Alfredo Ferreira Lages (Funalfa), onde trabalha há 38 anos. Exerceu trabalhos na produção de vídeos institucionais e programação de filmes em projetos de exibição, como o Cinema Volante e o Cinema nos Bairros, e na criação de Cineclubes, com destaques o “Cinema Paraíso” e “Cine Maria Fumaça” da extinta Rede Ferroviária Federal (RFFSA).

Neto e filho de ferroviário, em 2003 passou a integrar a equipe do Museu Ferroviário de Juiz de Fora com o objetivo de realizar projetos cinematográficos, como o “Cinema na Estação”, que possibilitou outras propostas como o lançamento do “Primeiro Livro de Memória Oral da Ferrovia”, que colheu depoimentos de antigos ferroviários, e o “Cineclubinho”, com oficinas de produção audiovisual para crianças. Apaixonado pelo universo museológico, tendo como destaque a higienização do acervo, que lhe rendeu uma homenagem junto ao aniversário de 17 anos do Museu Ferroviário de Juiz de Fora, com a exposição intitulada "Atento".

 

20 4 2022 minicasafiat

Imagem: Carlos Mendonça

Encontro virtual com o público será realizado na quinta-feira, 26 de maio

A leitura, hoje, é uma prática social que se vale de muitos suportes, canais, formatos e tecnologias. Que trilhas as pessoas usam para chegar à leitura literária na atualidade? É sobre essas possibilidades que a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult), por meio do Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de Minas Gerais (SEBPMG), promove a palestra “Livros e telas: trilhas da literatura”, com participação da doutora em Linguística Aplicada e professora do Cefet-MG, Ana Elisa Ribeiro.

Com mediação da bibliotecária Cleide Fernandes, o evento ocorre na quinta-feira (26/5), às 16h, em plataforma de videoconferência. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas AQUI. O link para acesso é enviado para o e-mail da pessoa inscrita imediatamente após o preenchimento do formulário. Caso não receba o link, é necessário entrar em contato pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. As vagas são limitadas e haverá emissão de certificado.

Durante a palestra, a convidada vai debater com o público a relação existente entre a literatura, a leitura e os diferentes suportes tecnológicos. Nesse encontro virtual, serão abordadas diferentes percepções a respeito dessas linguagens e como esses recursos podem ser complementares. Ana Elisa Ribeiro também irá debater com os participantes os possíveis desdobramentos e caminhos que podem aproximar ou formar novos públicos para a leitura e a literatura.

Sobre a convidada
Ana Elisa Ribeiro é Professora Titular e pesquisadora do Departamento de Linguagem e Tecnologia do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG), onde atua em três níveis de ensino: médio, graduação e pós-graduação. É doutora em Linguística Aplicada (Linguagem e tecnologia) e mestre em Estudos Linguísticos (Cognição, linguagem e cultura) pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), onde também se bacharelou e licenciou em Letras/Português. Lidera o grupo de estudos (CNPq) Mulheres na Edição e é membro do GT A mulher na literatura da ANPOLL.

Coordena o projeto de extensão Aula Aberta. Tem trabalhado em duas frentes: a linguística aplicada e a edição, em pesquisas que se ocupam sempre das relações entre leitura, escrita e tecnologias. Entre outros, é autora dos livros "Escrever, hoje" (Parábola Editorial), "Livro - Edição e tecnologias no séc. XXI" (Moinhos/Contafios) e "Multimodalidade, Textos e Tecnologias" (Parábola, 2021). É escritora, autora de livros e publicações literárias. Sua produção pode ser encontrada no site anadigital.pro.br, além do contato pelo Instagram @anadigital.

 

19 5 2022 minidialogos

Feriado de Tiradentes deve atrair mais de 278 mil pessoas; Estado também se destaca como destino nas buscas em plataformas digitais

Resultado das ações do Governo de Minas Gerais, por meio da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) para a recuperação do setor de turismo no estado, a expectativa de movimentação no período do feriado de Tiradentes tem apresentado números positivos. De acordo com levantamento realizado pelo Observatório do Turismo de Minas Gerais (OTMG), são esperadas mais de 127 mil pessoas na rodoviária de Belo Horizonte.

 volume representa 182% de crescimento na quantidade de passageiros verificada no mesmo feriado em 2021 (cerca de 45 mil pessoas), período em que as medidas de proteção à pandemia limitavam as viagens e deslocamentos. A expectativa para 2022 é de que haja 2.538 partidas (cerca de 62% a mais que em 2021) e 2.590 chegadas de ônibus (em torno de 64% a mais que em 2021).

No Aeroporto Internacional de Confins, a projeção é de que em torno de 151 mil pessoas devem passar pelo terminal de Belo Horizonte entre os dias 20 e 25 de abril, registrando um total de 1.261 voos, entre embarques e desembarques. O número é superior ao feriado da Semana Santa (14 a 18 de abril), quando houve expectativa de 130 mil passageiros e 1.095 voos, entre chegadas e partidas.

De acordo com o secretário de estado de Cultura e Turismo, Leônidas Oliveira, a expectativa para o feriado de Tiradentes é um indício de que Minas Gerais tem se tornado uma tendência no turismo nacional. Para o titular da pasta, as diversas ações que vêm sendo realizadas no âmbito da recuperação turística asseguram ao estado uma posição de destaque entre os destinos brasileiros.

“Minas tem sido buscada por diversos turistas no país inteiro, justamente por essa transversalidade entre cultura e turismo. As atrações culturais e as opções turísticas por aqui fazem de nosso estado um lugar de interesse e descobertas. Os números positivos indicados para o feriado de Tiradentes refletem muito isso, que tem a ver com uma busca pela tradição, pela hospitalidade, e claro, toda a mineiridade que tem nos definido”, destaca.

Durante o feriado da Semana Santa, os números já consolidados pelo Observatório do Turismo de Minas Gerais (OTMG) também indicaram uma recuperação plena do setor. Na capital, por exemplo, a taxa de ocupação hoteleira foi de 47,61%, entre os dias 10 a 16 de abril. Nesse período, o segmento registrou faturamento total de R$ 5,5 milhões.

Em formatos digitais
Minas Gerais também se consolida como um destino frequente nas buscas por internautas. Diversas cidades mineiras se mantiveram em evidência na plataforma Google durante os dias 11 e 17 de abril. Belo Horizonte, São João del-Rei, Tiradentes, Ouro Preto, Poços de Caldas, Monte Verde e Monte Sião dividiram a atenção das pessoas em pesquisas sobre “lugares para viajar em Minas Gerais”, de acordo com dados da agência de viagens CVC. Ouro Preto registrou aumento de 900% nas buscas nos dias que antecederam a Semana Santa.

E, no portal Minas Gerais, veículo da Secult para a divulgação das atividades turísticas e culturais no estado, o registro de buscas sobre destinos mineiros teve amplo acesso. Na guia “eventos” da página, foram contabilizadas 147.191 buscas por cidades mineiras no período de 10 a 18 de abril. Entre os 30 municípios mais visitados, estão as cidades de Montezuma, Serro, Catas Altas, Santana dos Montes, Capitólio, Santo Antônio do Leite, Belo Vale e Muriaé.

 

20 4 2022 miniturismo

Imagem: Pedro Vilela

A convite do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas (IFSULDEMINAS) e da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado Minas Gerais (Emater-MG), a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) marcou presença na VI Semana do Jovem Agricultor – VI SEJA, realizada entre 3 e 6 de maio.

Durante o evento, que neste ano abordou o tema “Turismo Rural”, técnicos da Diretoria de Capacitação e Qualificação da Secult ministraram um minicurso de Condutor de Turismo Rural aos profissionais envolvidos na cadeia turística dos municípios de Inconfidentes, Carmo de Minas e Muzambinho.

A Semana do Jovem Agricultor tem como objetivo oportunizar espaços de formação, interação e diálogo sobre o turismo rural como estratégia de desenvolvimento rural e oportunidade de ocupação e renda para a juventude. O evento, que foi realizado entre 2009 e 2013 retomou as atividades presenciais em 2022.

 

19 5 2022 minicurso

Feriado nacional faz referência ao dia da morte de Tiradentes
 
Para comemorar o feriado do Dia de Inconfidência, também chamado por Dia de Tiradentes, o Brasil das Gerais desta quinta-feira (21), traz os fatos e as contradições nos relatos sobre sobre Joaquim José da Silva Xavier, popularmente conhecido como Tiradentes.
 
No programa, o historiador Fernando Figueiredo e o professor de história da Unesp, André Figueiredo Rodrigues, contextualizam os acontecimentos que cercaram a vida de uma das grandes figuras da história do Brasil.
 
Tiradentes foi um dos participantes ativos da conspiração chamada Inconfidência Mineira, um dos principais movimentos que ocorreu na então capitania de Minas Gerais contra o domínio português. Foi condenado à forca por traição à Coroa Portuguesa, sendo executado em 21 de abril de 1792.
 
Por sua conspiração, Tiradentes se tornou um herói da nação na visão dos republicanos. A data de sua execução foi instituída feriado nacional no Brasil em 1965, pelo marechal Castelo Branco, então presidente da República. O feriado ganhou o título Dia da Inconfidência, popularmente conhecido como Dia de Tiradentes. 
 
Apresentado por Patrícia Pinho, o Brasil das Gerais vai ao ar nesta quinta (21), às 13h, pela Rede Minas e no site da emissora: redeminas.tv.
 
Como sintonizar:
redeminas.tv/comosintonizar
A Rede Minas está no ar no canal 9 (VHF); Net 20 e Net HD 520; Vivo 9; e através do satélite Brasilsat C2 para a América Latina. Acesse as redes sociais:
www.redeminas.tvfacebook.com/redeminastvinstagram.com/redeminastvtwitter.com/redeminasyoutube.com/redeminas
 
 
 
 
20 4 2022 miniredeminas
 

Em diálogo com a “Ópera Aleijadinho”, seleção de longas e curtas ficcionais e documentais traz obras que retratam diretamente a vida do artista e filmes que estão ambientadas no universo de sua criação barroca

Antônio Francisco Lisboa. Apenas este nome já abarca um universo riquíssimo de produções artísticas mundialmente conhecidas, aspectos históricos relacionados ao contexto socioeconômico e político de Minas Gerais e elementos culturais intimamente ligados à construção identitária do Brasil. E, como não poderia deixar de ser, a figura de Aleijadinho já foi e ainda é referência para um sem-número de representações midiáticas. É esta variedade de encenações da vida e obra do Mestre do Barroco que o público vai poder conferir na mostra “PAIXÃO, GLÓRIA E SUPLÍCIO - ANTÔNIO FRANCISCO LISBOA”, em sessões no Cine Humberto Mauro, no Palácio das Artes. As exibições acontecem entre os dias 20 e 26 de maio, presencialmente, e de 20 de maio a 20 de novembro, em formato on-line, na plataforma CineHumbertoMauroMAIS, onde os filmes ficarão disponíveis pelo período de 1 a 6 meses, integrando a coleção de clássicos mineiros e brasileiros.

A mostra “PAIXÃO, GLÓRIA E SUPLÍCIO – ANTÔNIO FRANCISCO LISBOA” estabelece um diálogo com a Ópera Aleijadinho, que cumpre temporada no Grande Teatro Cemig do Palácio das Artes entre 14 e 20 de maio. Essa montagem de Aleijadinho é uma das atrações da rota Via Liberdade, nova rota turística e cultural conectando Rio de Janeiro, Minas Gerais, Goiás e a capital do país, Brasília, por meio de ações e programas estratégicos ao longo da BR-040. Também integra a programação do Ano da Mineiridade, da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult), projeto criado para celebrar os elementos que compõem a assinatura mineira, com suas tradições, costumes e histórias.

A proposta da seleção de filmes é apresentar a trajetória pessoal e profissional de Aleijadinho no cinema, ampliando o espectro de compreensão sobre as diversas formas de retratação do artista barroco e de sua obra – de valor estético e histórico incalculável – na sétima arte. O tema central também é a cidade de Ouro Preto, onde a “Ópera Aleijadinho” estreou com grande sucesso, e que também foi cenário e personagem de vários destes filmes de grande magnitude para a cinematografia mineira e nacional. A entrada é gratuita e os ingressos serão distribuídos na bilheteria do Cine Humberto Mauro antes de cada sessão.

Com 15 filmes que cobrem mais de seis décadas de produção cinematográfica nacional, a curadoria da mostra inclui desde obras-primas do cinema brasileiro do século passado a um especial de televisão contemporâneo, passando ainda por filmes mais identificados com um gênero cinematográfico específico (policial ou romance, por exemplo) e curtas-documentários dirigidos pelo realizador que dá nome ao Cine Humberto Mauro.

Bruno Hilário, gerente do Cine, destaca algumas das produções: Aleijadinho - Paixão, Glória e Suplício, lançado em 2000 e dirigido pelo mineiro Geraldo Santos Pereira (que também dirigiu outros dois filmes presentes na mostra), é a principal obra e a que dá título à mostra. Ele salienta que o filme “é interessante por dar protagonismo a um ator negro, Maurício Gonçalves, muito importante na teledramaturgia brasileira, além de ser o filme de maior referência para se pensar Aleijadinho no cinema”.

Já Os Inconfidentes, de 1972 e realizado por Joaquim Pedro de Andrade, guarda uma importância singular porque, segundo Vitor Miranda, produtor e curador do Cine Humberto Mauro, neste longa “a performance dos atores quase mimetiza a intensidade das obras do Aleijadinho. É um filme que referencia o barroco nas interpretações".

Há ainda na programação várias outras obras que tratam especificamente da Inconfidência Mineira, transitando pelo mesmo ambiente histórico e cultural do artista. Dentre elas um filme dirigido por uma mulher: Vinho de Rosas, de Elza Cataldo e lançado em 2005, que é uma produção “fora da curva” se comparado às outras, tanto “pela perspectiva feminina da Inconfidência quanto pela construção barroca da imagem a partir da fotografia, em um jogo de claro e escuro que remete visualmente ao estilo do século XVIII”, conforme pontua Hilário.

Vitor Miranda esclarece que existe também uma proposta educativa e de formação na curadoria, de percorrer a história de Antônio Francisco e de outras figuras da cena barroca mineira no século XVIII. Sobre os curtas-documentários, por exemplo, ele salienta que “cada filme promove uma viagem no tempo nas cidades históricas, oferecendo particularidades da vida do Aleijadinho e de outros personagens”. Tudo isso “em um momento do século XX de muita preocupação com o patrimônio histórico”, complementa Hilário.

A mostra objetiva então, assim como a Ópera, exaltar a multiplicidade do universo criado e habitado pelo Mestre Antônio Francisco, e expor sob vários ângulos as paixões, glórias e o suplício do artista, através de filmes que são, segundo Miranda, “incontornáveis quando se pensa em cinema e Aleijadinho”.

Ministério do Turismo, Governo de Minas Gerais, Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais e Instituto Cultural Vale, por meio da Fundação Clóvis Salgado, apresentam a mostra "Paixão, Glória e Suplício – Antônio Francisco Lisboa”, que tem correalização da APPA – Arte e Cultura, patrocínio master da Cemig, ArcellorMittal, Instituto Unimed-BH, AngloGold Ashanti e Usiminas por meio das Leis Estadual e Federal de Incentivo à Cultura, além do apoio cultural do Instituto Hermes Pardini.

A Fundação Clóvis Salgado é integrante do Circuito Liberdade, complexo cultural sob gestão da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) que reúne diversos espaços com as mais variadas formas de manifestação de arte e de cultura em transversalidade com o turismo.

 

19 5 2022 minichm

Sob a batuta do regente convidado e contrabaixista da Orquestra, Rossini Parucci, concerto terá presença de público e será transmitido ao vivo pelo canal da Filarmônica no YouTube

No dia 24 de abril, às 11h, na Sala Minas Gerais, a Filarmônica de Minas Gerais faz a segunda apresentação do ano da série “Concertos para a Juventude”, dedicada às famílias e à formação de novos públicos. Ao longo de seis concertos gratuitos, sempre aos domingos, a série irá destacar, em 2022, a música de diferentes regiões do mundo. O programa deste concerto traz a música da Inglaterra e Países Nórdicos com obras de Clarke, Sibelius, Holst, Elgar e Grieg. A condução é do regente convidado e contrabaixista da Orquestra, Rossini Parucci. O concerto é gratuito, com presença de público e transmissão ao vivo pelo canal da Filarmônica no YouTube.

A distribuição de ingressos será feita a partir da quarta-feira, dia 20 de abril, após o meio-dia, pela internet, no site da Filarmônica (www.filarmonica.art.br), limitada a 4 ingressos por pessoa. Não haverá distribuição de ingressos no momento do concerto.

Este projeto é apresentado pelo Ministério do Turismo, Governo de Minas Gerais, Cemig e Instituto Unimed-BH através da Lei Federal de Incentivo à Cultura. Realização: Instituto Cultural Filarmônica, Secretaria Estadual de Cultura e Turismo de MG, Governo do Estado de Minas Gerais, Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo e Governo Federal. A programação educacional é apoiada pelo programa Amigos da Filarmônica.

Rossini Parucci, regente convidado
Natural de Londrina, Rossini Parucci é graduado em Música pela Arizona State University, Estados Unidos, e integra o naipe de Contrabaixos da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais desde 2016. Estudou composição e regência, técnica vocal e contrabaixo. Como regente, participou do Laboratório de Regência promovido pela Filarmônica, edição 2018, e já esteve à frente do Madrigal de Londrina, coral Viva Voz, All Saints Chamber Choir, Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, Orquestra Sinfônica da Universidade Mayor, Orquestra Sesiminas Musicoop, Orquestra Sinfônica da Universidade Estadual de Londrina e Orquestra de Câmara Solistas de Londrina. 

Concertos para a Juventude – Inglaterra e Países Nórdicos
24 de abril – 11h
Sala Minas Gerais
Gratuito

 

CLARKE/Westermann          A marcha do príncipe da Dinamarca, “Trompete Voluntário”

SIBELIUS                                 Finlândia, op. 26

HOLST                                    Suíte Saint Paul, op. 29, nº 2

ELGAR                                    Pompa e Circunstância, op. 39: Marchas Militares nº 1 em Ré maior e nº 4 em Sol maior

GRIEG                                     Peer Gynt: Suíte nº 1, op. 46

 

A distribuição de ingressos será feita a partir da quarta-feira, dia 20 de abril, após o meio-dia, pela internet, no site da Filarmônica (www.filarmonica.art.br), limitada a 2 ingressos por pessoa. Não haverá distribuição de ingressos no momento do concerto.

 

Informações: (31) 3219-9000 ou www.filarmonica.art.br
Bilheteria da Sala Minas Gerais
Horário de funcionamento

Dias sem concerto:
3ª a 6ª — 12h a 20h
Sábado — 12h a 18h 

Em dias de concerto, o horário da bilheteria é diferente:
— 12h a 22h — quando o concerto é durante a semana 
— 12h a 20h — quando o concerto é no sábado 
— 09h a 13h — quando o concerto é no domingo

 

 

 

20 4 2022 minifilarmonica

Imagem: Rafael Motta

 

Em 9 de junho (quinta-feira), acontecerá a primeira edição da “Noite Mineira de Museus e Bibliotecas”, evento promovido pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult/MG), por meio da Superintendência de Bibliotecas, Museus, Arquivo Público e Equipamentos Culturais (SBMAE), com apoio da Diretoria do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas (DLLLB) e da Diretoria de Museus (DIMUS).

A ação é um convite para que bibliotecas públicas e comunitárias e museus públicos e privados do Estado de Minas Gerais ampliem o horário de funcionamento uma vez ao mês, oferecendo ao público no período noturno a oportunidade de participar de exposições, saraus literários, clubes de leitura, encontros com escritores/as, oficinas de arte, exibições de vídeos, instalações culturais, shows, apresentações de dança, espetáculos teatrais, realização de empréstimo de livros, dentre outras atrações.

As instituições culturais interessadas em participar da “Noite Mineira de Museus e Bibliotecas” devem inscrever as atividades a serem realizadas em formulário próprio disponibilizado pela Superintendência de Bibliotecas, Museus, Arquivo Público e Equipamentos Culturais, entre os dias 16 e 22 de maio. A Diretoria do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas e a Diretoria de Museus produzirão o Guia da Programação, que será divulgado no site da Secult/MG. 

O formulário pode ser acessado AQUI.

A realização das atividades ficará sob a responsabilidade das próprias bibliotecas e museus que as inscrever, bem como a viabilização para seu desenvolvimento. Espera-se que as ações promovidas sejam abertas a um público amplo e diverso e que possam ser usufruídas por todos, a depender da classificação indicativa da atração que deverá ser definida e explicitada pela instituição que a promoverá.

A data de realização da primeira edição da “Noite Mineira de Museus e Bibliotecas” será 09 de junho de 2022. As demais edições acontecerão sempre na segunda quinta-feira de cada mês e reunirão uma série de atrações culturais diversificadas para bibliotecas públicas e comunitárias, bem como para museus públicos e privados de todo o Estado.

Cronograma
Período de divulgação/ Inscrição ............................................................. 16 a 22 de maio
Data de Divulgação do kit com os templates do evento ................................. 23 de maio
Período para consolidação do Guia de Programação .............................. 23 a 27 de maio
Divulgação do Guia de Programação ............................................................... 30 de maio
Realização da Noite Mineira de Museus e Bibliotecas ..................................... 9 de junho

Serviço
NOITE MINEIRA DE MUSEUS E BIBLIOTECAS
Inscrições AQUI

 

19 5 2022 mininoite.

Material ficará exposto no Palácio da Liberdade a partir de 26 de abril

No ano do Bicentenário da Independência do Brasil, Minas recebe os manuscritos dos quatro mais importantes hinos brasileiros: da Independência, Nacional, da Bandeira e da Proclamação da República.  Todo esse acervo ficará em exposição inédita, a partir de terça-feira (26/4) no Palácio da Liberdade. Também integram exposição “Já Raiou a Liberdade: Hinos do Brasil” composições históricas, como o Hino da Feliz Aclamação de D. João VI e a Estrela do Brasil.

“Se nós imaginarmos que estamos diante dos originais do hino nacional que a letra mudou, mas a música permanece a mesma. E a música primeira é esse manuscrito que está conosco aqui hoje, sobretudo nessa semana da inconfidência mineira, há dois dias do dia de Tiradentes, realmente é uma emoção”, disse o secretário de estado de Cultura e Turismo, Leônidas Oliveira. “Isso só reforça o papel, o protagonismo de Minas Gerais na história do país”, completou.

Arquivados na Biblioteca da Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), na capital fluminense, os manuscritos originais deixaram pela primeira vez o edifício centenário da Rua do Passeio, na manhã de terça-feira (19/4), e foram escoltados pela Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG), até o Arquivo Público Mineiro (APM). Em seguida, serão encaminhados ao Palácio da Liberdade, onde ficarão expostos até 7 de setembro. Em seguida, os documentos serão restaurados e encaminhados para Brasília.

A tenente da Polícia Militar Jeanina participou da equipe que buscou as partituras no Rio de Janeiro.  “Foi uma experiência maravilhosa e tenho um carinho especial em fazer esse trabalho porque sou musicista. Estou me sentindo muito honrada e gratificada por estar aqui e participar desse trabalho, dessa missão importante de buscar um símbolo para nossa nação”, falou a tenente.

O cantor Rogério Flausino também esteve no Arquivo Público Mineiro na tarde de hoje e se disse honrado em participar de um momento tão importante. “Estou muito feliz de estar aqui hoje participando desse momento da chegada desses documentos tão raros. Isso representa muito da nossa história”, concluiu.

A iniciativa que abre as comemorações do Bicentenário da Independência é organizada pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) em parceria com o programa Arte de Toda Gente, da Fundação Nacional de Artes (Funarte) e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com curadoria de sua Escola de Música. Os hinos foram recebidos ao som do Conjunto de Sopros da Polícia Militar de Minas Gerais.

 

 

19 4 2022 minihinos

Imagem: Dirceu Aurélio 

Nunca Paramos: Produção audiovisual do Espaço do Conhecimento UFMG mostra atividades e projetos do museu durante o período de isolamento social

O Espaço do Conhecimento UFMG propõe um constante diálogo entre a universidade e a cidade de Belo Horizonte e seus cidadãos, numa troca de conhecimentos e múltiplos saberes. Localizado no Circuito Liberdade, Praça da Liberdade, n. 700,  o Espaço tornou-se um local de produção, formação e divulgação da ciência e da cultura para um público amplo e diverso. Nos últimos anos, o museu enfrentou muitos  desafios, persistiu, e, na verdade, nunca parou! O resultado disso será mostrado em detalhes no vídeo “Nunca Paramos!”produzido pelo Núcleo de Audiovisual do Espaço do Conhecimento UFMG.

O vídeo resume o trabalho realizado virtualmente pela equipe do Espaço durante 2 anos,  a partir de março de 2020, quando a quase totalidade das atividades presenciais foram interrompidas  em função de um bem maior: a preservação da vida. A pandemia levou à concentração das ações do museu no ambiente virtual, e, durante esse período, o Espaço do Conhecimento UFMG se expandiu para além de sua localidade física,  a capital mineira. 

Diante dessa nova realidade, foi necessário que o museu se reinventasse e encontrasse outras formas de manter a conexão com os diversos públicos, além de alcançar novos seguidores e visitantes. Para isso, foi fundamental a utilização da fachada digital para transmissão de mensagens de utilidade pública e de incentivo, além da  realização de oficinas e encontros virtuais, lançamento de documentário sobre a mineração em Minas Gerais, gincanas e brincadeiras digitais, clube de leitura, sessões online de astronomia e, ainda, a primeira exposição 100% virtual do museu. Centenas de  ações foram realizadas. O Espaço segue em expansão… e isso é um ótimo sinal!

Em dezembro de 2021, o museu retomou suas atividades presenciais, que agora convivem em harmonia  com as ações virtuais, afinal, nós Nunca Paramos! Confira essa história, disponível no YouTube!

Números de 2020 e 2021

Acessos ao site institucional  - 1.118.776
Alcance redes sociais - 3.031.426
Alcance Calendário Astronômico Online - 55.626
Reproduções do podcast Pílulas do Conhecimento - 106.966
Acessos ao Espaço Literário - 3.451
Acessos a Sertão Mundo - 6.336
Visualizações no YouTube - 115.700

O Espaço do Conhecimento UFMG, por meio da Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa (Fundep), estimula a construção de um olhar crítico acerca da produção de saberes. No museu, a programação diversificada inclui exposições, cursos, oficinas, apresentações culturais, palestras e debates. Integrante do Circuito Liberdade, o Espaço é fruto da parceria entre a UFMG e o Governo de Minas Gerais. O Espaço integra a Diretoria de Ação Cultural (DAC) da UFMG, é amparado pela Lei Federal de Incentivo à Cultura e conta com patrocínio do Instituto Unimed-BH, viabilizado por mais de 5,2 mil médicos cooperados e colaboradores e da Companhia Energética de Minas Gerais – Cemig.

Serviço: 
Nunca Paramos: Produção audiovisual do Espaço do Conhecimento UFMG mostra detalhes dos projetos do museu durante o período de isolamento social
Disponível em: https://youtu.be/iZqmYC2K6eQ
Instagram: @espacoufmg / Facebook: espacodoconhecimentoufmg/ 
YouTube: youtube.com/espacoufmg / Twitter: @espacoufmg 

 

 

16 5 2022 miniespacodoconhecimento

Imagem: Fernando Silva

 

Uma família se reúne para uma festa de aniversário em sua casa e, no decorrer do dia, segredos são revelados, memórias retomadas e relações familiares expostas. É a partir daí que se desenvolve todo o drama dos vários personagens que fazem parte do espetáculo “Enquanto houver Vida”, apresentação de formatura dos estudantes do Curso Técnico de Teatro do Centro de Formação Artística e Tecnológica – Cefart, da Fundação Clóvis Salgado.

Dirigida pelas artistas convidadas Cláudia Assunção e Mariana Ruggiero, e escrita pela dramaturga Cris Moreira, a peça marca a retomada dos espetáculos de formatura dos estudantes da Escola de Teatro na Sala João Ceschiatti, com a presença de público. As apresentações acontecerão entre os dias 22 de abril e 08 de maio, de quinta a sábado, às 20h, e no domingo, às 19h. A entrada é gratuita e os ingressos serão distribuídos na bilheteria do Palácio das Artes somente uma hora antes de cada apresentação. Cada pessoa poderá pegar um par de convites.

“Enquanto houver Vida” propõe à plateia uma experiência singular, a partir de um cenário realista e complexo, que remete a um espaço físico de uma casa, e uma abordagem que traz o olhar cinematográfico para o processo de construção da dramaturgia. A montagem gira em torno de uma festa onde os personagens, que precisam lidar com os reflexos da pandemia e conflitos entre gerações e ideologias, redescobrem lugares de afeto e encaram a saudade como forma de celebração.

Dentro deste contexto, o espectador poderá se identificar com a família de Rosa, a matriarca e organizadora da celebração. Além dela, há várias outras mulheres na peça. Desta forma, a presença feminina é muito forte e fundamental para o desenvolvimento da trama. E esta força não vem apenas da existência ou da quantidade, mas da própria personalidade das personagens.

Mariana Ruggiero, uma das diretoras do espetáculo e que no início de sua carreira se formou como atriz no Cefart, comenta que “a história trabalha relações familiares a partir das quais muitos segredos vão sendo desvendados. A peça conta com a estrutura de uma família em que as pessoas têm uma ligação de muita intimidade, e inclusive discutem isso. O motivo da comemoração é o que mais incomoda os personagens. É o primeiro encontro familiar pós-pandemia, e eles ainda estão entendendo como se abraçar, como se relacionar. O público vai se identificar”.

Construção de personagens
A montagem proporciona inúmeros momentos para que os formandos exercitem suas habilidades de interpretação e trabalhem a formação das personas que encarnarão no palco. Desta forma, as diretoras trouxeram as bases para que cada aluno construísse seu personagem.

Cláudia Assunção conta que ela e Mariana Ruggiero foram convocadas para assumir a condução da peça justamente em função da experiência que ambas construíram como atrizes tanto no teatro quanto no campo audiovisual: “Os alunos nos procuraram, movidos pelo desejo de querer trabalhar construção de personagem e texto, por essa nossa trajetória”. Mariana vai na mesma linha, e exalta a importância do texto e da preparação para o aprendizado dos atores: “Foi imprescindível que os atores pudessem aproveitar o que cabe dentro das artes cênicas. Nós [eu e a Cláudia] pedimos a um preparador para criar uma coreografia. Alguns atores dançam no palco. Outros cantam. Há também muito texto falado, uma vez que a presença da palavra para a formação do ator é fundamental e buscamos trabalhar isso”, defende.

Dio, atriz que interpreta Rosa, personagem central do enredo, revela como tem sido a experiência de trabalhar com as duas diretoras: “A Mariana tem uma potência muito grande na direção de cena, ela sabe trabalhar muito bem os corpos e as emoções. Já a Cláudia tem uma força transformadora, uma visão da experiência, da verdade no fazer teatral. O trabalho das duas é muito complementar. Essas características em conjunto potencializam o nosso desenvolvimento enquanto artistas”, opina.

Muito do que vai poder ser visto ao vivo na sala João Ceschiatti partiu também dos próprios atores em formação. A dramaturga Cris Moreira (egressa do Cefart) foi quem concebeu o esqueleto do texto. No entanto, durante o processo de criação da dramaturgia foi feito um trabalho de escuta e coleta de depoimentos e memórias dos atores. “O espetáculo não é um roteiro coletivo, mas muito do que está lá veio dos próprios atores. A visão dos alunos para o texto foi muito potente”, detalha Cláudia Assunção.

Carol Gomes, que dá vida a Dora, irmã da matriarca Rosa, caracteriza sua personagem como uma mulher muito determinada e que sabe o que quer. “Tem um pouco de mim na Dora. Por exemplo, a personagem possui a característica de ser alto astral assim como eu. Sobre o processo de composição, posso dizer que é desafiador, e que exige muita atenção e estudo”.

Já Pablo Xavier, ator que interpreta Carlos, namorado de Dora, acrescenta que, durante o processo de construção dos personagens, as diretoras falavam com muita frequência uma frase nos ensaios: “Elas diziam que o personagem é 50 por cento o ator e 50 por cento o próprio personagem. No caso do Carlos, é uma pessoa muito diferente de mim, e de todos ali naquela festa, que é o primeiro encontro dele com a família da namorada. Eu tentei achar coisas em comum, mas eu não concordava com ele em momento nenhum. O que me salvou foi pensar o objetivo dele na festa, que é o amor. Foi muito difícil”.

A Força do Cenário
O público que for à Sala João Ceschiatti, ao entrar no espaço e ver o cenário do espetáculo, que foi criado pela cenógrafa Carolina Gomes, terá a sensação de estar adentrando literalmente em uma casa. A sala, local do encontro familiar, fica no palco. Na plateia do lado direito localiza-se a varanda. Do lado esquerdo há uma rampa que leva para a cozinha. Os quartos, que normalmente são os cômodos mais íntimos de uma casa, ficam na parte de trás do teatro, onde o público só vai conseguir visualizar por meio dos vídeos que serão projetados durante a peça.

Mariana Ruggiero chama a atenção para a tentativa de aproximar a situação da família com a vida do público: “Nessa casa construída lá na Ceschiatti nós vamos trabalhar com cores muito quentes nos móveis, nos objetos. É uma família com a qual a gente facilmente se reconhece. É como se você fosse na casa da sua mãe, da sua tia. Ou seja, um lugar tipicamente mineiro. Os quartos têm um papel de parede de verdade. Acaba que essa parte de dentro é como se fosse uma locação de cinema bem realista”, adianta.

Olhar cinematográfico
Além do enredo repleto de surpresas, “Enquanto houver Vida” apresenta um diálogo forte entre o teatro e cinema. “A maioria dos espetáculos teatrais dimensiona o que já pode ser visto no palco. A proposta é criar uma comunicação diferente, um uso diferente da câmera. As janelas da casa que formam o cenário vão funcionar como se fossem telas, e as memórias gravadas externamente e projetadas durante o espetáculo vão trazer a família existindo para fora dali, não apenas no espeço do palco. Foi uma ideia na qual os alunos embarcaram”, comenta Cláudia.  

A incorporação da linguagem cinematográfica não ficou só na montagem do espetáculo, mas também no processo de trabalho dos atores. Tanto que o elenco experienciou uma gravação, com direção de Sílvia Godinho (diretora de cinema convidada para conduzir essa parte audiovisual), num set de filmagem, em área externa, para construir cenas que vão compor a trama. Este material gravado será projetado também durante a peça, reproduzindo memórias dos integrantes da família.

Escola de Teatro do Cefart – Voltado para a formação de atores e atrizes, o Curso Técnico em Teatro do Cefart celebra 36 anos em 2022. Criado formalmente em 1986, o curso é validado pela Secretaria de Estado de Educação e tem reconhecimento nacional comprovado pela constante atuação dos alunos do Cefart em festivais nacionais e internacionais de teatro, nas programações de TV, no cinema (curtas e longas-metragens) e na formação de novos grupos. Sob a coordenação de Paulo Maffei e Rogério Araújo, o curso de teatro, que tem duração de três anos, também oferece aos alunos atividades extracurriculares de treinamento e pesquisa em técnicas específicas – alguns também abertos a coletivos e ex-alunos ligados ao Cefart, nas áreas de Trilha Sonora, Projetos Culturais, Teatro Físico e Performance, Máscaras, Técnica Vocal e Leitura Dramática, ministrados por corpo docente capacitado.

Cláudia Assunção
Nasceu em Belo Horizonte, Minas Gerais. É atriz  formada em TEATRO pela UFMG. Atuou como bailarina profissional por vinte anos, com experiência em espetáculos musicais, como atriz e diretora. Sua estreia no cinema, como protagonista, aconteceu em 2009, no longa “O sol do meio dia”, de Eliane Caffe. Por esse trabalho, recebeu indicação para o prêmio de Melhor Atriz, no Festival de Cinema do Rio. Em seguida, atuou também nos longas “Hoje”, de Tata Amaral, “Não devore meu coração”, de Felipe Bragança, “Como nossos pais”, de Laís Bodanzky, e nos curtas “Marina não vai à praia”, de Cássio Pereira dos Santos, “O encontro”, de Marco Lafer, e “Assunto de família”, de Caru Alves de Souza. Com o curta “Tiros”, de Gabriel Izaguirre, recebeu o prêmio de Melhor Atriz, do Festival Curtas Santos. Seu último trabalho no cinema foi no longa “Macabro”, de Marcos Prado. Atualmente, aguarda a estréia do longa pernambucano “Paterno”, de Marcelo Lordello. Na TV trabalhou em diversas produções, entre elas estão FORÇA TAREFA, AVENIDA BRASIL, BOGGIE OGGIE, A DONA DO PEDAÇO e ÓRFÃOS DA TERRA, na TV Globo; e JESUS, na TV Record. Há mais de 15 anos se dedica ao audiovisual e pesquisa sobre o trabalho do ator no cinema. É preparadora de atores e idealizadora do projeto ATOR EM AÇÃO, ao lado da atriz Mariana Ruggiero, onde desenvolvem um trabalho de pesquisa com atores de todo o Brasil, desde 2017. Após a estréia do espetáculo ENQUANTO HOUVER VIDA, Claudia iniciará as gravações da próxima novela da RECORD, REIS. 

Mariana Ruggiero
É atriz, mineira, formada em TEATRO pelo CEFART, em Belo Horizonte, MG. Sua estréia no cinema é no longa-metragem PIEDADE (2021), do cineasta pernambucano, Claudio Assis, trabalho que já lhe rendeu o prêmio de MELHOR ATRIZ COADJUVANTE na 13a edição do Los Angeles Brazilian Film Festival, 2020. Ganhou também o prêmio de MELHOR ATRIZ no 3o Festival Manuel Padeiro (Pelotas, RS) com o curta-metragem SOBRE O RESTO DOS DIAS, exibido pelo Canal Brasil, em 2011. Na TV, está na 2a Temporada da série Carcereiros (Globoplay) onde trabalhou com diretores José Eduardo Belmonte e Aly Muritiba. Viveu também a personagem SOLIDÃO na série MEUS DIAS DE ROCK (Globoplay). Faz parte do elenco da série OLHAR INDISCRETO, que estará disponível pelo NETFLIX em 2022. Nos últimos dez anos se dedica ao audiovisual e pesquisa sobre o trabalho do ator no cinema. É preparadora de atores e idealizadora do projeto ATOR EM AÇÃO, ao lado da atriz Claudia Assunção, onde desenvolve um trabalho de pesquisa com atores de todo o Brasil, desde 2017. Atualmente, além de dirigir a montagem ENQUANTO HOUVE VIDA, está gravando a série NO MUNDO DA LUNA, que estreia ainda este ano na HBOMAX.

Ministério do Turismo, Governo de Minas Gerais e Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, por meio da Fundação Clóvis Salgado, apresentam o espetáculo “Enquanto Houver Vida”, que tem correalização da APPA – Arte e Cultura, patrocínio master da Cemig, ArcellorMittal, Instituto Unimed-BH, AngloGold Ashanti e Usiminas por meio das Leis Estadual e Federal de Incentivo à Cultura, além do apoio cultural do Instituto Hermes Pardini.

A Fundação Clóvis Salgado é integrante do Circuito Liberdade, complexo cultural sob gestão da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) que reúne diversos espaços com as mais variadas formas de manifestação de arte e de cultura em transversalidade com o turismo.

