marcaminas

 

Rádio Inconfidência

INSTITUIÇÕES

Praça da Liberdade panoramica By Lucia Sebe

 

A história do Circuito Liberdade se confunde com a da própria cidade de Belo Horizonte. A transformação da região da Praça da Liberdade em um complexo cultural tem como marco o ano de 2010, mas sua vocação para atividades voltadas à arte, à cultura e à preservação do patrimônio foi constituída bem antes, com a presença e atuação do Arquivo Público Mineiro, da Biblioteca Pública Estadual, do Museu Mineiro e também pela ocupação da Praça por diversos movimentos culturais.

A Praça da Liberdade foi projetada no final do século 19, para abrigar o centro administrativo do Estado de Minas Gerais, com a construção das secretarias de estado e do Palácio da Liberdade, sede e símbolo do Governo. Sua inauguração aconteceu em 1898 e, tendo sido palco de importantes acontecimentos políticos que marcaram a história de Minas Gerais e do Brasil, o local se tornou, naturalmente, um dos principais cartões postais da cidade. Na década de 1990, teve início um movimento de restauração e revitalização da Praça da Liberdade, sendo as feiras de artesanato e de flores instaladas em outras áreas da cidade.

Surgia, assim, um embrião do projeto do Circuito Liberdade, num exercício de reconhecimento e apropriação dos patrimônios material, imaterial e ambiental presentes no local. Em 2010, após a inauguração da Cidade Administrativa e a transferência oficial da sede do governo para a região Norte de Belo Horizonte, o então Circuito Cultural Praça da Liberdade, hoje Circuito Liberdade, se concretizou como um projeto do Governo do Estado que articula espaços culturais diversos a partir de parcerias com instituições públicas e privadas.

Finalmente, em 2015, o Circuito passou a ser gerido pelo Instituto Estadual de Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha-MG) e, desde então, vem buscando uma maior articulação com o espaço urbano e os diversos grupos artísticos e populares, consolidando-se como um braço forte da política pública de cultura do Governo do Estado. O projeto passou por um processo de ampliação do seu perímetro de atuação, passando a considerar os eixos da Avenida João Pinheiro e da Rua da Bahia. Nesta perspectiva, novos equipamentos passaram a fazer parte do complexo, com a composição de uma agenda articulada à dos outros espaços já integrantes. Atualmente, o Circuito Liberdade é composto por 15 instituições, entre museus e centros de cultura e de formação, que percorrem diferentes aspectos do universo cultural e artístico de Minas Gerais. Dentre os equipamentos culturais em funcionamento, sete são geridos diretamente pelo Governo do Estado e os outros funcionam por meio de parcerias público-privadas ou parcerias com instituições públicas federais.

Equipamentos públicos sob a gestão do Estado

  1. Arquivo Público Mineiro
  2. Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais
  3. BDMG Cultural
  4. Cefart Liberdade
  5. Centro de Arte Popular
  6. Museu Mineiro
  7. Palácio da Liberdade

Equipamentos sob gestão de parceiros

  1. Academia Mineira de Letras
  2. Casa Fiat de Cultura
  3. Centro Cultural Banco do Brasil
  4. Centro Cultural Minas Tênis Clube
  5. Espaço Cultural da Escola de Design UEMG 
  6. Espaço do Conhecimento UFMG
  7. Memorial Minas Gerais Vale
  8. MM Gerdau - Museu das Minas e do Metal

E-mail para contato:  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Site: www.circuitoliberdade.mg.gov.br

 

 

O Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha-MG) é vinculado à Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult) e atua no campo das políticas públicas de patrimônio cultural. Cabe ao Instituto pesquisar, proteger e promover os bens culturais de natureza material e imaterial de Minas Gerais, em parceria com os órgãos municipais e federal. O Iepha-MG, em sua trajetória, vem ampliando a escuta junto aos coletivos de cultura e às comunidades locais, fortalecendo a participação no reconhecimento do patrimônio cultural do estado.

Dentre suas principais iniciativas, o Instituto acompanha e realiza obras de restauração de bens culturais, implementa ações de cooperação municipal, por meio do ICMS Patrimônio Cultural, e produz inventários, dossiês de registro e de tombamento, além das ações de salvaguarda do patrimônio de Minas Gerais. Em 1970, o Governo de Minas Gerais criou a instância estadual de patrimônio com o objetivo inicial de colaborar na atuação do então Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Sphan, atual IPHAN. Coube ao historiador Affonso Ávila, em 1971, a redação da lei que criou o Iepha. A ação de proteção do patrimônio cultural deu um passo importante quando reconheceu a necessidade de ampliação de sua atuação na identificação e na gestão dos bens culturais. Afonso Ávila incentivou, então, a atuação do Iepha-MG na elaboração dos inventários culturais (IPAC) e reforçou a importância das instâncias municipais na formulação de políticas de proteção.

A partir dos anos 1990, o Iepha-MG, por meio da articulação com o IPHAN, veio incentivando as políticas municipais de patrimônio cultural até o reconhecimento do patrimônio imaterial. A ampliação do conceito de “bem cultural” recoloca a discussão sobre o que é o patrimônio cultural em relação à excepcionalidade, à diversidade e às raízes da cultura e, então, para além do objeto em si, o valor do patrimônio cultural passa a expressar sua própria razão de ser para as comunidades. Nessa nova categoria de bens culturais, o Iepha-MG tem o desafio de atuar no reconhecimento da diversidade cultural, a partir do “acervo de seu processo criativo”, presente nos costumes, hábitos e maneiras de ser.

O Iepha-MG inicia, por meio das ações de Registro do Patrimônio Imaterial, a implementação de práticas de inventário do patrimônio cultural, com metodologias participativas junto às comunidades locais. Nesta perspectiva, o Instituto também busca ampliar esta prática fortalecendo a articulação sistêmica com as administrações locais e reforçando a atuação do Conselho Estadual do Patrimônio Cultural (CONEP) como instância participativa e legitimadora da política estadual.

Endereço: Rua dos Aimorés, 1697 - Lourdes, Belo Horizonte 

Telefone para contato: (31) 3235-2800

Site: www.iepha.mg.gov.br

 

 

 

 

 

 

Há 35 anos no ar, a Rede Minas é uma das principais emissoras de televisão aberta e a principal emissora pública de Minas Gerais. Com foco na qualidade e relevância do conteúdo, oferece ao público uma programação diversa, com inúmeras opções de informação e entretenimento.

Sua grade de programação é pautada pela diversidade, pluralidade, qualidade da informação, além de levar à reflexão e envolver questões relevantes da sociedade atual.

Por meio da produção multiplataforma, a Rede Minas está também na web, com programas especiais e podcasts, atingindo diferentes perfis de público. Seus programas estão disponíveis também no Youtube, estando presente e em constante interação com os telespectadores nas principais redes sociais.

 Acesse: http://redeminas.tv/

 

Cultura, informação, esporte, entretenimento, prestação de serviço e música de qualidade. Com uma programação variada, operando nos canais AM, FM, Ondas Curtas, a Inconfidência é uma rádio múltipla, que se comunica com os mais variados públicos.

Ao longo de seus mais de oitenta anos, a Rádio Inconfidência é reconhecida por sua relevância e inovação ao abrir espaço para a diversidade da música e para novos artistas, sendo referência para cantores e cantoras, compositores mineiros e de outras partes do Brasil. Como emissora pública, a Rádio Inconfidência presta o importante serviço de produzir e difundir conteúdo cultural, artístico, informativo e esportivo para toda a sociedade.

Acesse: www.inconfidencia.com.br

Casa Bernardo Guimarães faop
 
A Fundação de Arte de Ouro Preto (Faop), unidade da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult), nasceu, em 1968, da união dos esforços do poeta Vinicius de Moraes, da atriz Domitila do Amaral, do escritor Murilo Rubião e do historiador Afonso Ávila, como espaço para produzir e absorver arte.
 
No ano seguinte à sua inauguração, em 1969, a Fundação integrou à sua estrutura a Escola de Arte Rodrigo Melo Franco de Andrade, criada pelos artistas Nello Nuno e Annamélia Lopes, oferecendo um variado leque de cursos de arte. Ainda neste primeiro momento, o restaurador Jair Afonso Inácio teve a iniciativa de organizar, junto à Escola, o primeiro curso para a formação de restauradores no Brasil.
 