 

 

19 4 2022 minifcs

Imagem: Guto Muniz

 

Capacitação vai contemplar diferentes Regiões Intermediárias de Minas

A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult), por meio da Diretoria de Economia Criativa da Superintendência de Fomento Cultural, Economia Criativa e Gastronomia, promove atividades formativas voltadas para a participação social em Minas Gerais. De 19 de maio a 28 de junho, conselheiros culturais, gestores e demais profissionais ligados ao setor poderão participar de treinamentos regionalizados em ambiente virtual.

As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas AQUI. O treinamento on-line tem carga horária total de 4 horas/aula, das 19h às 22h, e as turmas serão organizadas de acordo com as Regiões Intermediárias de Minas Gerais, como Barbacena, Belo Horizonte, Divinópolis, Juiz de Fora, Montes Claros, Varginha entre outras. Ao todo, são 150 vagas disponibilizadas para cada formação, e o módulo será ministrado nesta plataforma.

Confira AQUI o tutorial de acesso ao Zoom.

As datas de realização dos treinamentos, de acordo com a Região Intermediária, está disponível para consulta abaixo. 

  • 19/05 – Região Intermediária BELO HORIZONTE - JÁ REALIZADO
  • 31/05 – Região Intermediária DIVINÓPOLIS / BARBACENA
  • 19/05 – Região Intermediária BELO HORIZONTE
  • 26/05 – Região Intermediária VARGINHA
  • 31/05 – Região Intermediária DIVINÓPOLIS / BARBACENA
  • 02/06 – Região Intermediária JUIZ DE FORA
  • 07/06 – Região Intermediária MONTES CLAROS
  • 09/06 – Região Intermediária TEÓFILO OTONI
  • 14/06 – Região Intermediária POUSO ALEGRE
  • 21/06 – Região Intermediária IPATINGA / GOVERNADOR VALADARES
  • 23/06 – Região Intermediária UBERLÂNDIA / PATOS DE MINAS/ UBERABA
  • 28/06 – Região Intermediária BELO HORIZONTE (NOVA DATA)

Os treinamentos foram elaborados para atender às demandas encaminhadas à Secult por meio de conselheiros culturais, nas esferas estadual e municipal, durante o processo de operacionalização da A Lei Federal nº 14.017/2020, Lei Aldir Blanc de Emergência Cultural. O objetivo é capacitar os profissionais da cultura em Minas e promover uma constante qualificação do setor. 

Confira

a relação dos municípios que compõem as Regiões Intermediárias de Minas Gerais.

 

 

13 5 2022 minifomento

Imagem: Consuelo de Abreu

 

 

“Quadrinistas Mineiros no Brasil e no Mundo” pode ser visitada até 31 de maio, na Biblioteca Estadual

Com a proposta de resgatar a vasta história de Minas Gerais no universo da produção de Quadrinhos, a Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais, em parceria com a Casa dos Quadrinhos e a Feira Mineira de Quadrinhos realiza a exposição “Quadrinistas Mineiros no Brasil e no Mundo”. A mostra gratuita conta com artes originais, impressões inéditas, material histórico, entre outros exemplares, e pode ser visitada de 18 de abril a 31 de maio, na Galeria de Arte Paulo Campos Guimarães.

Minas Gerais possui uma longa história de artista de quadrinhos e figuras que incentivaram o gênero. O estado é um dos maiores produtores de Histórias em Quadrinhos Independentes, também sendo reconhecido por exportar vários artistas de renome para os mercados internacionais, como Europa, Estados Unidos. Até mesmo no Japão é possível encontrar quadrinistas mineiros compartilhando sua arte com o mundo. 

Parte da curadoria da exposição Quadrinistas Mineiros no Brasil e no Mundo conta com o apoio da equipe da Casa dos Quadrinhos.  No recorte da mostra, o percurso começa por artistas que ainda nos anos 1950 e 90 traziam o olhar mineiro para as publicações de âmbito nacional, como é o caso do bem-humorado e sarcástico Henfil.

A trajetória continua com os artistas que mantiveram acesa a chama dos quadrinhos autorais nos idos dos anos 1980, 1990 e 2000, como Wellington Srbek, o pessoal da Graffiti e os primórdios do Big Jack Studios. Nos anos 2010, tanto o quadrinho independente mineiro se consolida quanto nossos artistas se tornam referência no mercado nacional e internacional em uma longa lista de grandes talentos.

A exposição Quadrinistas Mineiros no Brasil e no Mundo está aberta a visitações de segunda-feira a sexta-feira, das 10h às 18h. Aos sábados, a mostra fica aberta das 8h às 12h. Não é necessário agendamento prévio, mas os protocolos de saúde devem ser respeitados. O uso de máscara de proteção, cobrindo nariz e boca, é obrigatório durante toda a permanência no local.

 

18 4 2022 miniexpo

Levantamento dos dados apurados servirá como indicador para políticas públicas, além de auxiliar na elaboração de estratégias da cadeia produtiva da área

Uma das filmografias mais premiadas do Brasil ainda é uma incógnita em termos de números e perfil de mercado. Apesar de fazer sucesso no país e no exterior, as estatísticas sobre o audiovisual ainda não são tão consolidadas, impossibilitando um retrato mais fundamentado dessa cadeia, como a sua capacidade de gerar renda e atrair investimentos.

É nessa perspectiva que a Ong Contato, com o apoio da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) e da Empresa Mineira de Comunicação (EMC), encabeça um levantamento inédito por meio do Diagnóstico Socioeconômico do Audiovisual em Minas Gerais, em parceria do Grupo de Pesquisa em Economia da Cultura da Faculdade de Ciências Econômicas (Face) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), com patrocínio do Sebrae.

O levantamento será realizado até domingo (15/5), por meio de formulários específicos para pessoas físicas, como trabalhadores e prestadores de serviços, e pessoas jurídicas, como empresas de produção, distribuição, locação de equipamentos entre outros. Acesse a pesquisa destinada à pessoa física AQUI. Acesse a pesquisa destinada a pessoa jurídica AQUI. Ambos os formulários também estão disponíveis no site da Minas Film Commission.

O resultado será divulgado em 28 de julho e servirá de base para a implementação de políticas de fomento e na atração de investimento num dos setores que mais crescem no mundo. Os organizadores destacam que a elaboração de um diagnóstico do setor será fundamental para a compreensão do perfil do campo de trabalho, das relações dentro e fora do segmento e dos instrumentos de financiamento.

O levantamento irá traduzir em números o crescimento da produção audiovisual em Minas Gerais nos últimos 20 anos. Realizadores como André Novais Oliveira, Affonso Uchoa, Clarissa Campolina, Gabriel Martins, Maurílio Martins, Helvécio Marins Jr, Juliana Antunes, Marco Antônio Pereira e Marília Rocha estão na vitrine do cinema brasileiro, ganhando prêmios no Brasil e no exterior.

“Embora tenhamos uma produção efervescente e bastante premiada, faltam ainda muitos dados para compreendermos como ela pode ser melhor estimulada em seus diversos campos de atuação. Esse é o grande objetivo do diagnóstico”, afirma Helder Quiroga, coordenador da ONG Contato, entidade sem fins lucrativos criada em 2001.

Para Quiroga, Minas Gerais é o nascedouro do cinema nacional e precisa se preparar para os desafios que este segmento terá de enfrentar nos próximos anos, seja a nível tecnológico, seja em termos de novas dinâmicas de mercado. “Acreditamos que temos condições de protagonizar uma nova fase de valorização do audiovisual brasileiro”, assinala o coordenador.

 

 

13 5 2022 minipesquisa

Artistas, comerciantes, donas de casa, profissionais liberais, crianças… Aos poucos, à noite, as ruas ouro-pretanas são ocupadas por pessoas de todos os estilos e com um propósito: dar continuidade a uma expressão artística que vem desde o século 18, em Minas Gerais, a confecção de tapetes de serragem. Neste sábado (16/04), véspera da Páscoa, a partir das 20h, o trânsito será fechado em algumas ruas da antiga Vila Rica, para dar lugar a uma verdadeira festa de cores, fé e arte. E em mais um ano, a Fundação de Arte de Ouro Preto | FAOP irá contribuir e apoiar a tradição.

A Fundação idealizou tapetes que serão montados em frente às suas sedes nos bairros Rosário e Antônio Dias. No primeiro, na rua Getúlio Vargas, os desenhos foram inspirados no tema da Campanha da Fraternidade 2022: “Fraternidade e Educação”, e na Sociedade Musical Bom Jesus de Matozinhos, que este ano completa 90 anos de história. “Foi muito desafiador criar o desenho, uma vez que é importante entender de qual perspectiva ele será visto”, diz Gustavo Bastos, estagiário do Laboratório de Conservação e Restauro Jair Afonso Inácio (Labcor). Foi ele quem assumiu a tarefa de criar os elementos da Pomba, que representa o símbolo laico da paz e o “Divino Espírito Santo”, na perspectiva Cristã. Além disso, haverá o “livro” em homenagem à Campanha da Fraternidade e, por fim, as notas musicais, uma referência à tradicional banda de música ouro-pretana.

Por conta da homenagem ao grupo, o público que participar da montagem dos tapetes da rua Getúlio Vargas, altura do número 185, terão como trilha sonora o repertório da banda, cujos integrantes serão distribuídos entre as sacadas do prédio da Fundação.

O grupo promete um repertório ousado e alegre, que encantará a comunidade e visitantes que passarem por ali, marcando a retomada de suas apresentações presenciais.

A fundação resgata a tradição dos tapetes, junto à comunidade, desde o final da década de 60, período de sua inauguração. Por conta da pandemia, a festividade não aconteceu de forma aberta ao público nos dois últimos anos.

O presidente da Fundação, Jefferson da Fonseca, celebra o retorno dos tapetes pelas ruas da cidade. "A Faop, desde o seu surgimento, sempre contribuiu com essa importante manifestação artística e de fé. Estamos muito felizes com essa retomada. Seguimos juntos aos ouro-pretanos e visitantes em mais esse grande encontro". 

Conheça a tradição
Durante a Semana Santa, os tapetes multicoloridos chegam a ocupar até 4 quilômetros das ruas da cidade barroca. Mariana e Diamantina também mantêm a tradição, assim como outros lugares espalhados pelo Brasil.

A tradição de enfeitar as ruas para passagem de cortejos ou procissões se perde em uma linha do tempo. Não há origem determinada, mas pode ser relacionada, segundo pesquisadores, à entrada de Cristo em Jerusalém, quando a população cobriu as ruas com ramos para a sua passagem. 

Em Ouro Preto, a confecção de tapetes devocionais remete à reinauguração da matriz do Pilar, no ano de 1733. A festividade, que ficou conhecida como “Triunfo Eucarístico”, foi  incorporada e aplicada durante as liturgias das Semanas Santas e de outros eventos religiosos com o passar dos anos, como o Corpus Christi. 

Atualmente, no “Sábado de Aleluia”, dia que antecede a Páscoa, a vizinhança se reúne nas ruas, unindo força e criatividade, para criar os desenhos no chão. Durante o processo, visitantes que chegam às casas das famílias para passar o feriado também são muito bem-vindos para contribuírem com a montagem. 

Os desenhos, geralmente, podem ser feitos diretamente no chão, deixando a imaginação guiar, ou serem desenvolvidos anteriormente. Neste caso, os elementos gráficos são produzidos no papel. Em seguida, a ideia é transmitida para o chão muitas vezes com o auxílio de grandes formas de madeira, ferro, ou mesmo papelão. 

No domingo de Páscoa, logo pela manhã, uma multidão de fiéis atravessa as ruas adornadas, em um momento conhecido como “Procissão da Ressureição”. A partir dos olhares e da atenção de quem passa por ali, os desenhos e a representação vão ganhando novos sentidos e se integrando à festividade.

Antônio de Araújo, coordenador da Assessoria Técnica de Promoção e Extensão da FAOP, ressalta a importância da expressão cultural para a cidade e o papel da Fundação de não só confeccionar seus tapetes, mas de apoiar toda a comunidade e os visitantes em uma grande força tarefa. “Neste ano, por exemplo, além de contribuir com os tapetes desenvolvidos pela nossa equipe, apoiaremos outros grupos que queiram desenvolver os seus tapetes, conta.  

Em 2020, por conta da pandemia, a FAOP celebrou a tradição nas redes sociais, convidando os seguidores a compartilharem suas fotos e lembranças de anos anteriores por meio da hashtag “#MemóriaTapetesDevocionais”. 

Já em 2021, a Fundação participou da criação e montagem de tapetes na Casa de Tomás Antônio Gonzaga, e do tapete exposto no alteamento da Praça Tiradentes, desenhado por Ana Célia Teixeira e montado por membros da Pastoral da Acolhida.

Ana Célia Teixeira, artista plástica e professora da Fundação, já foi a responsável pela criação de inúmeros desenhos que foram “injetados” nos tapetes de serragem ao longo dos anos. Inclusive, o do tapete produzido pela Fundação para integrar o estande da Secult-MG no WTM Latin America 2022, uma das principais feiras de turismo do mundo. “Estamos todos nos mobilizando e reunindo esforços que envolvem a comunidade, a prefeitura, as paróquias e os turistas. E isso traz uma alegria muito grande para a gente”, diz.

A Fundação disponibilizará serragem e outros materiais necessários, mas os moradores e visitantes também podem levar seus utensílios. A prefeitura de Ouro Preto geralmente distribui a serragem em alguns pontos das ruas que integram o percurso.

Tapetes de serragem da FAOP
A arte de fazer tapetes é uma expressão coletiva em que as serragens dão formas aos desenhos que expressam a fé, a esperança e a criatividade. A FAOP é uma incentivadora da tradição de ornamentação das ruas com os tapetes devocionais, promovendo ações para a preservação da tradição há décadas. 

Para isso, ela oferece palestras, cursos e oficinas abertas a toda a comunidade ouro-pretana ou de outros municípios.  Além disso, o programa Tapete+Arte promove a tradição nos mais diversos espaços, como galerias, museus, espaços urbanos e outras cidades do país e do mundo, como aconteceu na França em 2012.

Na ocasião, Gabriela Rangel e César Teixeira representaram a Fundação no Mine d’Art en Sentier 2012. O evento foi uma residência artística promovida na região francesa de Nord-Pas de Calais. Os artistas ouro-pretanos foram convidados pela organização do evento para montarem os tapetes devocionais no Parque Natural Regional Scarpe-Escaut. 

Homenagem à Banda
A Banda do Rosário está completando 90 anos em atividades ininterruptas, e ao longo das décadas esteve presente em muitas celebrações religiosas ou cívicas da cidade, sendo conhecida também como “Furiosa”. “Sempre foi uma banda que saiu pelas ruas de Ouro Preto com uma potência sonora muito grande”, explica o saxofonista Christian Guimarães sobre o apelido.

Christian já faz parte da banda há 14 anos, e garante que por lá, todos tocam por amor, já que se reúnem voluntariamente para ensaios e apresentações. Ele afirma ainda que a banda é aberta a todos e todas, dos 9 aos “80 e poucos” anos.

Sobre a homenagem à banda, ele se diz empolgado. “Eu já vi proposta da arte e adorei, estamos todos ansiosos para ver isso em cores. Será um tapete especial, tenho certeza que vai chamar muita atenção”

 

 

14 4 2022 minifaop

Imagem: Douglas Aparecido

Prazo se encerra em 1º de março de 2023; no ano de referência 2021, mais de 500 municípios submeteram informações na plataforma

Municípios que pretendem solicitar o repasse de recursos do ICMS Turismo referentes a 2022 já podem começar a inserir as documentações no Sistema ICMS Turismo, da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult). O prazo para envio, que teve início na segunda-feira (9/5), se encerra em 1º de março de 2023. O programa é voltado exclusivamente para o desenvolvimento do turismo local e regional dos territórios de Minas Gerais.

Com a abertura do cadastro, os gestores já podem inserir, na plataforma www.icmsturismo.mg.gov.br, as informações sobre a implementação da política municipal de turismo em suas cidades, bem como a movimentação financeira do Fundo Municipal de Turismo  (Fumtur) e a atuação do Conselho Municipal de Turismo (Comtur), conforme os requisitos previstos no Decreto n.º 48.108/2020.

Para o secretário de estado de Cultura e Turismo, Leônidas Oliveira, o Sistema ICMS Turismo é um bom exemplo de gestão no setor. “Os critérios utilizados para pleitear os recursos direcionam as políticas de turismo dos municípios, o que possibilita mais investimentos na cadeia produtiva do setor. Assim, é possível elaborar ações, programas e projetos voltados para a melhoria do trade, maior participação da sociedade civil e políticas mais sólidas que têm impacto direto na geração de emprego e renda por meio do turismo”, pontua.

Fortalecimento
A Secult registrou recorde de municípios habilitados no ICMS Turismo, tendo 2020 como ano de referência. Mesmo em um momento de restrições causadas pela pandemia de Covid-19, foram 389 pleiteantes registrados no sistema. Verificou-se, também, recorde nos investimentos das cidades para a implementação da política municipal de turismo, um dos critérios de habilitação aos repasses dos recursos do ICMS Turismo.

De acordo com as informações inseridas pelos municípios, foram executadas 4.407 ações turísticas desenvolvidas e comprovadas durante o ano de 2020, cujo volume recorde de investimentos foi de R$ 566.581.227,05. No ano anterior à pandemia, foram 5.859 ações com um investimento de R$ 306.267.566,20.

Em 2020, os segmentos turísticos que mais receberam investimentos por parte das cidades foram: qualificação ou capacitação de profissionais que atuam na área turística, treinamento para agentes e outros profissionais; realização de eventos; ações de apoio à comercialização dos destinos mineiros; marketing e promoção; e infraestrutura, nas modalidades acessibilidade e preservação do patrimônio cultural.

No mesmo ano, os Fundos Municipais de Turismo registraram recorde de recursos. Segundo dados da plataforma ICMS Turismo, foram depositados R$ 104.400.000,00, sendo R$ 33.600.000,00 investidos em ações turísticas. No ano anterior o volume de investimentos com os recursos dos fundos foi de R$ 51.370.000,00 com o montante de depósitos de R$ 55.890.000,00.

ICMS Turismo
O ICMS Turismo foi estabelecido pela Lei Estadual n.º 18.030/2009. O programa tem o objetivo de atuar como motivador e catalisador de ações, visando estimular a formatação e implantação, por parte dos municípios, de programas e projetos voltados para o desenvolvimento turístico local e regional, em especial os que se relacionam com as políticas para o turismo dos governos Estadual e Federal.

Para ter direito ao repasse, o município deverá, anualmente, se enquadrar nos seguintes critérios obrigatórios: participar de uma Instância de Governança Regional (IGR) certificada pela Secult, nos termos do Programa de Regionalização do Turismo no Estado de Minas Gerais; Ter uma política municipal de turismo elaborada e em implementação; Possuir Conselho Municipal de Turismo (Comtur), constituído e em regular funcionamento; Possuir Fundo Municipal de Turismo (Fumtur), constituído e em regular funcionamento.

 

12 5 2022 miniicms

 

No Ano da Mineiridade, a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo promove programação especial com série de ações que evidenciam a Moda como expressão cultural do estado

Entre os dias 18 e 22 de abril, semana em que acontece em Belo Horizonte o Minas Trend, importante evento do calendário de Moda, a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) por meio do Circuito Liberdade, promove uma programação especial dedicada à Moda Mineira. As atividades serão realizadas em diferentes equipamentos que integram o Circuito Liberdade, com debates, exposições, e lançamentos de livros em torno da temática Moda e Mineiridade.

Durante toda a semana, o Museu dos Brinquedos, em parceria com a Frau Bondan e o CCBB-BH, realiza uma exposição de bonecas Barbie raras e customizadas pelo estilista e colecionador Marcelu Ferraz. A exposição “Barbie e a Moda”, acontece no espaço Frau Bondan, com abertura no dia 18, às 11h.

No Museu Mineiro, a Exposição “Quando” do Coletivo Maria Maria segue em cartaz e traz diferentes trabalhos artísticos em que o têxtil e a moda são plataformas de expressão. E acontecerá também a pré-estreia da exposição do estilista e artista Vicente Fernandez, que faz obras de arte a partir de pedacinho de jeans.

O Memorial Minas Gerais Vale realiza nos dias 19 e 20, das 19h30 e 21h, o painel “Criadores Mineiros - Moda e Mineiridade”. A jornalista de moda Heloisa Aline recebe grandes nomes da Moda Mineira como Tereza Santos, Luiz Cláudio, Renato Loureiro, Mary Arantes, Liliane Rebehy, Graça Ottoni, Virginia Barros e Victor Dzenk. Haverá também uma mini exposição com looks dos criadores retratando a força da mineiridade em sua linguagem criativa.

Um paralelo das Minas e do Metal com a criação de joias e bijuterias. Esse será o tema de uma live que acontece no dia o dia 19, às 15h, no Youtube do Museu das Minas e dos Metais (MM Gerdau).  A atividade será mediada por Manuel Bernardes e tem como convidados Paulo Armando, Sandra Motta.

O Museu dos Militares Mineiros também promove uma live com a consultora de moda, Silvia Fernandes, para falar do Militarismo na Moda: armadura de vestir como expressão. A atividade acontece no dia 20, a partir das 15h.

No dia 20, no SESI Museu de Artes e Ofícios, os alunos do SENAI Modatec participam de uma visita mediada com o tema “Fios e tecidos: ofícios que contam histórias", além de uma Oficina de Mandala (manual com linhas de algodão). Também no SESI Museu de Artes e Ofício, no sábado (23/4), entre 10h e 13h, acontece a exposição "Além do que Brilha" da artista Ana Clara Ligeiro. Durante a atividade, as crianças poderão participar de uma oficina de desenho ao ar livre. 

A Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais também participa da programação. Com o tema Moda & Literatura, Literatura & Moda: Processos criativos, na quarta-feira (20/4), às 10h, será realizada uma palestra com a professora Geanneti Tavares Salomon no Teatro da Biblioteca.

No Centro de Arte Popular será realizada uma Roda de Conversa com o tema Afromineiridade na Moda, coordenada com o consultor e ativista Aldo Clésius. A ação acontece na quarta-feira (20/4), às 16h e será presencial. Todas as regras determinas pelas autoridades de saúde para o combate à Covid-19 serão cumpridas.

Também dentro do tema Moda e Mineiridade, o BDMG Cultural convida a todos a revisitar a edição Nº 5 da Revista BDMG Cultural, que traz o tema Costurando Mundos. Em diferentes abordagens, na tentativa de contemplar algumas dimensões de uma prática cultural tão cheia de tradição e tão presente em nossos cotidianos, a publicação fala de costura – costura de tecidos, de linhas e também de saberes.

A programação completa pode ser conferida no site do Circuito Liberdade: www.circuitoliberdade.mg.gov.br e pelo Instagram @circuitoliberdade

Circuito Liberdade
O Circuito Liberdade foi criado em 2010, após a inauguração da Cidade Administrativa e a transferência oficial da sede do governo da Praça da Liberdade para a região Norte de Belo Horizonte. A sua criação visava transformar os prédios históricos esvaziados em espaços com vocação para a arte, a cultura e a preservação do patrimônio, reunidos como complexo cultural referência para moradores da capital mineira e visitantes. Hoje o Circuito Liberdade é composto por 33 instituições, que permeiam por diferentes aspectos do universo cultural e artístico.

 

 

14 4 2022 minimoda

Com entrada gratuita, mostra pode ser visitada, aos sábados e domingos, até 7 de setembro

A Exposição “Já Raiou a Liberdade: Hinos do Brasil” apresenta, de forma inédita, os originais dos quatros principais hinos do Brasil: o da Independência, o Hino Nacional, o da Bandeira e o da Proclamação da República, que podem ser conferidos no Palácio da Liberdade, em Belo Horizonte. Essa é a primeira vez que os hinos saem da Universidade Federal do Rio de Janeiro para serem expostos para o público. A mostra pode ser visitada até 7 de setembro, aos sábados e domingos. Os ingressos são gratuitos e devem ser retirados na plataforma Sympla.

Outras composições integram a Exposição, como o Hino da Feliz Aclamação de D. João VI e a Estrela do Brasil, além de documentos originais do processo de construção das partituras. A Exposição conta com a promoção da APPA – Arte e Cultura. A Exposição também oferece ferramentas interativas. Ao lado dos hinos, o visitante encontra um QR Code que direciona o usuário para conteúdos relacionados aos manuscritos.

Sobre a Exposição, o presidente da Fundação Nacional de Artes (Funarte), Tamoio Marcondes, declarou que “é fundamental que a população brasileira conheça os originais dos hinos, pois eles nos dão a ideia de pertencimento”.

Os manuscritos chamam a atenção pelo bom estado de conservação. Os detalhes extremamente delicados das notas e observações escritos nas partituras revelam um trabalho que exigia extrema habilidade dos autores.

Após o término da exposição, no dia 7 de setembro, os manuscritos seguirão para o Distrito Federal para serem restaurados. “Haverá uma programação ao longo do ano, com o próximo passo sendo uma grande exposição em Brasília, levando aos brasileiros o grande legado histórico e cultural que temos em nosso país, integrando as comemorações dos 200 anos da Independência do Brasil”, completou o presidente da Funarte.

Desse modo, os manuscritos cumprirão a rota entre a antiga capital (Rio de Janeiro) até a atual capital do Brasil (Brasília).

A iniciativa abre as comemorações do Bicentenário da Independência e é organizada pelo Governo do Estado de Minas Gerais, Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult), em parceria com a Fundação Nacional de Artes (Funarte), os programas Arte de Toda Gente, Bossa Criativa, Sinos, Um Novo Olhar e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com curadoria de sua Escola de Música.

Sobre os Hinos
Em 6 de setembro de 1922, o Decreto nº 15.671 oficializou a letra definitiva do Hino Nacional, escrita por Osório Duque Estrada, em 1909. A música é de Francisco Manoel da Silva. O Hino da Bandeira, escrito pelo poeta Olavo Bilac, foi apresentado pela primeira vez em 1906.

O Hino à Proclamação da República do Brasil é de 1890 e tem letra de Medeiros e Albuquerque e música de Leopoldo Américo Miguez. O mais antigo é o Hino da Independência, composto pelo próprio D. Pedro I, em 1822.

Serviço:
Exposição "Já Raiou a Liberdade: Hinos do Brasil"
Palácio da Liberdade. Praça da Liberdade, Funcionários, Belo Horizonte. Acesso pela Av. Cristóvão Colombo, s/n°
Visitação: sábados e domingos
Período: 30 de abril a 07 de setembro
Horário: 10h, 11h, 13h, 14h, 15h, com entrada de grupos limitados
Duração máxima:  1 hora
Ingressos AQUI (retirada às quintas-feiras e sextas-feiras)

 

12 5 2022 minipalacio

 

Na terça-feira (5/4), o Arquivo Público Mineiro (APM), equipamento administrado pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult), recebeu a visita de uma comitiva da Prefeitura Municipal de Sete Lagoas. As representantes do município da região Central de Minas Gerais vieram em busca de fundamentação de seu projeto voltado para a Via Liberdade, e oportunamente conheceram a estrutura e o funcionamento do APM, bem como a natureza da documentação que está sob sua guarda. Participaram da visita a Gerente de Turismo da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico e Turismo e Presidente do COMTUR, Claudia Elane de Souza Soares, e Shirley Francisca Silva Fonseca, Historiadora da Secretaria Municipal de Educação, Esportes e Cultura, responsável pelo Departamento de Museus e Patrimônio Histórico. 

O Arquivo Público Mineiro tem fortalecido suas ações junto aos municípios de Minas Gerais, por meio de assessorias e visitas técnicas que têm como objetivo orientar a criação e o aperfeiçoamento dos arquivos públicos mineiros e desde o início das ações de apoio aos municípios, em 2021, foram prestadas aproximadamente 150 assessorias a municípios. Além das assessorias, o APM oferece capacitações às equipes envolvidas nas atividades de conservação e preservação dos acervos. “Muito importante para Sete Lagoas essa visita, que abre a interlocução entre o município com o Estado, por meio da SECULT MG e o Arquivo Público Mineiro. Ampliamos as perspectivas de acesso às informações e orientações ao corpo técnico do município”, pontuou Claudia e, para Shirley: “Viemos em busca de conhecimento para fundamentação da Rota Via Liberdade, contextualizando Sete Lagoas e encontramos um campo amplo para outras diversas ações futuras, pautadas nas políticas públicas estaduais de Cultura e Turismo.”  

 

14 4 2022 minivisitaapm

A Fundação Clóvis Salgado, por meio do Centro de Formação Artística e Tecnológica – Cefart, está com as inscrições abertas para o Edital do Processo Seletivo Simplificado para Contratação Temporária de Professores de Arte, para o ano letivo de 2022. Serão disponibilizadas 4 vagas para as Escolas de Dança e Música e o período de inscrição é de 10 de maio (terça-feira) até às 23h59min do dia 23 de maio de 2022 (segunda-feira).

A inscrição é gratuita e para se candidatar o profissional deverá preencher o formulário de inscrição disponível no site da Fundação Clóvis Salgado (fcs.mg.gov.br) e também neste link. Serão oferecidas 3 vagas para a Escola de Dança e 1 para a Escola de Música. Confira a descrição de cada vaga: 

  • 1 vaga para a Escola de Música: Núcleo Temático Violino, Prática de Conjunto, Teoria Musical, Musicalização e demais conteúdos complementares à formação em música;
  • 1 vaga para a Escola de Dança: Núcleo Temático Técnica em Dança Clássica, Núcleo de Ensaio e demais conteúdos complementares à formação em dança;
  • 1 vaga para a Escola de Dança: Núcleo Temático Danças Históricas e Tradicionais Populares, História da Dança, Núcleo de Ensaio e demais conteúdos complementares à formação em dança;
  • 1 vaga para a Escola de Dança: Núcleo Temático Dança Moderna, Dança Criativa, Composição Coreográfica e demais conteúdos complementares à formação em dança.

O resultado final será disponibilizado no dia 23 de junho de 2022 (quinta-feira), a partir das 18h no site da Fundação Clóvis Salgado. Para esclarecimentos e/ou dúvidas sobre o edital, favor enviar e-mail para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Cronograma do processo seletivo: 

Inscrições: de 10 de maio de 2022 até 23 de maio de 2022
Etapa 1 – Análise de Documentação pela banca: 24 a 30 de maio de 2022
Publicação do Cronograma de Entrevistas: 31 de maio, a partir das 18h
Recursos da Etapa 1: 31 de maio e 1º de junho, até as 23h59, pelo e- mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Publicação do Resultado dos Recursos: 3 de junho, neste espaço, a partir das 18h
Etapa 2 – Entrevistas presenciais: 7 a 14 de junho
Resultado preliminar: a partir das 18h do dia 17 de junho de 2022
Recurso referente ao resultado preliminar: 20 e 21 de junho, até as 23h59, pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Resultado final: 23 de junho de 2022, a partir das 18h
Homologação do processo seletivo simplificado e convocação dos candidatos aprovados: 24 de junho de 2022, no Diário Oficial Eletrônico Minas Gerais
Manifestação de interesse ou recusa dos candidatos convocados: De 27/06 a 28/06, as 23h59, através, conforme orientações publicadas no Resultado Final

 

 

12 5 2022 minifcs

 

 

Mostra gratuita reúne acervo da Hemeroteca Histórica que narra os desdobramentos do Modernismo a partir de jornais e revistas

Em 2022, é comemorado o centenário da Semana de Arte Moderna de 1922, evento que ressignificou a arte brasileira. Com desdobramentos em diversas linguagens, o movimento modernista também teve várias influências na literatura, propondo novos olhares para a produção literária no país. É com essa premissa que a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult), por meio da Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais, promove a exposição gratuita “Moderna – Revistas Re-Vistas”. A abertura acontece na segunda-feira (18/4), a partir das 19h, e integra a programação da II Semana Estadual de Incentivo à Literatura de Minas Gerais.

A mostra reúne jornais e revistas do acervo da Hemeroteca Histórica e que retrataram, à época, as repercussões do movimento modernista, pelo olhar da imprensa brasileira, com reportagens, críticas e outros conteúdos publicados à época. Há, também, revistas modernistas originais e fac-similares, com ênfase ao modernismo mineiro impresso em A Revista, Leite Criolo e Verde. Os periódicos em exibição fizeram parte do cotidiano por registrarem os acontecimentos da sociedade durante o século XX.

Deglutindo conceitos, apropriando-se de ideias e criando novas possibilidades interpretativas, as publicações modernistas tiveram grande importância para o desenvolvimento dos ideais do movimento. Os emblemáticos manifestos Pau Brasil e Antropófago, por exemplo, são publicados em 1924 e 1928, respectivamente, e caracterizam-se como uma perpetuação das reflexões propostas na Semana de 22.

Para o diretor do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas, Lucas Amorim, a exposição propõe uma visita interpretativa e reflexiva sobre o momento em que a arte brasileira se encontrava. Segundo Amorim, o público terá a oportunidade de entender o Movimento Modernista a partir de outras produções, em especial, como a mídia formou a opinião de leitores a respeito da nova fase artística do país.

“Eram veículos confiáveis de informação que conferiam amplitude e credibilidade aos textos publicados, além de um espaço de privilégio e disputa, pois construíam consensos, sentidos e verdades. No entanto, cem anos depois, o modernismo não pode ser compreendido meramente como um evento único, centrado em um período específico ou por um único porta voz. É necessário considerar os seus desdobramentos e não apenas sua singularidade”, destaca Lucas Amorim.

As revistas modernistas proporcionaram o intercâmbio de ideias entre diversos artistas, romperam barreiras culturais e geográficas, alcançaram leitores variados e abriram caminho para a formação de um modernismo plural. Os modernismos foram, portanto, formados por várias vozes que ganharam ecos nas páginas de jornais e revistas, chegando, também, à exposição.

Modernismo e Literatura
Além da exposição do acervo da Hemeroteca História, o público pode conferir os desdobramentos do Movimento Modernista nas páginas da literatura brasileira. Está em exibição no hall de entrada do Setor de Coleções Especiais, a exposição “Moderna - Liberdade que os revela”. A mostra destaca a transversalidade entre a Literatura e as demais linguagens artísticas, bem como as reflexões do Movimento Modernistas em um contexto nacional.

A Biblioteca Estadual também está preparando leituras de poemas e textos emblemáticos que farão parte de uma playlist a ser disponibilizada nas plataformas digitais e de streaming em breve. As leituras poderão ser acessadas por meio de QR codes disponíveis nos espaços expositivos. 

A exposição “Moderna – Revistas Re-Vistas tem entrada gratuita e pode ser visitada de 19/4 a 4/6, de segunda-feira a sexta-feira, das 10h às 18h. Aos sábados, a mostra fica aberta das 8h às 12h. Não há necessidade de agendamento prévio, mas os protocolos de segurança devem ser respeitados. O uso de máscara de proteção, cobrindo nariz e boca, é obrigatório durante toda a permanência do público no local.

 

14 4 2022 minibiblioteca

Filme mostra o impacto da Covid-19 na vida e no trabalho dos músicos da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais (OSMG)

“Todo artista tem de ir aonde o povo está”. O verso de Milton Nascimento representa a necessidade do palco e da plateia. A abstinência dos espetáculos provocada pela pandemia atingiu os musicistas da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais. O processo doloroso, mas também criativo, foi registrado pelas câmeras e apresentado em documentário. “Sinfonia da presença”, de Alysson Rodrigues, retrata o período em que a orquestra continuava seguindo a batuta do maestro, mas se reinventando devido à reclusão, até o reencontro com o público. A obra é exibida, na íntegra, no programa Harmonia, da Rede Minas, neste sábado (14).

O documentário “Sinfonia da presença” apresenta, entre notas e melodias, o depoimento dos musicistas. Nos relatos, falam sobre a rotina, relembram a entrada no grupo e contam sobre a expectativa do retorno. Enquanto todos ansiavam para a volta, um dos membros chegava. A fagotista Isadora Sodré, única mulher trans que ingressou na OSMG durante a pandemia, compartilhou suas expectativas em depoimento.

A obra traz o relato de alguns artistas que compartilharam o drama de quem foi vítima direta do vírus. Alexandre Kanji, spalla da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, vivenciou o luto pela perda de seus pais durante a pandemia, vítimas da Covid-19. O violonista Willian Barros, há quase 30 anos na Sinfônica, conta sobre o processo de recuperação e o medo de não tocar mais. “De repente, o violino parecia apenas um pedaço de pau ou um objeto estranho que eu nunca tinha segurado antes”, falou sobre o processo de recuperação.

Além do filme, o Harmonia traz, em primeira mão, a interpretação de uma obra inédita do maestro, compositor mineiro e integrante da OSMG Rogério Vieira, intitulada “Sinfonieta solene” (para metais & percussão).

Sobre a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais
Considerada uma das mais ativas do país, a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais foi criada em 1976 e declarada Patrimônio Histórico e Cultural do estado, em 2013. Seu atual regente titular é Silvio Viegas.

Apresentado por Luciano Correia, o programa Harmonia vai ao ar neste sábado (14), às 19h, pela Rede Minas e pelo site da emissora: redeminas.tv.

Serviço:
Harmonia
Apresentação: Luciano Correia
Sábado, às 19h, com reapresentação aos domingos, às 22h
Rede Minas e site da emissora: redeminas.tv

Como sintonizar:
redeminas.tv/comosintonizarA Rede Minas está no ar no canal 9 (VHF) ou 17 (UHF); Net 20 e Net HD 520; Vivo 9; One Seg (para celulares e portáteis) 9.3; e através do satélite Brasilsat C2 para a América Latina.Acesse as redes sociais: 
www.redeminas.tvfacebook.com/redeminastvinstagram.com/redeminastvtwitter.com/redeminasyoutube.com/redeminas

 

 

12 5 2022 miniredeminas

No dia 19 de abril, às 20h30, na Sala Minas Gerais, será realizada a primeira apresentação da série “Filarmônica em Câmara” de 2022. O programa da noite começa com a obra Figuras numa paisagem, para flauta e marimba, de Peter Klatzow, na interpretação da flautista Cássia Lima e do percussionista Rafael Alberto. O violinista Rodrigo de Oliveira, o violista João Carlos Ferreira e o violoncelista Robson Fonseca interpretam o Trio de cordas nº 2, de Paul Hindemith.  Philip Hansen (violoncelo) e Neto Bellotto (contrabaixo) interpretam o Dueto para violoncelo e contrabaixo em Ré maior, de Gioachino Rossini. E, fechando o concerto, a violinista Laura von Atzingen e o violinista Arthur Vieira Terto, junto ao violista Nathan Medina e ao violoncelista William Neres executam o Quarteto de cordas nº 1, de Villa-Lobos. Ingressos a R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia).

De acordo com Nota Técnica do Comitê de Enfrentamento à Covid-19 da Prefeitura de Belo Horizonte, publicada no site da PBH em 16/3/22, não é mais necessária a apresentação do comprovante de vacinação e de teste negativo para covid-19 para acesso à Sala Minas Gerais. O uso permanente de máscara segue obrigatório, e o Café da Sala estará aberto. Veja mais orientações no “Guia de acesso à Sala”, no site da Orquestra: fil.mg/acessoasala.

Este projeto é apresentado pelo Ministério do Turismo, Governo de Minas Gerais e Usiminas, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. Realização: Instituto Cultural Filarmônica, Secretaria Estadual de Cultura e Turismo de MG, Governo do Estado de Minas Gerais, Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo e Governo Federal.

Programa
Filarmônica em Câmara
19 de abril – 20h30
Sala Minas Gerais

Peter Klatzow      Figuras numa paisagem, para flauta e marimba
Cássia Lima, flauta
Rafael Alberto, marimba
Paul Hindemith    Trio de cordas nº 2
Rodrigo de Oliveira, violino
João Carlos Ferreira, viola
Robson Fonseca, violoncelo

 

Gioachino Rossini, Dueto para violoncelo e contrabaixo em Ré maior

Philip Hansen, violoncelo

Neto Bellotto, contrabaixo

 Heitor Villa-Lobos     Quarteto de cordas nº 1

Laura von Atzingen, violino

Arthur Vieira Terto, violino

Nathan Medina, viola

William Neres, violoncelo

 

Ingressos a R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia)

Informações: (31) 3219-9000 ou www.filarmonica.art.br

 

 

14 4 2022 minifilarmonica

Imagem: Eugênio Sávio

Capacitações gratuitas são feitas em plataforma digital e abordam diferentes conteúdos

Estão abertas as inscrições para a 1ª Rodada dos cursos EaD da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult). Por meio da Superintendência de Políticas do Turismo (SPT), a pasta oferece os cursos: Captação de Recursos - Interface da Cultura e do Turismo, Operacionalização da Plataforma Integrada de Turismo e Introdução ao Turismo. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas AQUI, até sexta-feira (20/5).

No curso “Captação de Recursos - Interfaces da Cultura e do Turismo”, os participantes vão identificar os pontos importantes para a elaboração de um projeto destinado à captação de recursos, tanto no setor turístico quanto cultural. Além disso, a capacitação reúne todos os processos ligados à utilização da Plataforma Digital Fomento e Incentivo à Cultura, da Secult, desde o cadastro inicial de proponentes, bem com outras etapas.

Já o curso “Operacionalização da Plataforma Integrada do Turismo” é destinado à dinâmica de funcionamento da plataforma, que concentra o inventário da Oferta Turística, uma ferramenta de planejamento voltado para o desenvolvimento do turismo. Os participantes também aprenderão a utilizar a plataforma para inserção das informações turísticas do seu município, de forma online, dinâmica, simplificada e inteligente.

E o curso “Introdução ao Turismo” apresenta, de forma simplificada, os conceitos básicos, o planejamento e a gestão do trabalho regional integrado ao turismo em Minas Gerais, por meio de orientações práticas que conduzem ao desenvolvimento do setor no estado, bem como apresentações de instrumentos técnicos adequados ao planejamento e gestão da atividade turística.

O material didático é composto por textos, documentos acadêmicos, vídeos de animação, apresentações, exercícios para fixação do conteúdo, hiperlinks e infográficos. Os interessados inscritos têm até o dia 30/06 para concluir a capacitação. A carga horária de 20 a 30 horas é dividida em unidades que abordam a diversidade da cadeia produtiva do setor. O conteúdo fica disponível na plataforma EAD Cultura e Turismo da Secult, por meio da ferramenta Moodle.

A convite da Casa Fiat de Cultura, psicanalista e crítica de arte Bianca Coutinho Dias vai destacar como a psicanálise, as teorias de Freud e o modernismo se relacionaram no início do século 20

No centenário da Semana de Arte Moderna de 1922, a Casa Fiat de Cultura tem abordado as reverberações desse movimento nas expressões artísticas e culturais do país. No dia 19 de abril, às 19h, será a vez de entender a relação entre o modernismo e a chegada da psicanálise no Brasil, na palestra virtual “Arte e inconsciente: influências do pensamento freudiano no movimento modernista”. A psicanalista, ensaísta, escritora e crítica de arte Bianca Coutinho Dias vai mostrar como o movimento, que revelou novas maneiras de pensar o mundo e propôs inovações em linguagens estéticas, foi influenciado pelas teorias de Freud. O evento é online e gratuito, com retirada de ingressos pela Sympla.

A palestra vai abordar a relação entre as teorias de Freud e as transformações artísticas dessa época, bem como a contribuição do modernismo para a ampla aceitação da psicanálise freudiana em terras brasileiras. Na virada do século 19 para o 20, o Brasil vivia um momento de intensas transformações, com uma mudança da economia rural para a industrialização, além de revoluções no campo do pensamento. Um novo projeto de nação ecoava em todo o país, e artistas e intelectuais ajudavam a buscar o que seria uma nova identidade brasileira. Nesse contexto, a psicanálise passa a ser vista como uma forma de compreender e discutir questões nacionais. “Para a psicanálise, a questão da identidade dialoga muito com o espírito moderno e com o descentramento do eu. Em psicanálise, não se fala em unificação, mas em como podemos pensar num solo comum, onde todas essas questões se encontram”, analisa a psicanalista Bianca Coutinho Dias.

O Brasil foi o primeiro país da América Latina a adotar o freudismo. A teoria começou a ser discutida no continente simultaneamente às principais cidades europeias. Desde muito cedo, o próprio Sigmund Freud estabeleceu contato com médicos e intelectuais latino-americanos, em especial brasileiros, argentinos, chilenos e peruanos.  E se, em 1899, Juliano Moreira, professor catedrático na Faculdade de Medicina de Salvador, era o primeiro brasileiro a citar artigos científicos de Freud, pouco tempo depois, Oswald de Andrade foi o primeiro modernista a conhecer as ideias de Freud, em uma viagem à Europa, em 1910. “Ao repensar a questão da dependência cultural do país, no Manifesto Antropófogo, ele cria um texto com claras influências do pensamento freudiano”, explica Bianca. “A forma como Oswald realçava a contradição da formação cultural brasileira era uma maneira de abrigar no seio do manifesto o conflito próprio do moderno que Freud sustentava também em sua obra”, completa.

Mário de Andrade foi outro modernista que se debruçou sobre os textos do psicanalista alemão. A questão do sujeito pode ser vista em seus trabalhos, em especial na coleção de poemas “Paulicéia Desvairada”, que chega a citar a expressão meu inconsciente – uma das teorias freudianas.  Além dos escritores, Bianca Coutinho vai falar sobre as obras de Ismael Nery e Flávio de Carvalho. “A crítica de arte vem estudando a psicanálise não como uma de aplicação à arte, mas como algo que pode ser lido com essas manifestações artísticas. Não se trata portanto de uma interpretação literal ou de colocar os artistas no divã. A descoberta do inconsciente é anterior, mas podemos dizer que a psicanálise é fruto de um processo moderno mundial: ela está ligada ao espírito desse tempo e surge dessas inquietações”, reflete. “A Semana de 22 e o modernismo foram um ponto dentro da ideia de modernidade”, finaliza.

A palestra “Arte e inconsciente: influências do pensamento freudiano no movimento modernista” é uma realização da Casa Fiat de Cultura e do Ministério do Turismo, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, com patrocínio da Fiat, do Banco Safra e da Usiminas, e co-patrocínio do Grupo Colorado. O evento tem apoio institucional do Circuito Liberdade, do Governo de Minas e do Governo Federal, além do apoio cultural do Programa Amigos da Casa, da Brose do Brasil e do Instituto Usiminas.

Sobre a palestrante
Bianca Coutinho Dias é psicanalista, escritora, ensaísta e crítica de arte, atua no território multidisciplinar da psicanálise, literatura, filosofia, teoria e prática artística. Mestre em Estudos Contemporâneos das Artes pela Universidade Federal Fluminense (UFF). É especialista em história da arte pela Faculdade Armando Álvares Penteado (FAAP) e tem graduação em Psicologia pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora (CES).

Palestra virtual “Arte e inconsciente: influências do pensamento freudiano no movimento modernista”
Transmissão on-line
19 de abril, às 19h
Inscrição gratuita pela Sympla:  https://bit.ly/ArteInconsciente

 

18 3 2022 minicasafiat

Programação dedicada à 20ª Semana Nacional dos Museus inclui mostra, visitas mediadas, ação de acessibilidade, formação de professores e projeto de experiência ampliada às exposições

A Casa Fiat de Cultura participa, entre os dias 16 e 22 de maio, da 20ª Semana Nacional de Museus, promovida pelo Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM). Durante esta semana, a instituição cultural convida o público para uma programação especial que traz o tema “O Poder dos Museus”, evidenciando a capacidade dos museus de auxiliar as sociedades a se reconhecerem e transformarem as suas realidades. “Os museus são espaços de descoberta, onde as mentes e os sentidos se abrem para novas perspectivas de reflexão e aprendizagem. A Casa Fiat de Cultura é esse lugar onde o público encontra novas proposições, por meio de uma programação ampla, inclusiva e com temáticas diversificadas.  Com o formato híbrido, expandimos o acesso à arte e à cultura, reforçando nosso papel de aceleradora de novas experiências e formas de pensar para todos os públicos”, pontua Ana Vilela, gestora cultural da Casa Fiat de Cultura.

No dia 16 de maio, o Programa Educativo da Casa Fiat de Cultura realiza o bate-papo virtual “Experiência ampliada em exposições de arte: um espaço para todo mundo”, sobre as possibilidades de fazer do passeio a exposições artísticas uma experiência ainda mais rica. Neste encontro, que será realizado online, serão apresentadas formas simples de explorar a visita a uma mostra de arte, entendendo que ela pode ter vários ângulos e trazer muitas interpretações e sensações. O objetivo é sensibilizar o público e mostrar que todos têm em si a capacidade de compreender, se relacionar e ser afetado pela arte. O encontro tem vagas limitadas, com inscrições gratuitas pela Sympla.

Na Formação de Professores online “Conexão arte e educação: a importância das atividades em museus”, nos dias 17 e 18 de maio, será abordado o potencial que museus e centros culturais oferecem para a educação. Em dois episódios disponibilizados no canal da Casa Fiat de Cultura no YouTube serão apresentadas diversas possibilidades de uso das ferramentas museológicas e sua importância no processo pedagógico escolar. O conteúdo conta com tradução simultânea em Libras.

A exposição “Serrapilheira”, do artista Raul Leal, também integra a programação da 20ª Semana Nacional de Museus. A mostra inverte a imagética tradicional construída pelos artistas viajantes de um Brasil eternamente verde. Em uma coleção de 27 fotos – em madeira e papel, o artista mescla dois tipos de registro. Na série Ventania, as fotografias apresentam árvores, secas e solitárias, que se mantêm resilientes na natureza sofrida dos arredores de Miracema, no Rio de Janeiro, em imagens sobrepostas. Na série Rebento, Raul faz a catalogação de mudas de espécimes sobreviventes, que ainda podem reflorestar o deserto naquela região fluminense. A exposição pode ser apreciada presencialmente, na Piccola Galleria, ou online, no tour virtual disponível no site da Casa Fiat de Cultura. No dia 19 de maio, ainda será possível participar de uma visita virtual com mediação do Programa Educativo e tradução simultânea em Libras. Inscrições gratuitas pela Sympla.

Para encerrar a programação na Semana Nacional de Museus, a Casa Fiat de Cultura destaca suas iniciativas de valorização, expansão e inclusão do conhecimento proporcionado a todos os públicos. No dia 20 de maio, às 11h, a convite da Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais, a instituição participa de um bate-papo sobre acessibilidade em equipamentos culturais em uma live pelo Instagram. Enquanto a Biblioteca falará de sua atuação de mais de 50 anos no setor Braille, a Casa Fiat de Cultura apresentará as ações desenvolvidas pelo Núcleo de Acessibilidade e Inclusão do seu Programa Educativo, que contribuem para transformar o imaginário dos visitantes em suas exposições e ações educativas.

Nos dias 21 e 22 de maio, das 10h às 14h, em uma ação especial, em parceria com a Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais, a Casa Fiat de Cultura participa da Estação Leitura Inclusiva na Bienal Mineira do Livro – a maior iniciativa literária em Minas Gerais, que será realizada no BH Shopping. A “Leitura de imagem” estará em destaque como um dos vários tipos de leitura existentes. Em se tratando da arte, a leitura das imagens é essencial para compreender uma obra e suas possibilidades de fruição. Para exemplificar, o Núcleo de Acessibilidade e Inclusão do Programa Educativo da Casa Fiat de Cultura apresenta aos visitantes da Bienal as peças multissensoriais baseadas no painel “Civilização Mineira”, de Candido Portinari – em exposição permanente no hall de entrada da instituição; peças em 3D reproduzindo obras da exposição “São Francisco na Arte de Mestres Italianos”, que esteve em cartaz na Casa Fiat de Cultura em 2018; entre outros.

A programação completa está disponivel AQUI.

 

 

12 5 2022 minicasafiat

Imagem: Léo Lara

 

Inaugurado em 13 de abril, espaço reúne acervo da Coleção Boulieu

Localizado no principal acesso ao centro da cidade mineira, ocupando as instalações do antigo Asilo São Vicente de Paulo, o novo Museu Boulieu acolhe a coleção do casal que dá nome à instituição. Com patrocínio integral do Instituto Cultural Vale, através da Lei Federal de Incentivo à Cultura, e projeto de restauração e expografia assinados pelo Instituto Pedra, o novo espaço contribui para reafirmar Ouro Preto como o epicentro da arte barroca brasileira, sugerindo novas perspectivas e novos contextos ao movimento artístico. 

A edificação conta com uma área de quase 400m² para exposição no pavimento superior (6 salas) e, no térreo, com saguão de entrada, bilheteria, café/loja, sala multiuso, sala do Educativo, espaços administrativos e reserva técnica.

O museu assume a função pública de preservar, investigar e expor a coleção doada pelo casal Jacques e Maria Helena Boulieu, que reúne principalmente obras de origem asiática e latino-americana, principalmente do período barroco. “O Museu Boulieu se pauta pelos encontros, desde o do casal, até aqueles acarretados pelas grandes navegações europeias. Daí, a propagação da fé e dos impérios. O sincretismo religioso e as diversas culturas nos apontam outros caminhos e olhares”, destaca Luiz Fernando de Almeida, diretor-presidente do Instituto Pedra.

Com curadoria de Angelo Oswaldo, atual Prefeito de Ouro Preto, estarão em exibição 1.050 peças das 2.500 da Coleção Boulieu, entre esculturas, pinturas, objetos e mobiliário, além de duas obras cedidas temporariamente pela Coleção Ivani e Jorge Yunes, inaugurando o Programa “Acervos em Diálogo”. Ao percorrer as salas, é possível conhecer alguns dos desdobramentos do Barroco pelo trajeto histórico-poético proposto pelo curador: A fé e o império conquistam o mar; O mundo encantado das Índias; Americanos de Norte a Sul sob o sinal da cruz; O brilho dos metais e a luz da religião; A América hispânica e o esplendor do culto; Os engenhos da arte no Brasil açucareiro; A palma barroca na mão do povo; O eldorado no coração da grande floresta; Esfera da opulência e teatro da religião.

No saguão, o visitante poderá conhecer um pouco da história do casal Boulieu e a origem da coleção. No piso superior, na entrada do percurso expositivo, o visitante será recebido pela voz de Maria Bethânia, embalando poemas de Fernando Pessoa e Camões, e imagens que introduzem o novo caminho para as Índias, onde com novos materiais e nova iconografia, o mundo ocidental se encontra e dialoga culturalmente com as tradições milenares locais.

Completa a programação de abertura do novo espaço, a mostra temporária Aleijadinho - fotografias de Horacio Coppola, realizada em parceria com o Instituto Moreira Salles. O conjunto de fotografias retrata as obras do celebrado escultor brasileiro, Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, a partir da viagem feita por Coppola a Minas Gerais em 1945.

“O Museu Boulieu já nasce como um patrimônio cultural e turístico único de Ouro Preto, do estado de Minas e do Brasil. Esse acervo reverencia nossa história e revela muitas outras, frutos dos muitos encontros que permitiram a sua criação. Um deles com o Instituto Cultural Vale, que tem a honra de ser parte dessa história e de contribuir para que a coleção, compartilhada com tanta generosidade pelo casal franco-brasileiro Maria Helena e Jacques Boulieu, gere novas histórias a partir dos encontros com os públicos que visitarão o Museu”, afirma Hugo Barreto, diretor-presidente do Instituto Cultural Vale.

Histórico do Museu Boulieu
O Museu Boulieu é um museu privado localizado à rua Padre Rolim, 412, no centro da cidade de Ouro Preto, em Minas Gerais, situado no edifício em que funcionou o antigo Asilo São Vicente de Paulo e em uma edificação anexa em que funcionou a antiga “casa do capelão”.

A origem do conjunto de edifícios remonta ao final do século XVIII, mas o imóvel que hoje é o museu foi construído em 1932 pelos vicentinos, para ser usado como asilo, função que cumpriu até a transferência do complexo hospitalar para o bairro da Bauxita, no final dos anos 2000.

Para efetivar a criação do museu, em 2008 o Instituto Cultural Brasileiro do Divino Espírito Santo (ICBDES), atual Instituto Boulieu, foi criado como personalidade jurídica responsável pelo Museu Boulieu. Em 2012, foi então estabelecido um comodato em que o edifício teve o uso cedido pela Prefeitura Municipal de Ouro Preto para a criação do museu, cuja justificativa é “promover a cultura e o turismo no Município de Ouro Preto/MG, gerando riqueza e renda para toda a população ouropretana”. O Museu Boulieu foi oficialmente criado através da Lei Municipal n°820 de 21 de dezembro de 2012 e sua viabilização só foi possível com o patrocínio integral do Instituto Cultural Vale através de projeto cultural na Lei de Incentivo à Cultura (também conhecida como Lei Rouanet).

Coleção Boulieu 
Ao longo de mais de 50 anos, o casal de colecionadores Jacques e Maria Helena Boulieu acumulou cerca de 2.500 peças, sendo a maior parte de arte sacra. Parte da coleção foi doada, em 2011, à Arquidiocese de Mariana, atual donatária-proprietária do acervo. Segundo a Escritura Pública de Doação trata-se de “transferência de propriedade e posse, os bens doados são bens fora de comércio, e que devem ser permanentemente expostos no Museu Boulieu”. 

Em 2021, o casal doou mais um lote de peças ao museu. Nesse novo lote foram doadas além de esculturas e pinturas de temática religiosa, peças utilitárias, como mobiliário, utensílios domésticos de prataria inglesa e latino-americana, vasos de cerâmica, tecidos andinos, gravuras, fragmentos de entalhes, e há também um pequeno conjunto de peças arqueológicas pré-colombianas. No caso dos Boulieu a coleção é fruto, sobretudo, de um gosto do casal pela prataria e arte sacra barroca, devido à sua religiosidade.

Tendo vivido boa parte de suas vidas entre o Brasil e a França, o casal decidiu doar sua coleção para a criação de um museu em Ouro Preto, devido a seu apreço pela cidade, bem como sua intenção em deixar esse legado como parte do patrimônio local, que com este acervo ganhará uma visão internacional do Barroco.

Instituto Pedra
O Instituto Pedra é uma organização da sociedade civil sem fins lucrativos que desenvolve ações no campo do patrimônio cultural. Possui projetos nos estados de Minas Gerais, Bahia, Rio de Janeiro e São Paulo como, por exemplo, o projeto de restauração de fachadas do Edifício Copan e a restauração, com criação de centro cultural, na Vila Itororó em São Paulo; recuperação do complexo arquitetônico e acervo histórico do Palácio Itamaraty no Rio de Janeiro; inventário do acervo de Frans Krajcberg e restauração do Parque do Queimado na Bahia; idealização da Escola de Ofícios Tradicionais de Mariana e a restauração da Igreja de São Francisco de Assis e da Casa do Conde de Assumar, em Mariana, entre outros.

Instituto Cultural Vale
O Instituto Cultural Vale parte do princípio de que viver a cultura possibilita às pessoas ampliarem sua visão de mundo e criarem novas perspectivas de futuro. Tem um importante papel na transformação social e busca democratizar o acesso, fomentar a arte, a cultura, o conhecimento e a difusão de diversas expressões artísticas do nosso país, ao mesmo tempo em que contribui para o fortalecimento da economia criativa. São mais de 200 projetos criados, apoiados ou patrocinados em 24 estados e no Distrito Federal. Dentre eles, uma rede de espaços culturais próprios, patrocinados via Lei Federal de Incentivo à Cultura, com visitação gratuita, identidade e vocação únicas: Memorial Minas Gerais Vale (MG), Museu Vale (ES), Centro Cultural Vale Maranhão (MA) e Casa da Cultura de Canaã dos Carajás (PA). Visite o site do Instituto Cultural Vale: institutoculturalvale.org

 

Museu Boulieu
Abertura ao público: dia 14 de abril às 10h
Endereço: Rua Padre Rolim, 412, Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil
Como chegar: https://goo.gl/maps/mkqNLCxWcy4GWTpQ8
Horário de funcionamento:
Segunda-feira, quinta-feira, sexta-feira, sábado e domingo: das 10h às 18h.(Entrada inteira: R$10 / meia entrada: R$5)
Quarta-feira: das 13h às 22h (Entrada gratuita)
Terça-feira: fechado
Agendamento de visitas monitoradas: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. 

Site: https://museuboulieu.org.br/
Instagram: @museuboulieu
Facebook: @museuboulieu

 

14 4 2022 minimuseu

Obras de artistas mineiros estavam em Brasília e vão compor a Pinacoteca do Estado; Entre os trabalhos, criações de Inimá de Paula, Lotus Lobo, Chanina e Carlos Bracher

Mais diversidade para o acervo artístico de Minas Gerais. A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) recebeu, na tarde desta quarta-feira (11/5), obras que estavam sob responsabilidade da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero). Os trabalhos, em diferentes suportes, como pintura e escultura, foram recolhidos nos aeroportos de Belo Horizonte (Confins e Pampulha) e, após a cessão à Secult, serão avaliadas no Museu Mineiro, em Belo Horizonte. 

Os trabalhos foram entregues no Aeroporto Carlos Prates, em Belo Horizonte, e estavam guardados no depósito da empresa, em Brasília (DF). A cessão à Secult foi feita por meio da assinatura de um termo entre as duas autarquias governamentais. Em 2023, um novo termo será assinado pelas entidades, dessa vez, para a doação definitiva das obras, que tão logo estejam restauradas, serão expostas ao público.

Ao todo, passam a integrar o acervo artístico da Secult, 24 obras. Entre os trabalhos estão obras de Lotus Lobo, Carlos Bracher, Inimá de Paula, Sara Ávila, Nello Nulo entre outros grandes nomes das artes visuais do País. Para o secretário de estado de Cultura e Turismo, Leônidas Oliveira, esse momento tem grande significado para a pasta, uma vez que fará parte da Pinacoteca do Estado. 

“O acervo de Pinacoteca do Governo de Minas, depositado no Museu Mineiro conta, por meio das pinturas, parte importante da história das artes plásticas no Estado e no País. Essa nova coleção, recuperada pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo, soma-se a esse belíssimo acervo. Esse é um dia importante para a cultura mineira e para toda a diversidade artística em nosso Estado”, destaca Leônidas Oliveira. 

As obras ficarão sob a guarda do Museu Mineiro para um processo inicial de avaliação. Após esse primeiro momento, a equipe técnica do Núcleo de Restauro e Conservação do equipamento dará sequência nos trabalhos, que envolvem as rotinas museais para preservação de obras de arte. Para o diretor de Museus da Secult, Alexandre Milagres, a chegada desses trabalhos tem grande significado para o público. 

“São obras diversas e um valor incrível que se somam a um acervo já muito significativo no Museu Mineiro. Esses trabalhos que chegam reforçam, ainda mais, a importância que a arte tem em Minas Gerais, um estado que se preocupa e fomenta essa linguagem. Esse é um acervo muito diverso que representa diferentes períodos da produção artística nacional, bem como uma estética própria”, pontua.

 

11 5 2022 miniacervo

Exposições, eventos virtuais e atividades reflexivas fazem parte das ações do evento que acontece de 18 a 23 de abril

Com a proposta de difundir as ações do Ano da Mineiridade, a Biblioteca Estadual propõe uma programação diversificada para a II Semana Estadual de Incentivo à Literatura de Minas Gerais. Iniciativa da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult), por meio do Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de Minas Gerais (SEBP-MG), o evento é uma ação articulada em todo o estado, contando com a participação de mais de 70 equipamentos vinculados ao SEBP-MG. Ao todo, cerca de 100 atividades presenciais serão realizadas de 18 a 23 de abril.

Para o diretor do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas, da Secult, Lucas Amorim, a segunda edição do evento reforça o importante trabalho de descentralização das ações da pasta para o fomento da cultura no estado. De acordo com Lucas, a grande participação das bibliotecas reflete a municipalização das políticas públicas no segmento da literatura, além de evidenciar a vasta produção mineira.

“A II Semana Estadual de Incentivo à Literatura nos convida a repensar o estado a partir de um olhar nosso. Para além de evidenciar o jeito mineiro, o evento reúne as bibliotecas vinculadas ao Sistema Estadual em ações presenciais que têm sido fundamentais para difundir o interesse pela literatura, bem como o fomento da cultura no estado. Na Biblioteca Estadual, por exemplo, nossas ações propõem reflexões e descobertas que ampliam a percepção sobre os livros e propõem novos olhares para além das páginas”, destaca Lucas Amorim.

Diversidade de ações
A programação da Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais aborda diferentes conteúdos ao longo da Semana Estadual de Incentivo à Leitura. Na segunda-feira (18/4), tem início a exposição “Moderna – Revistas re-vistas”, na Galeria de Arte Paulo Campos Guimarães. A mostra celebra o centenário da Semana de Arte Moderna e propõe novas leituras a partir do acervo histórico do setor de Coleções Especiais, destacando a transversalidade que existe entre a literatura e as demais linguagens artísticas.

Também em 18 de abril será inaugurada a exposição “Quadrinistas mineiros no Brasil e no mundo”, no Setor Infantojuvenil – BIJU. Realizada em parceria com a Escola Técnica de Artes Visuais Casa dos Quadrinhos, a exposição conta com trabalhos de quadrinistas mineiros profissionais, estudantes e amadores. São originais e reproduções de páginas, ilustrações e pinturas que mostram um pouco do trabalho de artistas mineiros no Brasil e no mundo.

A BIJU ainda será palco de uma ação especial para as crianças. Na terça-feira (19/4), a partir das 14h, a escritora Ana Raquel é a convidada do projeto “Hora do conto e da leitura”. Ela vai apresentar ao público o espetáculo “Breu”, inspirado em contos de assombração. O espetáculo é uma celebração à tradição oral, exaltando a cultura, os costumes e características do povo mineiro.

No mesmo dia, será lançada, a partir das 19h, será lançado o 3º volume da Revista Libertas Coletivo de Artes, um veículo de comunicação que compila e divulga o acervo de cerca de 250 artistas que fazem parte do coletivo. O evento será realizado no hall da Biblioteca, com entrada gratuita.

Atividades virtuais
A programação da Biblioteca na II Semana Estadual de Incentivo à Leitura também propõe uma série de atividades que serão realizadas nas plataformas digitais do equipamento cultural. De 18 a 23 de abril, no Instagram @biblitoecaestadualmg, o público irá conferir uma edição especial do projeto Curtinhas da BIJU, quando serão publicados vídeos curtos com trechos de livros infantis em homenagem aos escritores mineiros.

Já a Hemeroteca Histórica propõe um diálogo sobre as diferentes produções literárias. Na segunda-feira (18/4), o setor promove edição virtual do Hemeroteca em debate. O pesquisador Luiz Morando irá participar de um bate-papo com o público sobre o livro "Enverga, mas não quebra: Cintura Fina em Belo Horizonte", publicado a partir de pesquisas realizadas no acervo do setor. O evento será transmitido ao vivo pelo Instagram da Biblioteca, a partir das 14h.

O Setor Braille vai promover o projeto Tempo para ler, abordando a produção literária de Minas Gerais. O encontro será realizado por meio de plataforma de videoconferência, na terça-feira (19/4), a partir das 14h. As inscrições podem ser feitas até 15/4 pelo e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. O Tempo para ler tem como objetivo proporcionar uma oportunidade de vivenciar textos literários variados, a fim de incentivar o hábito e o gosto de ler, entre as pessoas com deficiência visual e demais participantes.

O projeto Talentos Literários contará com duas edições durante o evento. Na quarta-feira (20/4), às 15h, o escritor Wagner Vieira é o convidado da vez para um bate-papo sobre sua trajetória na literatura. E, na sexta-feira (22/4) também às 15h, quem participa do encontro virtual com o público é a autora Maria Aparecida Vasconcelos Lavigne, que também fará um panorama sobre sua carreira no universo da literatura. Os eventos serão transmitidos ao vivo pelo Instagram @bibliotecaestadualmg.

A programação completa da Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais para a II Semana Estadual de Incentivo à Literatura de Minas Gerais pode ser consultada AQUI. As atividades dos demais equipamentos que participam da segunda edição do evento neste ano estão disponíveis neste link.

 

 

13 4 2022 minibiblioteca

A vigésima edição da Semana Nacional de Museus celebra o tema “O Poder dos Museus”

Entre os dias 16 e 22 de maio de 2022, o Instituto Brasileiro de Museus – IBRAM, promove a 20ª edição da Semana Nacional de Museus. A temporada cultural acontece todos os anos, em maio, e envolve grande parte dos museus brasileiros, num esforço de convergência de suas programações em torno de um mesmo tema. Os museus, seus profissionais e a comunidade museal é convidada a criar, imaginar e compartilhar ações voltadas para o diálogo com seus públicos e territórios, fortalecendo o reconhecimento e a visibilidade dos museus.

Para a edição deste ano, o tema proposto é “O Poder dos Museus”. Essas instituições vêm, a cada dia, se mostrando capazes de se reinventar em momentos de crise, ao longo dos tempos históricos, ao qual podemos perceber seu poder de auxiliar as sociedades a se reconhecerem e transformarem as suas realidades.

O Poder dos Museus está presente em suas ações de pesquisa, preservação, conservação, educação, comunicação, ação cultural, gestão, inovação tecnológica, cumprimento das funções sociais e da criação de repertórios para o futuro. Nesse sentido, os museus são construtores de futuro e por isso são poderosos. Eles têm o poder de produzir arte, cultura, alegria, amor e mais vida. Reside aí toda a sua potência polifônica, política, poética e pedagógica.

Os sete museus da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult/MG) participarão ativamente da 20ª Semana Nacional de Museus através de uma extensa programação. Uma das atividades propostas consiste em convidar os visitantes dos museus estaduais a refletirem sobre “O Poder dos Museus”.Os visitantes terão a oportunidade de relatar o poder que os museus exercem junto às comunidades em que estão inseridos.

Ao longo da Semana esses relatos serão publicados nas redes sociais do Centro de Arte Popular, dos museus Casa Alphonsus de Guimaraens, Casa Guignard, Casa Guimarães Rosa, do Crédito Real, dos Militares Mineiros e do Museu Mineiro. Através dessa ação, os museus demonstram a força que têm junto a seus visitantes e às comunidades em que estão inseridos, seja em Belo Horizonte, em Ouro Preto, em Mariana, em Cordisburgo, em Juiz de Fora ou em tantos outros municípios do Brasil e do exterior de onde provém o seu público.

A programação dos museus da Secult/ MG incluirá, ainda, oficinas, ações educativas, edição especial do Sarau Cantando Alphonsus, apresentação musical, apresentações do Grupo de Contadores de Estórias Miguilim e muito mais.

O Sistema Estadual de Museus de Minas Gerais (SEMMG) é o principal apoiador da Semana Nacional de Museus no âmbito do Estado de Minas Gerais, sendo este uma das unidades da federação com a participação mais significativa de museus. Em 2022, serão 139 instituições participantes em Minas Gerais, com 348 atividades cadastradas.

Confira abaixo a programação dos museus da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais:

Programação

► Centro de Arte Popular

● Oficina de Macramê

Ministrante: Rafaela Damato

20/05 – das 14h30 às 16h

Local: Centro de Arte Popular

15 vagas

O objetivo da oficina é valorizar as artes têxteis. Inscrições pelo link: https://docs.google.com/forms/d/1wggslw68uRi0BTxzGXXq-9g1ISpq5a9QGN_N3Bn_kko/edit

● Oficina de Estandartes

Ministrante: Willi de Carvalho

21/05 – das 14h30 às 16h30

Local: Centro de Arte Popular

15 vagas

O objetivo da oficina é confeccionar estandartes sacros utilizados em festas populares de Minas Gerais. Inscrições pelo link: https://docs.google.com/forms/d/1wggslw68uRi0BTxzGXXq-9g1ISpq5a9QGN_N3Bn_kko/edit

 

► Museu Casa Alphonsus de Guimaraens

● 38º Sarau Cantando Alphonsus com participação do Grupo de Contadores de Estórias Miguilins (Cordisburgo/ MG).

19/05 – das 19h às 22h

Local: Praça da Sé de Mariana

O Cantando Alphonsus é um evento anual do Museu Casa Alphonsus de Guimaraens em parceria com a Academia Marianense de Letras, Ciências e Artes. O objetivo do evento é aprofundar os estudos sobre a obra do poeta simbolista, Alphonsus de Guimaraens, aproximando-o do público de todas as gerações.

 

► Museu Casa Guimarães Rosa

● Ação Educativa

De 17 a 20/05 – das 8h às 17h

Atividade de educação patrimonial com o objetivo de levar alunos das escolas públicas de Cordisburgo ao Museu Casa Guimarães Rosa a fim de despertar neles o reconhecimento do museu enquanto um lugar de memória.

 

► Museu Casa Guignard

● Exposição “60 anos sem Guignard – o artista na cidade”

De 17 a 21/05

Circuito expositivo ao ar livre.

Local: Caminho tronco da cidade de Ouro Preto.

● Oficina Traços da Paisagem

Oficina de desenho e aquarela

18/05

Inscrições encerradas

Local: Varanda Guignard do Grande Hotel de Ouro Preto.

● Intervenção expositiva na Sala de Retratos do Museu Casa Guignard

20/05

Local: Museu Casa Guignard.

● Apresentação do Grupo de Contadores de Estórias Miguilim

20/05 – 15h

Local: Museu Casa Guignard

O Grupo de Contadores de Estórias Miguilim foi criado em 1995 e é formado por jovens de Cordisburgo/ MG, que recebem uma formação específica para atuarem na difusão da literatura do escritor cordisburguense João Guimarães Rosa, em uma estreita parceria entre o museu, a Associação de Amigos e a comunidade local. A atuação do Grupo de Contadores de Estórias Miguilim tem sido fonte de inspiração para outros projetos que procuram integrar arte, literatura, desenvolvimento pessoal e comunitário através da narração oral.

 

► Museu dos Militares Mineiros

● Ação Educativa e Apresentação Musical do Quarteto de Cordas da Corporação Musical da Polícia Militar de Minas Gerais

18/05 – 14h

A proposta é construir uma ação educativa com estudantes com deficiência cognitiva e/ ou intelectual, possibilitando-os conhecer o Museu dos Militares Mineiros. Ao final da visita haverá uma apresentação do quarteto de cordas da corporação musical da Polícia Militar de Minas Gerais

 

► Museu Mineiro

● Oficina “Acondicionamento e Embalagem de Acervo”

Ministrante: Bianca Monticelli – Coordenadora do Laboratório de Conservação e Restauro “Jair Afonso Inácio” – LABCOR/ FAOP

18/05 – das 9h às 17h

As inscrições já estão encerradas!

A oficina propõe um olhar sobre as diretrizes para a confecção de embalagens e acondicionamentos de diversos tipos de acervo, buscando dar subsídios aos profissionais da área. O propósito do acondicionamento é o de guardar, proteger e facilitar o manuseio do material que compõe um acervo ou uma reserva técnica. Pelo fato de cada instituição possuir uma política de tratamento, além de objetos de materiais, tamanhos e dimensões díspares que devem ser preservados, não há uma receita para o acondicionamento perfeito, cada caso deve ser analisado isoladamente, para se alcançar o objetivo de proteger o material. A oficina será ministrada no ateliê de restauração da Diretoria de Museus, prédio anexo ao Museu Mineiro. Serão disponibilizadas 10 vagas.

● Slam Clube da Luta e Grupo Identidade

19/05 – de 18h30 às 21h

O Slam, também conhecido como Poetry Slam, foi criado nos EUA na década de 1980 e chegou ao Brasil em 2009, em São Paulo. O Slam Clube da Luta, o primeiro de Minas Gerais, é uma competição de poesia falada em que qualquer pessoa pode competir, desde que tenha pelo menos três poemas autorais de até três minutos recitados, cada. A performance de cada poeta é julgada por cinco jurados, escolhidos no momento da competição, que dão notas de 0,0 a 10,0. Sem usar figurino, elemento de cena ou acompanhamento musical, os poetas se revezam no

microfone em três rodadas, quando se descobre quem vence. Desde 2014, o Slam Clube da Luta já teve dois representantes que foram a Paris, na França, disputar a Copa do Mundo da Poesia, representando o Brasil. Além disso, é responsável pelo Slam MG, que seleciona representantes, todos os anos, para o Slam BR, a etapa nacional. O Slam Clube da Luta acontece no Teatro Espanca, sempre na última quinta-feira de cada mês.

O Grupo Identidade faz apresentações de dança que mistura o estilo urbano com elementos contemporâneos, do jazz ao funk, o que dá um caráter inédito às coreografias. O coletivo surgiu em 2012, por meio de oficinas do Programa Fica Vivo, e ganhou o público da comunidade, tornando-se referência na cultura urbana de Belo Horizonte. Atualmente, a formação reúne talentos das sete vilas que compõem o Aglomerado da Serra.

O que era atividade extracurricular virou chance de profissionalização na arte e oportunidade de fomentar as culturas das favelas, apresentar outras perspectivas e olhares para as periferias e pautar questões ligadas à identidade e às variadas desigualdades sociais, raciais e de gênero, entre outras. O Grupo Identidade tem longo currículo de participações em apresentações, espetáculos, mostras, palestras, festivais e concursos de dança na cena belo-horizontina. A entrada é gratuita.

 

► Sistema Estadual de Museus

● Seminário “Relatos de Experiência”

16/05 – 14h às 17h

Apresentação de painéis com relatos de experiência que revelem o poder dos museus.

O evento será realizado através da plataforma Sympla. Inscrições: https://www.sympla.com.br/evento-online/20-semana-nacional-de-museus-relatos-de-experiencias-semmg/1546624

● Reunião Anual do Comitê Gestor do Sistema Estadual de Museus

18/05 – 16h

Durante a reunião serão apresentados os novos membros do Comitê Gestor do Sistema Estadual de Museus para o mandato 2022-2024. A reunião será aberta para ouvintes.