No decorrer de mais de meio século de existência, a Faop vem atuando, por meio de políticas públicas e parcerias, em ações de conservação, restauração, fazeres tradicionais e da arte contemporânea em seus mais diversificados suportes e linguagens.
 
 
Endereço: Rua Alvarenga, 794, Bairro Cabeças, Ouro Preto (MG)
Telefone de contato: (31) 3551-2014
Site: www.faop.mg.gov.br

 fachada fcs

 

A Fundação Clóvis Salgado (FCS) é uma entidade singular no Brasil, atuando nas áreas de produção artística, difusão e formação cultural. A instituição oferece ampla programação, diversa e plural, nas áreas de difusão e exibição, em seus espaços culturais – Palácio das Artes, CâmeraSete – Casa da Fotografia de Minas Gerais e Serraria Souza Pinto. A Fundação Clóvis Salgado (FCS) é uma entidade singular no Brasil, atuando nas áreas de produção artística, difusão e formação cultural. A instituição oferece ampla programação, diversa e plural, nas áreas de difusão e exibição, em seus espaços culturais – Palácio das Artes, CâmeraSete – Casa da Fotografia de Minas Gerais e Serraria Souza Pinto. 
 
 A FCS também é produtora de óperas, concertos, espetáculos de dança contemporânea e performances, por meio da atuação de seus corpos artísticos – Cia. de Dança Palácio das Ates, Coral Lírico de Minas Gerais e Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, patrimônios culturais dos mineiros.
 
 No campo da formação, a FCS mantém o Centro de Formação Artística e Tecnológica (Cefart), com oferta gratuita de cursos técnicos e de extensão nas áreas de artes visuais, dança, música, teatro e tecnologia da cena. Essa atuação complexa e transversal faz da Fundação Clóvis Salgado uma das instituições únicas no mundo e a torna estratégica para implementação e execução de políticas públicas de cultura para o desenvolvimento humano, econômico e social.
   
Endereço: Av. Afonso Pena, 1537, Centro – Belo Horizonte 
Telefone: (31) 3236-7400 
Site: www.fcs.mg.gov.br

 

 CAP site

 

Localizado nas adjacências da Praça da Liberdade, em Belo Horizonte, o Centro de Arte Popular exibe ao público a riqueza da cultura produzida pelos artistas populares de Minas Gerais. A instituição tem por objetivo divulgar a pluralidade e a diversidade cultural mineira, dinamizando a produção, o consumo e a fruição artística, além de atuar como poderoso agente de inclusão social.

Inaugurado em 2012, o CAP integra o Circuito Liberdade e seu acervo é composto por objetos confeccionados em madeira, cerâmica, tecido, fibras naturais, pedras, além de outros suportes e linguagens. A originalidade e a criatividade do artista popular mineiro estão ao alcance dos olhos dos visitantes, assim como o domínio do fazer artístico sobre as matérias-primas proporcionadas pela natureza.

Produzida de forma espontânea, sem determinação direta dos circuitos acadêmicos de transmissão de saberes e geralmente oriunda dos estratos populares da sociedade, a arte popular revela autonomia e capacidade de subversão em relação aos cânones ditados pelo saber erudito, a despeito do constante fluxo e das trocas que permeiam essas instâncias.

A instituição conta com um programa de ação educativa permanente e produz exposições temporárias, oficinas e eventos diversos relacionados às diversas expressões da arte criadas pelo homem ao longo dos tempos no território que corresponde ao Estado de Minas Gerais.

Centro de Arte Popular
Endereço: Rua Gonçalves Dias, 1608 - Lourdes - BH/MG. CEP: 30140-092
Contato e agendamento: (31) 3222-3231
Facebook: https://www.facebook.com/centrodeartepopular.mg/
Instagram: https://www.instagram.com/centrodeartepopular/

http://www.circuitoliberdade.mg.gov.br/pt-br/espacos/centro-de-arte-popular-cemig

 

Localizado na Avenida João Pinheiro, corredor de acesso à Praça da Liberdade, em Belo Horizonte, o Museu Mineiro está instalado em um edifício eclético construído em fins do século XIX pela Comissão Construtora da Nova Capital. Tendo sido construída para servir de residência para o Secretário da Agricultura, a edificação serviu de sede para o Senado Mineiro, foi a Pagadoria Geral do Estado até se tornar a sede do Museu Mineiro.