O evento será realizado através da plataforma Sympla. Inscrições: https://www.sympla.com.br/evento-online/reuniao-anual-comite-gestor-semmg-e-posse-de-novos-membros-mandato-2022-2024/1515346

 

SERVIÇO

■ Centro de Arte Popular

Endereço: Rua Gonçalves Dias, 1608 - Lourdes - BH/MG. CEP: 30140-092

Contato: (31) 3291-1621

Facebook: https://www.facebook.com/centrodeartepopular.mg/ Instagram: https://www.instagram.com/centrodeartepopular/

Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCFQdK9LRHApuhDfTYtENLwg

Funcionamento: Terça a Sexta – das 12h às 19h| Sábados, Domingos e Feriados – das 11h às 17h

 

■ Museu Casa Alphonsus de Guimaraens

Endereço: Rua Direita, 35 – Centro – Mariana/MG. CEP: 35420-000

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. Facebook: https://www.facebook.com/museualphonsusdeguimaraens/ Instagram: https://www.instagram.com/museualphonsus/

Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCZ9YFazrZQpPTbtpKCG4REg

Funcionamento: Terça a Sexta – das 12h às 18h | Sábados, Domingos e Feriados – das 9h às 15h

 

■ Museu Casa Guimarães Rosa

Endereço: Rua Padre João, 744 – Cordisburgo/MG. CEP: 35.780-000

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. Facebook: https://www.facebook.com/museucasaguimaraesrosa.mg/

Instagram: https://www.instagram.com/museuguimaraesrosa/?hl=pt-br Youtube: https://www.youtube.com/c/MuseuCasaGuimar%C3%A3esRosa

Funcionamento: Terça a Domingo – das 9:30h às 17h

 

■ Museu Casa Guignard

Rua Conde de Bobadela (Rua Direita), 110 – Ouro Preto/ MG CEP 35.400-000 E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. Facebook: https://www.facebook.com/museucasaguignard.mg/ Instagram: https://instagram.com/museucasaguignard?igshid=ev12p1yas4dt

Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCNcvvh91mSQtgEsq9qQK-Ew

Funcionamento: Terça a sexta – 12h às 18h | Sábados, Domingos e Feriados – 9h às 15h

 

■ Museu do Crédito Real

Endereço: Av. Getúlio Vargas, 455 – Centro – Juiz de Fora/ MG. CEP 36010-000

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Facebook: https://www.facebook.com/museudocreditoreal.mg

Instagram: https://www.instagram.com/museudocreditoreal/?hl=pt-br Youtube: https://www.youtube.com/channel/UChNwt0msSuRhPC8k3cMNYGQ

Funcionamento: Segundas, Quartas e Sextas, das 12h às 18h

 

■ Museu dos Militares Mineiros

Endereço: Rua Aimorés, 698 – Funcionários – BH/ MG. CEP 30.140-070

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Facebook: https://www.facebook.com/museudosmilitaresmineiros

Instagram: https://www.instagram.com/museudosmilitaresmineiros/?hl=pt-br

Funcionamento: Segunda a Sexta – das 11h às 17h

 

■ Museu Mineiro

Endereço: Av. João Pinheiro, 342 – Centro – BH/MG. CEP: 30130-180 E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Facebook: https://www.facebook.com/museumineiro.mg/

Instagram: https://www.instagram.com/museumineiro/ Site: http://www.museumineiro.mg.gov.br/

Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCDwGBW_hdfoF7nfOhPerhKA

Funcionamento: Terça a Sexta – das 12h às 19h| Sábados, Domingos e Feriados – das 11h às 17h

 

■ Sistema Estadual de Museus

Instagram: https://www.instagram.com/sistemademuseus_mg/

 

10 5 2022 minisemana

Inscrições são gratuitas e podem ser feitas de 18 de abril a 2 de maio

A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) divulga novo processo de contratação temporária de profissionais para atuar em ações coordenadas, pelo Comitê Gestor Pró-Brumadinho, nos municípios diretamente impactados pelo rompimento da Barragem B1, da Mina do Córrego do Feijão, ocorrido em janeiro de 2019.

Em edital publicado na edição de terça-feira (12/4), do Diário Oficial do Estado, estão abertas as inscrições para três vagas de nível superior para as funções correlatas de Analista de Gestão e Políticas Públicas em Desenvolvimento, no âmbito da Secult. Interessados podem se inscrever, de forma gratuita, de 18 de abril a 2 de maio, neste link. O edital pode ser consultado AQUI.

A ação é fruto de acordo judicial firmado entre o Governo de Minas e a mineradora Vale S.A., responsável pelo reservatório. Os profissionais passarão por processo seletivo realizado pelo Estado, e todos os custos da contratação e pagamento de salários serão ressarcidos pela empresa.

O processo seletivo simplificado terá três etapas, sendo a primeira de candidatura e habilitação; a segunda fase de análise de currículo e títulos; e a terceira fase de entrevistas. A atuação será em Belo horizonte, no cargo de Analista de Gestão de Políticas Públicas em Desenvolvimento. Poderão ser contratados profissionais das áreas de Administração e/ou Administração Pública e/ou Gestão Pública e/ou Turismo e/ou Ciências Econômicas, reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC).

O contrato terá prazo de seis meses, a partir da sua assinatura, podendo ser prorrogado pelo prazo necessário à superação da situação de emergência que ocasionou a contratação e de acordo com limites expressos no Edital. Dúvidas sobre o processo seletivo e sobre o Edital podem ser enviadas para o e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

No último dia 10 de maio, terça-feira, o Museu Mineiro completou 40 anos de existência. Para celebrar a data, durante todo o mês de maio, o Museu realizará uma série de eventos que incluirão exposições temporárias, uma Roda de Conversa sobre a relação entre o Museu e a Cidade, uma oficina e uma sessão de cinema ao ar livre. A Programação de aniversário do Museu Mineiro conta com patrocínio da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte – CDL/ BH.

EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA “QUANDO” (Continuação)

A mostra apresenta obras produzidas pelo Coletivo “Quando”, composto por artistas e mulheres cis e transgênero que transitam pelo abrigo Maria Maria, casa de acolhimento à população de rua em sistema de moradia temporária subsidiada pela Prefeitura de Belo Horizonte. Os trabalhos da exposição são frutos de laboratórios de arte realizados pelo coletivo desde 2018 e incluem diário de bordo, derivas pela cidade, arte têxtil, práticas de colagem, desenho, pintura, vídeo, dentre outras ações multidisciplinares que servem como suportes para o compartilhamento de memórias, narrativas, sonhos etc.

EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA VICENTE FERNANDEZ
A mostra, que conta com quadros em exposição na Sala das Sessões e um grande painel na área externa do Museu Mineiro de autoria do artista Vicente Fernandez, é a soma entre o barroco e a fé dos mineiros, a partir de reproduções fotográficas de alguns ícones religiosos, totalmente confeccionados em jeans. O trabalho é montado utilizando apenas o tecido retirado de peças em jeans descartadas, tesoura e cola. Um “upcycling” que, ordenado pela colagem dos tecidos, cria uma ilusão de ótica de efeito tridimensional.

VISITA GUIADA: 40 ANOS DO MUSEU MINEIRO
No dia 14, das 11h às 12h, será realizada uma visita temática sobre os 40 anos do Museu Mineiro. O objetivo da visita é que os expectadores conheçam a riqueza arquitetônica e cultural do Museu que foi criado em 1982. A atividade, que será conduzida por Álisson Valentim, coordenador do Museu Mineiro, terá ênfase na história da instituição. A atividade é aberta a qualquer pessoa que tenha curiosidade em conhecer a história do Museu. Além de contar a trajetória da instituição, a visita será uma viagem pelo acervo do Museu Mineiro, que é formado por objetos que documentam períodos distintos da cultura mineira. Dentre eles, ressaltam-se peças de arte sacra, mobiliário, pinturas, esculturas, utensílios domésticos, instrumentos de trabalho etc. É necessário realizar inscrição prévia para participar da visita. Serão disponibilizadas 25 vagas.

OFICINA: ACONDICIONAMENTO E EMBALAGEM DE ACERVO
No dia 18, o Museu Mineiro realizará a oficina Acondicionamento e Embalagem de Acervo. A oficina será ministrada por Bianca Monticelli, gerente do Laboratório de Conservação e Restauro "Jair Afonso Inácio" – LABCOR/ FAOP (Fundação de Arte de Ouro Preto). É necessário realizar inscrição prévia. Serão disponibilizadas 10 vagas e o evento será realizado no ateliê de restauração e conservação da Diretoria de Museus.

A oficina propõe um olhar sobre as diretrizes para a confecção de embalagens e acondicionamentos de diversos tipos de acervo, buscando dar subsídios aos profissionais da área. O propósito do acondicionamento é o de guardar, proteger e facilitar o manuseio do

material que compõe um acervo ou uma reserva técnica. Pelo fato de cada instituição possuir uma política de tratamento, além de objetos de materiais, tamanhos e dimensões díspares que devem ser preservados, não há uma receita para o acondicionamento perfeito, cada caso deve ser analisado isoladamente, para se alcançar o objetivo de proteger o material.

Bianca Monticelli
Possui formação no Curso Técnico em Conservação e Restauração de Bens Culturais - Fundação de Arte de Ouro Preto (FAOP) – 2007 e em Artes Plásticas, com Licenciatura em Educação Artística - Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) - 2003. Tem experiência em trabalhos de Conservação e Restauro de telas, fotografias, livros, gravuras e esculturas. Foi professora de Conservação e Restauro de Papel do Curso Técnico de Conservação e Restauro da FAOP. Atualmente coordena o Laboratório de Conservação e Restauro "Jair Afonso Inácio" – LABCOR/FAOP, vinculado à Assessoria Técnica de Promoção e Extensão /FAOP, atuando nas áreas de conservação e restauração de Escultura Policromada, Pintura de Cavalete e Papel, elaboração de orçamentos e projetos e coordenação.

SLAM CLUBE DA LUTA E GRUPO IDENTIDADE
No dia 19, das 18h30 às 21h, o Museu Mineiro receberá o Slam Clube da Luta e o Grupo Identidade. O Slam, também conhecido como Poetry Slam, foi criado nos EUA na década de 1980 e chegou ao Brasil em 2009, em São Paulo. O Slam Clube da Luta, o primeiro de Minas Gerais, é uma competição de poesia falada em que qualquer pessoa pode competir, desde que tenha pelo menos três poemas autorais de até três minutos recitados, cada. A performance de cada poeta é julgada por cinco jurados, escolhidos no momento da competição, que dão notas de 0,0 a 10,0. Sem usar figurino, elemento de cena ou acompanhamento musical, os poetas se revezam no microfone em três rodadas, quando se descobre quem vence. Desde 2014, o Slam Clube da Luta já teve dois representantes que foram a Paris, na França, disputar a Copa do Mundo da Poesia representando o Brasil. Além disso, é responsável pelo Slam MG, que seleciona representantes, todos os anos, para o Slam BR, a etapa nacional. O Slam Clube da Luta acontece no Teatro Espanca, sempre na última quinta feira de cada mês.

O Grupo Identidade faz apresentações de dança que mistura o estilo urbano com elementos contemporâneos, do jazz ao funk, o que dá um caráter inédito às coreografias. O coletivo surgiu em 2012, por meio de oficinas do Programa Fica Vivo, e ganhou o público da comunidade, tornando-se referência na cultura urbana de Belo Horizonte. Atualmente, a formação reúne talentos das sete vilas que compõem o Aglomerado da Serra.

O que era atividade extracurricular virou chance de profissionalização na arte e oportunidade de fomentar as culturas das favelas, apresentar outras perspectivas e olhares para as periferias e pautar questões ligadas à identidade e às variadas desigualdades sociais, raciais e de gênero, entre outras. O Grupo Identidade tem longo currículo de participações em apresentações, espetáculos, mostras, palestras, festivais e concursos de dança na cena belo-horizontina.

CINE-PAREDÃO: EXIBIÇÃO DO FILME “ARÁBIA”
No dia 26, das 19h às 20h30, será realizado o Cine-Paredão com a exibição do filme “Arábia” no paredão da Ágora do Museu Mineiro, ao ar livre. A obra conta a história do jovem André, que ao encontrar o diário de um trabalhador, numa vila operária em Ouro Preto, entra em contato com a comovente trajetória de vida de Cristiano, em meio às mudanças sociais e políticas do Brasil dos últimos dez anos.

Eleito o melhor filme no Festival de Brasília 2017; melhor filme lançado em 2018 segundo a Abracine (Associação Brasileira de Críticos de Cinema), APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte), Jornal Folha de São Paulo e Festival SESC Melhores Filmes. A obra conta com direção e roteiro de Affonso Uchôa e João Dumans. No elenco, Aristides de Sousa, Murilo Caliari, Glaucia Vandeveld, Renato Novaes, Adriano Araújo, Renan Rovida, Wederson Neguinho e Renata Cabral.

RODA DE CONVERSA
No dia 28, o Museu Mineiro realizará a Roda de Conversa “O Museu e a Cidade” com as participações de Maíra Onofri e Livia Morais e mediação de Álisson Valentim. O Museu, a memória social e o patrimônio cultural são elementos estruturantes de relações sociais. A Cidade é um espaço coletivo, gerador e influenciador de interações e conflitos. A Cidade revela e produz diferentes tempos, espaços, modelos relacionais, projetos sociais e narrativas.

Os Museus pretendem pensar, representar e intervir nas Cidades, respeitando a esfera pública, as subjetividades e as diferenças culturais. Cidades e Museus são cenários e palcos da contemporaneidade. Cidade e Museu estimulam ações contínuas. A Roda de Conversa tratará sobre a constituição do Museu como objeto de disputas simbólicas dentro da Cidade.

O evento é destinado a museólogos, historiadores, profissionais das áreas de arquitetura, turismo, artes visuais e design, além de estudantes e pesquisadores de diversas áreas de conhecimento, mas a atividade é aberta a qualquer pessoa que tenha interesse no tema.

Livia Morais:
Arquiteta e Urbanista e Mestre em Geografia (UFMG/2019). Há dez anos atua na área do patrimônio cultural, desenvolvendo pesquisas e consultoria técnica para a administração pública, incluindo a execução de laudos técnicos, inventários de proteção do acervo cultural, normatização de núcleos históricos, processos de tombamento e de registro. Foi servidora do IEPHA/ MG (Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais) de maio de 2019 a dezembro de 2021, sendo responsável pela articulação e orientação de municípios mineiros quanto à proteção de seu patrimônio cultural material. Atualmente, se dedica à formação e capacitação na área, ministrando cursos voltados sobretudo para técnicos lotados nos setores municipais de proteção do patrimônio cultural.

Maíra Onofri:
Arquiteta e Urbanista e Mestre em Preservação do Patrimônio Cultural pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional). Estuda tecnologias digitais aplicadas ao patrimônio cultural com ênfase na participação social. Atualmente, é servidora do IEPHA e aluna do curso de Especialização em Artes Visuais e Tecnologias Contemporâneas na Escola de Belas Artes /UFMG. Compartilha conteúdos sobre cidades, patrimônio e cultura em suas redes sociais com foco na tecnologia digital. Tem um podcast no Spotify intitulado “Mairacast” em que convida especialistas para debater, discutir e refletir sobre a temática do patrimônio cultural aplicado às cidades brasileiras.

Álisson Valentim
Coordenador do Museu Mineiro. Arquiteto e Urbanista e Mestre em Design pela UEMG. Doutorando em Museologia e Patrimônio pela Unirio.

MUSEU MINEIRO
Localizado na Avenida João Pinheiro, corredor de acesso à Praça da Liberdade, em Belo Horizonte, o Museu Mineiro está instalado em um edifício eclético construído em fins do século XIX pela Comissão Construtora da Nova Capital. Tendo sido construída para servir de residência para o Secretário da Agricultura, a edificação serviu de sede para o Senado Mineiro, foi a Pagadoria Geral do Estado até se tornar a sede do Museu Mineiro.

Inaugurado em 1982, o Museu Mineiro reúne em seu acervo um conjunto bastante diversificado de objetos referentes à história e à produção cultural e artística mineiras. Nas salas de exposição são exibidas obras de artistas consagrados, tais como: Manoel da Costa Ataíde, Yara Tupynambá, Amílcar de Castro, Jeanne Milde, Inimá de Paula, Lótus Lobo, Celso Renato, Sara Ávila, Guignard, Maria Helena Andrés, Di Cavalcanti etc.

Atualmente, o Museu exibe a exposição de longa duração “Minas das Artes, Histórias Gerais”, onde o visitante tem a oportunidade de conhecer uma vasta coleção de arte sacra, datada dos séculos XVIII e XIX, além de preciosidades do acervo, como a bandeira da Inconfidência Mineira, os manuscritos originais da obra “Tutaméia” de Guimarães Rosa, o retrato de Aleijadinho e a coleção de santos de devoção popular.

O Museu Mineiro é integrante do Circuito Liberdade, complexo cultural sob gestão da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) e que reúne diversos espaços com as mais variadas formas de manifestação de arte e cultura em transversalidade com o turismo. Trabalhando em rede, as atividades dos equipamentos parceiros ao Circuito buscam desenvolvimento humano, cultural, turístico, social e econômico, com foco na economia criativa como mecanismo de geração de emprego e renda, além da democratização e ampliação do acesso da população às atividades propostas.

Serviço:
Exposição temporária “Quando”
De 29/03 a 29/05 – Terça a Sexta, das 12h às 19h | Sábado, Domingo, das 11h às 17h.

Exposição Vicente Fernandez
De 03/05 a 22/05 – Terça a Sexta, das 12h às 19h | Sábado, Domingo, das 11h às 17h.

 Aniversário do Museu Mineiro
10/05 – 11hs
Café da manhã na porta do Museu Mineiro
Visita Guiada: 40 anos do Museu Mineiro

14/05 – das 11 às 12h - Inscrições AQUI 

É necessário realizar inscrição previamente. Serão disponibilizadas 25 vagas.
Oficina Acondicionamento e Embalagem de Acervo
18/05 – das 9 às 17h - Inscrições AQUI

É necessário realizar inscrição previamente. Serão disponibilizadas 10 vagas.
Slam Clube da Luta e Grupo Identidade
19/05 – de 18:30 às 21h

Cine Paredão – Filme “Arábia”
26/05 – das 19 às 20h30

Roda de Conversa “O Museu e a Cidade”, com Maíra Onofri e Livia Morais e mediação de Álisson Valentim
28/05 – das 14 às 16h

Museu Mineiro
Endereço: Av. João Pinheiro, 342 – Centro – BH/MG. CEP: 30130-180 E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Facebook: https://www.facebook.com/museumineiro.mg/
Instagram: https://www.instagram.com/museumineiro/
Site: http://www.museumineiro.mg.gov.br

 

10 5 2022 minimuseumineiro40anos

O Harmonia, da Rede Minas, traz um dos últimos episódios do Festival Villa-Lobos. Na edição deste sábado (16), destaque para a música de câmara do maestro. Esse tipo de composição, destinada a pequenas salas com execução de poucos musicistas, também caiu no gosto de Villa-Lobos, que compôs diversas obras. Entre elas, “As bachianas brasileiras nº1”, que é apresentada no programa com execução de nove violoncelistas. A atração ainda mostra "A lenda do caboclo", com a flautista Renata Xavier ao lado de Willian, Eliseu e Lucas, musicistas conhecidos da ‘Família Barros’. O grupo ainda interpreta "Quinteto Instrumental", com participação de Clèmense Boinot, na harpa. 

Com apresentação de Luciano Correia, o programa Harmonia vai ao ar neste sábado (16), às  18h, pela Rede Minas e no site da emissora: redeminas.tv.

COMO SINTONIZAR:redeminas.tv/comosintonizar

A Rede Minas está no ar no canal 9 (VHF); Net 20 e Net HD 520; Vivo 9; e através do satélite Brasilsat C2 para a América Latina.ACESSE AS REDES SOCIAIS:www.redeminas.tvfacebook.com/redeminastvinstagram.com/redeminastvtwitter.com/redeminasyoutube.com/redeminas

 

13 4 2022 miniharmonia

Imagem: Karmim Promoções

10 5 2022 minimuseumineiro

 

No dia 18 de maio é comemorado o Dia Internacional dos Museus! A data foi estabelecida pelo Conselho Internacional de Museus (ICOM - International Council of Museums) e é celebrada desde 1977. O objetivo desta data comemorativa é promover a conscientização a respeito da importância dos museus como espaços de intercâmbio cultural, enriquecimento de culturas e desenvolvimento da compreensão mútua, cooperação e harmonia entre povos.

Nesta linha, o ICOM lança a cada ano um tema diferente para a celebração da data, que é, também, o mote norteador das atividades da Semana Nacional de Museus (SNM). A Semana Nacional de Museus é uma temporada cultural coordenada pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) que acontece todo ano, em maio, e envolve grande parte dos museus brasileiros.

O Sistema Estadual de Museus de Minas Gerais (SEMMG) é o principal apoiador da iniciativa no âmbito do Estado, sendo este uma das unidades da federação com a participação mais significativa de museus. Em 2022, a Semana Nacional de Museus chega à sua 20ª Edição com o tema: “O Poder dos Museus”.

Após dois anos de mudanças na rotina das pessoas e instituições, devido a pandemia provocada pelo novo coronavírus, em 2022, o SEMMG realizou um levantamento do cenário mineiro, utilizando dados disponibilizados pelo Ibram, para avaliar o quadro evolutivo das 3 (três) últimas edições da SNM, referentes aos anos de 2020 a 2022. Nesse estudo, foram comparados os dados relativos ao número de museus cadastrados e atividades ofertadas em relação ao número de municípios participantes da Semana Nacional de Museus.

Assim, no ano de 2020, quando a pandemia atingiu o seu “auge”, no âmbito de Minas Gerais, o número de museus cadastrados e de municípios participantes foi o menor do período avaliado. Já nos anos de 2021 e 2022, períodos de transição, assiste-se a uma adequação dos espaços museológicos para o “novo normal”, demonstrando um “reaquecimento” do setor. Contabiliza-se, em 2022, no comparativo com o ano anterior, um aumento de 54% no número de municípios participantes. Em números absolutos, em 2022, a SNM contou com 79 municípios participantes, contra 51 municípios inscritos em 2021. O aumento no número de museus cadastrados, em 2022, representou 39,6 % a mais do que em 2021. Em 2022, foram 139 instituições participantes, com 348 atividades cadastradas, contra 99 museus cadastrados, com 261 atividades ofertadas, em 2021.

 

tabela

 

Esses números apontam o fortalecimento do setor de Museus em MG nesse momento de retomada das atividades, de redução das medidas contra o avanço da COVID-19, em meio a tantos desafios passados por todos durante a pandemia. O aumento na adesão à Semana Nacional de Museus e outras atividades promovidas ao longo do ano, representam direta ou

indiretamente o esforço do Sistema Estadual de Museus de MG, em contribuir e consolidar as políticas públicas para o setor museal e os resultados desse levantamento demonstram a capacidade de mobilização do setor com reflexos positivos para as instituições, tanto na formação e aumento de público, quanto na visibilidade e consolidação do museu.

Durante o feriado da Semana Santa os equipamentos culturais da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) terão horários de funcionamento diferenciado. Em Belo Horizonte, no Circuito Liberdade, o Centro de Arte Popular estará fechado na sexta-feira (15/4) e funciona normalmente no fim de semana. O Museu Mineiro estará aberto na quinta-feira (14/4) e no sábado (16/4); o espaço fica fechado na sexta-feira (15/4) e no domingo (17/4). O complexo cultural do Palácio das Artes funciona normalmente. O Museu dos Militares Mineiros, a Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais e o Arquivo Público Mineiro estarão fechados entre os dias 14 e 17 de abril.

A programação dos demais equipamentos do Circuito Liberdade administrados por parceiros está disponível em www.circuitoliberdade.mg.gov.br.

No interior do estado, alguns dos equipamentos culturais da Secult funcionarão normalmente durante o feriado da Semana Santa. Em Ouro Preto, o Museu Casa Guignard e a Fundação de Arte de Ouro Preto (Faop) estarão abertos de acordo com as respectivas programações. Em Mariana, o Museu Alphonsus de Guimaraens também estará aberto entre os dias 14 e 17 de abril. Já o Museu do Crédito Real, em Juiz de Fora, estará fechado de quinta-feira a domingo.

 

mini circuitoliberdade

Com regência do maestro Fabio Mechetti, Orquestra une repertórios clássico, romântico e moderno

Exemplo do talento da nova geração internacional de solistas, a pianista mexicana Daniela Liebman se apresenta pela primeira vez com a Filarmônica de Minas Gerais e interpreta o Concerto para piano nº 22 em Mi bemol maior, de Mozart. No mesmo programa, a descontraída Sinfonieta de Poulenc se contrapõe à dramática Abertura Manfredo de Schumann. As apresentações serão nos dias 12 e 13 de maio, às 20h30, na Sala Minas Gerais, e a regência é do maestro Fabio Mechetti, Diretor Artístico e Regente Titular da Filarmônica de Minas Gerais. Os ingressos estão à venda no site www.filarmonica.art.br e na bilheteria da Sala Minas Gerais. A capacidade da Sala é de 1.493 lugares.

De acordo com o novo decreto da Prefeitura de Belo Horizonte (nº 17.943), publicado no dia 28 de abril de 2022, com orientações sobre a prevenção da covid-19 em ambientes fechados, o uso de máscara torna-se opcional na Sala Minas Gerais. Veja mais orientações no “Guia de Acesso à Sala”, no site da Orquestra: fil.mg/acessoasala.

Este projeto é apresentado pelo Ministério do Turismo, Governo de Minas Gerais e Gerdau, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. Realização: Instituto Cultural Filarmônica, Secretaria Estadual de Cultura e Turismo de MG, Governo do Estado de Minas Gerais, Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo e Governo Federal.

Daniela Liebman, piano
Daniela Liebman rapidamente se estabeleceu como uma artista de eloquência, elegância e nuance. Nascida em Guadalajara, México, começou seus estudos no piano aos cinco anos e fez sua estreia aos oito com a Sinfônica de Aguascalientes. Como solista, já se apresentou com mais de vinte e cinco orquestras em quatro continentes, como as sinfônicas Nacional do Equador, Nacional do México, Nacional de Bogotá, Fladamex e Michoacan, e as filarmônicas de Ontário, Orlando, Jalisco, Boca del Río e da Cidade do México. Seu trabalho camerístico teve destaque ao estrear no Palacio de Bellas Artes, na Cidade do México, com as apresentações de Shostakovich e de Mozart com a Orquestra de Câmara de Bellas Artes. Em Nova York, apresentou-se no Carnegie Hall com a Orquestra de Câmara Park Avenue. Artista internacional Yamaha, estreou nas gravações em 2018 com o lançamento de seu disco homônimo. Atualmente, Daniela estuda na Juilliard School na classe de Yoheved Kaplinsk. 

Repertório

Wolfgang Amadeus Mozart (Salzburgo, Áustria, 1756 – Viena, Áustria, 1791) e a obra Concerto para piano nº 22 em Mi bemol maior, K. 482 (1785)
No fim de 1785 e início de 1786, enquanto trabalhava na partitura de As bodas de Fígaro, Mozart escreveu três concertos para piano. Trabalhos pertencentes ao momento mais produtivo de toda a vida do compositor, os concertos para piano eram a ocasião ideal para o público acompanhar a interseção de seu lado compositor com sua face pianista. Desde sua mudança para Viena, em 1782, até 1786, Mozart escreveu nada menos que quinze obras do tipo, pois seu sustento financeiro dependia das apresentações. E o frescor das apresentações dependia, por sua vez, de obras inéditas. Justamente por razões financeiras, Mozart agendou três apresentações ao fim de dezembro de 1786. O Concerto para piano nº 22 foi terminado no dia 16, bem a tempo da estreia, no dia 23 de dezembro. Este foi o primeiro dos concertos para piano que Mozart concebeu com clarinetes em mente, e de fato incluiu clarinetes na instrumentação. A orquestra completa inclui flauta, dois clarinetes, dois fagotes, duas trompas, dois trompetes, tímpano e orquestra de cordas.

Robert Schumann (Zwickau, Alemanha, 1810 – Bonn, Alemanha, 1856) e a obra Manfredo, op. 115: Abertura (1848/1849)
A afinidade de Schumann com Byron já se revelara em quatro Lieder exemplares – um canto hebraico do ciclo Myrten, op. 25 e os Drei Gesänge, op. 95. No caso de Manfredo, ele realizou um magnífico estudo de caráter que, por sua identificação com o personagem retratado, transfigura-se em dolorosa e comovente confissão. A Música de Cena foi terminada em 1848 e a Abertura, em 1851. Nesse período, o compositor começou a sentir a progressiva alteração de sua saúde – a vergonha e as obscuras ameaças associadas à loucura que, em 1854, o levariam a se jogar no Reno (como Manfredo no abismo). Conduzido ao asilo de Endernich, Schumann morreu dois anos depois. Na Abertura, escrita em forma sonata rigorosamente organizada, os temas facilmente se diferenciam por seus elementos melódicos. O cromatismo exasperado, a inquietação dos ritmos sincopados, as bruscas mudanças dinâmicas disfarçam a rigidez formal, e a orquestração densa reflete a atmosfera angustiada do poema. A Abertura foi apresentada pelo compositor, a 14 de março de 1852, em Leipzig. A estreia da obra integral ocorreu em junho do mesmo ano, em Weimar, sob a direção de Liszt.

Francis Poulenc (Paris, França, 1899 – 1963) e a obra Sinfonieta (1947/1948)
Francis Poulenc foi um reconhecido compositor orquestral de balés e concertos, mas não se dedicou à sinfonia, consistindo a Sinfonieta em sua única incursão no gênero sinfônico. Contudo, a obra assombra pelo domínio da escrita para grande conjunto instrumental, intuitivamente realizada por um orquestrador autodidata que possuía todos os predicados para se tornar um grande sinfonista. O título, que significa pequena sinfonia, remete ao objetivo do compositor de criar uma obra menor. Mas as ideias, por fim, se expandiram em quatro episódios sinfônicos bem-humorados e salpicados de pastiches estilísticos de compositores famosos, notadamente os austríacos Haydn e Mozart e os russos Tchaikovsky e Stravinsky. É evidente aí o estilo do próprio Poulenc, que, costumeiramente, reproduz, em diferentes obras, os mesmos encadeamentos harmônicos – geralmente perceptíveis em trechos líricos e apaixonados –, como os que surgem no centro do primeiro movimento da Sinfonietta e envolvem, aos poucos, o revolto tema inicial. O segundo movimento, dançante e declaradamente tchaikovskiano, é um típico scherzo – brincadeira, em italiano –, tanto por sua forma tripartida, devida a Beethoven, quanto pelo conteúdo jocoso de seu tema. Poulenc, em 1947, escrevera ao amigo Darius Milhaud: "tive uma boa primavera este ano e agora estou prestes a compor uma Sinfonieta para a BBC"; e, em nova correspondência, completara: “a Sinfonieta foi muito bem em Londres”. A Sinfonieta é claramente uma obra universal, na qual Poulenc mescla a pluralidade de influências à sua peculiar elegância e obtém uma celebração musical repleta de jeu d’esprit, de leveza e da joie de vivre típica de um genuíno artista parisiense.

Programa 

Série Presto
12 de maio– 20h30
Sala Minas Gerais 

Série Veloce
13 de maio – 20h30
Sala Minas Gerais

 

Fabio Mechetti, regente
Daniela Liebman, piano

 

MOZART                       Concerto para piano nº 22 em Mi bemol maior, K. 482

SCHUMANN                  Manfredo, op. 115: Abertura

POULENC                      Sinfonieta

 

INGRESSOS:

R$ 50 (Coro), R$ 50 (Terraço), R$ 50 (Mezanino), R$ 65 (Balcão Palco), R$ 86 (Balcão Lateral), R$ 113 (Plateia Central), R$ 146 (Balcão Principal) e R$ 167 (Camarote).

Ingressos para Coro e Terraço serão comercializados somente após a venda dos demais setores.

Meia-entrada para estudantes, maiores de 60 anos, jovens de baixa renda e pessoas com deficiência, de acordo com a legislação.

 

Informações: (31) 3219-9000 ou www.filarmonica.art.br

 

Bilheteria da Sala Minas Gerais

 

Horário de funcionamento

 

Dias sem concerto:

3ª a 6ª — 12h a 20h

Sábado — 12h a 18h 

 

Em dias de concerto, o horário da bilheteria é diferente:

— 12h a 22h — quando o concerto é durante a semana 

— 12h a 20h — quando o concerto é no sábado 

— 09h a 13h — quando o concerto é no domingo

 

Cartões e vale aceitos:

Cartões das bandeiras American Express, Elo, Hipercard, Mastercard e Visa.

Vale-cultura das bandeiras Ticket e Sodexo.

 

 

10 5 2022 minifilarmonica

Imagem: Shervin Lainez

Recursos serão destinados a ações de infraestrutura e suporte a municípios afetados pelos fortes temporais que atingiram o estado; Prazo vai até 27 de abril

A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) prorrogou as inscrições para o Edital Calhas e Telhados – Programa Restaura Minas. Interessados em participar da iniciativa têm até 27 de abril (quarta-feira) para inscrever projetos voltados a reformas emergenciais de calhas e telhados de edifícios municipais tombados. As inscrições podem ser feitas na Plataforma Digital de Fomento e Incentivo à Cultura da Secult.

O Edital “Calhas e Telhados – Programa Restaura Minas” é voltado a prefeituras e instituições públicas (pessoas jurídicas sem fins lucrativos) de natureza cultural vinculadas às administrações municipais. Os recursos serão destinados a ações de infraestrutura e suporte a cidades afetadas pelos fortes temporais que atingiram diversas cidades do estado no início deste ano.

Os recursos são oriundos do Fundo Estadual de Cultura (FEC), e serão premiadas até 25 propostas com R$ 200 mil (brutos) para obras em prédios e edifícios tombados em nível municipal, estadual ou federal. A iniciativa prevê restaurações, recuperação e melhorias em casarões, capelas, igrejas e outros imóveis públicos, em todo o território mineiro. O edital está disponível para consulta AQUI.

O Programa Restaura Minas foi lançado em janeiro pelo Governo de Minas, por meio da Secult, na cidade de Ouro Preto. Serão destinados R$ 118 milhões para a recuperação e proteção do Patrimônio Histórico em todo o Estado.

 

12 4 2022 minicalhas

Equipamento vinculado à Secult contará com estande exclusivo durante a realização do evento em Belo Horizonte

A Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais, equipamento administrado pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult), também integra a programação da Bienal Mineira do Livro em 2022. Na Biblioteca Estadual, o destaque são as ações de acessibilidade e inclusão, com diferentes iniciativas que propõem reflexões sobre o livro, a leitura e a literatura, na Estação Leitura Inclusiva – bienal para todas as pessoas, estande no BH Shopping, em Belo Horizonte, onde acontece a edição 2022 da bienal, que vai de 13 a 22 de maio.

De acordo com o diretor do livro, leitura, literatura e Bibliotecas, Lucas Amorim, a programação da Biblioteca Estadual na Bienal Mineira foi pensada a partir das propostas de acesso e democratização das políticas culturais. “Cada vez mais é necessário pensarmos em programações, projetos e outras iniciativas que contemplem a leitura como direito universal. Evidenciar nosso trabalho nesse sentido é um grande privilégio e uma oportunidade de fomentarmos esse diálogo e de possibilitarmos o acesso de pessoas com deficiência a todos os espaços”, destaca.

Na programação proposta, o público terá a oportunidade de conferir diferentes atividades ligadas às ações inclusivas que fazem parte das diretrizes da Biblioteca Estadual. Um dos destaques fica por conta da leitura acessível, voltada para pessoas cegas. Na sexta-feira (13/5), às 11h, na abertura do evento, o convidado é o artista Dudu Melo, que vai conversar com o público sobre sua experiência na cena cultural, durante a palestra “Cegueira, teatro e cinema o que tem a ver?”.

Além disso, a comunidade surda será contemplada com uma programação especial. Trata-se da “Literatura surda em quadrinhos”, palestra conduzida por Lucas Ronan, surdo, cartunista de profissão e autor e ilustrador de Livros Infantis para literatura surda. Durante o encontro com os participantes, ele vai compartilhar sua experiência com ações inclusivas.  

Acessibilidade e Inclusão no Circuito Liberdade
A Casa Fiat de Cultura, o Centro Cultura Unimed-BH Minas e o Teatro Feluma também marcam presença na Estação Leitura Inclusiva com programação diversificada. A convite da Diretoria do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas os equipamentos culturais que integram o Circuito Liberdade proporcionarão um momento de reflexão sobre a acessibilidade em suas instituições.

A programação integrada “Desconstruindo preconceitos através da literatura infantil que será realizada na segunda-feira (16/5), às 11h, com as autoras Marilurdes Nunes e Cléo Barros e mediação de Samuel Medina. Nesse bate-papo, o público é convidado a repensar a literatura como uma grande aliada para introduzir temáticas no ambiente familiar e escolar.

Outro destaque é roda de conversa “Acessibilidade em Equipamentos Culturais” que será realizada na sexta-feira (20/5). Nessa ação, a Biblioteca Estadual convida a Casa Fiat de Cultura para apresentar iniciativas que contribuem para transformar o imaginário dos visitantes em suas exposições e atividades educativas. A Biblioteca falará de sua atuação de mais de 50 anos no setor Braille, e a Casa Fiat de Cultura apresentará as ações desenvolvidas pelo Núcleo de Acessibilidade e Inclusão do seu Programa Educativo.

A “Leitura de imagem” também estará em destaque como um dos vários tipos de leitura existentes. Em se tratando da arte, a leitura das imagens é essencial para compreender uma obra e suas possibilidades de fruição. Para exemplificar, o Núcleo de Acessibilidade e Inclusão do Programa Educativo da Casa Fiat de Cultura apresenta aos visitantes da Bienal, no sábado (21/5) e no domingo (22/5), das 10h às 14h as peças multissensoriais baseadas no painel “Civilização Mineira”, de Candido Portinari – em exposição permanente no hall de entrada da instituição; peças em 3D reproduzindo obras da exposição “São Francisco na Arte de Mestres Italianos”, que esteve em cartaz na Casa Fiat de Cultura em 2018; entre outros.

A programação completa da “Estação da Leitura Inclusiva – bienal para todas as pessoas” está disponível AQUI. As atividades propostas pela Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais são gratuitas, mas o acesso à Bienal ocorre mediante aquisição de ingressos. Todas as palestras serão realizadas às 11h e contarão com transmissão ao vivo pelo instagram: @bibliotecaestadual.mg

Mais informações podem ser consultadas neste link.

 

11 5 2022 minibiblioteca

Espetáculo reúne vídeos, instalação visual e performances no Espaço Multiuso Mari’Stella Tristão, do Palácio das Artes

A Fundação Clóvis Salgado, por meio do Centro de Formação Artística e Tecnológica - Cefart, estreia “A MARCHA - uma instalação coreográfica”, que marca a formatura dos alunos do Curso Técnico em Dança, no espaço multiuso Mari’Stella Tristão, no Palácio das Artes. Com concepção, direção e coordenação da artista convidada Dudude Herrmann, a obra é fruto de um processo de criação vivenciado por uma equipe alinhada no entendimento da ecologia humana, que tem como objeto de estudo a relação do ser humano com o seu ambiente natural.

Composta pelo entrecruzamento de linguagens, “A MARCHA - uma instalação coreográfica” é um encontro de expressões, onde o vídeo, as artes visuais, o desenho de luz, a música e os movimentos constroem o corpo da obra. Desta forma, serão exibidos três vídeos inéditos que foram gravados com todos os artistas formandos e equipe, na região de Casa Branca, em Brumadinho. Esses vídeos contam com direção e edição de Thaís Mol, e imagens capturadas por Samuel Macedo, Frederico Amorelli e Walfried Weissmann.  Compõe também o trabalho uma instalação visual, assinada por Tana Guimarães e Joanna Sanglard, construída com material de resíduos, que a partir da reciclagem adquirem outros ressignificados.

Já a movimentação da performance, que será apresentada presencialmente pelos formandos ao público, obedece a um mapa coreográfico que está a serviço da composição no espaço, onde cada dançarino escolhe e desenha a sua dança, desenvolvendo a improvisação. “Cada intérprete teve o seu propósito de mergulho, de desenhos no espaço e de estados de dança”, explica a diretora, que também conta sobre o que moveu os artistas a criarem “A MARCHA - uma instalação coreográfica”: “Esse trabalho foi pensado a partir do desejo e da necessidade de reconexão com a terra, a Gaia (que, na mitologia grega, é a Mãe-Terra, como elemento primordial e latente de uma potencialidade geradora imensa), reconhecendo que todos nós viemos da mesma origem e que já estamos atrasados para alterarmos o nosso modo de viver neste planeta lindo e, ao mesmo tempo, extremamente maltratado”.

Toda a programação acontecerá na Mari’Stella Tristão, no Palácio das Artes, durante os períodos de 15 a 17 de abril (sexta a domingo) e 21 a 23 de abril (quinta a domingo), com entrada gratuita. Nos dias 19 e 20 de abril, no horário das 17h às 21h, o público terá a oportunidade de somente assistir aos vídeos e visitar a instalação. Já a performance será apresentada nos dias 15 a 17 (sexta a domingo) e 21 a 23 de abril (quinta a sábado), sempre às 20h, sendo que nos dias 17, 22 e 23 de abril haverá apresentação também às 18h. Durante as sessões, a capacidade de público permitida no espaço será de 20 pessoas.

Identificação artística entre elenco e diretora
 “O meu desejo é de apropriação. É de propriedade de si e de autonomia. Primeiro faça por você e, assim, estará fazendo para todos nós”. Este foi um dos caminhos que a diretora seguiu durante o processo de criação com os bailarinos, trabalhando a ideia de autonomia dos jovens artistas. Para o bailarino Rafael Neves, a identidade artística da turma que está se formando vai ao encontro do pensamento artístico da diretora.

“A nossa turma é ímpar, pois, na linguagem popular, não somos um grupo onde todos são bailarinos clássicos, com as pernas altas. Somos uma turma de artistas, com características polifônicas. E achamos que a Dudude Herrmann, que trabalha muito a improvisação, seria o melhor nome para nos representar pelo fato de ela ser uma multiartista que vai além da dança”, revela Rafael Neves.

O artista ressalta que “A MARCHA - uma instalação coreográfica” simboliza uma caminhada da humanidade, com seus seres, que ora são mais urbanos, ora estão mais voltados para a conexão com a natureza.

“A MARCHA - uma instalação coreográfica é uma obra para se questionar, ainda mais neste momento complexo, no qual as discussões climáticas estão em voga. Tanto é que os nossos materiais são muito simples. O que nós utilizamos são adereços coletados da própria natureza ou materiais recicláveis. Por exemplo, não usamos maquiagens, mas há pinturas que remetem a algo mais ritualístico e natural”, pontua Rafael.

A bailarina formanda Carol Santiago destaca a novidade que é realizar a formatura do Curso Técnico em Dança em uma Galeria de Arte e não no Grande Teatro Cemig Palácio das Artes, como é usual. “Nós queríamos quebrar o padrão”, afirma Carol, que forma o elenco de bailarinos ao lado de Rafael Neves, Ygor Gohan, Stephany Viana, Jéssica Castelo, Jhenifer Gonçalves, Letícia Stella, Lílian Santiago e Matheus Mattos.

Laysla Araujo e Maria Mariano, alunas da Escola de Tecnologia da Cena, do Cefart, também integram a equipe na criação do espetáculo, sendo responsáveis pelo desenho de luz, sob a orientação de Geraldo Otaviano, coordenador da Escola de Tecnologia da Cena. A convite de Dudude, quem assina a trilha sonora de “A MARCHA - uma instalação coreográfica” é o paulista Celso Nascimento.

Curso Técnico em Dança, do Cefart
Com o objetivo de formar bailarinos com conhecimento artístico e técnico, o Curso Profissionalizante de Dança oferecido pelo Cefart conta com duração de três anos e é destinado a jovens que estejam cursando ou já concluíram o ensino médio.

No curso são oferecidas disciplinas práticas de técnicas de dança clássica e dança contemporânea, teorias de apreciação musical, anatomia e noções de fisioterapia aplicadas à dança, dança folclórica, caracterização cênica, história da dança e metodologia de ensino, dentre outras.

Durante o curso, os alunos têm a oportunidade de se apresentarem em remontagens com repertório clássico ou em coreografias inéditas, criadas por professores da Escola de Dança do Cefart, ou por coreógrafos convidados. Os alunos também vivem as experiências de encenarem trabalhos autorais nas Mostras de Estudos Coreográficos e Mostras de Composição em Arte, além de participarem de diversos concursos e festivais de dança.

Dudude Herrmann
Artista de dança, é reconhecida não somente pelo seu trabalho na dança, mas pelas criações em que faz a interseção com diversas outras linguagens artísticas como o teatro, a performance, a música. É uma das artistas pioneiras no Brasil a utilizar linguagem da improvisação em dança. A artista desenvolveu uma maneira singular de aplicar, ensinar e entender a linguagem da dança contemporânea. Construiu uma pedagogia própria, a qual tem no corpo orgânico sua base de entendimento, com o suporte da educação somática direcionada para a linguagem da improvisação em dança. Desde sempre, ministra workshops voltados para a linguagem da improvisação por todo o país Brasil. Apresentou em diversas cidades brasileiras e em países como Portugal, Alemanha e França. Coordena seu Atelier de criação, com uma década de funcionamento, localizado em Casa Branca, onde realiza ações para a comunidade artística e interessados, com ações focadas na arte contemporânea, envolvendo profissionais da cena viva do Brasil e do mundo.

Governo de Minas Gerais e Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, por meio da Fundação Clóvis Salgado, apresentam “A MARCHA - uma instalação coreográfica”, que tem correalização da APPA – Arte e Cultura, patrocínio master da Cemig, ArcellorMittal, Instituto Unimed-BH e AngloGold Ashanti, por meio das Leis Estadual e Federal de Incentivo à Cultura, além do apoio cultural do Instituto Hermes Pardini.
A Fundação Clóvis Salgado é integrante do Circuito Liberdade, complexo cultural sob gestão da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) que reúne diversos espaços com as mais variadas formas de manifestação de arte e de cultura em transversalidade com o turismo.

 

 

12 4 2022 miniescoladedanca

Imagem: Samuel Macedo

A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) inaugurou hoje a obra de revitalização do Arquivo Público Mineiro (APM), instituição arquivística vinculada que integra o Circuito Liberdade, em Belo Horizonte. A revitalização do APM contou com cerca de R$ 800 mil em investimentos, patrocinados pela Cemig, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura.

As intervenções foram realizadas com o objetivo de requalificar o espaço da instituição e permitir maior fruição do espaço por parte de visitantes e pesquisadores, que frequentam o local para explorar documentos históricos sobre Minas Gerais e outros assuntos, como genealogia, imigração e defesa de direitos. Dentre as intervenções, destacam-se a pintura das paredes internas e a recuperação das janelas; o reforço estrutural e a descupinização das estruturas em madeira; além da impermeabilização das varandas e áreas afetadas pelas chuvas.

Além disso, a revitalização contemplou a impermeabilização, a pintura e a requalificação do Laboratório de Restauração de Papéis, um dos poucos em Minas Gerais. Dentre os documentos que poderão ser restaurados na nova estrutura, encontram-se as partituras dos hinos nacionais brasileiros, que após o término da exposição Já Raiou a Liberdade, em setembro, retornam ao Arquivo Público Mineiro para serem restaurados.

“Essa entrega reforça o nosso compromisso de aproximar a cultura de todos, já que o APM passa a contribuir também com a diversa e importante programação do Circuito Liberdade, com a volta do Laboratório de Restauração de Papéis, um dos poucos do estado, e a apresentação da mostra “Belo Horizonte: cidade imaginada” que apresenta projetos de edifícios públicos criados pela Comissão Construtora da Nova Capital na época da construção de Belo Horizonte”, destacou o secretário.

A revitalização do Arquivo Público Mineiro garantiu ainda que fosse aberto um novo espaço de exposições no Circuito Liberdade. Dessa forma, fortalecerá as ações de promoção e divulgação do patrimônio documental do Estado, por meio de ações expositivas e visitações pelos documentos que contam a história de Minas Gerais e do povo mineiro. A exposição Belo Horizonte: cidade imaginada, que apresenta projetos de edifícios públicos criados pela Comissão Construtora da Nova Capital na época da construção de Belo Horizonte, é reapresentada ao público.

A Diretora do Arquivo Público Mineiro, Luciane Andrade Resende, ressalta que “a parceria entre a Secult, por meio do APM, a Associação Cultural do Arquivo Público Mineiro, proponente da iniciativa, e a Cemig, enquanto patrocinadora, valoriza o patrimônio arquivístico mineiro, por meio do convite à população para que conheça e usufrua do Arquivo ao mesmo tempo que preserva o acervo documental para as futuras gerações”. A Diretora destaca ainda que a ação reforça o compromisso com a identidade mineira, por meio dos documentos que contam a história de seu povo.

O Arquivo Público Mineiro abre para visitação de segunda a sexta-feira, das 9 às 17 horas. A visitação à exposição Belo Horizonte: cidade imaginada é gratuita e não é necessário agendamento prévio. 

Já para consultar o acervo da instituição, é necessário agendamento. O acervo também pode ser consultado online, pelo link www.siaapm.cultura.mg.gov.br.

 

6 5 2022 miniapmg

Finalíssima da reconhecida premiação ocorre entre os dias 27 e 29 de maio, no Teatro Sesiminas, com pocket show do Jamba Trio que conquista a edição do Prêmio Marco Antônio Araújo 2022, com álbum homônimo, lançado ano passado

Nesta segunda-feira (11/4), o BDMG Cultural divulgou o resultado dos instrumentistas classificados para a etapa final do 21º Prêmio BDMG Instrumental. A finalíssima ocorre nos dias 27, 28 e 29 de maio no Teatro Sesiminas, em Belo Horizonte. 

Os 12 artistas finalistas são Daniel Souza (guitarra), Duo Rodrigo Mendonça e Flávio Danza (flauta transversal e violão 7 cordas), Ezequiel Piaz (violão), Jaiminho Silva (piano), Lucas Ladeia (cavaquinho), Makely Ka (violão), Nara Pinheiro (flauta transversal), Samy Erick (guitarra e violão), Silas Prado (saxofone e flauta), Ulisses Luciano (trompete), Wallace Gomes (violão) e Wellington Gama (bandolim). Cada instrumentista vai defender duas composições autorais e um arranjo, como de praxe na história da premiação, nas três noites da finalíssima.

“O Prêmio BDMG Instrumental completa, neste ano, seus 21 anos de maioridade, desde sua primeira edição e tem se consolidado a cada ano, como um dos principais prêmios e incentivos à música instrumental brasileira. Voltado para artistas que moram no Estado de Minas Gerais, revelou, nesses anos de existência, instrumentistas, conjuntos, compositores e compositoras de destaque nacional e internacional, assim como tem apresentado nas suas edições, as inovações  em termos de arranjo e composição, que renovam a linguagem da música instrumental  brasileira”, destaca a comissão de seleção do 21º Prêmio BDMG Instrumental, formada pela violonista Cláudia Garcia, pelo artista sonoro Marco Scarassatti e pelo músico Thiago Delegado.

O 21º Prêmio BDMG Instrumental vai contemplar quatro vencedores, que serão escolhidos por uma nova comissão julgadora, com o valor de R$ 12 mil e a realização de shows em Belo Horizonte e São Paulo, no projeto Instrumental Sesc Brasil. Também serão escolhidos, como nas edições anteriores da premiação, os dois melhores instrumentistas, dentre todos os músicos participantes. 

Vencedor do Prêmio Marco Antônio Araújo com o álbum homônimo, o grupo Jamba Trio fará um pocket show no dia 29 de maio, na finalíssima do 21º Prêmio BDMG Instrumental, no Teatro Sesiminas.

Lançado em março de 2021, o álbum “Jamba Trio” é composto por composições originais que representam o diálogo entre a música instrumental mineira, o jazz e a música erudita. Na estrada há 22 anos, o Jamba Trio é formado originalmente por Írio Junior, Enéias Xavier e Esdra Neném Ferreira. Atualmente, o grupo conta com o baterista Lincoln Cheib. O trabalho homenageia o baterista Esdra Neném Ferreira.

"A homenagem ao Neném, em primeiríssimo lugar, é colocá-lo na posição que ele mais gosta de tocar, livre, solista, não coadjuvante, enfim, integrante número 1 do trio. É importante salientar que o Neném, para muitos dos grandes músicos e artistas de Minas Gerais, é o mais incrível. Tocar com o Neném e ver o tamanho da musicalidade e inteligência em prol da música, é um presente!", celebra o compositor e multi-instrumentista Enéias Xavier.

O 21º Prêmio BDMG Instrumental e o Prêmio Marco Antônio Araújo são realizados pelo BDMG Cultural, com apoio do Ministério do Turismo, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, com patrocínio do BDMG - Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais.

 

 

12 4 2022 minibdmg

Imagem: Silas Prado / Crédito: Julia Lanari

 

Em formato presencial, evento será realizado de 13 a 22 de maio, em Belo Horizonte, com mais de 160 horas de programação diversificada

A Bienal Mineira do Livro acontece de 13 a 22 de maio, no BH Shopping, com mais de 160 horas de programação diversa e com muitas atrações especiais. A expectativa da organização, do maior evento literário em Minas Gerais, é atrair 150 mil visitantes. Serão 60 editoras com dezenas de autores e milhares de livros. A iniciativa é realizada pela Câmara Mineira do Livro e pelo Grupo Asas e conta com o apoio institucional da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult). A segmentação da programação por interesse em 11 eixos temáticos, com uma estação vivencial, é inédita e envolve a participação de reconhecidas entidades: Fundação Dom Cabral, Academia Mineira de Letras, Instituto Pró-Livro, Instituto Fernando Sabino, Biblioteca Pública do Estado de Minas Gerais, Rede Longevidade, Fundação Hospital de Olhos, Sinepe/MG, Fundação Municipal de Cultura, entre outras.   

A proposta é estimular a leitura, especialmente, nas comunidades mais vulneráveis, fomentando a cadeia econômica do livro.  A Bienal ainda conta com o apoio do governo estadual, por meio da Secretaria de Estado da Educação, de Cultura e Turismo de Minas Gerais e da Secretaria Municipal de Educação da Prefeitura de Belo Horizonte, promovendo uma política intensa para democratizar o acesso a atividades culturais e educacionais, com a distribuição de mais de 89 mil ingressos para professores e estudantes da rede pública. 

O tema dos dez dias da programação é “O Reencontro é Real”, objetivando inserir o estado no circuito nacional cultural e no circuito do incremento da aprendizagem, transformando Belo Horizonte na capital brasileira da literatura. As atividades serão oportunidades para disseminar a leitura, divulgar livros, estreitar relacionamentos entre leitores e autores e estimular a geração de novos negócios.

Para o secretário de estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, Leônidas Oliveira, “o livro é a leitura possuem a função de trazer conhecimento, ampliam nosso olhar do mundo. Traz crescimento interior e mudança. Uma feira de livro como a Bienal Mineira é o ambiente oportuno para o encontro das pessoas com os autores, reflexões. Cria conexões, abre horizontes. Serão dias belos onde o pensamento será louvado. Onde o livro, tão antigo e cada dia mais novo, será o elemento principal, como forma de transformar o mundo pra melhor. Precisamos, em especial nesse momento democratizar as políticas públicas do livro e da leitura. Revitalizar o pós-pandemia e, nada melhor que ler, para descobrirmos o novo mundo que nos apresenta e, assim, sermos melhores e mais felizes”, destaca o titular da Secult, que ministrará, no dia 20 de maio (sexta-feira), às 18h, uma palestra sobre a Semana de Arte Moderna, tendo a influência de Minas no movimento modernista como ponto de partida.

Confira a programação completa do evento AQUI.

A Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais acredita na Bienal Mineira do Livro como uma iniciativa de estímulo ao acesso democrático à leitura e à literatura, abarcando diversas faixas etárias e públicos e observando a inclusão e acessibilidade de pessoas com deficiência visual.

O diretor-presidente do Grupo Asas, Marcus Ferreira, explica que é uma das principais iniciativas literárias nacionais com autores representativos em um espaço de 15.000 m2 no BH Shopping. “A retomada presencial da Bienal Mineira do Livro tem um conteúdo cultural e educativo abrangente, incluindo atrações para leitores de diversas faixas etárias. Queremos contribuir para o desenvolvimento da capacidade crítica, do conhecimento de fundo e do repertório cultural de cada leitor, incentivando o hábito de ler”, afirma. 

Diferenciais
A programação apresenta dezenas de atividades culturais e educacionais para formação de leitores e intensificação do hábito da leitura. Um dos diferenciais está na inovação com a setorização da programação por tendências em encontros literários e a participação de grandes entidades mineiras e brasileiras, responsáveis pela curadoria de 11 eixos temáticos, propiciando um melhor atendimento a todas as faixas etárias:  

Espaço Negócios - Curadoria: Fundação Dom Cabral - promoção de atividades para formação, atualização e enriquecimento da prática empresarial entre gestores da cadeia econômica do livro: editoras, livrarias, distribuidoras e fornecedores.

Mais Idade, Mais Livros - Curadoria: Rede Longevidade - encontro do público 60+ e as personalidades de obras focadas em temas para discussões, envolvendo o envelhecimento dos brasileiros e as urgentes adaptações/alterações para ambientes físicos, mercado de consumo, serviços, costumes, relações sociais e culturais. 

Café Literário - Curadoria: Academia Mineira de Letras, com a participação especial de Rogério Faria Tavares - palestras e rodas de conversas com autores. Encontros entre o público adulto e escritores para discussões sobre temas variados da literatura, processos criativos, livros, tendências, cotidiano e assuntos globais. 

Conexão Livro - Curadoria: Grupo Asas - eixo que busca a afirmação da bibliodiversidade. As atividades envolverão conversas, apresentações e vivências para o leitor encontrar autores, personalidades e discutir temas como: empatia, humanidades, meio ambiente, políticas públicas, equidades, esportes em geral, acessibilidade, diversidade, conhecimento de fundo e repertório cultural. 

Espaço Eu Criança - Curadoria: Câmara Mineira do Livro - ações culturais e educacionais para visitantes de 0 a 12 anos e os seus acompanhantes com autores e contadores de histórias. As interações abordam obras literárias disponíveis na iniciativa, valorizando o livro como disseminador de histórias infantis e infantojuvenis.

Biblioteca Viva - Curadoria: Instituto Pró-Livro - atividades de formação e atualização para bibliotecários e/ou profissionais responsáveis por bibliotecas e/ou salas de leitura. Os participantes terão acesso a pesquisas, comprovando a eficiência da leitura no incremento da aprendizagem de crianças e jovens, assim como a melhores práticas para equilibrar acervo, espaço físico, gestão e mediação. 

Encontro Educação - Curadoria: Sindicato das Escolas Particulares de Minas Gerais (Sinepe/MG), Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais e Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte -  atividades formativas e de atualização para educadores, coordenadores pedagógicos e profissionais, focadas em ações de transformação social pela leitura, ampliação do repertório cultural e do estímulo à educação com propósito, apresentando educadores e mediadores de leitura com  casos de sucesso para incentivar a leitura. 

Palavras Com Tempero - Curadoria: Instituto Fernando Sabino e Grupo Asas – espaço de entretenimento para famílias, envolvendo teatro, poesia, audiovisual e música. Destaca-se, nesse eixo, a atividade Prosa e Cantoria na Bienal, com dez momentos, um por noite, em que o escritor homenageado da Bienal, Olavo Romano, receberá 10 convidados muito especiais. Os causos do autor serão apresentados por ele, entremeados com cantoria mineira da melhor qualidade.

Escolas na Bienal. Um dos mais importantes eixos da Bienal. Conta com uma preparação especial para atender 72.000 estudantes e educadores das escolas públicas da rede estadual e do município de Belo Horizonte.

Cozinha Mineira em Prosa e Verso. Curadoria: Sebrae Minas. Reunião de obras de autores e autoras de guias e livros sobre a cozinha mineira, com especial atenção para produtos criados e comercializados por pequenos empreendedores. Turismo em Minas, Conquiste Histórias. Seleção de livros, guias, obras e plataformas digitais com registros e roteiros dos atrativos turísticos e culturais de Minas Gerais para fomentar a cadeia econômica do turismo no estado. Os dois eixos serão lançados durante a Bienal presencial e receberão contribuições de conteúdo durante as atividades virtuais e itinerantes da Bienal, até dezembro de 2022.

Estação Vivencial Leitura Inclusiva - Curadoria: Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais e Fundação Hospital de Olhos - espaço para partilha de experiências, saberes e materiais pedagógicos, como oportunidade de leitura para pessoas com necessidades especiais.

Ingressos gratuitos

A Bienal 2022 já distribuiu mais de 89 mil ingressos gratuitos para educadores e educandos mineiros. A distribuição é resultado da parceria com a Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais, com 20 mil ingressos para os professores e 40 mil para os alunos.  Outra parceria foi estabelecida com a Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte para distribuir 20 mil ingressos aos estudantes da rede e mais 2.000 aos educadores. A iniciativa ainda conta com o apoio da rede privada estadual, por meio do Sindicato das Escolas Particulares de Minas Gerais (Sinepe/MG), com a distribuição de dois mil ingressos para gestores de 200 escolas particulares na capital. 

           

Serviço:
Bienal Mineira do Livro 2022 
Tema: “O Reencontro é Real”
Data: 13 a 22 de maio de 2022 
Ingresso - R$20 (inteira) e R$10 (meia-entrada) – Os ingressos já podem ser adquiridos pela compra online no link  https://bienalmineiradolivro.com.br/compre-seu-ingresso/  
Local: BH Shopping, Estacionamento Piso Ouro Preto - BR 356, nº 3.049 - Bairro Belvedere
Programação: www.bienalmineiradolivro.com.br  

 

 

6 5 2022 minibienal

Iniciativa propõe estreitar laços com cônsules e promover o turismo mineiro na rota de destinos internacionais

A retomada das atividades turísticas em Minas Gerais tem sido realizada de forma sólida com as ações do Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) para a recuperação do setor. Um desses exemplos é o projeto Minas para o Mundo, iniciativa que faz parte do programa Reviva Turismo, com o objetivo de apresentar o destino mineiro a outros países, e que cumpriu mais uma etapa na segunda-feira (11/4), quando ocorreu o 1º Encontro Consular de Minas Gerais.

O Minas para o Mundo foi apresentado em 2021, em Lisboa (Portugal), durante a Convenção dos Municípios Brasileiros. O projeto tem como objetivo estimular a recuperação do setor no estado. À época, a comitiva da pasta no país deu um panorama da retomada plena das atividades turísticas em Minas Gerais, que cresceu o dobro da média nacional, superando destinos tradicionais brasileiros, como as regiões litorâneas.

Realizado no MM Gerdau – Museu das Minas e do Metal, no Circuito Liberdade, em Belo Horizonte, o evento contou com a presença do secretário de Estado de Cultura e Turismo, Leônidas Oliveira, da secretária adjunta, Milena Pedrosa, dos subsecretários de Cultura, Igor Arci, e de Turismo, Ane de Souza Silva, e dos presidentes da Fundação de Arte de Ouro Preto (Faop), Jefferson da Fonseca, e da Empresa Mineira de Comunicação (EMC), Sérgio Rodrigo Reis.

Também participaram da solenidade, o presidente do Corpo Consular de Minas Gerais, Francisco Pontello, o cônsul do Reino Unido em Belo Horizonte, Lucas Brown, o cônsul do Canadá em Minas Gerais, Peter Eriksson, o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL-BH), Marcelo Souza e Silva, o diretor executivo da Gerdau, Wendell Gomes da Silva, o deputado estadual Mauro Tramonte entre outros convidados, gestores e artistas.

Para a secretária de estado adjunta de Cultura e Turismo, Milena Pedrosa, esse primeiro encontro é uma grande oportunidade de Minas Gerais se mostrar para o mundo como um roteiro de viagens com diferentes opções para os turistas. De acordo com ela, os programas e ações da Secult estão fomentando o turismo mineiro em diferentes segmentos, e essa diversidade é um atrativo a mais para o estado.

“Minas é um lugar diverso, com ótimas atrações para todos e todas. Aqui temos nossa Cozinha Mineira, a Mineiridade e tantas outras atrações que fazem desse estado um dos destinos mais procurados no Brasil. Estamos fortalecendo nossas políticas públicas e desenvolvendo outros projetos que, certamente, serão um atrativo a mais para que os visitantes do mundo inteiro se encantem com nosso território”, disse.

O presidente do Corpo Consular de Minas Gerais, Francisco Pontello destacou que, por meio desse primeiro encontro, a missão da entidade será a de cooperação entre o poder público e a iniciativa privada para consolidar a rota internacional. “É um projeto que nos dá uma dimensão enorme de trabalho e vamos garantir todos os esforços para fazer de Minas um destino buscado por cada vez mais turistas do mundo todo”, pontuou.

Ações de retomada
No âmbito do Programa Reviva Turismo, o Governo de Minas e a Secult têm desenvolvido ações baseadas em três pilares, que são os projetos “Minas para Minas”, “Minas para o Brasil” e “Minas para o Mundo”. De forma estratégica, essas ações foram estruturadas para potencializar a promoção do destino Minas Gerais e garantir a retomada segura das atividades turísticas no estado nos diferentes cenários diante da pandemia de Covid-19.

O Minas para Minas, que teve início há cerca de um ano, relaciona-se ao turismo de proximidade e, ofereceu o destino Minas Gerais para os próprios mineiros. O Minas para o Brasil destacou ações de promoção e comercialização nos modelos B2B e B2C, como, parcerias com operadoras e agências para oferecimento de pacotes para todo o Brasil, ações de audiovisual e turismo autoguiado.

Após as primeiras duas fases da campanha, o estado tem se mobilizado para alcançar o destaque internacional, fazendo contatos com players europeus, companhias aéreas, o trade em geral, operadoras, entre outros, para se posicionar no mercado e estar na vanguarda. É nessa terceira etapa que as ações de promoção do Destino Minas Gerais se concentram em evidenciar o diferencial turístico do estado em relação aos demais destinos tradicionais do Brasil.

Arte e Cultura mineiras
Durante a solenidade de abertura do 1º Encontro do Corpo Consular de Minas Gerais, o público presente pode apreciar uma apresentação especial do conjunto de cordas da Orquestra Ouro Preto, com repertório variado. Além disso, os convidados conferiram uma exposição do artista Marcus Paschoalim, que em breve inaugura galeria de arte no Mercado Novo, ponto turístico e gastronômico em Belo Horizonte.

 

12 4 2022 miniencontro

Apresentação acontece no domingo, 8 de maio, a partir das 10h, no Parque Municipal de Belo Horizonte; Entrada é gratuita 

Após a empolgante e emocionante estreia em Ouro Preto, que reuniu em torno de 3 mil pessoas em frente à Igreja de São Francisco de Assis, no Largo de Coimbra, a Fundação Clóvis Salgado se prepara para a temporada da ópera “Aleijadinho”, em Belo Horizonte. Serão quatro récitas no Grande Teatro Cemig Palácio das Artes (14, 16, 18 e 20/05) com novidades cenográficas na concepção para o palco italiano. Outras novidades acompanham essa temporada, como o retorno da série “Concertos no Parque”, no domingo (8/5),às 10h, no Parque Municiapl Américo Renné Giannetti, em Belo Horizonte, e que fará também uma homenagem às mães. A série Concertos no Parque é apresentada pela Cemig e pelo Instituto Unimed-BH e tem entrada grauita..

A Orquestra Sinfônica e o Coral Lírico de Minas Gerais, sob a regência de Silvio Viegas, apresentarão trechos da ópera Aleijadinho, com participação dos solistas: Johnny França (barítono) – Aleijadinho; Luanda Siqueira (soprano) – Joana; Mar Oliveira (tenor) - Manuel Francisco; Mauro Chantal (baixo) - Vicente Ferreira; Pedro Vianna (barítono) - Alvarenga Peixoto; Guilherme Moreira (tenor) - Tomás Antônio Gonzaga. No programa serão executados a Introdução – Lundu; o Dueto Joana e Manuel Francisco; o Final Ato I – Hino à Bandeira; a Oração de Aleijadinho; o Final Ato II – Encomenda dos Profetas de Congonhas; a Ária Joana e o Final.

A série Concertos no Parque, com Orquestra Sinfônica e Coral Lírico de Minas Gerais se traduz em outra forma de acesso do público à música erudita. Os concertos ocorrem nos mesmos períodos das óperas e, por isso, contam com apresentações de trechos da ópera produzida naquela ocasião pela FCS. Sob a batuta de seus regentes titulares ou de maestros convidados, a orquestra e o coro se juntam a renomados solistas e músicos para proporcionarem momentos de rara beleza ao público.

A séire Concertos no Parque é realizada pelo Ministério do Turismo, Governo de Minas Gerais / Secretaria de Estado de Cultura e Turismo, pela Fundação Clóvis Salgado, e correalizado pela APPA - Arte e Cultura. Tem como apresentadores do Programa o Instituto Unimed-BH e a Cemig, como patrocinadores ArcelorMittal, AngloGold Ashanti e Usiminas por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura e conta com o apoio do Instituto Usiminas.

Transfiguração de símbolos e valores em arte nacional
Essa montagem de Aleijadinho é uma das atrações da rota Via Liberdade, nova rota turística e cultural conectando Rio de Janeiro, Minas Gerais, Goiás e a capital do país, Brasília, por meio de ações e programas estratégicos ao longo da BR-040. Também integra a programação do Ano da Mineiridade, da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult), projeto criado para celebrar os elementos que compõem a assinatura mineira, com suas tradições, costumes e histórias. O espetáculo é também uma das atrações da Via Liberdade, uma nova rota turística e cultural conectando Rio de Janeiro, Minas Gerais, Goiás e a capital do país, Brasília, por meio de ações e programas estratégicos ao longo da BR-040 e seu entorno, projeto também criada pela Secult.

Segundo o secretário de Estado de Cultura e Turismo, Leônidas Oliveira, o Ano da Mineiridade é uma ação que celebra todas as características de Minas Gerais e a Via Liberdade vai unir mais de 300 cidades por meio de um percurso sete Patrimônios da Humanidade e 80 Patrimônios Memória do Mundo. “A ópera Aleijadinho vem ao encontro do nosso desejo de celebrar Minas Gerais. Ela condensa uma série de elementos que compõem a nossa rica diversidade artística e cultural. Por meio dessa montagem, vamos celebrar quem somos, celebrar nossas cidades, nossa arte e a nossa intensa e rica cultura, além de dar visibilidade à história desse grande artista negro, Antônio Francisco Lisboa, o maior representante do Barroco mineiro, reconhecido em todo o mundo, patrimônio da Humanidade UNESCO”, comemora Leônidas Oliveira. 

 

 

6 5 2022 miniconcertos

Imagem: Paulo Lacerda

Sucesso de público, o projeto “Aleijadinho, arte revelada: o legado de um restauro”, um presente dado aos brasileiros pela Casa Fiat de Cultura em celebração aos seus 15 anos, ganha um minidocumentário. A produção registra os cinco meses do minucioso trabalho de restauro de obras de Aleijadinho do séc. XVIII: Sant’Ana Mestra, da Capela de Sant’Ana, em Chapada de Ouro Preto/MG; São Joaquim, da Paróquia de Nossa Senhora da Conceição, em Raposos/MG; e São Manuel, da Paróquia de Nossa Senhora do Bonsucesso, em Caeté/MG. A iniciativa evidencia a importância da salvaguarda do patrimônio cultural para a arte, a história e o conhecimento das raízes da nossa identidade.

Desde a chegada das esculturas à Casa Fiat de Cultura, em outubro de 2021, foram dedicadas mais de 500 horas à restauração das obras, que pôde ser acompanhada por 170 mil pessoas, seja por meio de visitas presenciais ou pela programação virtual.  Cada etapa do projeto foi documentada e agora é compartilhada com o público em imagens inéditas. “Ao promovermos um processo de restauro fora   dos bastidores, demos a oportunidade de o público conhecer de perto e em tempo real como a recuperação e conservação de uma obra de arte acontece. Despertamos nas pessoas um olhar para o passado, mas apontando como o patrimônio cultural e artístico se conecta com o presente e o futuro”, revela Ana Vilela, gestora Cultural da Casa Fiat de Cultura.

O minidocumentário aborda os aspectos culturais, estéticos e históricos do processo de restauração das obras de Aleijadinho, destaca as descobertas com o uso de raio X e luz ultravioleta – como a franja sob a testa de Sant’Ana Mestra –, e relembra a emocionante devolução das peças às suas comunidades de origem. “Estou muito satisfeita com o resultado do trabalho que realizamos. Devolvemos às comunidades obras bem cuidadas, íntegras e mantendo as características de época. Deu certo e foi lindo”, completa a restauradora Rosangela Reis Costa, coordenadora do projeto de restauro na Casa Fiat de Cultura.

O minidocumentário “Aleijadinho, arte revelada: o legado de um restauro” pode ser visto no canal da Casa Fiat de Cultura no YouTube.

 

 

12 4 2022 minicasafiat

Imagem: Studio Cerri 

O Brasil é o 5º país no ranking mundial de produção de podcasts. De acordo com um estudo realizado pela TV Globo em parceria com o Ibope, 57% dos entrevistados passaram a ouvir programas de podcast durante a pandemia.Pensando nisso, a Diretoria de Museus, unidade da Superintendência de Bibliotecas, Museus, Arquivo Público e Equipamentos Culturais da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais lança o podcast Zonas Pulsantes – Caminhos da Arte. (Ouça aqui). 

O podcast Zonas Pulsantes é uma conversa desinibida e descontraída, que trata das experiências, memórias e dicas de pessoas ligadas ao mundo das artes, sejam elas artistas, curadores, especialistas da área dos museus, da música etc. O podcast traz, ainda, pessoas comuns falando de sua relação afetiva com algum objeto ou alguma época. Os episódios são sempre apresentados por Fabiano Mello, músico e cineasta que dirigiu “Depois é Nunca” e “Humanidades” na Rede Minas.

Sejam os convidados leigos ou especialistas, os programas trazem sempre uma linguagem acessível ao grande público e tratam sobre a relevância de determinados artistas, determinadas épocas, determinados temas, obras ou objetos. O importante é que a função pulsante da arte seja sentida por todos.

O podcast Zonas Pulsantes – Caminhos da Arte é semanal, publicado sempre às segundas-feiras, e os primeiros episódios já estão disponíveis no Spotify e no Anchor.

Confira mais detalhes no perfil do Instagram @podcastzonaspulsantes.

 

6 5 2022 minipodcast

Batizado de Parque do Palácio, espaço promoverá experiências artísticas, culturais e gastronômicas a mineiros e turistas

O Palácio das Mangabeiras, que foi residência oficial dos governadores de Minas Gerais desde a década de 1950 até o início da gestão do governador Romeu Zema, abre suas portas ao público – mais uma vez – como o Parque do Palácio. Os visitantes terão oportunidade de usufruir de uma grande área de lazer e fazer uma imersão em experiências artísticas, culturais e gastronômicas em meio aos jardins projetados pelo paisagista Roberto Burle Marx e pela sede atribuída ao arquiteto Oscar Niemeyer. Zema visitou o local na tarde deste domingo (10/4) para o evento de inauguração do Parque do Palácio. A abertura para visitação será a partir do dia 20/4 com ingressos a preços populares. 

O governador destacou o trabalho de sua gestão para devolver à população os melhores espaços e serviços públicos, empenhando os recursos naquilo que realmente é necessário. 

“Estamos mostrando que o Estado não precisa fornecer privilégio, a vida quase de monarquia para alguns poucos, principalmente em um estado onde as contas são as piores possíveis, que estava inadimplente com os servidores, com as prefeituras e prestadores de serviço. A política no Brasil precisa se aperfeiçoar muito e, principalmente, ter responsabilidade com aquilo que a grande maioria paga com sacrifício gigantesco, e estamos mostrando que é possível fazer. Fico muito satisfeito de Minas Gerais mostrar que existe uma maneira diferente de fazer política, mais responsável e que dá mais dignidade às pessoas. Parabéns aos organizadores e desejo um ótimo evento. É uma alegria muito grande presenciar mais uma vez este prédio aberto ao público”, afirmou o governador. 

Também participaram do evento os secretários de Estado de Cultura e Turismo, Leônidas Oliveira; de Desenvolvimento Econômico, Fernando Passalio; de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Marília Melo; a ouvidora-geral do Estado, Simone Deoud; o presidente da Codemge, Thiago Toscano; e demais autoridades e parceiros do evento. 

Exposição
O espaço será aberto com uma exposição de obras de Amilcar de Castro, um dos maiores artistas mineiros de todos os tempos e um dos mais significativos da arte brasileira do século XX. “Vamos inaugurar essa exposição para estar à altura da história e de tudo o que o Palácio das Mangabeiras representa. O centenário de Amilcar de Castro foi em 2020, mas não recebeu o destaque merecido em função da pandemia, período em que tudo estava muito restrito. Amilcar foi um artista completo, que produziu desenhos, pinturas, esculturas e poesias. Esta exposição dará a cidade a oportunidade de apreciar seu trabalho como escultor”, destaca um dos idealizadores do Parque do Palácio, João Grillo.

A exposição “Esculturas no Parque”, aprovada pela Lei Federal de Incentivo à Cultura, conta com o patrocínio da Gerdau e reúne 20 esculturas de grande porte – entre quatro e sete toneladas – distribuídas em uma área de quatro mil metros quadrados nos jardins do Palácio. São obras de corte e dobra feitas em aço e esculturas de corte também em aço, cedidas em sua maioria pelo acervo do Instituto Amilcar de Castro, além de outras menores, divididas em três pavilhões, com a curadoria de João Grillo.

Parque do Palácio
Trazendo a proposta de unir arte, natureza, boa mesa a um patrimônio histórico, arquitetônico e paisagístico singular de Belo Horizonte, o Parque do Palácio promete uma entrega transformadora ao público. “Queremos que o visitante saia de lá enriquecido de alguma maneira, por isso vamos oferecer programações de qualidade.  A ideia é que ele seja parte dos roteiros turísticos, uma das cinco principais atrações da cidade, e que as pessoas o tenham como local seguro para desfrutar, contemplar e recarregar as energias”, ressalta Grillo. 

Situado ao pé da Serra do Curral, no bairro Mangabeiras, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, o Palácio das Mangabeiras tem, além dos jardins, uma ampla estrutura com salões, quartos e cinema, distribuídos em 42 mil m² de área. Em 2021, sediou a CASACOR Minas Gerais, reconhecida por contribuir com o resgate à cultura através da recuperação e restauração de diversos patrimônios históricos e por gerar visibilidade e acessibilidade a empreendimentos tombados. O evento já é atração confirmada para 2022 no Parque do Palácio, e ocupará uma nova área ainda não conhecida do público do evento, de maneira a não interromper o funcionamento do parque. 

O novo centro cultural contará, também, com um espaço dedicado aos cônsules de Minas Gerais, proposta que irá fomentar as relações internacionais na cidade, promovendo intercâmbio de conhecimentos e negócios, além de alternativa para receber eventos de outros países. A gastronomia, que é um dos traços mais marcantes da identidade cultural de Minas Gerais, estará presente por meio de eventos e um restaurante que vai apresentar culinária com ingredientes regionais frescos e típicos, um café e um bar.

A sustentabilidade também será foco. “Vamos aproveitar a quantidade de folhas que caem diariamente e transformar em adubo para a futura horta que vai atender ao restaurante e à comunidade vizinha. Temos em mente a ideia de oferecer mudas aos visitantes e um trabalho de educação ambiental envolvendo especialistas do setor. São muitos os planos para a nova ocupação desse emblemático ícone de Belo Horizonte, beneficiando mineiros e turistas de todo o Brasil”, conclui João Grillo. 

Gestão
A gestão do Parque do Palácio ficará a cargo da empresa MultiCult Promoções, por meio de acordo de parceria com a Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemge), Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH) e Malab Produções.

Desde 2019, o Palácio das Mangabeiras está cedido por convênio à Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemge). A determinação partiu do governador Romeu Zema, que, com o objetivo de implementar ações que agregassem eficiência à administração do espaço, melhor aproveitamento do imóvel e boa gestão dos recursos públicos, abriu mão de residir no local e arca com as próprias despesas de moradia na capital mineira. A Multicult é a atual gestora do espaço e responde pelos gastos com manutenção, entre outros.
 