Inaugurado em 1982, o Museu Mineiro reúne em seu acervo um conjunto bastante diversificado de objetos referentes à história e à produção cultural e artística mineiras. Nas salas de exposição são exibidas obras de artistas consagrados, tais como: Manoel da Costa Ataíde, Yara Tupynambá, Amílcar de Castro, Jeanne Milde, Inimá de Paula, Lótus Lobo, Celso Renato, Sara Ávila, Guignard, Maria Helena Andrés, Di Cavalcanti etc.

Atualmente, o Museu exibe a exposição de longa duração “Minas das Artes, Histórias Gerais”, onde o visitante tem a oportunidade de conhecer uma vasta coleção de arte sacra, datada dos séculos XVIII e XIX, além de preciosidades como a bandeira da Inconfidência Mineira, os manuscritos originais da obra Tutaméia de Guimaraens Rosa, o retrato de Aleijadinho e a coleção de santos de devoção popular.

Venha nos fazer uma visita!

Museu Mineiro

Endereço: Av. João Pinheiro, 342 – Centro – BH/MG. CEP: 30130-180
Contato e agendamento: (31) 3269-1103 / (31) 3269-1106 | Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Facebook: https://www.facebook.com/museumineiro.mg/
Instagram: https://www.instagram.com/museumineiro/
Site: http://www.museumineiro.mg.gov.br/

 

A Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais integra a Diretoria do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas. Também compõem a estrutura da Diretoria o Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas, os serviços de Extensão e Ação Regionalizada, o Suplemento Literário de Minas Gerais e o Núcleo de Formação  e Processamento Técnico de Acervos

A Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais atende cerca de 20 mil pessoas por mês através dos setores de Empréstimo Domiciliar, Referência e Estudos, Sala de Internet, Sala de Estudos, Passarela Cultural, Coleções Especiais, Hemeroteca Histórica, Setor Infantojuvenil, Setor de Periódicos, Galeria de Artes Paulo Campos Guimarães, Teatro José Aparecido de Oliveira, Setor Braille (exclusivo para atender as pessoas com deficiência visual), Caixa-Estante e Carro-Biblioteca.  
 
Consulta online ao acervo da Biblioteca:
Sistema Pergamum - http://200.198.28.214/pergamum/biblioteca/index.php
 
Recebimento de doações: segunda a sexta-feira, das 8h às 17h (faça contato previamente no  (31) 3269- 1224 ou Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)

Horário de Funcionamento: 
Segunda a sexta-feira, das 10h às 18h
Sábado, das 8h às 12h

Endereço: Praça da Liberdade, 21 – Funcionários
(31) 3269-1166

www.bibliotecapublica.mg.gov.br

Redes Sociais: 
Instagram: @bibliotecaestadualmgbibliotecaestadualmg
F
acebook: facebook.com/bibliotecapublicaestadualmg

 

 APM

 

O Arquivo Público Mineiro (APM) é responsável por orientar a gestão, o recolhimento, a guarda e a conservação dos documentos produzidos pelos órgãos, entidades e autarquias do Poder Executivo de Minas Gerais. O acervo da instituição é formado por documentos públicos, que compõem acervos relacionados aos órgãos da administração pública, além de acervos privados de interesse público e social.

O APM oferece para consulta manuscritos, impressos, mapas, plantas, fotografias, gravuras, filmes, livros, folhetos e periódicos que remontam aos três séculos de história mineira, além de uma biblioteca especializada, que conta com obras raras ou preciosas publicadas entre os séculos 16 e 20.

O Arquivo Público Mineiro foi criado em Ouro Preto, em 1895, e transferido para Belo Horizonte em 1901. Ocupa o casarão construído pela Comissão Construtora da Nova Capital para servir de residência oficial do Secretário de Finanças e que também abrigou a Prefeitura de Belo Horizonte. Em 125 anos de história, o Arquivo Público Mineiro esteve subordinado às Secretarias do Interior e de Governo, mas desde 1984 integra os equipamentos culturais de Minas Gerais, atualmente fazendo parte do Circuito Liberdade. Também publica, desde 1896, a Revista do Arquivo Público Mineiro.