Serviço
Exposição Amilcar de Castro
Data: a partir de 20/4/2022
Funcionamento: De quarta-feira a domingo, das 8h às 18h 
Ingressos: R$10 (inteira) e R$5 (meia entrada). Entrada franca às quartas-feiras mediante retirada de ingresso no Sympla

 

 

12 4 2022 minipalacio

Imagem: Marcos Evangelista /Imprensa-MG

No dia 7 de maio, às 18h, na Sala Minas Gerais, a Filarmônica de Minas Gerais explora o repertório sinfônico de Gabrieli a Ippolitov-Ivanov, na série “Fora de Série”, com a regência do maestro Fabio Mechetti, Diretor Artístico e Regente Titular da Orquestra. Mechetti conta que, ainda no Renascimento, compositores como Gabrieli exploraram a majestade acústica das grandes catedrais escrevendo obras de cunho “estereofônico” para grupos de metais, como na Sonata pian’ e forte. Em Grieg, nota-se a íntima sonoridade das cordas na Suíte Holberg; do pai da sinfonia, Haydn, o público apreciará sua célebre Centésima. O programa se encerra com a inspiração trazida pela música étnica durante o Romantismo em Fragmentos Turcos, de Ippolitov-Ivanov. Os ingressos estão à venda no site www.filarmonica.art.br e na bilheteria da Sala Minas Gerais. A capacidade da Sala é de 1.493 lugares.

A série “Fora de Série” 2022 marca a renovação da parceria entre a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais e a ArcelorMittal, líder em aço no Brasil e no mundo, por meio de sua Fundação, que atua há mais de 33 anos em três eixos prioritários: Educação, Cultura e Esporte. De acordo com o novo decreto da Prefeitura de Belo Horizonte (nº 17.943), publicado no dia 28 de abril de 2022, com orientações sobre a prevenção da covid-19 em ambientes fechados, o uso de máscara torna-se opcional na Sala Minas Gerais. Veja mais orientações no “Guia de Acesso à Sala”, no site da Orquestra: fil.mg/acessoasala.

Este projeto é apresentado pelo Ministério do Turismo e Governo de Minas Gerais, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. Patrocinadores: Supermix e ArcelorMittal. Realização: Instituto Cultural Filarmônica, Secretaria Estadual de Cultura e Turismo de MG, Governo do Estado de Minas Gerais, Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo e Governo Federal.

 

Repertório

Giovanni Gabrieli (Veneza, Itália, 1554 – 1612) e a obra Sonata pian' e forte (1597)
Não é possível compreender a música de Giovanni Gabrieli sem considerar o contexto da Veneza do século XVI. Gabrieli nasceu entre 1554 e 1557, período em que a cidade desfrutava do auge do prestígio por ser o principal posto comercial entre o leste e o oeste, além de ser celeiro de arte, política e cultura. No centro da vida musical estava a Basílica de São Marcos, que, desde o século XIV, empregava organistas e dispunha de dois órgãos, além de um órgão positivo, que tomava emprestado quando necessário. Em 1585, depois de já ter trabalhado em Munique, na corte do Duque Alberto V da Baviera, Gabrieli foi designado organista da Basílica e, no mesmo ano, conseguiu outro posto, na Scuola Grande di San Rocco. Na Basílica, Giovanni fez mais do que apenas suceder o tio, Andrea Gabrieli, que cumpria as funções de organista e compositor. Apenas um ano depois de sua chegada, Giovanni começou a publicar os Concertos de seu tio. Rapidamente, percebeu o potencial do grupo de virtuosos que a Basílica tinha desde 1567, que lhe permitia constante experimentação da técnica musical. Além disso, como principal compositor, ele podia contratar cantores e musicistas como freelancer, o que expandiu o alcance e a expressão de suas composições. Parte de sua principal coleção, a Sacrae Symphoniae, de 1597, a Sonata pian’ e forte é um perfeito exemplo de como a música vocal (provavelmente usada primeiro na igreja) pode tornar-se puramente instrumental. Aqui, a música traduz instrumentalmente a ideia do cori spezzati, ou o estilo policoral tradicional de Veneza. O contraste dinâmico é criado pelo uso de coros de solistas e tutti: um coro de solistas resulta em piano, enquanto as seções de tutti são fortes.

Edvard Grieg (Bergen, Noruega, 1843 – 1907) e a obra Suíte Holberg, op. 40 (1884)
Edvard Grieg foi o principal compositor escandinavo de sua geração e o mais importante divulgador da música folclórica de seu país. Nascido em Bergen, na Noruega, em 1843, sua criação se baseia em canções folclóricas e na tradição romântica. Foram os conselhos do violinista Ole Bull que o levaram a perseguir os estudos de piano no Conservatório de Leipzig, Alemanha, onde foi aluno de Richter, Hauptmann, Reinecke e Monscheles. Mas, de volta à Escandinávia, Grieg se estabeleceu em Copenhagen, influenciado pelo compositor Richard Nordraak, que o apresentou às bases de sua composição. Sobre Nodraak, afirmou Grieg: "Foi somente por meio dele que aprendi a conhecer as melodias norueguesas e a minha própria natureza". A Suíte Holberg, op. 40 foi criada em 1884 em celebração ao bicentenário de nascimento de Ludvig Holberg, filósofo, escritor e humorista dinamarquês. Aclamado como um Molière do Norte, Holberg nasceu na Noruega e passou parte da vida na Dinamarca (assim como Grieg). Os cinco movimentos da Suíte foram escritos originalmente para piano e rearranjados para orquestra de cordas no ano seguinte. Neste trabalho, Grieg toma emprestada a forma da suíte barroca, com seus tradicionais movimentos de dança francesa, e os reinterpreta sob as lentes da linguagem neoclássica.

Franz Joseph Haydn (Rohrau, Áustria, 1732 – Viena, Áustria, 1809) e a obra Sinfonia nº 100 em Sol maior, Hob. I:100, "Militar" (1793)
A produção sinfônica de Haydn é pródiga e acompanha-o por toda a vida. Foram cento e seis sinfonias, a primeira datando de 1757 e a última, de 1795. As Sinfonias Londrinas, compostas entre 1791 e 1795, marcam um período de maturidade e de decantação do estilo haydniano. Constituem dois grupos: o primeiro, de números 93 a 98, composto durante a primeira visita de Haydn à Inglaterra, quando recebeu o título de Doutor Honoris Causa pela Universidade de Oxford; as sinfonias do segundo grupo, 99 a 104, foram compostas em Viena e Londres, para a sua segunda viagem à Inglaterra. Pertence a este grupo, portanto, a Sinfonia nº 100. Escrita entre 1793 e 1794, seu apelido ("Militar") deriva do uso, no segundo movimento, de evocações de fanfarras com trompetes e efeitos da percussão. Estes também retornam ao final do último movimento, colorindo a orquestração dos tutti. Com o bom humor que o acompanhou por toda a vida e que transparece também em sua obra, Haydn sabe, na Sinfonia nº 100, transcender à regra sem transgredi-la, confirmando sua aderência completa à linguagem do Classicismo.

Mikhail Ippolitov-Ivanov (Gatchina, Rússia, 1859 – Moscou, Rússia, 1935) e a obra Fragmentos Turcos, op. 62 (1930)
Mikhail Mihaylovich Ippolitov-Ivanov nasceu em 1859 em Gatchina, cidade próxima de São Petersburgo, na Rússia. Filho de um mecânico, sua origem e classe social difere de boa parte dos compositores nacionalistas russos, que geralmente vinham de famílias mais privilegiadas. Entre 1872 e 1875, frequentou as classes do coral de meninos da Catedral de Santo Isaac; em 1875, foi admitido no Conservatório de São Petersburgo. Pupilo de Rimsky-Korsakov, amigo de Tchaikovsky, Ippolitov-Ivanov frequentou algumas reuniões do Grupo dos Cinco, lideradas por Mily Balakirev. Já no fim da vida, o interesse do compositor pela música folclórica dos turcos ocidentais e dos árabes, bem como dos usbeques, cazaques e turcomenos, resultou em alguns trabalhos. Escritos em 1930, os Fragmentos Turcos, op. 62 oferecem elementos destas origens. A obra foi dedicada à soprano azerbaijanesa Shevket Mamedova.

 

Programa 
Fora de Série – de Gabrieli a Ippolitov-Ivanov
7 de maio – 18h
Sala Minas Gerais
Fabio Mechetti, regente 

 

GABRIELI                                         Sonata pian´e forte

GRIEG                                              Suíte Holberg, op. 40

HAYDN                                          Sinfonia nº 100 em Sol maior, Hob. I:100, "Militar"

IPPOLITOV-IVANOV                  Fragmentos Turcos, op. 62

 

INGRESSOS:

R$ 50 (Coro), R$ 50 (Terraço), R$ 50 (Mezanino), R$ 65 (Balcão Palco), R$ 86 (Balcão Lateral), R$ 113 (Plateia Central), R$ 146 (Balcão Principal) e R$ 167 (Camarote).

Ingressos para Coro e Terraço serão comercializados somente após a venda dos demais setores.

Meia-entrada para estudantes, maiores de 60 anos, jovens de baixa renda e pessoas com deficiência, de acordo com a legislação.

 

Informações: (31) 3219-9000 ou www.filarmonica.art.br

 

Bilheteria da Sala Minas Gerais

Horário de funcionamento

 

Dias sem concerto:

3ª a 6ª — 12h a 20h

Sábado — 12h a 18h 

 

Em dias de concerto, o horário da bilheteria é diferente:

— 12h a 22h — quando o concerto é durante a semana 

— 12h a 20h — quando o concerto é no sábado 

— 09h a 13h — quando o concerto é no domingo

 

 

 

6 5 2022 minifilarmonica

Imagem: Eugênio Sávio

Iniciativa reúne mais de 100 atividades e será realizada de 18 a 23 de abril, em várias bibliotecas de Minas

O jeito único do povo mineiro é o tema da segunda edição da Semana Estadual de Incentivo à Literatura de Minas Gerais. Iniciativa da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult), por meio do Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de Minas Gerais (SEBPMG), o evento vai abordar o Ano da Mineiridade com mais de 100 atividades que serão realizadas, de 18 a 23, de abril pelas bibliotecas que integram o SEBPMG.

Com a maioria da programação presencial, e cumprindo todos os protocolos de saúde ainda vigentes no estado, a II Semana Estadual de Incentivo à Literatura vai reunir cerca de 70 bibliotecas vinculadas ao Sistema. O evento propõe uma série de ações reflexivas, atividades formativas e programação artístico-cultural que evidencia a grande diversidade de Minas Gerais.

Para o diretor do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas, da Secult, Lucas Amorim, a segunda edição do evento reforça o importante trabalho de descentralização das ações da pasta para o fomento da cultura no estado. De acordo com Lucas, a grande participação das bibliotecas reflete a municipalização das políticas públicas no segmento da literatura, além de evidenciar a vasta produção mineira.

“A II Semana Estadual de Incentivo à Literatura nos convida a repensar o estado a partir de um olhar nosso. Para além de evidenciar o jeito mineiro, o evento reúne as bibliotecas vinculadas ao Sistema Estadual em ações presenciais que têm sido fundamentais para difundir o interesse pela literatura, bem como o fomento da cultura no estado”, destaca Lucas Amorim

Programação diversificada
Em um contexto de reabertura das atividades culturais em diversas cidades do estado, as bibliotecas participantes da II Semana Estadual de Incentivo à Literatura propõem diferentes experiências para o público. De acordo com a coordenadora do Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de Minas Gerais, Cleide Fernandes, o momento é oportuno para a articulação de ações integradas entre os equipamentos.

“É importante unir as bibliotecas públicas e comunitárias em torno de um tema e, por isso, o SEBPMG vem trabalhando para promover a articulação entre elas. A II Semana Estadual de Incentivo à Literatura vem para reunir e divulgar as atividades propostas pelas bibliotecas dos territórios mineiros com o objetivo de incentivar a leitura e a valorização do patrimônio literário do nosso Estado”, aponta.

Em Patos de Minas, por exemplo, a Biblioteca Pública Municipal João XXIII vai promover um café literário com exposição de obras de autores mineiros. O objetivo é refletir sobre como os costumes de Minas têm influência na vasta produção do estado. Além disso, a programação da biblioteca concentra atividades sobre o dialeto falado em nossa região, conhecido popularmente como “mineirês”, e atividades ligadas ao movimento modernista em Minas.

Em Paraopeba, um dos destaques na programação da Biblioteca Pública Municipal Agnaldo Edmundo Silva fica por conta de um varal poético reunindo obras de autores mineiros, em especial, paraopebenses, que será compartilhado com o público. O espaço também vai abordar o sotaque característico do estado e como as diferentes expressões linguísticas de Minas têm influenciado as plataformas digitais.

Já em Belo Horizonte, a Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais destaca a inauguração de uma mostra artística ligada ao movimento modernista de 1922. Em comemoração ao Centenário da Semana de Arte Moderna, o equipamento administrado pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo, exibe a exposição Moderna, com obras do acervo de Coleções Especiais, destacando a transversalidade entre a Literatura e as demais linguagens.

Em Cambuquira, o público irá conferir, na Biblioteca Pública Municipal Martha Antiero, uma palestra sobre o que é a Mineiridade e como esse conceito define a identidade cultural do povo mineiro. E, na cidade de Itaguara, a Biblioteca Pública Municipal Guimarães Rosa também propõe reflexões sobre o conceito da Mineiridade, mas tendo a produção literária do estado como ponto de partida para as conversas.

A programação completa da II Semana Estadual de Incentivo à Literatura de Minas Gerais pode ser consultada AQUI.

 

11 4 2022 minisemanasistema

A Secretaria Estadual de Cultura e Turismo (Secult), por meio da Fundação de Arte de Ouro Preto | FAOP deu mais um passo importante em seu processo de expansão e descentralização das ações de conservação e restauração.

Na última terça-feira (3/5), no Palácio da Liberdade, e com a presença do secretário de estado de Cultura e Turismo, Leônidas Oliveira, foi assinado Termo de Parceria com a Prefeitura Municipal de Ouro Branco para restauração dos elementos artísticos, móveis e imóveis da capela Nossa Senhora Mãe dos Homens, contratação de projetos para restauração da capela São Vicente Ferrer, a restauração de elementos artísticos da Matriz de Santo Antônio, que está em fase final de restauro, e o levantamento das obras emergenciais da Igreja Santo Antônio - Itatiaia.

“Aqui no Palácio da Liberdade nós assinamos um acordo de cooperação que vai possibilitar FAOP, o Governo de Minas e prefeitura de Ouro Branco levar pro dia a dia os projetos e execução da restauração das nossas igreja e capelas, que fazem parte do nosso rico patrimônio histórico”, disse o secretário, Leônidas Oliveira.

De acordo com o presidente Jefferson da Fonseca, “a parceria consolida a descentralização e a construção de uma Fundação de Arte de Ouro Preto, de fato, para todos os mineiros”, afirma. Durante a cerimônia da assinatura, a Orquestra de Viola Arpejo, de Ouro Branco, a maior orquestra dedicada ao instrumento do estado, apresentou alguns clássicos do cancioneiro nacional.  

FAOP no Sul de Minas
Este ano, em março, a FAOP assinou Termo de Cooperação Técnica com outro importante município do estado, Caxambu, no Sul de Minas. O documento reforça a presença e abre portas para novas ações em prol do desenvolvimento da cultura e do turismo na cidade e na região.

Ainda no sul do estado, a FAOP já havia firmado parceria com Guaxupé. Avançam também as tratativas para implantação e uma unidade na cidade, que já está em desenvolvimento. A previsão é que ela seja inaugurada no próximo ano.

Para o presidente Jefferson da Fonseca, esses avanços representam o esforço para a descentralização das ações de cultura, turismo e patrimônio em toda Minas Gerais. “É importante dizer, e as últimas ações reforçam isso, que a Fundação de Arte de Ouro Preto é uma instituição que transita em todo o estado. E de mãos dadas com iniciativas que fazem parte de nossa essência, ou seja, a preservação do nosso patrimônio histórico e artístico, além dos nossos ofícios, tão caros para a nossa tradição e mineiridade”.

Primeiras unidades fora de Ouro Preto
Em 2021, a FAOP inaugurou sua primeira unidade fora de Ouro Preto em 53 anos de história. Fica em Paracatu, região Noroeste de Minas, rota da maior via turística do país, a Via Liberdade. A primeira exposição, intitulada “Fundação de Arte de Ouro Preto/FAOP: Saberes e Fazeres em Arte, Restauro e Ofícios”, foi aberta ao público em novembro último.

Em janeiro deste ano, a unidade passou a desenvolver a ação “Colônia de Férias”, com o objetivo de promover arte e cultura entre as crianças em situação de vulnerabilidade no município. O projeto consistiu na realização de passeios pelos principais pontos turísticos e históricos, além de oficinas de práticas artísticas, que resultaram em uma mostra de processo.

Outros acordos e diálogos acontecendo

Outras cidades de diferentes regiões mineiras como Itapecerica, do centro-oeste mineiro, Santa Luzia, na região metropolitana de Belo Horizonte, Itambacuri e Peçanha, localizadas no Vale do Rio Doce, e Monte Santo de Minas, sudoeste de Minas, também têm estabelecido trocas importantes com a instituição.

Laços estão sendo estreitados também com Itabira, onde a equipe da FAOP esteve junto ao Superintendente da Fundação Cultural Carlos Drummond de Andrade (FCCDA), Marcos Alcântara. A Fundação dialoga com Diamantina para desenvolver ações em toda região do Vale do Jequitinhonha. Na última reunião, realizada em março, foram iniciados diálogos com cidades como Minas Novas, Serro e Conceição do Mato Dentro.

Além disso, a Fundação assinou em janeiro deste ano Termo de Parceria com Tiradentes, para onde pretende levar cursos do Núcleo de Arte e Ofícios e o Curso Técnico em Conservação e Restauro. Em Antônio Pereira, distrito ouropretano, a FAOP também mantém conversas para ampliar seu raio de ação, em parceria com a secretaria de desenvolvimento econômico de Ouro Preto e a UFOP.

De Minas para o mundo
Para além dos municípios mineiros, a FAOP cruzou as fronteiras nacionais ao assinar, ano passado, em Portugal, um Protocolo de Intenções junto ao Instituto de Formação dos Países de Língua Oficial Portuguesa, durante uma conferência em Lisboa. O protocolo formaliza os planos de desenvolver uma série de ações de fomento ao turismo, à cultura e ao intercâmbio entre Brasil e Portugal.

A fundação já possui também parceria firmada com o Consulado da Espanha no Brasil. Graças a essa colaboração, professores e técnicos da FAOP têm a oportunidade de avançar nos estudos de patrimônio cultural por meio de um mestrado na Universidade de Jaén, na região de Andaluzia, na Espanha. Os intercâmbios têm acontecido desde 2019, e atualmente, a terceira participante encontra-se em formação no país.

 

 

6 5 2022 minifaop

Equipe técnica da pasta abordou questões ligadas ao fomento cultural no estado

A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) marcou presença no 1º Seminário Trilhas – Desenvolvimento, Turismo e Liderança, uai!, realizado em Três Pontas entre 4 e 7 de abril.

A ação, que integra a programação do projeto Secult no Município abordou temas como a Mineiridade, o Turismo como fator de desenvolvimento socioeconômico, as Leis de Fomento e Incentivo para o desenvolvimento da cadeia Cultural no estado entre outras ações de fomento.

Participaram do seminário, o subsecretário de Cultura, Igor Arci e a superintendente de Fomento Cultural, Economia Criativa e Gastronomia da Secult, Janaína Amaral, e o presidente da Fundação de Arte de Ouro Preto, Jefferson da Fonseca.

 Os gestores também explicaram aos participantes o plano Descentra Cultura, uma iniciativa da Secult que propõe alterações nos mecanismos de fomento do estado, como a Lei Estadual de Incentivo à Cultura (Leic) e o Fundo Estadual de Cultura (FEC).

Na pauta do encontro com os gestores municipais, a equipe da Secult também debateu questões ligadas às leis Paulo Gustavo e Aldir Blanc, além de participarem de um bate-papo com profissionais da área e membros da Rede de Cultura do município.

 

8 4 2022 miniseminariotrespontas

Clássico da teledramaturgia é exibido na emissora pública mineira a partir de segunda-feira (9/5)

No início da década de 80, muitos televisores estavam ligados na novela “Os imigrantes”. A obra de Benedito Ruy Barbosa e dirigida por Atílio Riccó e Henrique Martins se tornou um marco da teledramaturgia trazendo a saga dos imigrantes que vieram para o país no final do século XIX. Um elenco de estrelas assumiu a trama que tratou da história do Brasil contada pelas câmeras. A obra, quando lançada, foi exibida na Bandeirantes e agora ganha uma nova geração de telespectadores na Rede Minas, em uma parceria com a TV Brasil.

O enredo de "Os imigrantes" retrata, com ousadia, a odisseia dos estrangeiros que saíram de suas nações para tentar a sorte no Brasil. A história começa com a chegada de um italiano, um português e um espanhol. Em comum, o nome “Antônio” e o sonho de uma nova vida. A novela mostra os protagonistas e suas descendências em uma trama longa, com mais de 400 capítulos, que agora chega ao público em uma nova versão editada, com 190 episódios.

Os atores Rubens de Falco, Othon Bastos e Altair Lima são os protagonistas do folhetim, que também traz nomes como Yoná Magalhães, Lúcia Veríssimo, Rolando Boldrin, Norma Bengell, Paulo Betti e tantos outros. Na trama, cenários marcantes, figurinos de época caracterizados pelas diversas fases que trata o enredo e trilha sonora com repertório nacional e internacional. A obra conquistou premiações da época, como o Troféu Imprensa e várias categorias da láurea concedidas pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA).

Com estreia na programação na próxima segunda-feira (09), a novela “Os imigrantes” vai ao ar de segunda a sábado, às 18h, pela Rede Minas e no site da emissora redeminas.tv, em uma parceria com a TV Brasil

Serviço:Os imigrantesSegunda a sábado, às 18h, com reapresentação de terça a domingo, à 1h15Rede Minas ou site redeminas.tv

 

COMO SINTONIZAR:redeminas.tv/comosintonizarA Rede Minas está no ar no canal 9 (VHF); Net 20 e Net HD 520; Vivo 9; e através do satélite Brasilsat C2 para a América Latina.ACESSE AS REDES SOCIAIS:www.redeminas.tvfacebook.com/redeminastvinstagram.com/redeminastvtwitter.com/redeminasyoutube.com/redeminasATENDIMENTO AO PÚBLICO:Tel: (31) 3254-3000Whatsapp: (31) 98272-6543

 

 

6 5 2022 miniredeminas

Inscrições foram feitas por jovens regentes de várias partes do Brasil e do mundo

Entre os dias 11 e 13 de abril, a Filarmônica de Minas Gerais realizará o 13º Laboratório de Regência, atividade pioneira no Brasil, que possibilita a jovens regentes ter, sob sua batuta, uma orquestra profissional e aprender, na prática, os desafios da regência. André Bachur (São Paulo-SP), Daniel Lima (Belém-Pará), Fernando Mathias (Santo André-SP) e Marcelo Falcão (Berlim-Alemanha), regentes desta edição, participarão de ensaios e aulas técnicas ministradas pelo Diretor Artístico e Regente Titular da Orquestra, maestro Fabio Mechetti, junto a outros 12 ouvintes de várias partes do Brasil. Ao todo, foram 40 inscritos, de 26 cidades brasileiras e países como Alemanha e Estados Unidos. O Laboratório de Regência será encerrado com um concerto gratuito aberto ao público, no dia 13 de abril, às 20h30, na Sala Minas Gerais.  A apresentação também terá transmissão ao vivo pelo canal da Filarmônica no YouTube.

Para o maestro Fabio Mechetti, “praticamente não existe experiência semelhante no Brasil, e em poucos lugares do mundo, em que regentes com uma experiência ainda pequena têm a oportunidade de aprender diante de uma orquestra profissional do nível da Filarmônica. Apenas este motivo seria o suficiente para justificar o enorme interesse que recebemos desses jovens que buscam alternativas para suas ambições de formação. Mas, além disso, oferecemos a chance de se apresentarem em concerto, algo ainda mais inusitado e extremamente motivador para aqueles que participam. Embora concentrado em poucos dias de trabalho, o Laboratório de Regência confere a seus participantes uma experiência única, intensa, prática, eficiente, que faz com que dezenas de jovens regentes nos procurem ano após ano”, destaca.

A distribuição de ingressos será feita exclusivamente pela internet, pelo link fil.mg/laboratorio2022, limitada a 2 ingressos por pessoa.

De acordo com Nota Técnica do Comitê de Enfrentamento à Covid-19 da Prefeitura de Belo Horizonte, publicada no site da PBH em 16/3/22, não é mais necessária a apresentação do comprovante de vacinação e de teste negativo para covid-19 para acesso à Sala Minas Gerais. O uso permanente de máscara segue obrigatório. Veja mais orientações no “Guia de Acesso à Sala”, no site da Orquestra: fil.mg/acessoasala.

Este projeto é apresentado pelo Ministério do Turismo, Governo de Minas Gerais e Cemig, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. Realização: Instituto Cultural Filarmônica, Secretaria Estadual de Cultura e Turismo de MG, Governo do Estado de Minas Gerais, Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo e Governo Federal. A programação educacional tem o apoio do programa Amigos da Filarmônica.

Aulas práticas e teóricas
O Laboratório de Regência consiste em aulas teóricas e práticas. Os regentes recebem orientações teóricas e técnicas do maestro Fabio Mechetti e as praticam em ensaios com a Orquestra. 

O Laboratório de Regência da Filarmônica de Minas Gerais é uma iniciativa pioneira no Brasil. Nas 12 edições já realizadas, 156 jovens regentes de todo o país viveram essa experiência com a Filarmônica de Minas Gerais. Alguns deles participaram da iniciativa mais de uma vez.

Os regentes

André Bachur
Nascido em São Paulo em 1986, André Bachur começou seus estudos no violino e depois dedicou-se ao piano, bandolim, violão tenor e guitarra baiana. É graduado em Regência pela Escola de Comunicações e Artes da USP, onde atualmente cursa o mestrado. Em 2018, foi aluno da classe de regência da Academia de Música da Osesp, orientado por Marin Alsop. Entre 2011 e 2014, foi Regente Assistente da Orquestra de Câmara da ECA-USP e, desde 2020, é Regente Adjunto da mesma instituição. Já atuou em diversos grupos paulistas, como a Sinfônica da USP, Orquestra do Theatro São Pedro, Orquestra Moderna e a EOS Música Antiga USP. 

Daniel Lima
Natural de Belém, Daniel Lima é Mestre em Regência Orquestral pela Johns Hopkins University, na classe de Marin Alsop, que também o orientou na classe de Regência da Academia de Música da Osesp. Participou de cursos como a Oficina Internacional de Regência Orquestral da Sinfônica de Santo André, do Festival de Campos do Jordão de masterclass com a National Symphony Orchestra, no Kennedy Center, em Washington (EUA). Regeu orquestras como a Baltimore Symphony Orchestra, Orquestra Sinfônica da USP, Orquestra Jovem do Estado de São Paulo e a Orquestra Sinfônica de Santo André.

Fernando Mathias
Natural de Santo André (SP), Fernando Mathias iniciou seus estudos de violino aos 12 anos. Dois anos depois, começou a estudar trompa com Nikolay Genov e Mário Rocha. Em 2015, após orientações do maestro Giancarlo Guerrero, inicia seu percurso na regência recebendo incentivos de maestros como Roberto Tibiriçá, Marcos Arakaki e Jetro Meira. Foi orientado por Wagner Polistchuk e Marin Alsop na classe de Regência da Academia de Música da Osesp. Atualmente, aos 32 anos, é regente da Orquestra Contemporânea Innovare, que prepara apresentação na Sala São Paulo em 2022. 

Marcelo Falcão
Nascido em Nova Iguaçu (RJ), Marcelo Falcão é Mestre em Regência Orquestral pela Royal Welsh College of Music and Drama (País de Gales), onde concluiu seus estudos com mérito. Especializou-se em regência de música moderna e contemporânea na Suíça. Foi bolsista do Festival de Campos de Jordão e regente no Ateliê Contemporâneo, em São Paulo. Em Berlim, foi Diretor Artístico e Regente Principal da Babylon Orchester Berlin, a orquestra residente no lendário cinema Babylon, onde conduziu apresentações ao vivo de filmes como Metropolis, Nosferatu e Encouraçado Potemkin.

Serviço:
Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
13º Laboratório de Regência
Para jovens regentes brasileiros
Com o maestro Fabio Mechetti
Concerto de encerramento
13 de abril – 20h30
Sala Minas Gerais
Gratuito

 

 

4 4 2022 minifilarmonica

Imagem: Heloísa Bortz

A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) comunica aos proponentes classificados nos seguintes editais do Fundo Estadual Cultura (FEC): Edital FEC 01/2021; 02/2021; 03/2021; 04/2021; e 05/2021 quanto aos informativos enviados pela Superintendência de Fomento Cultural, Economia Criativa e Gastronomia. Toda a comunicação será enviada para o e-mail do proponente cadastrado no Sistema Eletrônico de Informações (SEI!). É necessário ficar atento às caixas de spam e lixo eletrônico para que nenhuma mensagem se perca.

Caso o proponente receba e-mail de NOTIFICAÇÃO para regularização de documentação, deve ser enviada uma mensagem como peticionamento intercorrente no processo utilizado para habilitação no SEI o mais breve possível, a fim de evitar a inabilitação por pendência de documentação. Se o assunto do e-mail foi relacionado à ASSINATURA de Termo de Compromisso ou Recibo, os dados descritos no documento indicado devem ser conferidos e, posteriormente, feita a assinatura, o mais breve possível.

A Secult só consegue realizar o pagamento após todas as etapas concluídas e documentos necessários assinados. Informamos, ainda, que o banco pede no mínimo cinco dias úteis para processamento. É fundamental conferir se os dados bancários da conta indicada para recebimento do recurso estão corretos, se a conta permanece ativa e se a conta possui restrição para recebimento de valores. Caso identifique alguma irregularidade junto à conta indicada, é necessário entrar em contato pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult), por meio da Superintendência de Fomento Cultural, Economia Criativa e Gastronomia, e da Diretoria de Monitoramento e Prestação de Contas, vem prestar esclarecimentos sobre o art. 54 da IN 03/2012, que versa sobre a obrigatoriedade de apresentação de contratos com firma reconhecida, na Lei Estadual de Incentivo à Cultura (Leic).

Art. 54. Para efeito de comprovação das despesas, o Empreendedor deverá apresentar os seguintes documentos originais:

  1. I. Notas fiscais (de todas as séries e avulsas, dentro do prazo de validade das mesmas)

(...)

F.Para o caso de contratação de empresas para prestação de serviços de agenciamento de grupos artísticos e/ou musicais, construção, reformas/restauração em edificações e prestação de serviço administrativo e/ou de execução do projeto deverá ser encaminhado, junto à nota fiscal, cópia do contrato celebrado entre as partes, com reconhecimento de firma em cartório, constando todos os dados do contratante e do contratado, detalhamento do serviço(s) e/ou grupo(s) contratado(s), prazo de validade do contrato, valor do serviço e forma de pagamento.

Com base na Lei Federal Nº 13.726, de 8 de outubro de 2018, que trata da simplificação de processos e outras providências, a Secult esclarece que os projetos executados, ou que tenha contratos firmados após a data de sanção desta referida Lei, 08/10/2018, estão dispensados os reconhecimentos de firma dos contratos a serem apresentados na prestação de contas, devendo apresentar a cópia do contrato e cópia do documento de identidade válida (CNH, RG, RNE, Carteira de Trabalho, Passaporte, dentre outros) das partes para que seja possível verificar a semelhança das assinaturas.

Quanto aos projetos executados ou que tenham contratos firmados anteriores a data de vigência da referida Lei, como a sanção não prevê a adoção retroativa de suas determinações, devem ser apresentados os contratos devidamente autenticados para fins de comprovação.

 

8 4 2022 miniminicomunicado

Feira será realizada ao ar livre, no gramado do Museu Mineiro, no sábado e domingo, dias 07 e 08 de maio

A sétima edição da Mostrô – Mostra de Arte e Cultura Urbana de Gente que Ama o que Faz, especial Dia das Mães, irá integrar a programação especial das comemorações dos 40 anos do Museu Mineiro.

A entrada será gratuita e o evento será realizado no sábado (07/05) e no domingo (08/05), com horário das 10h às 17h. A feira Mostrô ocorrerá ao ar livre, no gramado do Museu Mineiro.

Além de um convite ao público para conferir as exposições e o prédio do Museu Mineiro, a Mostrô será uma oportunidade para que as pessoas possam fazer suas compras para o Dia das Mães e aproveitar um dia com muita música e gastronomia. Serão mais de 100 expositores divididos entre os 2 dias de evento.

Com atrações que vão desde gastronomia a artesanato, a Mostrô contará, ainda, com a trilha sonora da DJ Miss Cooler que trará os melhores hits dos anos 1960 a 1990.

A Mostrô – Mostra de Arte e Cultura Urbana de Gente que Ama o que Faz é realizada pela “Da Terra Gestão Cultural” e tem o apoio institucional do Museu Mineiro e do Museu das Minas e do Metal| Gerdau. A iniciativa evidencia diferentes linguagens artísticas, como artesanato, gastronomia, design e literatura.

A proposta da Mostrô é valorizar a economia criativa de Minas Gerais ao dar visibilidade ao trabalho de artistas, produtores e trabalhadores e trabalhadoras da cultura no estado.

Museu Mineiro
Localizado na Avenida João Pinheiro, corredor de acesso à Praça da Liberdade, em Belo Horizonte, o Museu Mineiro está instalado em um edifício eclético construído em fins do século XIX pela Comissão Construtora da Nova Capital. Tendo sido construída para servir de residência para o Secretário da Agricultura, a edificação serviu de sede para o Senado Mineiro, foi a Pagadoria Geral do Estado até se tornar a sede do Museu Mineiro.

Inaugurado em 1982, o Museu Mineiro reúne em seu acervo um conjunto bastante diversificado de objetos referentes à história e à produção cultural e artística mineiras. Nas salas de exposição são exibidas obras de artistas consagrados, tais como: Manoel da Costa Ataíde, Yara Tupynambá, Amílcar de Castro, Jeanne Milde, Inimá de Paula, Lótus Lobo, Celso Renato, Sara Ávila, Guignard, Maria Helena Andrés, Di Cavalcanti etc.

Atualmente, o Museu exibe a exposição de longa duração “Minas das Artes, Histórias Gerais”, onde o visitante tem a oportunidade de conhecer uma vasta coleção de arte sacra, datada dos séculos XVIII e XIX, além de preciosidades do acervo, como a bandeira da Inconfidência Mineira, os manuscritos originais da obra “Tutaméia” de Guimarães Rosa, o retrato de Aleijadinho e a coleção de santos de devoção popular.

O Museu Mineiro é integrante do Circuito Liberdade, complexo cultural sob gestão da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) e que reúne diversos espaços com as mais variadas formas de manifestação de arte e cultura em transversalidade com o turismo. Trabalhando em rede, as atividades dos equipamentos parceiros ao Circuito buscam desenvolvimento humano, cultural, turístico, social e econômico, com foco na economia criativa como mecanismo de geração de emprego e renda, além da democratização e ampliação do acesso da população às atividades propostas.

Serviço
Mostrô – Mostra de Arte e Cultura Urbana de Gente que Ama o que Faz
Datas de realização: 7 e 8 de maio de 2022 (sábado e domingo)
Horário: das 10h às 17h
Local: Museu Mineiro
Entrada Gratuita
Instagram: https://www.instagram.com/mostrobh/

Museu Mineiro
Endereço: Av. João Pinheiro, 342 – Centro – BH/MG. CEP: 30130-180
E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Facebook: https://www.facebook.com/museumineiro.mg/
Instagram: https://www.instagram.com/museumineiro/
Site: http://www.museumineiro.mg.gov.br/

 

 

5 5 2022 minimostro

Documentação necessária deverá ser apresentada até 23 de maio de 2022

A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult), por meio da Superintendência de Fomento Cultural, Gastronomia e Economia Criativa, prorrogou o prazo para habilitação de proponentes nos editais FEC 06/2021 - Requalifica Minas - Equipamentos Culturais e FEC 07/2021 - Sistemas Municipais de Cultura. Toda a documentação necessária deverá ser apresentada no Sistema de Gestão de Convênios, Portarias e Contratos do Estado de Minas Gerais – Sigcon-MG – Módulo Saída, impreterivelmente, até 23 de maio de 2022.

Dessa forma, o prazo para habilitação nos referidos editais se estende por mais 45 dias. Importante ressaltar que a Secult, em função das vedações eleitorais CONFORME Resolução Conjunta SEGOV/SEC-GERAL/AGE nº 1, de 5 de janeiro de 2022, considerando ainda a prorrogação concedida, não garante o pagamento antes do período de vedação eleitoral, tendo em vista todos os trâmites necessários após o recebimento das documentações via Sigcon.

Abaixo, segue a relação dos Municípios que declararam ciência da prorrogação e que estão de acordo com a possibilidade de se receber o recurso somente após o prazo que se encerram as vedações eleitorais:

1- São Geraldo - Vagner Pereira

2- Urucânia - Emerson Vitor Roberto

3- Presidente Bernardes - Dante Assis

4- Rio Manso - Aline Cardoso Arantes GATO

5- berizal - Eliane Márcia Souto Mendes

6- Pedra Azul - Rosineide Lemos Moreira

7- João Monlevade Maria do Sagrado Coração Rodrigues Santos

8 - Cedro do Abaeté - Ivone Maria de Andrade

9- Itamonte - Lino Rosa

10- Arceburgo - Felipe Borges. Bibliotecária Margarida Heluany Coste

11- Capelinha - Lourival Martins de Brito Filho

12- Bom Despacho- Rosimaire Cássia dos Santos

13- Porteirinha -Secretaria de Cultura Maria Aparecida Martins e Bibliotecária Angelica Aparecida Rocha Faria

14- Poços de Caldas Luiz Gustavo dos Santos Dutra

15 Três Pontas - Alex Tisso

16 Guaranésia - Cacilda Maria Ribeiro

17 Senador Modestino Gonçalves - Miguel Pereira dos Santos

19 Nova Serrana - Neusa Lago

20 - Planura - Cremilda Lopes

21 - Santo Antônio do Monte

22 - Andrelândia - Guilherme Rezende Landim

23- Itaguara-Georgiane Christian Silveira

24-Itinga marisangela murta chaves

25 - Minduri

26 - Campos Gerais - Rafael Vilela Pereira

27 - Nova Era - Sandra Maura Coelho

28- Gouveia - Sueli

29 - Passa Quatro - Érica Ferreira Rodrigues

30- Paula Cândido- Douglas José Paiva de Queiro

O Governo de Minas, a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo e o Museu Casa Guimarães Rosa realizam, de 6 de maio a 26 de junho, a exposição “Desde o chão do Jequitinhonha”. A mostra reúne imagens do fotógrafo Lori Figueiró, que retratam o Vale do Jequitinhonha e seu bem mais precioso: as pessoas e suas histórias.

Lori Figueiró nasceu em Diamantina e passou parte da vida trabalhando em uma distribuidora de bebidas, o que lhe valeu um conhecimento ímpar sobre o Vale do Jequitinhonha. O serviço de transportar bebidas não derrubou um sentimento que parece entranhado na persona do artista, que percebia a cultura como um lastro importante de sua existência. Desde pequeno era ávido leitor, bibliófilo e "comedor de páginas" como diria Umberto Eco. Mas os livros não bastaram, Figueiró queria também poder fazer. E assim prosseguiu, após abandonar o ofício anterior e se dedicar à fotografia e à sua ONG, "Memorial do Vale", que hoje ajuda na permanência da memória dos artistas da região. Lori sonha, ainda, em um dia construir um museu.

Fala-se muito na seca do Jequitinhonha, em sua ancestralidade que leva a conhecimentos imemoriais, da importância do rio para o desenvolvimento e sobrevivência da região, além, é claro, de seu artesanato como o substrato de uma vivência dura, sem muitos recursos, mas de poética pura e simples. O Vale, nas imagens apresentadas na exposição, é muito mais que isso: são as pessoas e suas histórias. Cada imagem não é somente a fotografia do retratado, é sua própria história, que Figueiró conta dando nome às pessoas, aos povoados e às suas origens. Não há imagens em vão. O interesse do fotógrafo não é somente a visualidade de suas fotografias. Ele tem por intenção preservar a imagem das pessoas como a micro história do Vale do Jequitinhonha, a memória da região por meio da vida de cada um.

No conjunto das imagens que compõem a exposição, é possível destacar a atração que Figueiró tem por retratar as mulheres do Vale. Símbolos da resistência, elas são as matriarcas e filhas que preservam as tradições da região, que sustentam as famílias enquanto os homens estão na lavoura ou na cidade grande; que levam o conhecimento aos mais novos e tentam, bravamente, perpetuar o fazer da arte popular local, seja nas cerâmicas, nos bordados, nas pinturas, enfim, em sua relação com o que têm à mão para produzir. As mulheres são personagens de suas próprias vidas e símbolos da preservação da memória coletiva.

As fotografias apresentadas são produzidas em composições finamente construídas por Lori Figueiró, onde o plano de fundo contrasta com as figuras em primeiro plano, quase sempre em uma postura ereta ou em labor. Através de cenas triviais, o fotógrafo capta, de forma exemplar, a grandeza das pessoas da região. Elas são a essência do Vale do Jequitinhonha. E a missão de vida de Lori é levá-las, desde o chão do Jequitinhonha, até os espectadores para que não se esqueçam nunca: o Jequitinhonha é vida.

 

Serviço:
Exposição temporária "Desde o chão do Jequitinhonha", de Lori Figueiró
Data:: 6 de maio a 26 de junho de 2022
Horário de visitação: Terça a domingo: de 9h30 às 17h
Local: Sala de exposições temporárias do Museu Casa Guimarães Rosa

Museu Casa Guimarães Rosa
Endereço: Rua Padre João, 744 – Cordisburgo/MG
Contato: (31) 99618-3291 | E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Facebook: https://www.facebook.com/museucasaguimaraesrosa.mg/
Instagram: https://www.instagram.com/museuguimaraesrosa/?hl=pt-br
Youtube: https://www.youtube.com/c/MuseuCasaGuimar%C3%A3esRosa

 

 

5 5 2022 miniexpo

Ao todo, 70 empresas passam a integrar o programa neste ano

Entre 1º de fevereiro e 10 de março de 2022, a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) abriu o processo de habilitação do programa Minas Recebe 2022, destinado às empresas de receptivo turístico com sediadas no estado. O processo de habilitação foi concluído na sexta-feira (8/4) e está disponível para consulta no site da Secult. Ao todo, foram 71 empresas aprovadas após análise criteriosa sobre o cumprimento dos requisitos básicos para habilitação no programa.

Confira AQUI a relação completa de empresas habilitadas no Minas Recebe

Entre os critérios para integrar o Minas Recebe, estão: possuir inscrição municipal e ter autorização do órgão municipal competente para emissão de nota fiscal ou documento equivalente; operar e comercializar produtos turísticos de Minas Gerais e possuir site, blog ou rede social que divulgue informações atualizadas sobre os produtos turísticos mineiros comercializados.

Vantagens

A habilitação, que acontece anualmente, permite que as empresas participantes tenham diversos benefícios, como reuniões técnicas para fortalecimento do setor e debate de questões estratégicas pertinentes ao desenvolvimento da atividade turística; Ações de relacionamento com operadoras e agências de viagens nacionais e internacionais e demais prestadores de serviços da cadeia produtiva do turismo; Divulgação de seus contatos e produtos turísticos no portal Minas Gerais e em conteúdos promocionais elaborados pela Secult; Apresentação e aproximação de atrativos, produtos e destinos aptos à comercialização.

Saiba mais sobre o Minas recebe AQUI.

 

8 4 2022 miniminasrecebe

Premiação realizada pelo BDMG Cultural elege o álbum "Retumbante", do cantor e compositor de Barbacena, como melhor trabalho de canção autoral

Na última sexta-feira, 29 de abril, o BDMG Cultural anunciou o resultado do Prêmio Flávio Henrique 2022, elegendo o álbum "Retumbante", do cantor, compositor e diretor musical Pablo Bertola, como melhor álbum de canção autoral. Lançado em 2021, o trabalho apresenta 14 canções com ritmos brasileiros e mineiros, de vários períodos do artista, que já haviam sido apresentadas ao público em shows ou espetáculos de teatro, mas que nunca haviam sido gravadas.

A comissão de seleção para o Prêmio Flávio Henrique 2022 foi formada pelo músico Alfredo Del-Penho, pela curadora de projetos musicais Michelly Mury e pela jornalista e radialista Patricia Palumbo. 

"A excelência da música em Minas sempre me surpreende. Autores, intérpretes, instrumentistas inacreditáveis. Nessa seleção tivemos lindas surpresas e descobertas, além da afirmação de talentos já conhecidos. Nossa escolha foi unânime, ainda que difícil pela exigência de um nome só. Pablo Bertola apresentou um trabalho maduro de lindas canções, belos arranjos e está cantando muito bem, fiquei feliz com esse resultado", destaca a jornalista Patricia Palumbo.

Criado em 2018, o Prêmio Flávio Henrique dedica-se a reconhecer a produção e a pesquisa em torno da canção independente feita em Minas Gerais. A premiação homenageia o artista mineiro Flávio Henrique (1968 - 2018), no intuito de preservar a sua inquietação artística e a sua dedicação à música. O vencedor do edital recebe um prêmio no valor de R$ 10 mil.

"É uma alegria e uma honra ter meu trabalho de compositor e intérprete reconhecido por uma instituição como o BDMG Cultural, principalmente, quando se tem um júri técnico tão capacitado como a Patrícia Palumbo, Michelly Mury e Alfredo del Penho, que são profissionais pelos quais eu tenho um profundo respeito e admiração. Outro ponto muito importante é conseguir mostrar que um trabalho gravado e produzido no interior, por artistas majoritariamente do interior, possa ter qualidade técnica equiparada aos trabalhos produzidos nos grandes centros", comemora Pablo Bertola.

O álbum "Retumbante" foi produzido em Barbacena, durante a pandemia, pelo próprio artista em parceria com o baixista Marcos Paiva. Todas as músicas são de autoria de Pablo Bertola com vários parceiros, como os letristas Lido Loschi, Júlia Medeiros, Érica Elke e Hugo Guedes e os músicos Leandro Aguiar e Pitágoras Silveira. Gravado no estúdio da Bituca - Universidade de Música Popular, o trabalho conta com Ciro Belluci no violão e flauta, Gladston Vieira na bateria, Marcos Paiva no baixo e Pitágoras Silveira no piano. Além disso, o disco tem as participações especiais de Mônica Salmaso, interpretando a valsa "PAR", de Pablo Bertola e Lido Loschi - que foi composta originalmente para o espetáculo do grupo Ponto de Partida -, de Toninho Ferragutti na sanfona, Caetano Brasil no clarinete e clarone, Marco Lobo na percussão, Everson Moraes nos trombones e Jorge Helder no baixo. (Ouça o álbum)

Sobre Pablo Bertola
É ator do Grupo Ponto de Partida desde 1990, quando tinha apenas 5 anos. Como ator já participou de mais de 20 espetáculos. Como músico, Pablo Bertola é formado pela Bituca - Universidade de Música Popular em violão, com Gilvan de Oliveira; em canto com Babaya; e em harmonia e arranjo com Ian Guest. Em 2002, participou do CD Pietá, de Milton Nascimento. Desde 2012, Pablo é gestor e diretor musical dos grupos Ponto de Partida e Meninos de Araçuaí. Em 2005, o artista lançou “O Menino e o Poeta”, seu primeiro trabalho solo, com 20 músicas autorais inéditas, com direção musical e arranjos 

 

 

5 5 2022 minibdmg

Imagem: Lorena Din

Grande Galeria Alberto da Veiga Guignard recebe obras em grandes dimensões que revelam o brilhantismo e domínio do artista na técnica da aquarela

Após ocupar o Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo, e a Fundação Iberê, em Porto Alegre, a exposição Nemer – aquarelas recentes chega ao Palácio das Artes. A partir do dia 19 de abril até 5 de junho de 2022, a Grande Galeria Alberto da Veiga Guignard recebe as formas orgânicas e geométricas do artista mineiro José Alberto Nemer, expressadas por meio de uma coleção de telas criadas durante dois anos de trabalho, a maior parte durante o período de isolamento social. Com curadoria de Agnaldo Farias, a mostra itinerante reúne trabalhos inéditos – 30 obras em dimensões médias e grandes, e uma série de 23 conjuntos, intitulada Geometria Residual, que reúne aquarelas pequenas e fotografias.

Pertencente à geração dos chamados Desenhistas Mineiros, que se afirmou no cenário da arte brasileira, a partir da década de 1970, Nemer ocupa mais uma vez a Grande Galeria com uma individual. Além de apresentar um trabalho virtuoso, a exposição reafirma a importância de uma mostra que dá vazão exclusiva à expressão artística da aquarela, a qual Nemer mostra brilhante domínio.

Para Agnaldo Farias, os trabalhos de Nemer propiciam um intermitente confronto entre uma orientação construtiva e um impulso orgânico. Diluídos na água, seus pigmentos correm pela folha, adivinhando suas minúsculas fissuras e revelando o acidentado da topografia do papel. Produzidas sobre papel francês, as aquarelas revelam quadrados, retângulos, grelhas, hachuras, círculos, trapézios, elipses, cruzes e arcos, que se entrelaçam em diferentes formatos e configurações. Nemer – aquarelas recentes consolida a bem-sucedida iniciativa de estimular e divulgar as artes visuais mineiras, campo no qual Minas Gerais alcança destaque histórico no país.

Aceitar o imprevisível
Da ideia até a concepção, a exposição a ser apresentada na Grande Galeria é resultado de uma curadoria atenta, feita por Agnaldo Farias, também responsável por organizar a última exposição de Nemer, em 2019. “A exposição reúne dois anos de trabalho, a maior parte produzida durante a pandemia. Foi um momento solitário e altamente reflexivo”, conta o artista. “A mostra atual reúne trabalhos inéditos, cerca de 30 obras em dimensões médias, de 100 por 100 centímetros, e grandes, de 150 por 200 centímetros. Inclui ainda a série Geometria Residual, 23 conjuntos com um diálogo entre aquarelas pequenas, de 10 por 7 centímetros, e fotos”, explica o artista.

Ao contar sobre seu processo de criação, Nemer destaca a importância da aquarela em sua trajetória pessoal e profissional. “Não exagero quando digo que a aquarela me ensina a viver. Me ensina a aceitar o imponderável. A aquarela obedece ao controle da criação até certo ponto. A partir daí ela se torna indomável. O pigmento com água numa superfície grande e branca do papel tem um comportamento imprevisível. O desafio está justamente em incorporar o aleatório, transformar a surpresa em linguagem”.

O trabalho de Nemer é construído a partir de um olhar gestual, que une a geometria às manchas, o previsível ao imprevisível. “Às vezes eu começo construindo uma geometria, que na metade acaba se desconstruindo; é quando você reconhece que a aquarela é indomável, escorre até onde ela quer escorrer e o pigmento se concentra onde sequer imaginávamos. Todos os deslizes, todos os ‘erros’ são incorporados e fazem parte do processo não só da aquarela, mas da arte como um todo”, diz Nemer.

Arte e psicanálise
Nas telas de Nemer, o preto chama a atenção, uma cor pouco usada na técnica e terminantemente proibida na época em que estudou na Escola de Belas Artes: “Durante o curso, senti uma atração muito grande pela aquarela como técnica. Cada vez que eu começava a pintar, os professores vinham e diziam: ‘a aquarela tem que ser mais transparente, e você está pesando muito. Isso aí está mais para guache do que para aquarela’. Outras vezes colocava um preto, e eles voltavam e falavam: ‘atenção, nunca se usa o preto na aquarela’. Foi aí que guardei a aquarela e me dediquei ao desenho. Os anos passaram e, em um processo terapêutico, resolvi fazer algumas reflexões desenhadas e com aquarela. E, sintomaticamente, comecei pelo preto e nunca mais parei”, conta.

Foi por meio da psicanálise que a aquarela entrou na vida do artista. “Perguntei à analista se podia fazer um relatório usando aquarelas, e a técnica se adequou à minha introspecção e silêncio, ao meu temperamento. Domou a vontade de controle sobre tudo”, conta. A partir daí veio a primeira série, intitulada “Ilusões Cotidianas”, exposta, nos anos 1980, em São Paulo e na Bienal de Cuba.

Atmosfera intimista – Segundo o artista, o público será apresentado a uma exposição que se desvela em seus mistérios e sutilezas. A expografia da Grande Galeria foi pensada com o intuito de cumprir esse papel. “A exposição tem uma atmosfera intimista, de câmera, e não de orquestra grandiloquente. A produção do espaço, com pessoas sensíveis, tem sido muito atenta a esse detalhe. Experiências anteriores me mostraram o quanto os visitantes se sensibilizam quando veem algo em surdina. Elas até falam baixo, se envolvem com aquilo que está sendo mostrado. Esta é uma recompensa para o artista, o fato de mostrar a obra e sentir que ela é vista como se deve”, conta Nemer.

Por fim, como artista visual mineiro, Nemer destaca a importância da gestão cultural pública, essencial na consolidação do percurso profissional dos artistas. “O panorama da cultura brasileira é muito rico, mas as políticas públicas, no geral, têm dificuldade de acompanhar. Esse é um desafio constante que todo artista brasileiro tem”, conta o artista. Dentre os caminhos que percorreu, a mostra Nemer - aquarelas recentes contribui de forma significativa em sua trajetória. “A exposição que chega agora ao Palácio das Artes, depois de passar pelo Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo, e pela Fundação Iberê, em Porto Alegre, é um exemplo positivo de acolhida por parte das instituições. Todos os três espaços fazem um trabalho sério e dinâmico e que devem servir de parâmetro quando se fala em gestão cultural”, comenta.

Nemer
José Alberto Nemer é artista plástico e doutor em Artes Plásticas pela Université de Paris VIII. Lecionou em universidades brasileiras e estrangeiras, como a UFMG (1974 a 1998) e a Université de Paris III-Sorbonne (1974 a 1979). Pertencente a geração dos chamados desenhistas mineiros, que se afirmou no cenário da arte brasileira a partir da década de 1970, Nemer participa de salões e bienais no Brasil e no exterior. Sua obra obteve, entre outros, o Prêmio Museu de Arte Contemporânea da USP (1969), Prêmios Museu de Arte de Belo Horizonte (1970 e 1982), Prêmios Museu de Arte Contemporânea do Paraná na Mostra do Desenho Brasileiro, (1974 e 1982), Grande Prêmio de Viagem à Europa no Salão Global (1973), Prêmio Museu de Arte Moderna de São Paulo no Panorama da Arte Brasileira (1980), entre outros.

Ministério do Turismo, Governo de Minas Gerais, Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, por meio da Fundação Clóvis Salgado, apresentam a exposição Nemer – aquarelas recentes, que tem correalização da APPA - Arte e Cultura, patrocínio máster da Cemig, ArcellorMittal, Instituto Unimed-BH, AngloGold Ashanti e Usiminas,  e patrocínio prata da Vivo, por meio das Leis Estadual e Federal de Incentivo à Cultura. Tem apoio cultural do Instituto Hermes Pardini.

A Fundação Clóvis Salgado é integrante do Circuito Liberdade, complexo cultural sob gestão da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) que reúne diversos espaços com as mais variadas formas de manifestação de arte e de cultura em transversalidade com o turismo.

 

 

8 4 2022 miniexposicao

Imagem: Rafael Motta

Prazo para peticionamento se encerra em 9 de maio

A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, por meio da Superintendência de Fomento Cultural, Economia Criativa e Gastronomia, publicou na quarta-feira (4/5), o resultado final do Edital Exibe Minas – Premiação Pessoa Física. Ao todo, foram aprovados 40 projetos que abordam diferentes propostas na cadeia de exibições e circuitos do audiovisual mineiro. A lista completa com os proponentes classificados pode ser consultada AQUI.

Os aprovados devem encaminhar a documentação conforme item 17. DA HABILITAÇÃO DO PROPONENTE do edital, por meio de PETICIONAMENTO DE HABILITAÇÃO, via Sistema Eletrônico de Informações (SEI!), no prazo de cinco dias, a contar da data de publicação do resultado final. O prazo se encerra às 23h59 de segunda-feira (9/5). Para que a documentação seja inserida, o proponente deve se cadastrar no SEI! e, após o cadastro aprovado, abrir peticionamento no sistema.

O Edital Exibe Minas – Premiação Pessoa Física foi viabilizado com recursos do Fundo Estadual de Cultura (FEC) e aperfeiçoado após entendimento entre o poder público, integrantes do Conselho Estadual de Política Cultural (Consec) e articuladores da sociedade civil ligados às áreas de Cinema e correlatas. Os proponentes aprovados receberão o valor bruto de R$ 65 mil (cada) para a execução dos projetos.

 

 

 

Um álbum de música de câmara contemporânea feito e interpretado por mulheres

De que modo as mulheres compositoras expressam suas ideias no mundo de hoje? Que temas têm provocado suas composições? E na passagem do século XIX ao XX? Como os processos culturais de diferentes épocas influenciam sonoridades, estéticas musicais e ganham forma no conjunto de instrumentos violino, viola, violoncelo e piano? Hoje, 100 anos após a Semana de Arte Moderna e sua manifestação em oposição à cultura e à arte de teor conservador, qual a participação de mulheres compositoras no universo da música erudita? Atentas às brumas do futuro, às fúrias da banalização da vida neste século XXI e à busca por respostas a essas perguntas, as musicistas do Quarteto Boulanger – Jovana Trifunovic (violino/Sérvia), Flávia Motta (viola/Brasil), Lina Radovanovic (violoncelo/Sérvia) e Ayumi Shigeta (piano/Japão – lançam, neste mês de abril, o CD Entre brumas e fúrias, álbum de música de câmara contemporânea, feito e interpretado por mulheres. O lançamento do disco será no dia 9 de abril, às 18h, na Fundação de Educação Artística – FEA, em Belo Horizonte (MG), com ingressos a R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia), e, nos dias 19 e 21 de abril, na Praça das Artes – Sala do Conservatório, no complexo do Theatro Municipal de São Paulo, com ingressos a R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia).

O Quarteto Boulanger é formado pelas musicistas Jovana Trifunovic (violino/Sérvia), Flávia Motta (viola/Brasil), Lina Radovanovic (violoncelo/Sérvia) e Ayumi Shigeta (piano/Japão). Todas com vasta experiência internacional, as quatro acabaram se encontrando no Brasil por meio da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais. A convivência de quase uma década e a vontade de criar sons na intimidade da música de câmara motivaram, em 2016, a formação do Quarteto e, já em 2017, a gravação do álbum Folhagens, com obras do compositor contemporâneo Harry Crowl.

O nome do grupo é uma expressa homenagem a uma das maiores mulheres da História da Música, a compositora, regente e professora Nadia Boulanger (França, 1887-1979). Cada vez mais inspiradas em Boulanger, as quatro componentes do grupo têm buscado, com suas visões e ideias sobre o trabalho musical em nível de excelência, incrementar a pesquisa e a divulgação do campo composicional feminino para sua formação musical.

“Todas nós levamos cerca de 20 anos tocando música erudita de diferentes gêneros e estilos, tanto no Brasil quanto no exterior. São programas sempre muito variados, com compositores famosos e, também, compositores pouco conhecidos. Mas a verdade é que, poucas vezes, compositoras, mulheres, fizeram parte do enorme repertório que já ensaiamos e tocamos”, relata a violista do Quarteto, Flávia Motta.

Tornou-se um desafio mundial conquistar a escuta de múltiplas vozes nas sociedades modernas e isso se reflete na música de concerto. Em recente pesquisa da Fundação Donne (donne-uk.org), com sede em Londres, dentre 100 orquestras de 27 países analisados na temporada 2020-2021, apenas 5% das 14.747 obras apresentadas foram compostas por mulheres. Mais ainda: apenas 1,11% das peças foram compostas por mulheres negras e asiáticas. Outro dado alarmante é que, de todo o repertório, somente 2,43% corresponde a obras compostas por homens negros e asiáticos. “A história — diz o chefe executivo da Royal Philharmonic Society, James Murphy — fez o brilhante trabalho de nos fazer pensar que a música clássica é branca e masculina. Não é”.

É nesse contexto que o próprio álbum Entre brumas e fúrias foi ganhando forma e estimulando as musicistas do Quarteto Boulanger a gravar/encomendar cinco peças a cinco compositoras brasileiras, com idades entre 37 e 88 anos. “Cada uma tem seu próprio estilo, sua própria linguagem. E cada uma também nos ofereceu um tema diferente, sem que a gente tivesse pedido que fosse assim, seja nas duas obras que já estavam prontas — mas ainda inéditas —, seja nas obras encomendadas especialmente para esse trabalho”, comenta Flávia Motta. Ao final, diz a pianista Ayumi Shigeta, “juntas, compositoras e intérpretes tornamos visíveis e audíveis nossas visões musicais e percepções sobre a época em que vivemos. Creio que, dessa forma, podemos contribuir para a descoberta de outras nuances e formas de interpretação da vida e da arte”.

Gravado com recursos do Fundo Municipal de Cultura de Belo Horizonte, o CD estará disponível, nas principais plataformas de streaming, a partir de 9 de abril, data do lançamento. No Brasil, o álbum será distribuído pela Tratore, que disponibiliza a venda pelo site www.tratore.com.br, no valor de R$ 20, assim como nas lojas digitais (amazon.com.bramericanas.com e submarino.com, dentre outras) e nas lojas especializadas, como Acústica CD (rua Fernandes Tourinho, 300, Savassi) e Discoplay (rua Tupis, 70, Centro), em Belo Horizonte (MG).

O Quarteto Boulanger
Formado pelas musicistas Jovana Trifunovic (violino/Sérvia), Flávia Motta (viola/Brasil), Lina Radovanovic (violoncelo/Sérvia) e Ayumi Shigeta (piano/Japão), todas com vasta experiência internacional. As quatro acabaram se encontrando, no Brasil, por meio da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais. A convivência de quase uma década e a vontade de criar sons na intimidade da música de câmara motivaram, em 2016, a formação do Quarteto e, já em 2017, a gravação do álbum Folhagens, com obras do compositor contemporâneo Harry Crowl.

Entre brumas e fúrias é o segundo álbum do Quarteto, e foi gravado em setembro de 2021, em Belo Horizonte, no estúdio New Doors Vintage Keys, sob a direção artística e de gravação de Dirceu Saggin. Além do álbum e do concerto de lançamento, realizados com recursos do Fundo Municipal de Cultura de Belo Horizonte (Lmic-PBH/2020), o projeto desenvolveu uma série com três episódios sobre música “tradicional” e “não convencional”. Os vídeos estão disponíveis no canal YouTube do Quarteto e trazem os temas “música contemporânea”, “mulheres e música de câmara” e “vida & arte”.

 

Serviço:
Lançamento CD “Entre brumas e fúrias” – Quarteto Boulanger
Belo Horizonte (MG) – 9 de abril, às 18hLocal: Fundação de Educação Artística – FEA - Sala Sérgio Magnani
Dia 9 de abril, às 18h – Evento presencial
Ingressos RS 10 (inteira) e R$ 5 (meia)
Vendas na bilheteria da FEA 1h antes do evento (Rua Gonçalves Dias,320 – Funcionários – Belo Horizonte/MG)
Classificação livre

 

 

8 4 2022 miniquarteto

Imagem: Alexandre Rezende

Durante o “Encontros com a arte e a cultura de Minas Gerais”, foram debatidos temas ligados ao incentivo da área

Com a proposta de ampliar o diálogo com os diversos setores que compõem a cadeia produtiva da cultura em Minas, a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) realizou mais uma edição do “Encontros com a arte e a cultura de Minas Gerais”. Dessa vez, os gestores da pasta se reuniram, no Palácio da Liberdade, na quarta-feira (4/5), com representantes da Moda, segmento que se desdobra em diferentes aspectos sociais e econômicos em Minas.

O encontro contou com a participação do subsecretário de Cultura, Igor Arci, da diretora de Articulação e Integração Cultural da Secult, Natalie Oliffson, e de membros do Conselho Estadual de Política Cultural (Consec). Integrantes da iniciativa privada, de entidades parcerias e outras instituições também participaram da reunião, que contou, ainda, com diversos representantes da sociedade civil organizada.

Para o subsecretário de Cultura, Igor Arci, o setor da Moda é um importante segmento para a estruturação da economia criativa em Minas Gerais. “A moda mineira é, para além de uma indústria reconhecida nacionalmente por sua excelência, um potente setor que gera emprego e renda para diversos profissionais. É importante que haja iniciativas e ações mais estruturadas em políticas públicas para contemplar, cada vez mais, esse segmento”, disse.

Um setor múltiplo
A moda produzida em Minas Gerais é uma das mais relevantes no país. A diversidade cultural do estado contribui para que o setor se estruture em diferentes segmentos e amplie, ainda mais, a atuação e a projeção de indicadores econômicos. Para o geógrafo, Paulo Armando, é necessário lembrar que a moda mineira deve ser compreendida como uma potente cadeia produtiva.

“Atuo com gemas e joias, e essa produção de Minas Gerais é reconhecida no país inteiro e em alguns lugares do mundo. A moda feita aqui no nosso estado não se resume apenas ao vestuário. Fortalecer esse braço da moda, que é a produção de joias e gemas, envolve capacitação, qualificação e reconhecimento dos profissionais que atuam nessa área, que é um ofício muito importante na estrutura da indústria”, destacou.

O designer Ronaldo Silvestre lembrou aos participantes do Encontro sobre questões ligadas à sustentabilidade, ao meio ambiente e à valorização do setor para diminuir as desigualdades sociais. “A moda está além da passarela e da vestimenta. A gente precisa olhar para esse setor e entendê-lo como uma ferramenta social, que gera emprego, aumenta a renda das famílias e transmite saberes”, pontuou.

 

 

 

4 5 2022 miniencontros

Sessão presencial do tradicional Cinema e Psicanálise, no dia 6 de maio (segunda-feira), às 19h, no Cine Humberto Mauro, exibe o clássico Laranja Mecânica (1971), de Stanley Kubrick, com debate e comentários após a sessão com a presença de Antônio Teixeira

Entre os dias 15 de abril e 8 de maio, a Fundação Clóvis Salgado, por meio do Cine Humberto Mauro, exibe uma mostra inédita em homenagem ao icônico cineasta norte-americano Peter Bogdanovich. A programação percorre por diversos filmes relevantes da carreira do diretor e, consequentemente, da história do cinema.

Falecido em janeiro de 2022, Peter Bogdanovich marcou a história do cinema como um dos grandes autores e historiadores da sétima arte. O norte-americano é também reconhecido como um dos maiores nomes na busca pela preservação da história do cinema, realizando grandiosos trabalhos de repertório de crítica e resgate cinematográficos ao longo de sua trajetória. A mostra homenageia a célebre carreira do diretor, exibindo os seus filmes de maior destaque em conjunto com obras clássicas dos gêneros Screwball Comedy, melodrama e faroeste.

O público também terá a oportunidade de conferir as tradicionais sessões Cinema e Psicanálise e História Permanente do Cinema, seguidas de debates presenciais e on-line no canal do Youtube da Fundação Clóvis Salgado. Com entrada gratuita, os ingressos serão distribuídos durante o horário de funcionamento da bilheteria, no dia de cada sessão, com lotação máxima do cinema de 133 lugares, além de quatro espaços reservados para cadeirantes.

Nova Hollywood
Bogdanovich fez parte de uma geração de realizadores que também eram estudiosos e pensadores da sétima arte, abordando em seus filmes homenagens à história do cinema, além de inovações e aprimoramentos no objeto da linguagem. “A relevância de Bogdanovich para a história do cinema é muito ligada à geração da Nova Hollywood. Ele fazia parte do conjunto de cineastas que ajudou a mudar a cara dos filmes que estavam sendo feitos em Hollywood, que vinha de uma grande crise nos anos 1960. A partir daí, existiram diversas vanguardas cinematográficas que mudaram a perspectiva do Cinema Clássico. Essa geração tem a característica de ser cinéfila, de refletir e escrever sobre cinema e depois realizar seus próprios filmes, sempre em um tom de homenagem ao cinema e de atualização dos novos tempos, que decorriam de diversas mudanças sociais. Dentro dessa linhagem, o Bogdanovich é um dos mais lembrados. Muito por seu trabalho de resgate cinematográfico, de organização de retrospectivas, além de entrevistas com cineastas que não eram tão reconhecidos, colocando-os no patamar de autores. Ele possuía essa visão do diretor de cinema como autor, algo que surgiu muito nos anos 1960”, explica Vítor Miranda, da Gerência do Cine Humberto Mauro.

Relevância contemporânea
O diretor coleciona uma série de admiradores emblemáticos do cinema contemporâneo. Nomes como Wes Anderson e Quentin Tarantino são fãs confessos e desfrutam dos ensinamentos deixados pelo cineasta na produção de seus próprios filmes. Para Vítor Miranda, a geração de Bogdanovich é a conexão entre o Cinema Clássico e o cinema contemporâneo. “Os diretores contemporâneos que são influenciados por essa geração, especificamente, pelo Bogdanovich, como Wes Anderson, Quentin Tarantino e Noah Baumbach, são diretores extremamente inspirados por essa ponte entre o Cinema Clássico e o cinema contemporâneo. Neste ano de seu falecimento, muitos diretores manifestaram-se a respeito, dizendo o quanto a carreira do cineasta foi importante para os seus próprios filmes. Ele continua extremamente relevante para quem gosta de cinema, muito porque pertenceu a Nova Hollywood, uma geração que até hoje é imensamente celebrada”, cita Vítor.

Filmes que contam a história do cinema
A programação da mostra percorre filmes extremamente relevantes e imprescindíveis para a história do cinema. Buscando não apenas homenagear os feitos de Bogdanovich como diretor, mas também como um grande pesquisador e crítico que se empenhava na preservação e restauração da arte. “Além de exibir os seus principais filmes, também vamos fazer uma homenagem ao seu trabalho como historiador, crítico e cinéfilo. Vamos fazer algumas sessões combinadas com seus filmes e como eles dialogam com o Cinema Clássico e com filmes que ele era muito fã, além de filmes que o inspirou a fazer os seus próprios. Bogdanovich também possui filmes de terror, além de partir para uma linha da Screwball Comedy e do melodrama, sempre com tom nostálgico, de referências a outras épocas cinematográficas e a diretores que ele admirava. A mostra também possui um documentário que ele realizou sobre John Ford, além de filmes dele que foram pouco vistos e comentados. Também vamos exibir os grandes destaques da sua carreira, como ‘A Última Sessão de Cinema’, ‘Lua de Papel’ e ‘Essa Pequena é uma Parada’. Também há filmes que ele realizou que não necessariamente foram sucesso de público, mas que estão sendo redescobertos hoje em dia. Depois que Bogdanovich faleceu, existe esse movimento de retornar e pensar a obra dele com o mundo de hoje e com outro viés”, finaliza Vítor Miranda.

Debates e sessões comentadas
As tradicionais sessões dos encontros Cinema e Psicanálise e História Permanente do Cinema também estão presentes na mostra. As sessões comentadas iniciam-se no dia 25 de abril (segunda-feira), às 19h, com um encontro on-line abordando o longa Duas Vidas (1939), de Leo McCarey, através do canal do YouTube da FCS, com a presença de Vítor Miranda.

No dia 28 de abril (quinta-feira), às 17h, a mostra conta com um debate presencial, no Cine Humberto Mauro, do filme Rio Vermelho (1948), de Howard Hawks. Já no dia 2 de maio (segunda-feira), os encontros do HPC encerram-se com a sessão comentada d’A Face Oculta (1961), de Marlon Brando, através do canal do YouTube da FCS, com a presença de Wallace Andrioli. A mostra também conta com uma sessão presencial do tradicional Cinema e Psicanálise, no dia 6 de maio (segunda-feira), às 19h, no Cine Humberto Mauro, com debate e comentários após a sessão do clássico Laranja Mecânica (1971), de Stanley Kubrick, com a presença de Antônio Teixeira.

Confira a programação completa da mostra AQUI.

Ministério do Turismo, Governo de Minas Gerais e Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, por meio da Fundação Clóvis Salgado, apresentam a mostra Homenagem a Peter Bogdanovich que tem correalização da APPA – Arte e Cultura, patrocínio master da Cemig, ArcellorMittal, Instituto Unimed-BH, AngloGold Ashanti e Usiminas, por meio das Leis Estadual e Federal de Incentivo à Cultura, além do apoio cultural do Instituto Hermes Pardini. 

A Fundação Clóvis Salgado é integrante do Circuito Liberdade, complexo cultural sob gestão da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) que reúne diversos espaços com as mais variadas formas de manifestação de arte e de cultura em transversalidade com o turismo.

 

8 4 2022 minichm

Na busca de contribuir com a preservação da tradicional Festa de Santa Cruz em Ouro Preto, comemorada desde 1735 quando o município ainda era Vila Rica, a Fundação de Arte de Ouro Preto|FAOP desenvolveu uma oficina de ornamentação de cruz. A atividade foi ministrada pela professora e artista plástica Ana Célia Teixeira, com a turma do curso de Bordado, do Núcleo de Arte e Ofícios.

A Festa de Santa Cruz, também conhecida como “Festa do Amendoim", é uma celebração tradicional em Ouro Preto, que ocorre, principalmente, no bairro Antônio Dias. Na ocasião, os cruzeiros das ruas são enfeitados com flores, papéis coloridos e fitas. As portas das casas também ganham suas próprias cruzes ornamentadas.

A FAOP apoia essa expressão cultural há muitos anos, mas desde 2020, com a chegada da pandemia, precisou adaptar as conhecidas oficinas, onde diversas cruzes eram adornadas e preparadas para a festa, para o universo online. A solução, então, foi criar vídeos tutoriais, que contavam também a história da comemoração e convidar a comunidade para repetir os processos em casa. Os vídeos estão disponíveis nas redes sociais da fundação.

Neste ano, com a liberação de atividades presenciais, a instituição voltou a promover a oficina. “Para mim, essa tradição convoca uma memória muito linda da minha infância. São cruzes sempre alegres. É também um ritual de fé. Faço questão de todos os anos realizar essa oficina”, diz Ana Célia.

Conheça a Festa de Santa Cruz
Para a Igreja Católica, 3 de maio representa a data da descoberta da Cruz de Cristo por Santa Helena. Ainda simboliza a recuperação da mesma Cruz depois de séculos por Heráclio, e por isso é comemorado o Dia de Santa Cruz.

Acredita-se que a tradição tenha chegado em Ouro Preto no século 18, sendo uma das mais antigas celebrações da cidade. Na data, os moradores costumam enfeitar as cruzes de suas casas, cruzeiros dos bairros e até pontes nas ruas ou fazendas como símbolo de fé e devoção. Esperam com isso espantar os males que ali rondam, e trazer saúde e proteção às suas famílias. Além dos adornos, fiéis também depositam votos e intenções.

Em Ouro Preto, a festa passou a ser chamada também de Festa do Amendoim ou Festa da Ponte, contando com apresentações musicais, barraquinhas de comidas típicas, além de missas e procissões pelas ruas. A FAOP, em 2006, se propôs a realizar um resgate cultural junto às associações de bairro ao perceber que a tradição de ornamentação das cruzes estaria se perdendo em meio às comemorações. Desde então, promove oficinas e está presente na programação como forma de preservar a história da comunidade e a rica expressão cultural.

Ana Célia conta que tem forte memória dessa época na sua infância, e que o ponto alto da festividade, em termos de tradição e cultura, é a união da comunidade, das famílias, a possibilidade de colocar em prática a criatividade e o modo como a tradição é renovada.

Mineiridade
Lançado em março pela Secult-MG, o Ano da Mineiridade celebra as raízes de Minas Gerais e de seu povo. O estado oferece rica cultura que atravessa séculos e gerações e alcança a contemporaneidade. A tradição de enfeitar cruzes nos dias 02 e 03/05 faz parte do que é compreendido, portanto, como Mineiridade, que abrange a intensa diversidade artística, cultural e turística do estado.

 

 

3 5 2022 minifaop

Atração estreia com cozinha mineira e tradições culturais em programa que é exibido em duas partes, nos dias 08 e 15 de abri

O “Ano da Mineiridade” começa no Brasil das Gerais, da Rede Minas. A temática é apresentada no programa em uma edição especial por mês. Com foco em regionalidade, comportamento e tradição, a atração vai destacar o patrimônio de Minas Gerais e os mineiros. Para estrear o especial, o Brasil das Gerais traz a cozinha mineira e as tradições regionais para o debate. Dividido em duas partes que serão exibidas nos dias 8 e 15 de abril, o programa recebe as chefs Rosilene Campolina e Márcia Nunes, além de outros convidados. Em um bate-papo com a jornalista Patrícia Pinho, elas confirmam os versos de José Duduca de Moraes e provam que quem conhece Minas Gerais “não esquece jamais”.

Pode-se dizer que o mineiro “prende pela boca”. A expressão confirma aquilo que moradores e turistas conhecem: o sabor da cozinha mineira. A valorização entrou na pauta do governo, que deu início ao processo de reconhecimento da culinária como patrimônio. A riqueza dos ingredientes e pratos estão na edição de estreia do “Ano da Mineiridade”, do Brasil das Gerais, desta sexta (08). Além de Rosilene Campolina e Márcia Nunes, o programa ainda conta com a participação de produtores do sul de Minas. A atração traz os depoimentos de Gláucio Peron, produtor de doces de Poços de Caldas que fez uma iguaria de abóbora de 633 quilos e entrou no livro dos recordes, e Osvaldinho Filho, de Alagoa, premiado na França com o queijo artesanal.

A riqueza cultural é tema da segunda parte do especial deste mês, “Ano da Mineiridade”, no dia 15/04. As tradições mineiras ganham espaço no programa. Márcia Nunes, que também é historiadora, tempera o assunto com o seu livro “Festa do Rosário do Serro”. A atração traz, também, depoimentos de Fabiano Rabelo, caboclo da Festa do Rosário do Serro, e a varginhense Angelina Almeida, que herdou do pai a tradição da cabaça, do plantio à produção de peças artesanais.

Ano da Mineiridade
Lançado em março, o Ano da Mineiridade é uma iniciativa do Governo de Minas Gerais e da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) para exaltar Minas Gerais e as características únicas pelas quais o povo mineiro é reconhecido.