O APM funciona para consultas presenciais de segunda a sexta-feira, das 9 às 17 horas.

Serviços

  • • Consulta à documentação e à Revista do Arquivo Público Mineiro, presencialmente e pela base online, disponível em www.siaapm.cultura.mg.gov.br;
  • • Visitas mediadas, solicitadas pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
  • • Emissão de certidões probatórias da documentação custodiada pelo Arquivo Público Mineiro;
  • • Assessoria de Gestão de Documentos.

Endereço: Avenida João Pinheiro, 372, Lourdes, Belo Horizonte

Telefone de contato: (31) 3269 1167

Site: www.siaapm.cultura.mg.gov.br

itamarfranco

 
O Centro de Cultura Presidente Itamar Franco foi especialmente projetado para abrigar a Sala Minas Gerais, dentro da qual se encontra uma das mais modernas salas de concertos sinfônicos do mundo. Estão instaladas no complexo, também,  a TV Rede Minas, a  Rádio Inconfidência e a Mineiraria – Casa da Gastronomia. Ocupando uma área em torno de 41 mil metros quadrados, o Centro de Cultura está localizado a apenas um quarteirão do cruzamento das avenidas Amazonas e Contorno, em Belo Horizonte. Um espaço da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig) para a música, a comunicação e a economia criativa.
 
Endereço: Rua Tenente Brito Melo, 1.090, Barro Preto, Belo Horizonte-MG
Telefone de contato: (31) 3232-5624 / (31) 3232-5625

Alphonsus site

 

Localizado no coração do centro histórico de Mariana (MG), o Museu Casa Alphonsus de Guimaraens foi idealizado como uma forma de prestar homenagem ao escritor Afonso Henrique da Costa Guimarães (Ouro Preto, 1870 – Mariana, 1921), considerado um dos principais autores do movimento simbolista no Brasil.

O Museu Casa Alphonsus de Guimaraens foi inaugurado em 1987 na casa onde o poeta residiu com a família, esposa e filhos, entre os anos de 1913 e 1921. O acervo da instituição é composto por objetos pessoais do escritor, objetos referentes à sua carreira como juiz, fotografias pessoais, sua biblioteca particular, além de documentos textuais, com destaque para os artigos publicados em periódicos, correspondências e versões manuscritas de poemas.

Atualmente, o Museu exibe a exposição de longa duração intitulada Alphonsus de Guimaraens, Poeta do Luar, com ênfase na produção literária do escritor, suas relações familiares e com a cidade de Mariana. Anualmente, o Museu realiza o sarau literário Cantando Alphonsus, ocasião em que estudantes da cidade de Mariana e região declamam textos de Alphonsus de Guimaraens, além de realizarem apresentações teatrais e musicais inspiradas na obra do escritor.

Museu Casa Alphonsus de Guimaraens

Endereço: Rua Direita, 35 – Centro – Mariana (MG). CEP: 35420-000

Contato e Agendamento: (31) 3557-3259 | Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.: https://www.facebook.com/museualphonsusdeguimaraens/

Instagram: https://www.instagram.com/museualphonsus/

Localizado no coração do centro histórico de Ouro Preto, o Museu Casa Guignard foi inaugurado em 1987 com o intuito de reunir, conservar e exibir obras de Alberto da Veiga Guignard (Rio de Janeiro, 1896 – Belo Horizonte, 1962), um dos maiores pintores brasileiros do século XX.

A edificação em que o Museu está instalado é datada do início do século XIX e compreende, em seu interior, um acervo formado por pinturas, desenhos, fotografias e documentos textuais relacionados à vida de Guignard. Merecem destaque no acervo o conjunto de retratos executados pelo artista e a coleção de Cartões de Guignard para Amalita, confeccionados entre os anos de 1932 e 1937.

O Museu desenvolve um programa de ações educativas inspirado nas lições e experiências de Guignard como professor. Uma dessas ações é o projeto Passos de Guignard, que demarca e explora os locais da cidade onde o artista produziu grande parte de suas obras.