Sob o comando de Patrícia Pinho, o especial “Ano da Mineiridade” no programa Brasil das Gerais, será exibido mensalmente. A edição de estreia, dividida em duas partes, vai ao ar às sextas, dias 08 e 15 de abril, às 13h, pela Rede Minas e no site da emissora: redeminas.tv. Após a exibição, o público pode conferir a atração pelo YouTube: youtube.com/brasildasgerais.Serviço:Brasil das Gerais: Ano da Mineiridade (edições mensais)Cozinha mineira e tradições culturais – às sextas, dias 8 e 15 de abril, às 13h, pela Rede Minas e redeminas.tv

COMO SINTONIZAR:redeminas.tv/comosintonizarA Rede Minas está no ar no canal 9 (VHF); Net 20 e Net HD 520; Vivo 9; e através do satélite Brasilsat C2 para a América Latina.ACESSE AS REDES SOCIAIS:www.redeminas.tvfacebook.com/redeminastvinstagram.com/redeminastvtwitter.com/redeminasyoutube.com/redeminas

 

8 4 2022 miniredeminas

Objetivo é fortalecer os setores da cultura e do turismo no corredor da Rota Via Liberdade

Com a proposta de fortalecer as diversas manifestações culturais em Minas Gerais, a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult), por meio da Superintendência de Fomento Cultural, Economia Criativa e Gastronomia, publicou na edição de hoje (29/4) do Diário Oficial do Estado, o edital Via Liberdade. Ao todo, será destinado R$ 1 milhão em recursos diretos do Fundo Estadual de Cultura a projetos de pessoas físicas que dialoguem com a Rota Via Liberdade.

A iniciativa tem o objetivo de fomentar a realização de oficinas e ações de capacitação de curta duração para a capacitação de profissionais, artesãos, mestres de ofícios entre outros atores da cadeia produtiva da cultura em Minas Gerais. De acordo com o secretário de estado de Cultura e Turismo, Leônidas Oliveira, o foco desse edital é aperfeiçoar e capacitar práticas dos agentes que atuam diretamente no corredor cultural da Rota Via Liberdade.

“Para além de lançarmos a maior rota turística do Brasil, estamos capacitando a grande cadeia produtiva do setor cultural no estado. Por meio dessa iniciativa, por exemplo, teremos uma grande profissionalização das diversas atividades que fazem parte do setor, e isso é muito positivo, pois, assim, fomentamos um turismo e uma cultura cada vez mais bem estruturados e profissionalizados em nosso estado”, destaca Leônidas Oliveira.

Propostas e categorias
Serão contempladas 50 propostas artístico-culturais em duas categorias. Na Categoria I, poderão ser inscritos projetos destinados à oferta gratuita de ações ou atividades educativas, formativas ou de aperfeiçoamento e qualificação em artes plásticas e ofícios, em áreas como gravura, desenho, pintura, fotografia e atividades tradicionais, incluindo ofícios ligados à construção civil.

Já na Categoria II podem ser inscritas as propostas que estão ligadas às ações ou às atividades educativas, formativas ou de aperfeiçoamento e qualificação profissional na área do patrimônio cultural. Os proponentes dessa categoria poderão submeter projetos destinados à conservação, ao patrimônio, às manifestações culturais, ao artesanato e à cozinha mineira.

O edital completo e os anexos e demais documentações estão disponíveis para consulta AQUI.

Inscrições
As inscrições de propostas poderão ser entre 14 de maio e 13 de junho, na Plataforma Digital de Fomento e Incentivo à Cultura da Secult. Cada um poderá inscrever apenas um projeto no edital, e a validação dos inscritos estará sujeita a critérios de seleção, como comprovada atuação no setor cultural, além de capacitação para projetos que estão voltados à formação e à qualificação profissionais. Todos os projetos serão avaliados pela Comissão Paritária Estadual de Fomento e Incentivo à Cultura (Copefic).

Os premiados receberão R$ 20 mil (brutos) para a execução dos projetos. As propostas deverão ser realizadas de forma presencial, podendo ser retransmitida de forma virtual, desde que o acesso à gravação esteja disponível de forma permanente e gratuita. Os contemplados no edital deverão observar as medidas vigentes de prevenção à pandemia de COVID-19, publicadas em âmbito federal, estadual e municipal.

 

 

29 4 2022 minieditalvialiberdade

Imagem: Pedro Vilela

 

 

 2 dia WTM

Equipe compartilhou com agentes e operadores turísticos as iniciativas da pasta no contexto de pós-pandemia O segundo dia da WTM Latin America 2022 foi marcado por uma série de ações formativas e capacitações realizadas pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult). Na quarta-feira (6/4) a equipe da pasta apresentou aos participantes as iniciativas para a promoção do Destino Minas Gerias. Entre os assuntos abordados durante as palestras, detalhes sobre a Via Liberdade, Destinos Impactados e a Mineiridade. Voltadas a agentes de turismo e operadores do trade no país, as ações evidenciaram, principalmente, o reposicionamento de Minas Gerais como principal destino de visitas no contexto de retomada das atividades turísticas pós-pandemia. Um dos exemplos é a Via Liberdade, maior eixo cultural e turístico do Brasil, ligando os estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro, Goiás e o Distrito Federal, em mais de 1.179 quilômetros na BR-040. A rota, que será apresenta ao público na segunda quinzena de abril, integra as comemorações do bicentenário da Independência do Brasil, além de promover destinos estratégicos das quatro regiões que estão ligadas pela via. A proposta também contempla o redescobrimento de destinos brasileiros por meio das belezas naturais ao longo do percurso e as atrações culturais que envolvem o patrimônio brasileiro. Para a secretária de estado adjunta de Cultura e Turismo, Milena Pedrosa, a participação na WTM é uma ação fundamental para o reposicionamento de Minas. “O estado tem se recuperado de forma sólida no setor turístico, e isso é muito positivo, já que o turismo foi um dos segmentos mais afetados pela pandemia. Estamos aqui na WTM para compartilhar nossa expertise no sentido de recuperação e, ao mesmo tempo, ofertar ao trade o que temos de melhor como povo e como destino”, destacou. As capacitações realizadas também contemplaram a Mineiridade como produto turístico. Durante a palestra “A Mineiridade embalada para o turismo”, os técnicos da superintendência de marketing turístico (SMT), da Secult, destacaram a assinatura mineira como principal atrativo do estado. Em 2022, Minas Gerais celebra o Ano da Mineiridade com uma programação especial, reunindo diversas ações turísticas e culturais. Leia Mais: Mineiridade é o diferencial turístico de Minas Gerais na WTM Latin America 2022Ainda, na programação do segundo dia da WTM, os destinos mineiros impactados por tragédias foram destaque. Na palestra “Redescubra Minas Gerais”, a capacitação evidenciou projetos e programas de retomada turística em destinos como Mariana, Capitólio e Brumadinho. Após diversas ações para a recuperação, os municípios voltaram a figurar na rota de destinos mais procurados pelos turistas. 
Para a agente de viagens Edna Veloso, que participou das três capacitações do dia, a iniciativa da Secult foi fundamental para entender a diversidade que Minas Gerais oferece como destino turístico. “Eu já sabia que Minas tinha se recuperado muito bem nesse cenário de retomada e as pessoas andam curiosas. Mas conhecer mais do estado, principalmente a Via Liberdade, é um diferencial que eu posso oferecer aos meus clientes”, disse. 
Cultura popular no roteiro O segundo dia de WTM foi marcado, novamente, por manifestações culturais que fazem parte da tradição de Minas. O Grupo de Violeiros de Santana dos Montes fez uma apresentação especial para o público. No repertório, diversas composições do cancioneiro popular que encantaram os participantes da feira. No dia anterior, uma grande apresentação de Congado celebrou as influências negras na história de Minas Gerais.

Para fechar o mês de abril com chave de ouro, a programação musical da Rede Minas deste sábado (30) está recheada de atrações especiais nos programas Alto-Falante, Harmonia e Noturno.

O Alto-Falante, apresentado por Terence Machado e Sabrina Damasceno, abre a programação musical às 14h com a entrevista exclusiva da repórter Brenda Marques com o cantor Nasi, vocalista da grande banda de rock Ira. O artista veio a Belo Horizonte participar do festival Rota do Blues, projeto criado em 2014 com o objetivo de incentivar o gênero blues no Brasil. Ele bateu um papo super legal onde falou sobre sua carreira, dos seus projetos paralelos e dos 40 anos da banda paulista. O programa ainda traz no quadro Garimpo, a cantora, compositora e professora de canto Sofia Cupertino, que fala sobre sua carreira e sua trajetória no mundo da música.  

Às 18h, o Harmonia traz um programa inédito com a interpretação de Celso Faria. O músico natural de Passos, interior de Minas, executa pela primeira vez a obra “Lápis de cor”, do grande maestro e compositor brasileiro Ricardo Tacuchian. A gravação foi realizada com exclusividade pela equipa da Rede Minas no Teatro Municipal de Ouro Preto, a Casa da Ópera, o teatro mais antigo em funcionamento da América. 

Dando continuidade a série de apresentações do Savassi Festival, o Noturno encerra a noite com Davi Fonseca Quinteto e Duo Mitre, às 22h. Davi Fonseca Quinteto é pianista, cantor, compositor e arranjador, com forte atuação no cenário independente de Belo Horizonte. O Duo Mitre é formado pelas irmãs Luísa Mitre e Natália Mitre, que tocam juntas desde a infância. Com o disco “Seiva”, ganharam o II Prêmio da Música Popular Mineira na categoria de melhor álbum instrumental.

O público confere os programas Alto-Falante, Harmonia e Noturno pela Rede Minas e no site da emissora: redeminas.tv. 

Serviço:
Rede Minas – sábado 30/04
Alto-Falante, às 14h (apresentação Terence Machado, Sabrina Damasceno e Adriano Falabella)
Harmonia, às 18h (apresentação Luciano Correia)
Noturno, às 22h (apresentação Túlio Mourão)

 

Como sintonizar:
redeminas.tv/comosintonizar

A Rede Minas está no ar no canal 9; Net 20 e Net HD 520; Vivo 9; e através do satélite Brasilsat C2 para a América Latina.

 Acesse as redes sociais:
www.redeminas.tv
facebook.com/redeminastv
instagram.com/redeminastv
twitter.com/redeminas
youtube.com/redeminas

 

29 4 2022 miniredeminas

WTM 22 mini 3

Secretaria de Estado de Cultura e Turismo promove série de ações formativas e promocionais; Evento realizado em São Paulo reúne expositores do mundo todo

Para valorizar a história, as tradições e os costumes do povo mineiro, a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) lançou, em 2022, o Ano da Mineiridade, iniciativa que evidencia o sentimento de orgulho dos mineiros. E é com essa perspectiva que a pasta apresenta, na WTM Latin America seu principal produto turístico para promover o Destino Minas Gerais. O evento, que é realizado no Expo Center Norte, em São Paulo (SP), reúne mais de 500 expositores de 33 países e acontece entre os dias 5 e 7 de abril.

Na abertura do evento, na terça-feira (5/4), a equipe técnica da Superintendência de Marketing Turístico (SPT), da Secult, realizou uma série de capacitações com agentes e operadores do trade turístico. As ações foram baseadas em características típicas do turismo em Minas, que é voltado, principalmente, para atividades culturais. Entre os temas abordados durante os encontros, a Via Liberdade, os Destinos Impactados e a Mineiridade.

Segundo o superintendente de Marketing Turístico da Secult, Antonio Franciso, a presença da secretaria em um evento desse porte é fundamental para reforçar a imagem de Minas Gerais como destino. “Nosso maior diferencial é a Mineiridade, uma iniciativa que celebra Minas Gerais em sua essência. Ofertar esse jeito mineiro de ser é uma forma de dizer que essa é a assinatura de Minas e é por causa dela que os turistas querem nos conhecer”, disse. 

Do turismo de experiência às belezas naturais do estado, a Mineiridade tem sido o principal produto ofertado ao trade presente na WTM. O jeito único pelo qual o povo mineiro é reconhecido em todo o país ganhou ainda mais destaque com as ações da Secult para promover o estado na rota de destinos turísticos. O estande da Secult conta com produtos típicos da cozinha mineira, como os queijos e os cafés do Sul de Minas, além das premiadas cachaças produzidas no estado.

Leia mais:

Secretaria de Estado de Cultura e Turismo lança o Ano da Mineiridade

Para os agentes de viagem e operadores de empreendimentos turísticos, a iniciativa de colocar o jeito mineiro como produto principal da feira é uma ação diferenciada. Para a proprietária de uma agência e turismo, Herika Ribeiro, a hospitalidade de Minas Gerais sempre foi reconhecida e buscada por outros viajantes. “Achei interessante usar a Mineiridade como uma atração turística. O estado de vocês é reconhecido por ser hospitaleiro, e ofertar algo assim é muito diferenciado. O “mineirês”, por exemplo, sempre chama a atenção de quem busca Minas como destino de viagem”, disse.

A transversalidade entre a cultura e o turismo mineiros também ganhou destaque na programação do primeiro dia da WTM, com uma apresentação que revela a força das tradições em Minas. A Associação dos Ternos de Congos e Caiapós de São Benedito de Poços de Caldas levou a tradicional celebração de Congado para o Center Norte e encantou os visitantes da feira.

Com a apresentação do grupo, a Secult promoveu, também, outra importante iniciativa para ofertar o Destino Minas Gerais: as Afromineiridades. O objetivo é assegurar maior democratização das políticas públicas da cultura, celebrando, assim, a rica diversidade no estado. Ao longo do ano, serão realizadas uma série de ações para evidenciar a importância do povo negro na formação da identidade mineira.

Outro destaque na WTM é um tapete devocional produzido pela Fundação de Arte de Ouro Preto (FAOP) e que reúne, imagens feitas em serragem da histórica cidade mineira. Os tapetes decoram as ruas de diversas cidades durante o período da Semana Santa e conduzem o público pelo trajeto da Procissão da Ressurreição. O costume faz parte da história de Minas e é um forte atrativo do turismo religioso.

Sobre a WTM Latin America 2022

A WTM é um evento business-to-business (B2B) que traz o mundo para a América Latina e promove a América Latina para o mundo. É o evento no qual a indústria de viagens se reúne para negociar e fechar contratos que contribuem com o posicionamento da região como uma das áreas mais importantes da indústria mundial de viagens e turismo. A feira acontece em São Paulo, onde 15 mil profissionais de viagens e turismo e 500 empresas expositoras se encontram para fazer networking, negociar e descobrir as últimas novidades do setor. 

Por meio de conexões na indústria e o incomparável alcance mundial, a feira cria oportunidades pessoais e comerciais, oferecendo aos clientes, contatos, e conteúdo de qualidade. Os visitantes também têm a oportunidade de descobrir o mundo em um único lugar e expandir o conhecimento por meio de palestras com grandes nomes da indústria.

Inclusão e acessibilidade são aspectos caros ao Espaço do Conhecimento UFMG. Seja nas redes sociais, nas instalações do museu ou em suas ações educativas, busca-se ampliar a inclusão dos diferentes públicos. A Língua Brasileira de Sinais, de suma importância para comunicação da comunidade surda, é uma das principais abordagens utilizadas para garantia de interação com o público em oficinas, vídeos e também nas visitações.

Em abril, o museu intensificou seu escopo de atividades presenciais, e a visita mediada acessível em Libras à exposição Mundos Indígenas, dentro do projeto Sábado com Libras, marca o retorno das atividades da Língua Brasileira de Sinais no museu após dois anos de ações virtuais.

Conhecer os modos de viver, saber e cuidar de alguns dos povos indígenas no Brasil nos permite também conhecer a história do país. Ao longo da visita mediada, que acontecerá no dia 30 de abril, às 14h, os participantes poderão conhecer os conceitos pensados por curadores dos povos Maxakali, Pataxoop, Xakriabá, Yanomami e Ye’kwana, que são apresentados na exposição Mundos Indígenas.

De classificação livre e gratuita, a visita contará com até 10 participantes, que farão a retirada dos ingressos na recepção do Espaço do Conhecimento UFMG. A mediação se dará pela intérprete Dinalva Andrade, em português e Libras, não demandando o conhecimento prévio da língua pelos dos visitantes. 

 

29 4 2022 miniespacodoconhecimento

Obras foram produzidas com recursos da Lei Aldir Blanc em Minas Gerais; Evento será realizado no sábado, 9 de abril

Evento criado para divulgar o trabalho de quadrinistas e ilustradores mineiros independentes, a Feira Mineira de Quadrinhos será realizada no sábado (9/4), na Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais, data que marca as comemorações do Dia Nacional da Biblioteca. Participam da Feira os artistas que foram selecionados no Edital N°21/2020 "Seleção de Propostas de Publicação de Obras de Histórias em Quadrinhos" da Lei Aldir Blanc, operacionalizada em Minas Gerais pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult).

Após a divulgação do resultado do Edital, um grupo de 29 artistas de projetos aprovados no Edital se juntaram a um coletivo de quadrinistas mineiros. A união ocorreu com o intuito de se ajudarem mutuamente sobre os procedimentos de execução e prestação de contas do edital. De acordo com Fabrício Martins, roteirista de Oblivion, “o grupo se formou para tirar dúvidas sobre questões burocráticas sobre documentos exigidos no edital, mas logo passou a ser um suporte de questões inerentes a quadrinistas independentes, como produção gráfica, dicas de divulgação em redes sociais e outras questões”.

Ao longo de toda a produção das obras de quadrinhos aprovadas na Aldir Blanc, os artistas ficaram em isolamento social. Dessa forma, não participaram de Feiras e Encontros de Histórias em Quadrinhos, principais instrumentos de divulgação e lançamento de obras para artistas independentes. De acordo com Regis Luiz, quadrinista e gestor do dia Nacional do Quadrinho de BH, “os eventos presenciais são importantes para que os autores e artistas possam interagir diretamente com o público, facilitando a apresentação e venda de suas obras para novos leitores, além de criar um ambiente favorável para a formação de uma rede de contato entre profissionais, artistas iniciantes e entusiastas”. Agora, em 2022, o coletivo propõe a organização da Feira Mineira de Quadrinhos para celebrar o lançamento de suas HQ’s e promover o primeiro encontro do grupo, “fortalecendo o cenário para um futuro mercado estabelecido” de acordo de Regis.

O coletivo conta com quadrinistas veteranos, como Renatta Barbosa (roteirista da Turma da Mónica) e Cristiano Seixas (diretor da Casa de Quadrinhos), e novatos, como Ana Paula Côrtes (autora de O Planeta). Ao todo, serão lançadas 21 obras na Feira. A programação, inteiramente gratuita, inclui a feira, onde o público poderá interagir com os artistas, uma exposição sobre quadrinhos e processo de criação e diversas palestras e rodas de conversa com convidados especiais, atuantes nos mercados de quadrinhos e ilustrações mineiras e nacionais.

Programação e Dia Nacional da Biblioteca
Além do Lançamento das Obras viabilizadas pela Lei Aldir Blanc, a Feira Mineira de Quadrinhos conta com uma Exposição com o objetivo de apresentar originais, processos criativos, experimentações e ilustrações dos artistas e Palestras e encontros com temas: Humor e Narrativa Visual; Ativismo racial e quadrinhos; Produção em quadrinhos e Rodas de conversa sobre mercado de quadrinhos.

A data escolhida para a Feira é uma homenagem ao Dia da Biblioteca no Brasil. As histórias em quadrinhos são uma importante forma de incentivar a leitura como ferramenta base para a educação e formação dos indivíduos. E a biblioteca é um espaço essencial para a aquisição de conhecimentos e procurado por pessoas que desejam explorar a literatura, estudar ou trabalhar. A Feira também é o primeiro evento a compor o acervo do Espaço Geek, que será inaugurado com o fim das reformas do Anexo da Biblioteca Pública Estadual.

Palestras e encontros

11h - Ativismo racial e quadrinhos, com Acir Piragibe (autor de D'artagnan) e La Cruz (autor de Legacy). Mediação: Régis Luiz.

13h30 - Humor e Narrativa Visual, com Gustavo Legusta (autor de Coletânea  Legustirinas) e Sunça (autor de Genô e Gertrú Abalando as Estruturas). Mediação: Fabrício Martins.

15h - Produção em quadrinhos – do edital à divulgação da obra, com Line Lemos (autora de Fessora), Carol Rossetti (autora de Vento Norte) e Ronaldo Braga (Gráfica Formato). Mediação: Fabrício Martins.

17h - Rodas de conversa sobre mercado de quadrinhos, com Cristiano Seixas (Autor de Contos do Calango), Mariana Viana (Fora do Plástico). Mediação: Régis Luiz.

 

Serviço
Feira Mineira de Quadrinhos
Data: 9 de abril (sábado) Horário: 10hs às 18hs
Local: Teatro de Arena da Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais

Exposição Mineira de Quadrinhos
Data: 18 de abril a 15 de maio
Horário: segunda a sextas às 8:00-18:00, sábados de 08h às 12h.
Local: anexo da Galeria de Arte Paulo Campos Guimarães da Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais
Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais - Praça da Liberdade, 21 - Savassi, Belo Horizonte - MG

 

4 4 2022 minifeiraquadrinhos

A Fundação de Arte de Ouro Preto| FAOP inaugura nesta sexta-feira (29/04), a partir das 17h, duas exposições na Galeria de Arte Nello Nuno. “Principum”, do artista Gerson Flores, e “TrajHistórias” de Reginaldo Luiz Cardoso e Marcelo Santos, serão abertas ao público, com entrada gratuita, em Ouro Preto. As exposições levarão os visitantes, de maneiras distintas, a uma viagem sensível pelo cotidiano, a partir do olhar único de seus criadores. Reginaldo e Luiz são fotógrafos mineiros e Gerson é um artista em situação de rua em Belo Horizonte.Principium e Gerson Flores
Gerson Flores, nascido em 1973, conta que vive nas ruas há mais de 20 anos, desde quando perdeu sua mãe, e passou por momentos conturbados com os irmãos por causa da divisão do imóvel que ela possuía. Costuma passar os seus dias nas calçadas da região central de Belo Horizonte, sempre acompanhado de seu cão, Pitoco, que chegou em sua vida ainda filhote, há pelo menos 4 anos.

Com habilidades de lanterneiro, seu primeiro contato com a arte foi produzindo esculturas de latinhas, já o trabalho com pintura começou há poucos anos. Gerson contou a Alexandre Mascarenhas, curador da exposição, que o pontapé para começar a pintar veio de seu fiel escudeiro, Pitoco. O cachorro costumava mastigar canetinhas coloridas encontradas pelo caminho, e para evitar tal comportamento, Gerson passou a usá-las para desenhar, inicialmente. Logo em seguida, se aventurou pela pintura, e atualmente suas obras retratam cenas bíblicas, paisagens urbanas, figuras folclóricas, estruturas arquitetônicas, e muito mais.

Uma das figuras que mais aparecem em seus trabalhos é o ser que ele denomina como onbeck/ongbeck, que corresponde a um ser vitorioso e valente que viveu no passado, representado por uma cabeça ornamentada de diamantes, sendo, por vezes, estrangulada pela serpente. Para Mascarenhas, que teve contato com a arte de Gerson e sugeriu a exposição, a iconografia representa de maneira clara a dicotomia entre poder e traição.

Para conseguir dar vida a seu trabalho, o artista conta com as ferramentas disponíveis no seu cotidiano, seja caminhando, buscando nas latas de lixo e em caçambas, ou mesmo recebendo doações de pessoas ou empresas: galhos de árvores, pincéis, trinchas, escovas de dimensões e diâmetros variados, restos de tintas PVA e esmalte. Já como suporte, utiliza pedaços de grandes dimensões de compensado, aglomerado, eucatex ou de madeira.

Os quadros expostos na rua chamam atenção, e muitas vezes Gerson usou a sua arte para conseguir comer. Agora, Gerson irá expor em uma galeria pela primeira vez. Para Alexandre Mascarenhas, curador da mostra, a arte de Gerson Flores precisa ser vista. “Sua obra não segue tendências, preceitos ou normativas academicistas. Não segue padrões técnicos ou tecnológicos. Não possui caráter oficial aos princípios estilísticos de um determinado período da história da arte. É atemporal à sua história de vida e contemporâneo em seus suportes, dimensões e traços”, afirma.

Ana Célia Teixeira, da equipe da FAOP, fala sobre suas percepções sobre a exposição: “O trabalho do Gerson é muito forte, que diz sobre o seu imaginário, que vem, também, da sua situação da falta de moradia”.

TrajHistórias
Marcelo Santos e Reginaldo Luiz Cardoso apresentam em TrajHistórias dois ensaios fotográficos que se sobrepõem no que diz respeito a seus olhares sobre o mundo. O ensaio de Marcelo é centrado na fotografia de rua e mostra flashes, instantâneos da vida na cidade, com fotografias que prometem encantar os visitantes. Já Reginaldo aponta para aquilo que está à frente do cotidiano das cidades e das pessoas, mas que não é percebido, seja pela pressa ou pela falta de sensibilidade visual.

O belo-horizontino Marcelo Santos chegou a se formar em Psicologia, e lecionar em cursos superiores, mas sua carreira foi tomada pela paixão pela fotografia. Tem grande interesse pela fotografia documental, especialmente a de rua, e realiza exposições desde 2015. No ano passado, publicou seu primeiro fotolivro, intitulado “CHÃO”. 

Reginaldo Cardoso vive na capital mineira, mas é ouro-pretano, e já participou, coincidentemente, de cursos na FAOP ainda menino. Além de fotógrafo, é urbanista, e costuma unir os conhecimentos em seus olhares fotográficos. Sua primeira exposição aconteceu no Rio de Janeiro, em 2008, e desde então, dentre outros prêmios, já recebeu menção honrosa no II Concurso Nacional de Fotografia-Arquitetura e Urbanismo, e foi indicado ao Prêmio Sesc Marc Ferrez de Fotografia.

O título “TrajHistórias” já anuncia um resumo do trabalho dos dois artistas e, principalmente, o ponto de encontro dos dois. Para os fotógrafos, a união dos trabalhos pode ser resumida da seguinte forma: duas visões da cidade, duas maneiras de pensar e vivenciar a cidade, duas maneiras de expor essas imagens, ambas apontando aquilo que se pode denominar de insensibilidade visual.

A exposição fotográfica referente ao Projeto “TrajHistórias” é composta por  30 fotografias digitais pertencentes aos acervos dos artistas (15 fotografias de cada um), feitas em suas incursões pelas cidades.

Sobre as expectativas e percepções para a exposição, Ana Célia, da equipe FAOP nos diz: “É sempre  muito bom receber novas propostas de  exposições  com linguagens diferentes. Foi uma surpresa para nós saber que o Reginaldo é  Ouropretano e foi um dos primeiros  alunos da FAOP. Ele tem uma belíssima  história para contar sobre a primeira turma de arte da Fundação, com a professora e fundadora da escola de arte, Annamélia Lopes.

As exposições ficarão em cartaz até o dia 29 de maio na Galeria de Arte Nello Nuno, localizada na Rua Getúlio Vargas, 185, Centro, em Ouro Preto (MG). O espaço fica aberto ao público de terça-feira à sexta-feira, de 9h às 12h, e de 13h às 17h, e aos sábados e domingos, de 14h às 18h, com entrada gratuita e seguindo as atuais orientações contra a Covid-19.

O processo de preparação do espaço e montagem da exposição fica por conta da equipe da FAOP, que conta com: Ana Célia Teixeira, Lara Brandão, Gilson dos Passos e Ana Beatriz Araújo.Serviço:Exposições:Principium Artistas: Gerson Flores (Curadoria Alexandre Mascarenhas)TrajHistórias Artistas: Reginaldo Luiz Cardoso e Marcelo SantosAbertura: 29 de abril de 2022, às 17 horasVisitação: terça-feira à sexta-feira, de 9h às 12h, e de 13h às 17h | Sábado e domingo, de 14h às 18hLocal: Salas 1 e 2 da Galeria Nello Nuno | FAOP (Rua Getúlio Vargas, 185 – Centro – Ouro Preto/MG)Entrada: GratuitaClassificação: LivreO evento seguirá as medidas de prevenção contra o avanço da Covid-19

 

29 4 2022 minifaop

Evento virtual acontece em 28 de abril com mediação de Gabrielle Francinne Tanus, da UFRN

A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult), por meio do Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas (SEBP-MG), promove a 6ª edição do Grupo de Estudos Alexandria. Em abril, a atividade vai abordar o tema "Relações entre bibliotecas, arquivos e museus" e será realizada por meio de plataforma de videoconferência na quinta-feira (28/4), a partir das 14h. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas AQUI.

O encontro terá como referencial teórico o texto "Arquivos, bibliotecas e museus: relações entre documento e informação", de Isabel Cristina Ayres da Silva Maringelli e José Fernando Modesto da Silva, disponível para leitura neste link. Nessa edição, as discussões se baseiam nas relações entre arquivos, bibliotecas, museus e instituições afins a partir da noção de documento existente em cada área. O debate será mediado por Gabrielle Francinne Tanus, doutora em Ciência da Informação pela UFMG e professora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

O Grupo de Estudos Alexandria é realizado bimestralmente pelo Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas. Antes de cada encontro, a equipe do SEBP-MG disponibiliza o texto que será tema da reunião seguinte. A proposta do Grupo é oferecer um momento de compartilhamento de ideias entre os participantes, gestores e comunidade, visando promover a atualização de conhecimentos sobre os temas discutidos e, principalmente, a formação continuada.

O link para participação da 6ª edição do Grupo de Estudos Alexandria será enviado automaticamente ao endereço de e-mail informado no momento da inscrição. Caso a pessoa não receba o link deve solicitar ajuda à equipe do SEBP-MG pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. O link de acesso é individual e intransferível.  Os certificados são gerados a partir das informações registradas na inscrição, por isso é necessário ter atenção ao formulário.

Sobre a convidada
Gabrielle Francinne de S. C. Tanus é professora adjunta do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Doutora e mestra em Ciência da Informação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Pesquisadora vinculada ao grupo "Informação na Sociedade Contemporânea", cadastrado no CNPq. Trabalhou como bibliotecária no Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

 

4 4 2022 minialexandria

Prazo para cadastro vai até 31 de maio; podem se inscrever organizações públicas, privadas e da sociedade civil

Organizações públicas, privadas e instituições da sociedade civil que colaboram com o desenvolvimento da atividade turística a partir de realização periódica de estudos e pesquisas relacionados ao turismo no Estado que tenham interesse em atuar junto ao Observatório do Turismo de Minas Gerais (OTMG), a sua oportunidade chegou. A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) iniciou as certificações no mês de abril e elas acontecem até 31 de maio.

A solicitação de entrada junto ao Observatório do Turismo pode ser realizada por meio de envio da documentação necessária para o e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. A lista completa com todos os documentos e o Regimento Interno que regulamenta a atuação do Observatório do Turismo de Minas Gerais estão disponíveis para consulta AQUI.

O OTMG é uma instância de pesquisa coordenada pela Secult composto por 11 entidades públicas, privadas e instituições da sociedade civil. Ele tem como objetivo o monitoramento da atividade turística, o incentivo à inovação, à inteligência de mercado e o fomento à pesquisa acadêmica em turismo, por meio de pesquisas, dados e elaboração de indicadores.

 

28 4 2022 miniotmg

 

A ArcelorMittal, líder de aço no Brasil e no mundo, e a Fundação Clóvis Salgado (FCS), instituição vinculada à Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult), assinaram na segunda-feira (4/4) Termo de Parceria em evento realizado no Foyer do Palácio das Artes. Estiveram presentes o vice-governador de Minas Gerais, Paulo Brant; o subsecretário de Cultura do Estado de Minas Gerais, Igor Arci; a diretora do Futuro e presidente da Fundação ArcelorMittal, Paula Harraca; a presidente da Fundação Clóvis Salgado, Eliane Parreiras; além de artistas, produtores culturais, representantes da ArcelorMittal, da Fundação ArcelorMittal, da Fundação Clóvis Salgado, e da APPA – Arte e Cultura. O evento contou também com a apresentação artística da Big Band Cefart.

A partir dessa iniciativa, por meio do patrocínio master do Palácio das Artes, no valor de R$4 milhões, as ações da FCS serão fortalecidas e os processos de democratização do acesso à produção cultural em Minas serão ampliados. Os recursos irão se somar aos investimentos orçamentários do Governo do Estado e de outros importantes parceiros privados. 

Paulo Brant, vice-governador de Minas Gerais, ressaltou a importância do modelo das parcerias público-privadas, que são realizadas por meio das leis de incentivo. “É inquestionável que os governos precisam apoiar a cultura, pois é um bem público. Cultura está no cerne do desenvolvimento da sociedade e não pode ser tratada como um adereço. E esse modelo de financiamento da cultura - que envolve o setor privado e a sociedade - é o ideal. Desta forma, o Estado faz a sua parte - renunciando uma parcela dos recursos que iria arrecadar - e entrega para a sociedade a tarefa de exercer a curadoria cultural, que fomenta o nosso desenvolvimento”, disse o vice-governador.

“Investir em cultura gera o maior retorno que uma empresa como a ArcelorMittal deseja ter: formar cidadãos integrais para o amanhã. Acreditamos que as artes compõem um dos pilares fundamentais para a construção do patrimônio cultural de um país. Estamos orgulhosos desta parceria com a Fundação Clóvis Salgado (FCS), que nos permite apoiar o Palácio das Artes, o maior centro de produção, formação e difusão cultural de Minas Gerais e um dos maiores da América Latina", destacou Paula Harraca, diretora do Futuro e presidente da Fundação ArcelorMittal.

Segundo Eliane Parreiras, presidente da Fundação Clóvis Salgado, a Cultura é fator estratégico para o desenvolvimento humano, social e econômico na sociedade contemporânea. “É a arte que fixa a civilização na história e desempenha um papel central na construção de nossa identidade e no pensamento. É geradora de renda e atividades econômicas e fonte de inovação. A parceria construtiva com a iniciativa privada, como da ArcelorMittal, é imprescindível para a efetividade da política pública de cultura e o pleno desenvolvimento do setor e da diversidade cultural”.

Igor Arci, subsecretário de Cultura do Estado de Minas Gerais, destacou o papel da ArcelorMittal no fomento da cultura em Minas Gerais. “Essa parceria vai além do patrocínio de projetos, uma vez que a ArcelorMittal constrói junto conosco as políticas públicas. Por isso, eu tenho a certeza que esse acordo firmado entre ArcelorMittal e a Fundação Clóvis Salgado será um sucesso”. 

Maior incentivadora da cultura em Minas Gerais
A ArcelorMittal, que tem sede administrativa em Belo Horizonte e atua no Brasil há mais de 100 anos, se consolida, assim, como a maior incentivadora da cultura em Minas Gerais, por meio da lei estadual de incentivo. Somente na área de cultura, dos R$63,4 milhões que foram destinados a iniciativas em todo o país pela empresa, R$20 milhões foram investidos em Minas Gerais, por meio de leis federal, estadual e municipal de incentivo.

Outros destaques das parcerias culturais da produtora de aço são a renovação das parcerias com o Grupo Corpo, com patrocínio master da Temporada 2022, no valor de R$2,5 milhões; e a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, aporte de R$400 mil nos concertos da Temporada “Fora de série”. Ao todo, serão nove concertos, a serem realizados de março até dezembro de 2022 (12 de março, 2 de abril, 7 de maio, 4 de junho, 2 de julho, 13 de agosto, 22 de outubro, 5 de novembro e 3 de dezembro), sempre aos sábados. "Esses patrocínios ocorrem em linha com nossa história centenária de valorização do patrimônio histórico e cultural brasileiro e com nossos recursos investidos em ações sociais que contribuem para a formação de uma sociedade mais preparada para o futuro", completa Paula.

Palco do Diversão em Cena em BH agora é o Palácio das Artes
O incentivo da ArcelorMittal, que se dá via Fundação ArcelorMittal há 33 anos, é fruto de um trabalho sólido da companhia em prol do desenvolvimento social, com ações práticas de estímulo em três eixos prioritários - cultura, educação e esportes - e outras iniciativas que contribuem com a sociedade.

No caso do Palácio das Artes, o patrocínio também prevê que o espaço seja o novo palco do Diversão em Cena, em 2022. O objetivo do tradicional programa da Fundação ArcelorMittal é valorizar a arte, levando programação cultural infantil a diversas cidades de atuação da produtora de aço pelo Brasil. A estreia do Diversão em Cena, no Palácio das Artes, será no dia 10 de abril, com apresentação do projeto Música de Brinquedo, da banda Pato Fu. No site da Fundação confira a programação completa.

Em pouco mais de uma década, o programa já ofereceu, gratuitamente ou a preços populares, mais de 1,3 mil espetáculos para cerca de 777 mil pessoas em teatros, escolas e praças públicas de 39 comunidades Durante o período de maior isolamento da pandemia, os espetáculos foram realizados em formato virtual durante a pandemia.

Apresentação gratuita para os mineiros
Como parte das comemorações dos 100 anos da ArcelorMittal no Brasil, está prevista para o dia 31 de maio (terça-feira) uma apresentação gratuita do Grupo Corpo, também no Palácio das Artes, como um presente para a cidade de Belo Horizonte, reforçando os laços com a cidade e o compromisso com a cultura. Informações sobre a retirada dos ingressos ainda serão divulgadas. 

Sobre a ArcelorMittal
Líder no mercado global de aço, o Grupo ArcelorMittal está presente em cerca de 60 países e tem como propósito criar aços inteligentes para um mundo melhor. No Brasil, a empresa tem unidades industriais em seis estados (ES, MG, MS, RJ, SC e SP), além de escritórios de representação e comercialização distribuídos em todo o país, compondo uma força de trabalho de cerca de 16 mil empregados. As plantas têm capacidade de produção anual de 12,5 milhões de toneladas de aço bruto e de 7 milhões de toneladas de minério de ferro. A empresa atua, ainda, em áreas diversificadas como geração de energia para consumo próprio, produção de biorredutor renovável (carvão vegetal a partir de florestas de eucalipto) e tecnologia da informação.

Sobre a Fundação Clóvis Salgado
Com a missão de fomentar a criação, formação, produção e difusão da arte e da cultura no Estado, a Fundação Clóvis Salgado (FCS) é vinculada à Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult). Artes visuais, cinema, dança, música erudita e popular, ópera e teatro, constituem o campo onde se desenvolvem as inúmeras atividades oferecidas aos visitantes do Palácio das Artes, CâmeraSete – Casa da Fotografia de Minas Gerais – e Serraria Souza Pinto, espaços geridos pela FCS.  A Instituição é responsável também pela gestão dos corpos artísticos – Cia. de Dança Palácio das Artes, Coral Lírico de Minas Gerais e Orquestra Sinfônica de Minas Gerais –, do Cine Humberto Mauro, das Galerias de Arte e do Centro de Formação Artística e Tecnológica (Cefart). Em 2020, quando celebrou 50 anos, a FCS ampliou sua atuação em plataformas virtuais, disponibilizando sua programação para público amplo e variado. O conjunto dessas atividades fortalece seu caráter público, sendo um espaço de todos e para todos.  

Sobre a Fundação ArcelorMittal
Criada em 1988, a Fundação ArcelorMittal atua com o propósito de transformar a vida das pessoas de forma coletiva e participativa, compartilhando conhecimento e inovação, contribuindo para a inclusão e a formação de cidadãos. A Fundação atua em três eixos prioritários: Educação, Cultura e Esporte. Na área de Cultura, a Fundação atua principalmente no campo da formação e de democratização do acesso às artes. Realiza o Diversão em Cena, maior programa de formação de público para teatro infantil do Brasil, que leva uma programação regular de espetáculos de forma gratuita ou a preços populares para várias cidades do país. Já por meio do programa ArcelorMittal Forma e Transforma, a instituição promove iniciativas com foco na formação de artistas, empreendedores e gestores culturais, além de promover a valorização e desenvolvimento da cultura das localidades, a partir da realização de editais. Em 33 anos de atuação, mais de 10 milhões de pessoas foram atendidas pelas iniciativas promovidas pela Fundação ArcelorMittal.

Saiba mais em: www.famb.org.br

 

 

4 4 2022 minifcs

Imagem: Paulo Lacerda /FCS