Museu Casa Guignard
Endereço: Rua Conde de Bobadela (Rua Direita), 110 – Ouro Preto/MG.  CEP: 35400-000
Contato e agendamento: (31) 3551-5155 | Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Facebook: https://www.facebook.com/museucasaguignard.mg/
Instagram: @museucasaguignard

 

O Museu do Crédito Real foi inaugurado em 1964, em Juiz de Fora, com o objetivo de preservar e difundir a história do Banco do Crédito Real, a mais antiga instituição bancária de Minas Gerais, criada por D. Pedro II em 1889.

O Museu conta a história das instituições bancárias e monetárias desde o período colonial brasileiro, com um acervo composto por mobiliário (cofres, escrivaninhas, guichês), maquinário (calculadoras, telefones), além de cédulas e moedas de diferentes épocas, países e materiais.

Localizado no cruzamento da Rua Halfeld com a Avenida Getúlio Vargas, importante centro comercial de Juiz de Fora, o edifício que abriga o Museu do Crédito Real foi construído entre os anos de 1929 e 1931, com projeto do arquiteto Luiz Signorelli e pinturas parietais internas produzidas pelo artista italiano Angelo Biggi.

Museu do Crédito Real
Endereço: Rua Getúlio Vargas, 455 – Centro – Juiz de Fora/MG. CEP: 36010-000
Contato e agendamento: (32) 3211-0770 / (32) 3212-0973 |
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

Inaugurado em 2014, o Museu dos Militares Mineiros está instalado em um edifício datado do início do século XX, anteriormente ocupado pelo Tribunal de Justiça Militar de Minas Gerais. O Museu tem como objetivo conservar  e apresentar ao público a memória e a cultura das corporações militares do estado de Minas Gerais: o Corpo de Bombeiros Militar e a Polícia Militar.

O acervo em exposição é composto por aproximadamente 300 itens de coleções pertencentes às duas corporações. O conjunto ilustra a história das corporações desde o século XVIII, com as primeiras atividades militares do estado, e bens de diferentes tipologias, como equipamentos de trabalho, vestuário, insígnias, instrumentos musicais, livros, documentos, fotografias etc.

Museu dos Militares Mineiros
Endereço: Rua Aimorés, 698 – Funcionários – BH/MG. CEP: 30130-180
Contato e agendamento: (31) 3273-4489 | Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Facebook: https://www.facebook.com/museudosmilitaresmineiros/
Instagram: https://www.instagram.com/museudosmilitaresmineiros/

 

Localizado na bucólica cidade de Cordisburgo (MG), o Museu Casa Guimarães Rosa é uma instituição dedicada à preservação da memória biográfica e literária de um dos maiores escritores da literatura nacional. Os documentos, fotografias e objetos do acervo do Museu refletem aspectos da vida pessoal de Guimarães Rosa, além de sua atuação profissional como médico, escritor e funcionário do Ministério das Relações Exteriores.

O Museu Casa Guimarães Rosa está instalado na casa onde Guimarães Rosa nasceu e viveu os primeiros anos de sua infância (1908 – 1917). O edifício é composto pela residência onde a família Guimarães Rosa habitava e pela venda mantida pelo pai do escritor, “seu” Florduardo, ou simplesmente “seu Fulô”.

No Museu, o visitante tem a oportunidade de conhecer o universo mágico do sertão mineiro, onde Guimarães Rosa nasceu e se formou. Da infância na “Venda do Seu Fulô”, onde ouvia as histórias fantásticas dos vaqueiros e fregueses de seu pai, à atuação como Cônsul no Rio de Janeiro, Hamburgo, Bogotá e Paris, a vida do escritor está retratada no acervo, nas exposições e nas ações que o Museu desenvolve.

Atualmente, o Museu Casa Guimarães Rosa exibe a exposição de longa duração Rosa dos Tempos, Rosa dos Ventos, que proporciona uma imersão nos espaços residenciais da Família Guimarães Rosa e na literatura de seu membro mais ilustre. O universo rosiano e sertanejo se mesclam oferecendo ao público uma mostra da genialidade de Guimarães Rosa como escritor, médico, cônsul, pai, filho, marido e membro da Academia Brasileira de Letras.

Museu Casa Guimarães Rosa
Endereço: Rua Padre João, 744 – Cordisburgo/MG. CEP: 35780-000
Contato e agendamento: (31) 3715-1425 | Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Facebook: https://www.facebook.com/museucasaguimaraesrosa.mg/
Instagram: @museuguimaraesrosa